Home Aviação Naval Três porta-aviões da Marinha dos EUA operam juntos no Oceano Pacífico

Três porta-aviões da Marinha dos EUA operam juntos no Oceano Pacífico

3389
44
Os porta-aviões USS Ronald Reagan (CVN 76), USS Theodore Roosevelt (CVN 71) e USS Nimitz (CVN 68) e seus grupos de ataque se exercitam no Pacífico

Os porta-aviões USS Ronald Reagan (CVN 76), USS Theodore Roosevelt (CVN 71) e USS Nimitz (CVN 68) e seus grupos de ataque estão em movimento, conduzindo operações, em águas internacionais como parte de um exercício de força de ataque de três porta-aviões.

A Marinha dos Estados Unidos patrulha rotineiramente a região do Pacífico indo-asiático há mais de 70 anos promovendo a segurança regional, a estabilidade e a prosperidade.

Navios da Japanese Maritime Self-Defense Force também participam do exercício realizado em águas internacionais.

Os três grupos de ataque de porta-aviões dos Estados Unidos se exercitarão juntos no Pacífico Ocidental nos próximos dias em um raro show de força, enquanto o presidente Donald Trump visita a Ásia com advertências sobre a ameaça nuclear da Coreia do Norte.

Trump reiterou sua dura retórica contra a Coreia do Norte em relação aos seus programas nucleares e mísseis desde o início de uma viagem de 12 dias na Ásia. Falando em Tóquio, Trump renovou seu aviso de que a “era de paciência estratégica” com a Coreia do Norte acabou.

FONTE: US Navy

44 COMMENTS

  1. Vc estava acima de 30 nós pelo jeito, rsrsrs
    (PS – momento propício para republicar aquela matéria da FD8, incluindo a entrevista. Sei que dá trabalho, mas…)

  2. Pergunta de um leigo: esse b1b que aparece no vídeo pode operar em um porta aviões?
    OBS.: Imagino o pânico do inimigo ao ver essa imagem ao vivo!

  3. Bardini 12 de novembro de 2017 at 12:28
    O DDH japonês é o Ise…

    Navio Fantástico… assim como o será o nosso futuro “Ocean”
    PS: é, eu não desisto

  4. “Nimitz” e “Reagan” são os únicos NAes da Frota do Pacífico equipados com o novo E-2D enquanto o “Roosevelt” ainda embarca o mais
    antigo E-2C 2K…é possível ver a diferença entre as variantes pela protuberância no “radome” do E-2C 2K.

  5. É difícol evitar certos pensamentos, a tentação é impossível.
    Sinceramente, quando vi a foto, pensei um audacioso comandante de submarino.
    Mando os três para o fundo de uma só vez!
    Seria uma vitória inigualável.

  6. Pfff…. Dá bem mais de 40 helicópteros ASW nesse grupo…
    .
    Os CVN estão embarcando quantos MH-60S e MH-60R atualmente?
    Estão embarcando 8 “S” e 11 “R”?
    .
    O “Ise” tem capacidade de 18 aeronaves. Não acredito que operaria com tudo isso, mas poderia…
    .
    Se cada Escolta tiver um helicóptero ASW, seriam mais 12 na conta…
    .
    É coisa pra cacete…

  7. Satyricon 12 de novembro de 2017 at 12:57
    “Navio Fantástico… assim como o será o nosso futuro “Ocean”
    PS: é, eu não desisto”
    .
    Acho que em se tratando de ASW, o “Ise” chuta o traseiro do “Ocean” daqui até o Japão.
    .
    São navio para propósitos diferentes. O “Ocean” é um bom navio, para apoio de operações Anfíbias… da Royal Navy.

  8. Caralho só esses 2 carriers tem mais força aêrea que a força aêrea Brasileira,é uma pena que temos mais poder de politicos corruptos que poder militar,Bom pelo menos ganhamos dos USA ,no tema de POLITICOS CORRUPTOS,hehehehe

  9. Ai tem mais poder de fogo que a América do Sul inteira, meu amigo.

    Imagine só, você pisar no pé dos EUA e receber a notícia que esse “Bonde” está vindo na direção da sua costa.

    Deve dar um certo frio na barriga.

  10. Falando na quantidade de heli asw, esse grupo em direção à Coreia do Norte. Em quem vocês apostariam?

    Nos 40 helicópteros ASW ou nos submarinos do gordin maluco?

  11. Pois é Galante, leva todo jeito mesmo. Esse GT se deslocando dessa forma parece mesmo cena de Star Wars. Os Tico ficam pequenos……e ainda tem SSN nesse grupo.
    Sensacional

  12. Bardini,
    Eu não imaginava que pudesse ter um força anti-submarino tão grande, é praticamente inexpugnável. Incrível.

    A propósito, eu usaria como fundo musical para esse ataque, algo que também não pude evitar:

    U-Bootlied

    Só que substituindo “England” por “Amerika”!

  13. “Roberto F. Santana 12 de novembro de 2017 at 15:09
    É difícol evitar certos pensamentos, a tentação é impossível.
    Sinceramente, quando vi a foto, pensei um audacioso comandante de submarino.
    Mando os três para o fundo de uma só vez!
    Seria uma vitória inigualável.”
    Cara, audacioso? vc quis dizer louco, né? Só de tentar, seria um suícidio inigualável…

    “Felipe Morais 12 de novembro de 2017 at 17:56
    Ai tem mais poder de fogo que a América do Sul inteira, meu amigo.

    Imagine só, você pisar no pé dos EUA e receber a notícia que esse “Bonde” está vindo na direção da sua costa.F
    Deve dar um certo frio na barriga.”

    Frio na barriga??? isso é bondade sua. Dá é uma diarreia completa…

  14. Estão mostrando 4 escoltas por CVN em formação para o marketing do negócio…
    Mas normalmente não são 6 escoltas por cvn? E mais um de apoio logístico?
    Por baixo pelo menos 3 ssn também devem estar por ali não…
    Mas que é bonito e dá um certo prazer de ver tamanha capacidade reunida dá né…é um evento raro!

  15. Simplesmente lindo o vídeo, SSN’s abaixo da lamina d’água com certeza.

    Para os Mariheiros colocaria esta:
    Marcha Triunfal de Aida – Verdi
    ________________________________

    Para o inimigo com falantes modernos e ótima sonoridade esta:

  16. “A Marinha dos Estados Unidos patrulha rotineiramente a região do Pacífico indo-asiático há mais de 70 anos promovendo a segurança regional, a estabilidade e a prosperidade.”

    a tá! sei…

  17. Bardini e para mais alguém interessado…
    .
    um esquadrão de 11 MH-60R normalmente faz parte da ala aérea do NAe…só que…o esquadrão é dividido entre o NAe e os escoltas…
    normalmente 3 ou 4 permanecem a bordo do NAe e os 7 ou 8 restantes são distribuídos para o cruzador e normalmente 3 destroyers…caso um
    destroyer seja da variante sem hangar…um único MH-60R pode permanecer operando por alguns dias a partir do convés de voo.
    .
    O Esquadrão de 8 MH-60S pode ser repartido com algum navio de apoio logístico que esteja acompanhando o NAe ou pode ter algumas de
    suas aeronaves ausentes, mas, dificilmente todos os 8 estarão a bordo.
    .
    Quanto a submarinos nenhum está diretamente ligado a um grupo de ataque…isso exigiria “amarrar” um submarino ao grupo desde pelo
    menos na última fase de treinamento antes da missão, durante toda a missão de 7 meses mais uma fase de sustentabilidade pós missão de
    alguns meses…submarinos participam da fase de treinamento…o USS Connecticut participou por exemplo do treinamento do USS Theodore
    Roosevelt, mas, não saiu com o grupo…porém submarinos que já se encontrem na área onde os NAes irão operar podem juntar-se ao grupo
    como o USS Texas da classe Virginia que deixou Pearl Harbor ainda em agosto.

  18. Falando em PAs, num outro post, a reportagem dizia que 3 sao o numero magico para se operar 365d/24h, nao da pra isso com 1 PA so não, colocando mais avioes e pilotos neles e extendendo o ciclo de manutenção.

  19. Augusto…
    .
    a US Navy tem 4 submarinos SSGN que costumam cumprir missões de 12 meses ou mais…para isso há necessidade de que haja uma
    troca de tripulações a cada cerca de 3 meses…então há duas tripulações de 150 pessoas para cada SSGN e a troca é feita em Guam ou Diego
    Garcia. Aproveita-se também a ocasião da troca de tripulações para um curto período de manutenção.
    .
    No caso de NAes seria necessário duas tripulações de 5.000 pessoas, ou seja 10.000 para cada NAe para que uma troca pudesse ser
    feita e mesmo assim não se garantiria 365 dias no mar, da mesma forma como acontece com os SSGNs devido à necessidade de ao menos
    uma pequena manutenção e alguns dias em terra firme para os tripulantes.
    .
    Até uns dois anos atrás apenas a vida a bordo dos NAes estava tornando-se intolerável com missões de cerca de 9 meses…o moral estava
    mais baixo, a taxa de retenção…manter o pessoal na marinha…estava caindo, justamente por conta da vida familiar da tripulação estar sendo afetada, até que finalmente chegou-se a um consenso de 7 meses de missão e isso vem sendo cumprido.
    .
    No caso do USS Ronald Reagan que é baseado no Japão…o mesmo não necessita passar pela longa viagem de ida e volta aos EUA…ele
    costuma fazer duas patrulhas de cerca de 3 meses cada e entre elas um curto período de manutenção durante o qual os tripulantes
    permanecem próximos de seus familiares.
    .
    Além do aspecto humano manter um NAe tantos meses a mais que o considerado apropriado…7 meses de missão…fora o treinamento e a função de NAe “escola” que todo NAe tem que cumprir também…desgasta muito mais o navio e também as aeronaves e o resultado é que navio e aeronaves necessitavam um período maior de manutenção e como há uma falta crônica de aeronaves na US Navy acabaria-se prejudicando ainda mais a prontidão das alas aéreas…quando muito se pode contar com 5 totalmente completas.
    .
    Há uma lógica em se ter 3 navios…um em missão, um preparando-se para substituir o que está em missão e um terceiro em manutenção…
    não é perfeita até porque há ocasiões em que a manutenção pode ser mais prolongada…mas dá uma ideia boa ideia de como se deve manter
    um rodízio sem desgastar demais pessoas e máquinas.

  20. Dalton, obrigado pela resposta mas eu nao falo em patrulhas ou missoes de navegacoes livres, como as feitas contra o libano na decada de 80 ou as coalizoes contra o Iraque onde ja se tinha o domínio do ar, falo em caso de guerra onde so se pudesse deslocar um NAE pra uma certa parte do mundo e ele fosse imprevisível e os tanto as forcas em terra como o grupo tarefa precisariam de cobertura area constante. Ex: uma invasão russa no baltico e só se tem um NAE pra mandar.

  21. Dalton… eu acho que os GT americanos são muito valiosos para não manter cada um com um Submarino escoltando os mesmos. Hoje são 11 Nae operacionais, nem todos na água ao mesmo tempo devido ao período de manutenção, acredito que a Frota de Sub é compatível para atender essa demanda.
    Agora falando dos 3 Nae juntos… amigos raros são os países que não seriam varridos do mapa por essa força.
    O maquinário bélico norte americano é muito mas muito mais pesado do que do resto do mundo, se fosse F-1 é como se o Hamilton estivesse tão mais rápido que o segundo colocado ao ponto de aplicar umas duas voltas de vantagem para o coitado.

  22. Jodreski…
    .
    não inventei isso, muito menos é especulação minha…a própria US Navy chegou à conclusão que não tem submarinos de ataque em número suficiente para dedicar um exclusivamente a um NAe…isso foi feito no passado, até a década passada, era mais ou menos norma sempre haver um submarino adicionado ao grupo.
    .
    Há uma necessidade de se manter SEMPRE cerca de 10 submarinos em suas respectivas áreas de patrulha e isso exige outros 40 que estarão em
    transito, manutenção de rotina, manutenções de maior monta e treinamento então não seria possível manter os 10 submarinos em suas áreas de patrulha e ter outros tantos acompanhando NAes em missão ou na fase de treinamento…e os submarinos de ataque conforme a própria US Navy só estão conta de cerca de 80% das missões e o número já está projetado para cair de 50 para menos de 45 em meados da próxima década.
    .
    Abaixo reproduzo a composição do “Carrier Strike Group” do USS Theodore Roosevelt:
    .
    “SAN DIEGO (NNS) — The Nimitz-class aircraft carrier USS Theodore Roosevelt (CVN 71) departed San Diego for a regularly scheduled deployment, Oct. 6.

    Theodore Roosevelt, the flagship of Carrier Strike Group (CSG) 9, will join USS Bunker Hill (CG 52), USS Halsey (DDG 97), USS Sampson (DDG 102) and USS Preble (DDG 88) for a routine deployment. The Theodore Roosevelt Carrier Strike Group deployment is an example of the U.S. Navy’s routine presence in waters around the globe, displaying commitment to stability, regional cooperation and economic prosperity for all nations.”
    .
    É isso…um cruzador e três destroyers é a norma…as vezes na falta de destroyers um segundo cruzador pode ser incluído…e submarinos ficarão
    de “olho” no NAe que estiver próximo deles e mesmo poderão interagir.
    .
    Na fase avançada de treinamento, dois meses antes do NAe partir em missão e que dura um mês , o “COMPTUEX” sempre um ou mais submarinos
    participam do treinamento normalmente fazendo o papel de “agressores”, mas, muitas vezes nem mesmo estão preparados para missões de
    longa duração, apenas participam do treinamento e depois vão cumprir o cronograma, mais treinamento, manutenção, etc.
    .
    Não quero ser o dono da verdade…apenas faz parte do meu hobbie, acompanhar a US Navy e isso faço já há muitos anos!
    .
    abs

  23. Augusto…
    .
    mas, pelo que entendi da sua pergunta, você estava pensando em manter um NAe mais tempo no mar com mais aeronaves para tentar ocupar a função de três… aí se recorreria ao expediente de se manter um NAe por 9 meses ou mais em missão o que estava literalmente destruindo a força…claro que se houver necessidade novamente se terá que se implantar essa política nefasta com as consequências que mencionei, mas, um NAe não é ideal para todo tipo de cenário…certamente não no Báltico como seu exemplo.

  24. Dalton…

    Entendi seu ponto de vista…e sim vc tem razão, realmente me equivoquei ao informar que a quantidade de subs seriam suficientes para atender todos os NAes, apenas enfatizo uma questão: não necessariamente se o GT estivesse sendo acompanhando por um Sub isso seria documentado, até pq se o fosse saberíamos a posição de alguns dos submarinos americanos, gastam bilhões de dólares para fabricar uma arma de Guerra que o objetivo primário dela é: não ser vista e o inimigo nunca saber o seu paradeiro, então documentar aonde algumas delas estão não faz muito sentido. Já os meios de superfície podem e são acompanhados por satélites, isso não tem como esconder.
    Só quem realmente sabe quais Naes estão sendo sombreados por Subnucs e quais não estão é o Comando Naval e os Almirantes de Esquadra acredito eu.
    Mas que isso deve ser feito vc pode ter certeza que o é (na medida do possível e da disponibilidade e da necessidade de cada missão).

  25. Jodreski…
    .
    na década passada quando um CSG partia ou retornava lá estava o submarino devidamente mencionado como componente do grupo e os familiares dos tripulantes dando boa sorte ou recepcionando-os na volta…cansei de ler sobre isso…não havia necessidade de se esconder que um submarino estava na vanguarda ou retaguarda do grupo…isso foi feito experimentalmente durante a década passada até mais ou menos 2009 e em algumas ocasiões acrescentaram um submarino no grupo anfíbio ou ESG…hoje é apenas ARG composto por um LHD/LHA, um LPD e um LSD.
    .
    Abaixo você poderá avaliar a composição do CSG do USS Theodore Roosevelt ao longo de alguns anos e foi na missão de 2008/2009 que pela
    última vez um SSN, no caso o “761” foi integrado ao grupo…claro que essa não é minha única “fonte” pois acompanho até mesmo de jornais
    quando um NAe sai em missão.

    https://www.navysite.de/cvn/cvn71deploy.htm
    .
    Submarinos não são mais parte integral do CSG…até porque eles cumprem missões de 6 meses enquanto navios de superfície cumprem 7…
    imagina “amarrar” um submarino do “COMPTUEX” até a fase de sustentamento “SUSTEX”…pelo menos um ano !
    .
    Mas, é com você…toda essa informação está disponível na internet…e olha…eu já estive em Norfolk e San Diego…e as informações que
    colhi antes de viajar bateram com o que vi lá…então…não há existe todo esse “segredo” não !

  26. jodreski 13 de novembro de 2017 at 16:46
    .
    “Já os meios de superfície podem e são acompanhados por satélites, isso não tem como esconder.”
    .
    Pode até parecer que são fáceis de achar, mas quando a CN ficou morrendo de medo e a China mandando indiretas pedindo calma sendo todos crentes que os americanos já estavam bem próximos da região e apareceu uma selfie no Índico, só faltou colocar o óculos escuro e legenda Thug Life numa foto do NAe… Tenho a impressão que na prática não é tão simples achar eles no oceano assim tão fácil com satélite mapeando, mesmo porque certamente os chineses estavam com os seus voltados para a região àquela altura.
    .
    Ref.: http://www.naval.com.br/blog/2017/04/18/apesar-de-falar-em-ataque-armada-de-trump-navegou-para-longe-da-coreia/
    .
    Sds

  27. Só como curiosidade mesmo…ontem a noite peguei minhas anotações que tento manter atualizadas e consta que 3 SSNs deixaram Pearl Harbor
    entre agosto e setembro…os USSs Tucson, Texas e Mississippi, os últimos dois classe “Virgínia”para substituir submarinos que retornaram e normalmente um dos submarinos baseados em Guam sempre está em missão também, o que representa o mínimo ideal para o Pacífico, 4 ou
    5 SSNs em missão…e isso pode significar que um dos 4 ou 5 esteja visitando o Japão, Coreia do Sul, etc.
    .
    Também o grande SSGN USS Michigan partiu de sua base na costa oeste em março para sua missão de 1 ano “audaciosamente indo onde nenhum homem jamais esteve” e como amplamente divulgado também, visitou a Coreia do Sul mês passado, então, também pode ser considerado um “ativo” na área.
    .
    São submarinos que eventualmente podem ou poderiam interagir com os 3 NAes…talvez nenhum deles esteja tão perto, caso contrário,
    teriam sido fotografados com os NAes como normalmente acontece e aconteceu em 2007 quando os USSs Hampton e Key West foram fotografados
    com os 3 NAes que encontraram-se no exercício Valiant Shield 2007.
    .
    A US Navy normalmente mantém 3 SSNs com a VI Frota, principalmente Atlântico Norte, 2 com a V Frota no Mar Arábico e os 4 ou 5 com a VII Frota e é essa a realidade…em caso de guerra, há um plano que submarinos que estejam retornando à suas bases façam meia volta e os que estão em
    treinamento sejam armados para no mais curto espaço de tempo possível metade da força de submarinos esteja em condições de combate o que
    causaria um efeito danoso no ciclo de emprego treinamento e manutenção a médio prazo.
    .
    Só reforçando que submarinos também deixam suas bases navegando na superfície e em um determinado ponto o comandante dá ordem de mergulhar e daí sim o submarino “desaparece”…nenhuma necessidade de fazer o submarino deixar a base na calada da noite ou omitir a
    informação de que um Carrier Strike Group não tem um submarino integrado … seria o ideal, mas, para isso, os EUA teriam que ter 66 SSNs para cumprir 100% das missões hoje a eles designadas e mais 9, um para cada CSG existente… são 11 NAes, mas, apenas 9 CSGs e 9 Alas Aéreas existem…e a realidade é que a US Navy tem “apenas” 50 SSNs.

  28. “(…) e a realidade é que a US Navy tem “apenas” 50 SSNs.(…)”.
    E tem maluco que quer enfrentar isso.
    Vai lá então e dá o primeiro tapa amigo.
    Depois segura o lombo das costas para a cipoada que vai tomar.
    Bom saber que temos novos submarinos vindo aí. Mesmo que devagar.
    As vezes é bom ser coadjuvante nessa coisa de país grande. Não dá para brincar com esse pessoal porque eles não sabem o que é isso. Levam tudo muito a sério. E não somos assim.
    Abraços.

  29. Emmanuel…
    .
    ter 50 SSNs garante que apenas 10 estarão em seus postos…e isso é pouco para as responsabilidades atribuídas à US Navy que tem visto o
    número cair gradativamente ano após anos…17 anos atrás eram 56 e já naquela época não estavam sendo cumpridas todas as atribuições dadas a eles e esse número continuará caindo a menos que medidas sejam tomadas como manter a construção de dois ao mesmo tempo enquanto se constroem os SSBNs na próxima década para só na década de 2040 o número voltar ao que é hoje e por enquanto não se sabe como será feito.
    .
    abs

LEAVE A REPLY

Please enter your comment!
Please enter your name here