quinta-feira, maio 13, 2021

Saab Naval

Navios-patrulha que Brasil fornecerá a Angola serão de 500 toneladas

Destaques

Fernando "Nunão" De Martini
Pesquisador de História da Ciência, Técnica e Tecnologia, membro do corpo editorial da revista Forças de Defesa e sites Poder Aéreo, Poder Naval e Forças Terrestres

macae-gustavo-casto-29-06-13.2

Brasil vai apoiar desenvolvimento do Poder Naval de Angola

 

Brasília, 05/09/2014 – Os ministros da Defesa do Brasil, Celso Amorim, e de Angola, João Manuel Lourenço, assinaram, nesta sexta-feira (5), Memorando de Entendimento Técnico que viabilizará o apoio da Marinha na implementação do Programa de Desenvolvimento do Poder Naval Angolano (Pronaval). De acordo com o documento, os africanos deverão adquirir sete navios-patrulhas a serem produzidos pela Empresa Gerencial de Projetos Navais (Emgepron) da Força Naval Brasileira.

A previsão é que quatro das embarcações sejam produzidas pela Emgepron no Rio de Janeiro*. Os demais navios-patrulha deverão ser fabricados em estaleiro a ser montado a 200 km ao sul de Luanda, capital do país, com assessoria técnica, materiais e equipamentos brasileiros. Além disso, a Marinha do Brasil deverá atuar na formação e capacitação de pessoal tanto para operar as embarcações como para a fabricação que será feita no novo estaleiro.

Os sete navios-patrulha terão 500 toneladas cada um e a configuração técnica será definida durante a fase de negociação dos contratos de fabricação e fornecimento de serviços. De acordo com o ministro João Manuel Lourenço, a assinatura do memorando é o primeiro passo para “aumentar a infra-estrutura estaleira e os meios navais da Marinha de Guerra angolana.”

Para Lourenço, o fortalecimento das patrulhas na costa angolana permitirá ao país combater ameaças que, segundo o dirigente, “fazem parte do mundo contemporâneo”: a pirataria marítima e o terrorismo. “Faremos de tudo para a que implementação dessa cooperação não demore.”

Acordo Brasil Angola Pronaval - foto 2 Ministério da Defesa

Atlântico Sul

Em seu pronunciamento, o ministro Celso Amorim ressaltou os laços históricos e culturais entre os dois países, destacando o fato de o Brasil ter sido a primeira nação a reconhecer a independência de Angola de Portugal, em 1975. Amorim disse que a parceria com o país é altamente estratégica, sobretudo pelo interesse recíproco na vigilância do Atlântico Sul.

Os dois países, junto de 23 outras nações africanas e sul-americanas, são signatários da Zona de Paz e Cooperação do Atlântico Sul (Zopacas), organismo multilateral criado pelas Nações Unidas (ONU), em 1986, com o objetivo de evitar a introdução de armamentos nucleares e de destruição em massa na região.

“Angola é uma nação pujante e cada vez mais atuante na África. Temos uma relação de amizade e de grande respeito mútuo. Não é de interesse ao Brasil ter uma atitude paternalista com Angola, até porque os angolanos não aceitariam isso”, disse o ministro Amorim.

Além da compra dos sete navios-patrulha e da assessoria na construção do estaleiro, o memorando de entendimento prevê a cooperação na área acadêmica e a formação e capacitação de pessoal para construir e operar as embarcações, bem como para a qualificação de homens da marinha mercante.

BID-Brasil

A delegação angolana participou da 3º Mostra BID Brasil, evento organizado pela Agência Brasileira de Promoção de Exportações e Investimentos (Apex-Brasil) e pela ABIMDE (Associação Brasileira das Indústrias de Materiais de Defesa e Segurança), com apoio do Ministério da Defesa e que reuniu quase 100 empresas do setor no Centro de Convenções Ulisses Guimarães, em Brasília. Os visitantes se interessaram por várias soluções e equipamentos apresentados na feira e participaram de reuniões de negócios com empresas brasileiras do setor.

Acordo Brasil Angola Pronaval - foto Ministério da Defesa

FONTE / FOTOS CENTRAL E DE BAIXO: Ministério da Defesa

FOTO DO ALTO (de Gustavo Castro), em caráter ilustrativo: o navio-patrulha Macaé, de 500 toneladas, construído no Brasil.

*NOTA DO EDITOR 1:  a Emgepron não produz navios pois não é um estaleiro – a empresa gerencia atividades, como diz seu próprio nome (Empresa Gerencial de Projetos Navais), incluindo a contratação de estaleiros para a atividade de construção naval. Tanto que, no próprio texto integral do Memorando de Entendimento disponibilizado na nota do Ministério da Defesa (clique aqui para acessar arquivo em pdf), é afirmado que “o MD designa como Coordenador do PRONAVAL a Empresa Gerencial de Projetos Navais (EMGEPRON), que será responsável, quando necessário, pela interface com as Organizações Militares da Marinha do Brasil (MB) e com as empresas do segmento naval da Base Industrial de Defesa (BID) brasileira.”

Recomendamos a todos a leitura do Memorando de Entendimento para embasar os comentários sobre a notícia, pois o mesmo traz diversos detalhes sobre como se pretende financiar o programa, entre outros.

NOTA DO EDITOR 2: o título original da nota do Ministério da Defesa é o subtítulo

VEJA TAMBÉM:

- Advertisement -

7 COMMENTS

Subscribe
Notify of
guest
7 Comentários
oldest
newest most voted
Inline Feedbacks
View all comments
Mauricio R.

Esse vai prá frente ou será igual a aquele acordo assinado c/ a Guiné Equatorial, p/ a venda de uma versão da “Barroso”???

Mayuan

Depende. Se depender de sua torcida nada vai. Como não depende, pode ser que vá.

phacsantos

Boa notícia!

Só espero que isso não envolva o atraso (proposital ou não) da encomenda brasileira!

Baschera

Espero que, desta vez, façam como os russos…. primeiro vc paga ou dá garantias seguras e contratadas, com avalista…depois recebe !!

O que não dá é o tesouro, o BNDES, BB, etc financiarem o negócio e depois… daqui a dez anos vir um babaca qualquer e perdoar a dívida do “pobre” pais africano…..

Sds.

Carlos Soares

N.O. na Cabeça com a Sócia, querem apostar ?

http://exame.abril.com.br/revista-exame/edicoes/1068/noticias/os-bilhoes-da-filha-do-presidente

“Baschera
9 de setembro de 2014 at 14:07 #

Espero que, desta vez, façam como os russos…. primeiro vc paga ou dá garantias seguras e contratadas, com avalista…depois recebe !!

O que não dá é o tesouro, o BNDES, BB, etc financiarem o negócio e depois… daqui a dez anos vir um babaca qualquer e perdoar a dívida do “pobre” pais africano…..”

Tens alguma dúvida ?

Carlos Soares

Mais uma do ________________________________

NOTA DOS EDITORES: COMENTÁRIO EDITADO. JÁ AVISAMOS AOS LEITORES, INÚMERAS VEZES, PARA NÃO UTILIZAR ESTE ESPAÇO PARA PROPAGANDA / CONTRAPROPAGANDA POLÍTICA. É TÃO DIFÍCIL ASSIM SEGUIR UMA REGRA TÃO SIMPLES, E QUE ESTÁ EXPLICITADA NA COLUNA AO LADO?

Carlos Soares

Pô não comentei nada a mais do que já é dito na Trilogia e não sou afinado com nenhum partido. Sei lá ….

- Publicidade -

Reportagens especiais

Centenário da Aviação Naval

No dia 23 de agosto de 2016 a Aviação da Marinha do Brasil completa 100 anos de história. Nessas...
- Advertisement -