Home Sistemas de Armas Morteiro ‘Nemo’ de 120mm da finlandesa Patria em emprego naval

Morteiro ‘Nemo’ de 120mm da finlandesa Patria em emprego naval

951
20

Morteiro Nemo em embarcação leve - foto Patria

Nesta sexta-feira, 9 de maio, a empresa finlandesa Patria destacou em seu site as possibilidades de emprego naval de seu morteiro “Nemo” de 120mm, inicialmente criado para uso terrestre. Segundo a empresa, o sistema é de baixo peso e pode ser montado em diversas plataformas navais, proporcionando rápido apoio de fogo.

A arma é instalada num reparo com torreta, controlado remotamente, incluindo o mecanismo de carregamento, sistema de controle de fogo e munição. O morteiro pode realizar tiro direto e indireto para apoio de fogo a tropas desembarcadas , tendo também capacidade MRSI – Multiple Rounds Simultaneous Impact (disparo de múltiplos projéteis para impacto simultâneo no alvo) e de engajar outros navios em movimento. Ainda segundo a empresa, o sistema tem baixo peso.

Morteiro Nemo em embarcação - foto Patria

Na brochura de divulgação do produto, o peso total da torreta (movimentada eletricamente com “back-up” manual) é de 1.700 kg, A elevação do tubo, que tem três metros de comprimento, é de -3º a +85º . O carregamento é elétrico / semiautomático (sistema de recuo hidropneumático), com cadência de tiro de até 10 disparos por minuto (máxima sustentada de 6 por minuto), com alcance acima de 10km e MRSI de até 5 projéteis.

Morteiro Nemo em embarcação leve - foto 2 Patria

FONTE / FOTOS: Patria (tradução e edição do Poder Naval a partir de originais em inglês)

NOTA DO EDITOR: em diversas ocasiões, os leitores do Poder Naval comentaram sobre os armamentos dos navios-patrulha fluviais da Marinha do Brasil, sendo a maioria das embarcações dotadas de canhões de 40mm, destacando-se o monitor Parnaíba como o navio equipado com o armamento de tubo de maior calibre, 76mm (um canhão antigo, fabricado na década de 1940, porém ainda bastante preciso).

Aproveitando os debates anteriores, ficam as perguntas: morteiros mais sofisticados tecnologicamente como este apresentado pela Patria, ou de algum outro fornecedor, ou mesmo um produto nacional que passe por um desenvolvimento significativo (clique aqui para ver um morteiro raiado convencional de 120mm, do CTEx) teriam mais utilidade do que os atuais armamentos de tubo de nossos navios-patrulha fluviais? Ou poderiam complementá-los? O espaço está aberto para quem queira debater o assunto.

20
Deixe um comentário

avatar
18 Comment threads
2 Thread replies
0 Followers
 
Most reacted comment
Hottest comment thread
9 Comment authors
rafael oliveirawwolf22Mauricio R.Fernando "Nunão" De Martinijoseboscojr Recent comment authors
  Subscribe  
newest oldest most voted
Notify of
eduardo.pereira1
Visitante
Member
eduardo.pereira1

Pra mim este morteiro acima citado ficaria muito bem montado no Guarani, nao creio ser interessante dentro de nossa realidade naval, acredito (após ler muitos debates bacanas ) que os canhoes sao suficientes ( 30mm e 20 mm no caso das class Amazonas se nao me engano), só acrescentaria um lançador de mísseis (uma torreta p/ 4 mísseis ) só pra dar mais uma forcinha.

Sds Eduardo o aprendiz.

joseboscojr
Membro
Active Member
joseboscojr

Sem dúvida esses morteiros de retrocarga e de carregamento automático (ou semi) são armas a serem consideradas para os patrulhas fluviais.
Iria implementar a capacidade de apoio de fogo indireto a esses navios e complementar o canhão de 40 mm no fogo direto.
Sem falar que já há um grande leque de munições guiadas disponíveis para esse calibre.

eduardo.pereira1
Visitante
Member
eduardo.pereira1

Poxa Bosco eu boiei nessa pois só mentalizei a patrulha oceanica e esqueci da fluvial em meio a densas florestas que podem abrigar facçoes e grupos de guerrilha ( bons alvos pra um morteiro deste supra -citado).

Sds.sempre da pra aprender mais>rs

eduardo.pereira1
Visitante
Member
eduardo.pereira1

Pois é Nunao eu comi moscas duas vezes pois só após responder ao Bosco eu vi sua resposta direcionada a mim.rs
Mas mesmo sendo úteis nas embarcaçoes fluviais ainda acho bacana ver montado em ao menos uns 200 Guaranis da mega encomenda (nao sei se rel ou só intensao de compras) de 2044 unidades.

Sds.

Luiz Monteiro
Visitante
Luiz Monteiro

Para enriquecer o debate, seguem abaixo as atribuições dos navios-patrulha fluvial segundo a MB:

“Navios-Patrulha Fluvial (Amazônia) – São fundamentais para realizar patrulhas fluviais na Bacia Amazônica, operações em rios e ações de apoio às populações ribeirinhas, aumentando a presença da Marinha nas fronteiras e na fiscalização dos rios.”

“Navios-Patrulha Fluvial (Pantanal) – Realizam patrulhas fluviais no Pantanal, aumentando a presença da Marinha na fronteira oeste do Brasil. Em complemento, podem realizar operações nas calhas dos rios da região e ações de apoio às populações ribeirinhas.”

Luiz Monteiro
Visitante
Luiz Monteiro

Prezados, Transcrevo abaixo o artigo: “SISTEMA DE ARMAS FLUVIAL PARA A REGIÃO AMAZÔNICA”, publicado na Revista Marítima Brasileira 4º Trimestre de 2001, escrito pelo então Capitão-de-Fragata (EN) Leonam dos Santos Guimarães e o então Primeiro-Tenente (EN) Osmar Conceição Junior: “Sumário Introdução Conceito básico Área de operação Ameaças Caracterização do potencial das ameaças Conceito de emprego postulado Configuração do Sistema de Armas CALHAN Operação típica Conclusões INTRODUÇÃO A escalada de poder de grupos organizados de narcotráfico, associados com movimentos de guerrilha em países amazônicos vizinhos ao Brasil, estende-se para o interior das fronteiras nacionais tornando-se uma ameaça de vulto, dado o… Read more »

luizblower
Visitante
Member
luizblower

Muito interessante esse texto, Monteiro.

Aquelas novas lanchas colombianas se encaixariam em que papel neste sistema de armas? Monitores? Creio que falte ainda o morteiro.

wwolf22
Visitante
wwolf22

desculpe pela minha pergunta, mas esse morteiro poderia fazer o papel de um canhão ???
ele pode ser disparado como um canhão contra outra embarcação ??
ha munições especiais para morteiro ou so tem a de impacto mesmo ??

Lyw
Visitante
Lyw

Creio que para o caso de embarcações antigas como o Monitor Parnaíba, a ideia da torre do Cascavel adaptada é a mais interessante e de menor custo.

No link que o Nunão colou em “9 de maio de 2014 at 15:55” tem uma alusão a isto nos comentários.

Luiz Monteiro
Visitante
Luiz Monteiro

Prezado Luizblower,

Na minha visão, sim. As lanchas colombianas se enquadrariam como “monitores” da estratégia apresentada acima.

Luiz Monteiro
Visitante
Luiz Monteiro

Quanto à proposta de debate do post, entendo que o morteiro pesado nao substitui os canhões.

Os morteiros pesados devem ser utilizados de acordo com a tarefa a ser desempenhada, isoladamente ou em conjunto com os canhões dos navios-patrulha fluvial.

wwolf22
Visitante
wwolf22

ok, com um morteiro desse ai, eu poderia compara-lo com qual calibre de canhão ?? 30mm ?? 50mm ??

joseboscojr
Membro
Active Member
joseboscojr

Wwolf22,
A massa que atinge o alvo oriunda de um projétil de morteiro de 120 mm é de uns 12 kg.
Só pra comparação, a massa que atinge o alvo de um projétil de 76 mm do canhão do Parnaíba é de 6 kg.
Ou seja, um morteiro tem um poder de destruição superior ao do canhão de 76 mm. Na verdade é maior que o de um obuseiro de 105 mm.
Muito superior, portanto, aos calibres que você citou, de 30 mm e 50 mm (?).

Mauricio R.
Visitante
Member
Mauricio R.

OFF TOPIC…

…na falta de um post melhor, vai tu mesmo!!!

Breve história do “Monstro do Cáspio”, no final da matéria há um link p/ um site em russo, c/ fotos do triste estado atual desta embarcação.
Ou seria avião???

(http://www.defense-aerospace.com/article-view/release/153728/rostec-recounts-history-of-flying-battleship.html)

Qnto ao debate em curso, o morteiro de 120mm, associado a projéteis c/ guiagem terminal do tipo “Excalubur”, seriam um belo de um complemento p/ os pequenos canos de 30-40mm.

wwolf22
Visitante
wwolf22

muito interessante a comparação dos pesos das cargas com a cadencia de tiro…
eu prefiro uma cadencia maior… porem esse Nemo eh interessante…

rafael oliveira
Visitante
Member
rafael oliveira

Para a comparação ser ainda melhor, o ideal seria saber a velocidade do projetil. Ainda, dependendo da finalidade, a forma do projetil também seria relevante para julgar a arma mais adequada para a missão.