Home Indústria de Defesa Coreia do Sul lança o LPH Marado, segundo navio classe ‘Dokdo’

Coreia do Sul lança o LPH Marado, segundo navio classe ‘Dokdo’

8387
63
LPH Marado
LPH Marado

A agência sul-coreana de defesa (DAPA), a Marinha da República da Coreia (ROK Navy) e o estaleiro local Hanjin Heavy Industries e Construction (HHIC) em Busan celebraram o lançamento do navio de assalto anfíbio Marado (LPH-6112). Quando entregue em 2020, o Marado será o segundo navio de assalto anfíbio da frota da ROK Navy.

A cerimônia de lançamento aconteceu em Yeongdo, Busan, na presença do ministro da Defesa, Song Young-moo, e do almirante Um Hyun-seong, Comandante da Marinha.

Em outubro de 2010, o parlamento sul-coreano decidiu pela construção do segundo LPH (Landing Platform Helicopter) e depois de uma série de novos diferimentos nas decisões do governo, em 23 de dezembro de 2014 a DAPA assinou um contrato com a HHIC no valor de 417,5 bilhões de won (US$ 386,5 milhões) para a construção deste navio.

A HHIC concluiu a revisão do projeto técnico do navio em março de 2016 e cortou o primeiro aço em novembro de 2016. A quilha de Marado foi lançada em 28 de abril de 2017.

A HHIC projetou e construiu o primeiro LPH 6111 Dokdo da ROK Navy, comissionado em julho de 2007. Este segundo navio é baseado no Dokdo, mas apresenta várias melhorias. “O Marado é basicamente semelhante ao Dokdo, mas dotado com equipamentos aprimorados e um sistema melhorado”, disse uma autoridade da DAPA.

Principais diferenças entre o Dokdo e o Marado
Principais diferenças de equipamentos entre o Dokdo e o Marado (clique na imagem para ampliar)

De acordo com a DAPA, o Marado está equipado com novos radares de navegação, sensores infra-vermelhos e radar de vigilância 3D de antenas fixas (no lugar do radar Thales SMART-L 3D instalado a bordo do Dokdo), alguns desenvolvidos na Coreia do Sul.

A Marinha da República da Coreia do Sul também mencionou uma nova defesa contra mísseis antinavio. “Sistemas de armas de produção local como radar de navegação, sistema de defesa antimíssil e sistema de combate melhorado serão instalados na Coreia, e a capacidade de detecção antiaérea também será melhorada com a instalação de um radar de defesa aérea fixo.

Além disso, os principais equipamentos e instalações, como hélices e elevadores também estão sendo feitos localmente, o que irá melhorar a manutenção e reduzir os custos de manutenção”, diz o comunicado de imprensa.

Outra grande diferença é que o convoo da Marado foi adaptado para acomodar a aeronave de rotores basculantes Bell Boeing V-22 Osprey. Várias imagens da DAPA mostram o Osprey no convés de voo. Baseado nas imagens DAPA, o Marado deverá ser equipado com dois Phalanx CIWS: um na proa e outro na popa.

O Marado tem um comprimento de 199 metros, uma boca de 31 metros para um deslocamento de 14.500 toneladas. Sua velocidade máxima é de 23 nós e seu alcance é de 10.000 milhas náuticas a 18 nós. Sua tripulação é de 300 marinheiros. Essas especificações são semelhantes às do Dokdo.

A capacidade de carga útil do Marado, se similar a Dokdo é: até 720 marines totalmente equipadas, 10 carros de combate, 10 caminhões, 7 AAVs e 3 sistemas de artilharia. A doca alagável tem capacidade para duas embarcações de pouso tipo LCU ou 2 hovercrafts (LCAC). Todos os tipos de veículos (Jipes, IFV, MBTs, APCs, Engenharia), bem como soldados, podem ser carregados em embarcações de desembarque dentro da doca e levados para a costa. O hangar abaixo do convés pode acomodar até 15 helicópteros, incluindo alguns V-22. O convés de voo pode operar simultaneamente até 5 helicópteros de todos os tipos em serviço com a OTAN.

“O navio Marado reflete o desenvolvimento da tecnologia militar sul-coreana. Ao usar a tecnologia sul-coreana para a maioria dos equipamentos do navio, também podemos esperar uma redução nos custos de manutenção ”, disseram a Marinha e a DAPA em um comunicado.

Dokdo
Dokdo (clique na imagem para ampliar)
Marado
Marado (clique na imagem para ampliar)

FONTE: Navy Recognition

63 COMMENTS

  1. Uma nação que produz seus meios de defesa está muito bem situada no cenario da politica mundial. E ao exportar estará contribuindo para o progresso e a manutenção do nivel de vida. A Coréia do Sul desponta como forte concorrente a executar o programa das Tamandaré fornecendo, inclusive sistemas de armas Coreanos.

  2. Quanto dá, em dólares, 417 bilhões de wons?
    Eu gostava do design trampolim de piscina do mastro. Achava estranho um RAM logo acima do passadiço (muita fumaça no lançamento). Podia jurar que o Dokdo já operava Ospreys a partir do convôo. Parece-me, salvo engano, que o Osprey dobrado não cabe nos elevadores. Quando o Dokdo foi entregue, o SMART-L que se via era um mock-up de madeira.

    • Prezados,

      Este valor divulgado deve ser apenas o do casco. Não devem estar computados os sistemas, sensores e armamentos.

      Via de regra, os coreanos divulgam os valores separadamente.

      Este valor divulgado na matéria está mais barato que o do Makasar.

      Grande abraço

  3. A romanização “Dokdo” aportuguesada é “Dor que dá” . . . 😏

    O problema brasileiro é na quilha. Todo a dificuldade de navegação dessa nação é consequência de um projeto mal feito e de uma tripulação, da base ao comando, inepta, incompetente ou endemicamebte corrupta.

    Há de se por o Brasil num dique seco por um longo período para reparos estruturais e disciplinar a tripulação com a boa e velha chibata da justiça, começando pelos oficiais.

    Quem sabe haja esperança após esse Mid-Life Upgrade para mais 500 anos. Ou, certamente, afundaremos de vez . . .

      • Não tenho dúvidas, gostem ou não do dique, que seu nome é “Sérgio Moro”. E o jato que se usa por lá é para retirar as cracas submersas do casco, nos hélices, nos eixos, no leme, que causam arrasto hidrodinâmico, com queda brutal no rendimento, e maior consumo de combustível desse barco chamado Brasil.

        Mas é um dique muito pequeno, e com poucos recursos, para reparar um imenso barco com tantos e estruturais problemas, fora as cracas.

        E há quem se atreva a dizer que responsabilizar as cracas pela queda de rendimento do barco é desonestidade intelectual. “Não criminalizem as cracas!” Dizem. Melhor seria lançar a terceira classe no mar para dar mais velocidade e estabilidade à embarcação.

        Pior ainda é ver as opções dos futuros comandantes, com estilos que vão do despotismo ao nepotismo, passando pelo arrivismo.

        O Brasil é a própria alegoria da nau dos insensatos . . .

          • Lava Jato é pouco ainda Osawa, não vejo um futuro bom, mesmo em mais 500 anos.
            A corrupção está em nosso DNA, e isto não é um brincadeira, é sério.
            A cognição/acúmulo do conhecimento para realizar uma ação (ação envolvendo corrupção, por exemplo) vai, ao longo do tempo, modificando as instruções contidas no DNA/RNA. A informação genética armazenada é auto-replicante.
            E pensar que tudo começou em 1808 com a corte mais corrupta da Europa Ocidental vindo para cá.

    • Bela analogia. Eu já acho que não somos apenas um navio comum, nem mesmo um famoso como o Pequod, mas um navio fantasma, o holandês voador, preso num maelstrom de voragem cósmica.

    • Bobagem grossa.

      Orçamento da União em 2017: aproximadamente R$ 3,5 trilhões.
      Despesas com juros e rolagem da dívida: aproximadamente 46% do orçamento, ou R$ 1,6 trilhões;
      Investimento: aproximadamente 2% do orçamento (é menos, mas tudo bem), ou R$ 70 bilhões
      Chutando (absurdamente pra cima) aí mais uns 8% com aquisições de insumos, mais R$ 280 bilhões.
      Total de gastos “vulneráveis” à corrupção: R$ 350 bilhões.
      ___________de 10%: R$ 35 bilhões de corrupção ano.
      Sonegação anual, segundo os auditores da Receita Federal: R$ 600 bilhões.

      _________________: R$ 1,6 trilhões de rolagem da dívida mais uns R$ 600 bilhões de sonegação de um lado, totalizando R$ 2,2 trilhões de reais, e, de outro, R$ 35 bilhões de corrupção….

      Dá para perceber a desproporção?

      Qual seria o maior problema do Brasil?

      Bom, penso que _______________que embute a cooptação de parte das estruturas estatais, notadamente jurídicas, a agirem em franco desrespeito à legislação (vide, por exemplo, o artigo 325 do Código Penal) e à Constituição, por exemplo:
      1 – se esquecendo que num conflito entre os valores constitucionais da moralidade administrativa e da soberania, _______________;
      2 – se esquecendo que devem agir com eficiência, o que não acontece com essa louvada operação, já que na corrupção do ___________ pretensamente foram desviados R$ 10 bi em 10 anos, sendo que qualquer consulta (google) aos estudos da Fundação Getúlio Vargas aponta, por exemplo, que SÓ EM 2015 a operação (diga-se, vazamentos criminosos e desestabilizações política e econômica decorrentes) provocaram cerca de R$ 140 bilhões de prejuízo:

      http://www.fiesp.com.br/siniem/noticias/impacto-da-lava-jato-no-pib-pode-passar-de-r-140-bilhoes-diz-estudo/

      E essa cruzada moral conta com o auxílio luxuoso da mídia, que conduz as _________________ da população de forma a que ela consinta com esse tipo de absurdo…

      É de doer.

      COMENTÁRIO EDITADO. NÃO ESCREVA EM MAIÚSCULAS NEM USE O ESPAÇO COMO PALANQUE. LEIA AS REGRAS DO BLOG.
      http://www.naval.com.br/blog/home/regras-de-conduta-para-comentarios/

  4. O problema do Brasil e basicamente um só!!! Elite estrangeirada ou mesma estrangeira; ela nao permite mudanças, nao admite contestação e corrompe todos que se aproximam de forma viral.

    • Caio, o problema do Brasil é má gestão da máquina pública, excesso de funcionários públicos, principalmente em cargos de “confiança”, nepotismo exagerado e o pior de tudo desonestidade aliada a corrupção… muita gente querendo se dar bem de modo desonesto, entendo que nosso país é horrível de várias formas, praticamente tem que pagar para trabalhar e suga as pessoas, principalmente as de classe menos abastada (me incluo nessa), mas de todo modo isso não é desculpa para querer se dar bem de modo errado.

      O segredo é viver um dia de cada vez e ter esperança de que amanhã vai ser melhor.

    • Goalkeeper não é mais fabricado (se não estou enganado). Porém, há modernizações disponíveis para os que estão em serviço (Neste ano foi aprovado em testes um sistema modernizado para a Marinha Holandesa) e ainda deve haver sistemas Goalkeeper excedentes do Reino Unido (que padronizou CIWS com o Phalanx) à venda para quem se interessar, mas não imagino que a compra de sistemas usados excedentes seja o caso para os sul-coreanos nesses navios.

  5. País sério e com mentalidade de futuro. Sabem o que querem neste mundo!
    Agora, um certo país explêndido por natureza no tropico sul, bem,…………………
    como disse De Gaulle, não é um país SÉRIO!!!!!!!!!!!!!!
    Não existe mentalidade no Brasil para nada!! Somos um fracasso em quase tudo!!
    Política, sociedade, ciência, e por ai vai…………
    Seria um sonho o Brasil produzir seus meios de DEFESA, imaginem a noticia.

    Brasil lança o LPH Paraná, quarto navio classe ‘Cruzeiro do Sul’

    ops……….., melhor não sonhar!!
    Voltar a realidade!

  6. Quem, no blog, de um navio de transporte logístico projetado pelo CPN, para cuja construção a MB estava pleiteando empréstimo no BNDES? Existe ainda? Continua atual?

  7. É certo que esse preço dos coreanos é somente pela “casca”, e não inclui os itens a bordo. Se somar tudo, provavelmente cada navio desse não sai por menos de US$ 800 milhões.

    Os projetos que concorrem para a ‘Tamandaré’ são todos atuais, segundo divulgado… Aliás, os coreanos provavelmente estão oferecendo um derivado de suas classes ‘Daegu’ ou ‘Incheon’, que certamente custarão aí seus US$ 400 milhões por vaso…

    O ‘Scorpenè’, em que pese não ser o projeto mais recente, será a mais avançada classe de submarinos convencionais no hemisfério sul, constituídos com sistemas desenvolvidos em conjunto e produzidos no País.

    Quanto ao submarino nuclear, se sair, será somente um laboratório, tal qual foi o ‘Nautilus’ para os americanos. E não adianta… Se o País quer mesmo esse tipo de arma, tem que se partir de algum lugar, nem que se seja pra conceber uma traquitana no começo.

  8. “A HHIC concluiu a revisão do projeto técnico do navio em março de 2016 e cortou o primeiro aço em novembro de 2016. A quilha de Marado foi lançada em 28 de abril de 2017”. Bem rápido.

  9. Cada marinha classifica seus navios como quer, mas, por possuir uma “doca alagável”, capaz de abrigar duas embarcações de desembarque do tipo “LCAC” tecnicamente trata-se de um “LHD”, mas, pelo que li tempos atrás, optou-se por “LPH” por discrição.

  10. Alguém aqui ainda tem dúvidas que deveríamos nos aproximar mais dos sul-coreanos? Quem sabe essa parceria nos renderia algum futuro: Umas fragatas FFX, uns destróieres KDX.

  11. Olá pessoal, muito se diz sobre a construção naval durante o Império do Brasil , claro não deveria ser a melhor coisa do mundo, com Belonaves mais complexas e poderosas sendo encomendas a frança ou UK, mas no geral se parece que se caminhava a passos largos…
    Gostaria de saber se alguém tem alguma noção em que período isso foi deixado de lado pelos governantes e o porque.

    • Antonio,
      A coisa é mais complexa do que somente ser “deixada de lado” pelos governantes.
      De fato, houve esse aspecto. De um par de pequenos monitores fluviais iniciados em 1890, um só ficou pronto em 1910, ano em que nada menos que 14 navios de uma esquadra totalmente nova e caríssima, encomendada a estaleiros ingleses, foi entregue à Marinha do Brasil.

      Mas houve três outros fatores cruciais: a segunda Revolução Industrial já tornava difícil à construção brasileira de navios para a Marinha acompanhar os avanços do que se fazia lá fora, como havia sido possível acompanhar, ainda que modestamente, até antes dos anos 1880. Ou seja, ainda no Império, as dificuldades cresciam.

      Outro fator decorrente do primeiro foi o tempo elevado de construção (começou em 1884 e terminou mais de 10 anos depois) e alto custo de um grande cruzador construído aqui, o Alte Tamandaré de quase 5000t, que drenou recursos, pessoal e tempo que talvez fosse melhor empregado (com resultados menos decepcionantes) em mais navios de menor porte, igualmente necessários. Só ficou pronto na República, quando praticamente obsoleto face ao avanço enorme dos navios de potências navais no período de sua construção. Os próprios monitores que mencionei mais acima tiveram sua construção atrasada devido ao que o cruzador drenava de recursos.

      E o terceiro fator foi a Revolta da Armada de 1893, que desorganizou totalmente a Marinha e seu Arsenal, com reflexos no longo prazo.

      Ou seja, os maiores problemas coincidiram com a mudança para a República, mas já haviam começado na última década do Império.

        • Até porque estou de acordo com sua colocação. O Tamandaré foi um esforço notável e era um navio quase do porte do Aquidaban. Mas um desperdício total de tempo, profissionais e recursos – que poderiam ser usados no desenvolvimento de uma força de contratorpedeiros (que estavam sendo introduzidos nessa época, o Destructor data de 1892, e os primeiros contratorpedeiros britânicos também datam dessa época), de submarinos (que a Marinha estava desenvolvendo modelos em escala) e de cruzadores ligeiros de até 4.000 toneladas, com navios de maior tonelagem adquiridos externamente e mantidos internamente.

  12. O Ivany vai ficar “gozando” uns 5 dias.
    Parabéns Korea.
    Aço ?
    Eles produzem, insumos são importados.
    Deviam retomar a NK com apoio dos Amis e dos Ocidentais.
    CA Luís Monteiro,
    Notícias do pq a Navantia saiu ?
    G abraço

  13. Creio que no fundo você sabe de quem falo! Eu jamais viu levantar criticas aos meus patrícios empreendedores, que também são vitimas de uma cúpula financeira que so tem interesse no ganho fácil mesmo, as custas do bem da nação, sinto não fui claro.

  14. Tá.
    Um Radar SPS-550K 3D, operando na banda S e um MF-STAR, também operando na banda S. Alguém consegue me explicar qual a lógica desse arranjo?
    .
    Sobre o Navio.
    Não gosto desse projeto.
    Parece que tentaram inventar moda, fazendo uma mistura de “Osumi” com “Hyuga”…

  15. Fernando e Galante.

    O que vou falar é meio off, mas já tô para falar isso há um tempo porque é um assunto que pode interessar tanto a mim quanto a muitos aqui nesse espaço.

    Durante algum tempo, eram postados quiz históricos e discussões interessantes sobre estratégia e poder naval antigo e atual. Mas tenho notado que, talvez pela carga de trabalho de vocês, esse tema foi meio que posto de lado. Raras são as matérias históricas, e ainda assim em datas rememorando fatos passados.

    O que venho pedir é, se possível, a postagem de mais matérias abordando os aspectos históricos da estratégia e do poder naval (batalhas, táticas, pensadores), tanto no Brasil quanto no mundo. Se possível, discorrendo tanto sobre batalhas da antiguidade quanto batalhas recentes.

  16. Marinha e Estaleiros de respeito !!!
    Não brincam em serviço !!!
    Pergunta aos Editores:
    Não vão postar nada a respeito da Operação Esculápio deflagradas no Hospital Naval Marcilio Dias pela Policia Federal ?

  17. “Acabou de sair uma materia sobre o submarino nuclear brasileiro na Uol.
    Estão dizendo que o protótico que ficara em terrra começou a ser montado já.
    Em 2021 começara os testes e estera pronto.
    Tomara viu.
    Parece que o pessoal da Marinha leu o meu comentario anterior se referindo aos prazos kkk
    Poxa se for verdade ai sim vou elogiar.”

    Palhaço,

    Brincadeiras e exageros à parte, creio que ninguém precisou ler seu comentário para acelerar o programa.

    As informações de que o Protótipo em Terra (Labgene) do reator do submarino está em montagem e que o prazo para sua conclusão (o Labgene) é 2021, foram divulgados mais de uma vez, e há várias matérias aqui no site sobre isso. No caso, ao que tudo indica você é que não viu e ficou sabendo só agora.

    Abaixo, algumas das várias matérias que publicamos aqui, nesse caso selecionei apenas quatro de um ano pra cá (mas há inúmeras outras de anos anteriores sobre isso). Recomendo a leitura:

    http://www.naval.com.br/blog/2017/05/02/montagem-do-sistema-de-propulsao-do-submarino-nuclear-avanca-em-sao-paulo/

    http://www.naval.com.br/blog/2018/02/20/o-prosub-e-o-submarino-nuclear-brasileiro-sn-br/

    http://www.naval.com.br/blog/2018/04/10/marinha-avanca-no-labgene-e-lanca-equipamentos-para-producao-de-combustivel-nuclear/

    http://www.naval.com.br/blog/2018/01/14/os-100-anos-da-forca-de-submarinos-e-o-prosub-ultima-parte/

    • Xi… o comentário original do Palhaço sumiu. Acho que um dos outros editores está hj com menos paciência que eu e deu uma limpada geral no “FEBEAPN” (Festival de Besteiras que Assola o PN). Festival que, diga-se de passagem, assola diversos outros sites.

  18. Metres Juarez/Nunão/Galante/Dalton,

    Bem…US$ 386 Milhões no casco e sistemas básicos….mas navega? ou conseguindo navegar?

    Vamos hipoteticamente apenas arredondar para US$ 450 MM em estado de navegação junto a 4 escoltas da mesma categoria das FREMM ( ou similar)….operaria quanto de forma depreciada ao modelo completo?

LEAVE A REPLY

Please enter your comment!
Please enter your name here