P47 - Poder Naval

vinheta-clipping-navalHá uma década, a Marinha conseguiu vetar projeto de criação de uma Guarda Costeira, nos padrões norte-americanos. Agora, o projeto volta à tona, através do senador Vicentinho Alves (PR-TO), que se refere à Polícia Hidroviária Federal. Ao que se sabe, a Marinha está preocupada, pois as atribuições da nova polícia são próximas das atribuídas à Força Armada: patrulhamento ostensivo das hidrovias, cursos d”água, lagos, portos e costa marítima. A criação do Ministério da Defesa acabou com ministros militares; já a Força Nacional de Segurança é vista por alguns analistas como outro motivo de esvaziamento para os militares. Esses mesmos analistas afirmam que em breve poderá acabar o controle militar sobre o tráfego aéreo civil – o que, na verdade, é o que predomina no resto do mundo, o controle civil.

Para observadores, a transferência para a Atech S/A de todos os trabalhos de desenvolvimento genuinamente nacional, na área dos sistemas de Defesa Aérea e de Controle do Tráfego Aéreo, que foram produzidos pela antiga Fundação Atech, seria um dos passos para esta separação da parte civil da militar. Diz uma fonte: “Uma fundação, que não pode ser vendida, dificultaria qualquer tipo de mudança de controle. A venda da Atech S/A para a Embraer Defesa e Segurança (que é equivalente à venda desta área do conhecimento nacional) teria sido um passo imprescindível, inclusive porque esta atividade de Controle e Defesa Aérea não está incluída nas condições de segurança dadas pela golden share que o governo tem na Embraer. Acrescente-se a esta suposição o fato de a Atech S/A estar trabalhando com software Advanced Arrival Management System para Controle de Aproximação da Deutsche Flugsicherung (DFS), organização estatal alemã sem fins lucrativos, o que pode ser o início de uma mudança de postura em relação aos desenvolvimentos autóctones feitos no passado pela hoje extinta Fundação Atech”.

Segundo informações, a mudança proposta pelo senador Vicentinho poderia gerar contratos bilionários e muitos novos empregos públicos, como afirma outra fonte: “O Controle do Tráfego Aéreo é similar ao Controle do Tráfego Marítimo. Alguém consegue imaginar o quanto custará um sistema para patrulhamento ostensivo das hidrovias, cursos d”agua, lagos e portos da Amazônia? E do Pantanal? E da costa brasileira, com todas as baías, enseadas e portos? Quantas empresas nacionais e estrangeiras prestarão serviços ou venderão produtos? Quantos cargos e empregos serão necessários e distribuídos? Alguém consegue imaginar o quanto custará instalar (quase duplicar) um sistema de controle do tráfego aéreo (civil) independente do Controle da Defesa Aérea (parte militar)?”

Gastos em excesso

Na verdade, se verbas forem efetivamente liberadas, os gastos para defesa seriam enormes. Há os projetos do Sisfron (Sistema de Monitoramento de Fronteiras); há o SisGAAz (Sistema de Gerenciamento da Amazônia Azul); há o Programa de Obtenção dos Navios de Patrulha Costeira e de Patrulha Oceânica; há o Plano Nacional de Fronteiras do Ministério da Justiça; há a implantação dos Sistemas de Segurança para os grandes eventos em diversas capitais; e outros mais, tudo isso movimentando planejamentos de bilhões de reais. Quanto mais são os projetos bilionários, maiores os interesses políticos.

Se a Marinha perder os Grupamentos de Patrulha Naval e a DPC e seus adendos, ficará sem parte de sua capacidade operacional e ainda sem uma fortuna oriunda das taxas que são cobradas pela utilização de auxílios à navegação e para o ensino profissional marítimo. O mesmo acontecerá com o Comando da Aeronáutica que perderia a arrecadação de tarifas e poderá até mudar de nome, para Comando da Força Aérea, se passar a ser responsável apenas pelas atividades militares de defesa aérea.

FONTE: Monitor Digital – Primeira Linha

Jornalista especializado em temas militares, editor-chefe da revista Forças de Defesa e da trilogia de sites Poder Naval, Poder Aéreo e Forças Terrestres. É também fotógrafo, designer gráfico e piloto virtual nas horas vagas. Perfil no Facebook: https://www.facebook.com/alexandregalante

10 Responses to “Criação da Guarda Costeira envolveria gasto bilionário” Subscribe

  1. Antonio M 1 de março de 2013 at 17:50 #

    O problema é antigo, é o de basear nossas soluções exatamente com em outros países, com suas características e tradições.

    No caso da dos EUA, a Guarda Costeira foi criada antes da marinha de guerra, a segurança pública é municipalizada pois é assim desde os tempos do “velho oeste” onde os cidadãos elegiam seus xerifes. O Japão, Alemanha tem restrições por causa da II Guerra. O que não falta são modelos mas, para mim, é como um dabate de alguns anos atrás onde defendiam de que precisávamos do parlamentarismo como sistema político/governamental porém é fato que há sistemas assim que são menos ou igualmente eficientes do que as democracias presidencialistas e ainda, regimes parlamentaristas monárquicos que estão em sociedades com os melhores índices IDH, como nas piores ditaduras.

    Enfim, no caso brasileiro, desde a greve dos controladores de vôo há esse debate e na época, especialistas que participaram do desenvolvimento e implementação do Cindacta, afirmam que não se pode simplesmente colocar operadores militares de um lado e civis de outro, além do mais, sua concepção foi também a de cortar os custos de operação utilizando um sistema apenas.

    Qual o objetivo atual dessa movimentação? É melhorar exatamente o quê?

    Obviamente há interesses de todas as partes mas, às vezes creio que há essa vontade de alijar os militares do convívio social que é estranho. Afinal, são integrantes ou não dessa sociedade? E os militares, como querem ser vistos, e o que tem a dizer?

    E nesses anos de gastos com copa do mundo, olimpíadas e como diz a reportagem, tantos gastos já comprometidos com os atuais planos de defesa e ainda testemunhando parcos serviços públicos decentes, onde descemos ainda mais em educação, saúde, segurança, infraestrutura pública em geral, altíssimos custos para se manter nossos políticos, ainda é hora de se tentar conter os gastos desnecessários, aumentando a transparência e, principalmente, com isso poder escolher melhores governantes.

  2. aldoghisolfi 1 de março de 2013 at 18:20 #

    Só consigo ver os espaços para fraudes, roubos, desfalques, escândalos e tudo o mais que sabemos bem que vai acontecer com este baita cabide de empregos, se chegar a se positivar. Porque não equipar muito bem equipada a MB e esquecer o problema?

  3. Ozawa 1 de março de 2013 at 19:17 #

    Sobre uma enquete aqui no PN acerca do tema em 04/09/2008…

    “Ozawa em 04 Set, 2008 às 17:05

    Quanto a enquete ao lado, tecnicamente, eu tenderia à uma G.C., e subordinada ao Ministério da Justiça e não à Defesa, uma espécie de Polícia Federal Naval.

    O problema é que certamente seria um órgão de vigoroso peso político, forte lobby junto aos congressistas, uma tendência das forças de segurança pública da União Federal, que demandaria (e receberia como seu congênere terrestre, na concepção sugerida, a PF), muitos recursos em material e pessoal, o que geraria um “melindre” com a força naval militar.

    Afirmo que o(s) salário(s) dessa eventual polícia federal naval, ao longo dos tempos, seriam o dobro das guarnições da MB. Por tais motivos (não técnicos) é que votaria (juntamente com os 25%…) “NÃO”. E assim ainda voto…

    P.S.(1) Sequer cogitei uma G.C. subordinada à Marinha ou ao MD, pois seria uma conta de soma zero.

    P.S (2) Ao que parece, o alto comando da MB compartilha do mesmo temor enunciado acima…

    Read more: http://www.naval.com.br/blog/2008/09/16/guarda-costeira/#ixzz2MKRIRaZ7

  4. nunes neto 1 de março de 2013 at 20:28 #

    Se para criar uma GC vai se gastar bilhões,é melhor pegar a esse dinheiro e investir em compra de navios patrulhas decentes, a quantidade de navios (disponibilidade) é uma vergonha, para um litoral do tamanho do nosso, cada distrito naval têm que atuar em áreas imensas e temos poucos navios,o sul está só com navios antigos (não digo menos capazes, nem dúvido da eficiência da tripulação), a marinha que,r que o próximo lote da Classe Macaé seja de arrendamento, não sei sei isso vai funcionar,eu como muitos acho, que devemos, ter algo como 18 a 20 navios da classe Macaé, uma classe entre 800/1200 t que possa receber helicopteros (algo entre 8 a 12) e 10/12 de 2000/2500t com capacidade de hangariar helicópteros,já estaria bom demais, sonho meu (nunca, nos próximos 20 anos teremos isso), os novos patrulhas flúviais coitados , não tem nem expectativa de construção (projetos já devem ter sido analisados concerteza).Abçs

  5. MAD DOG 1 de março de 2013 at 21:16 #

    … Não vou comentar de forma técnica pq nem vale a pena!

    … Que idéia mais absurda do vicentinho, ora, ora, senador com esse nome “vicentinho”, só aqui no Brasil mesmo, talvez se fosse Senador Vicente, talvez não teria essa idéia esdrúxula…

    … Mas em verdade esses Ptralhas e cia; querem mesmo acabar com as FAAs brasileiras, logo, logo aparece um com a idéia de uma Força Nacional terrestre, ops essa já aconteceu, graças ao molusco, ainda bem que não pegou do jeito que ele sonhou!

    … Já a FAB, bem essa logo logo não voa mais!

    … Estão brincando com o BRASIL, e todos brasileiros, com suas instituições e tudo mais.

    … Ao invés desse imbecíl defender o reaparelhamento da MARINHA DO BRASIL, nossos meios da Esquadra, Forças Distritais e CFN, que desempenha o seu papel com honra e extrema competência, visto os mínguos recursos e equipagens, ficam querendo reinventar a roda! … Esse senadorzinho é tão despreparado que no seu Estado nem praia têm!!!
    … O pior que o jumento fica 8 anos mamando na teta do brasileiro!

    … Querem sim criar um cabidão de empregos para os seus lacaios!

    … Daqui a pouco aparece um querendo terceirizar a segurança pública, polícias militares e civis!!!… rsrsr

  6. nunes neto 1 de março de 2013 at 23:16 #

    Ei MAD DOG,existem praias de água salgada (oceânicas) e de “água doce” (de Rios,uma das mais bonitas praias do Brasil é de Rio, Alter -do-chão em Santarém -PA,Mosqueiro em Belém dá até para surfar),pesquise que vais ver que no TO têm praia sim,fale que lá não tem costa oceânica que eu assino embaixo.Abçs

  7. nunes neto 1 de março de 2013 at 23:21 #

    O trabalho da marinha não se resume a patrulha oceânica, os rios têm grande fluxo de mercadorias e passageiros,bem mais que quem mora no litoral possa imaginar,são milhões de pessoas que dependem dos rios,todos os dias.Abçs

  8. Mauricio R. 2 de março de 2013 at 12:09 #

    Perguntinhas absolutamente ingenuas:

    1) Pq tdo o desenvolvimento de tecnologias, serviços e produtos relacionados as controle de tráfego aéreo, tiveram que ser repassados a iniciativa privada???

    Nos EUA quem manda nisso é a FAA, um orgão estatal, assim como no Reino Unido, quem manda é a CAA.

    2) Pq raios a Atech S/A podia ser vendida somente p/ a Embraer???

    Mi$tério…

  9. REQUENA 6 de março de 2013 at 16:52 #

    A Marinha só precisa pegar todas as Capitanias dos Portos/Fluvial, pintar as dependências e navios de outra cor e adotar o nome GUARDA COSTEIRA/MB. Usar algo que já existe com um novo nome.

    Pronto, não se fala mais nisso.

    E com um pouco de lobby ainda compra umas lanchas novas e alguns navios de patrulha a mais… ;)

Leave a Reply

You must be logged in to post a comment.

Visita ao USS ‘America’

O novíssimo navio anfíbio de assalto de última geração USS America (LHA 6) tem um brasileiro a bordo Ricardo Pereira […]

Cruzador da Marinha dos EUA aproa para o Mar Negro

De acordo com um comunicado divulgado pelo comando da Sexta Frota da Marinha de Guerra dos EUA, o cruzador norte-americano […]

Navio anfíbio americano de última geração visita Rio de Janeiro

O navio de assalto anfíbio USS America (LHA6), uma das mais modernas embarcações da marinha dos Estados Unidos e que […]

Angola busca cooperação brasileira para implementar Programa Naval

Os ministros da Defesa do Brasil, Celso Amorim, e de Angola, João Manuel Gonçalves Lourenço, se reuniram nesta terça-feira para […]

EISA busca empréstimo na Caixa e com fundo nos EUA

Prestes a completar dois meses com as atividades paralisadas, o Estaleiro Ilha S.A. (EISA), do Rio, ainda busca soluções para […]