Grupo do porta-aviões francês ‘Charles de Gaulle’ na missão ‘Bois Belleau’

Grupo do porta-aviões francês ‘Charles de Gaulle’ na missão ‘Bois Belleau’

631
10
SHARE

Charles de Gaulle e demais navios da missão Bois Belleau - foto Marinha Francesa

Desde 20 de novembro, o grupo aeronaval (GAN) da Marinha Francesa composto pelo porta-aviões Charles de Gaulle, fragata de defesa aérea Forbin, fragata antissubmarino Jean de Vienne, navio-tanque Meuse e um submarino nuclear de ataque está cumprindo a missão “Bois Belleau”. Naquela data, o grupo deixou a Base Naval de Toulon e cumpriu diversas etapas previstas da missão, ao longo do mês de dezembro. Entre elas, uma escala no Dijibouti, entre os dias 19 e 23, conforme nota divulgada pela Marinha Francesa no último dia 30, e da qual reproduzimos a maior parte das fotos que ilustra esta matéria.

Charles de Gaulle em escala no Dibouti em dez 2013 - foto Marinha Francesa

Fragata de Defesa Aérea Forbin em escala no Djibouti - foto Marinha Francesa

Fragata Antissubmarino Jean de Vienne e navio tanque Meuse em escala no Djibouti - foto Marinha Francesa

Fragata Antissubmarino Jean de Vienne e navio tanque Meuse em escala no Djibouti - foto 2 Marinha Francesa

Entre os dias 7 e 10 de dezembro, o GAN realizou exercício bilateral com a Arábia Saudita no Mar Vermelho, que recebeu o nome de “White Shark” e na sequência fez parte da Força Tarefa 465 da Europa, que realiza a operação antipirataria “Atalante” no Golfo de Aden.

Mapa da operação Bois Belleau - Marinha Francesa

Já entre os dias 13 e 18, foi realizada em Koron, a Oeste do Dijuobouti  uma campanha de treinamento de tiro pelos jatos Rafale e Super Etendard Modernisé embarcados no Charles de Gaulle.  Ao longo do primeiro mês da missão, foram realizados cerca de 600 voos do grupo aéreo embarcado. Acima, está o mapa com a programação da missão “Bois Belleau”.

Caças Rafale Marine na operação White Shark - missão Bois Belleau - foto Marinha Francesa

Aeronaves do Charles de Gaulle em escala no Dibouti em dez 2013 - foto Marinha Francesa

No momento, os navios se encontram no Oceano Índico, onde passaram o Natal, segundo outra nota divulgada pela Marinha Francesa. Clique aqui para ver um dossiê completo da missão, em francês. Abaixo, um mapa que mostra as diversas operações francesas (envolvendo diversos tipos de navios) que estão sendo realizadas neste final de dezembro, em todo o mundo.

Operações da Marinha Francesa no mundo no final de dezembro de 2014 - imagem Marinha Francesa

FONTE / FOTOS: Marinha Francesa (tradução e edição do Poder Naval a partir de originais em francês)

VEJA TAMBÉM:

10 COMMENTS

  1. Acabei de ler a matéria sobre a guerra da Lagosta, da edição passada da revista Forças de Defesa… ai quando venho visitar os blogs… me deparo com uma notícia de um GT francês atual…

    Se o q aconteceu na década de 60 acontecesse hj… a MB estaria em sérios apuros, contra a moderna marinha de guerra francesa

  2. Um grupo composto de:
    1 porta-aviões
    1 fragata de defesa aérea
    1 fragata antissubmarino,
    1 navio-tanque e
    1 submarino nuclear de ataque

    E nós temos o que?
    1 PA que está na manutenção a mais de cinco anos
    3 fragatas em condições operacionais, mas não sei
    suas especialidades
    1 navio tanque (aqui, acho, estamos bem na parada)
    e só!

  3. Olha o sonho (surreal) da MB aí!

    Por baixo, são uns 20 bilhões de euros. E pra quê, se não temos ex-colônias ultramarinhas?

  4. Bem lembrado Poggio e complementando “Bois Belleau”
    significa exatamente “Belleau Wood “, foi um dos dois NAes
    leves da classe Independence cedidos à França nos anos
    50, o outro sendo o Langley lá chamado La Fayette.

    Muitos NAes da US Navy então homenageavam batalhas e o nome “Belleau Wood” refere-se a uma batalha da Primeira Guerra Mundial onde fuzileiros navais americanos distinguiram-se junto aos seus camaradas franceses e os franceses preservaram o nome motivo de orgulho para ambas as nações.

  5. “Almeida
    31 de dezembro de 2013 at 20:00 #

    Olha o sonho (surreal) da MB aí!

    Por baixo, são uns 20 bilhões de euros. E pra quê, se não temos ex-colônias ultramarinhas?”

    Já mencionei no PN, 20/25 Bi de euros, mais 25/30 anos para o SubNuc e a tecnologia estará defasada, mais os 04 SB D/E, tá dando m@#$% no transferTec e em outras coisas. Quem viver, verá.

  6. Belas imagens.

    Com um GAN desses impõe respeito ou assusta?

    Ô dor de cotovelo !

    Quem sabe um dia ….com a ajuda de Deus.

Deixe uma resposta