Home História Live ‘Marinha do Brasil: da proclamação da República ao fim da 2ª...

Live ‘Marinha do Brasil: da proclamação da República ao fim da 2ª Guerra Mundial’

5666
97

Nessa live com o historiador Fernando “Nunão” De Martini o canal Base Militar compreender a imensa sequência de mudanças politicas, econômicas, sociais geopolíticas e tecnológicas que provaram a marinha e seu comando de 1889 a 1945.

Este é um período pouco conhecido atualmente e que impactou, profundamente, todas as décadas subsequentes. Nunão, além de compor desde 2008 o núcleo de editores dos conhecidos sites de Forças de Defesa (Poder Naval, Poder Aéreo, Forças Terrestres), é também mestre em História Social e Doutor em História Econômica pela USP, tendo dedicado sua carreira acadêmica a temas de tecnologia naval e militar dos séculos XIX e XX.

Subscribe
Notify of
guest
97 Comentários
oldest
newest most voted
Inline Feedbacks
View all comments
Paulotd
Paulotd
1 mês atrás

MB virou um antro de ineficiência e cabidão de empregos. Marinha lixo que não tem fragatas, Destroyers, mas temos concursos sem parar, 80 mil de efetivo, salários com penduricalhos, lagostas, enfim… Ou se reestrutura isso daí ou é melhor acabar com essa força e criar uma guarda costeira, mais barato para o contribuinte.

Last edited 1 mês atrás by Paulotd
Allan Lemos
Allan Lemos
Reply to  Paulotd
1 mês atrás

E pensar que nos tempos do Império chegamos a ser uma das maiores e mais poderosas marinhas do mundo.

Wilson Look
Wilson Look
Reply to  Allan Lemos
1 mês atrás

Allan, nesse período a Marinha era vista como um instrumento necessário para a manutenção da integridade do Brasil e para dar voz ao País no exterior, essa visão se perdeu um tempo depois da proclamação da república, principalmente pela Revolta da Armada de 1893, que vai marcar a marinha como uma instituição não confiável e ainda vai dividir a marinha internamente por muito tempo.

Allan Lemos
Allan Lemos
Reply to  Wilson Look
1 mês atrás

Eu sempre digo que a República foi o maior mal que alguma vez já se abateu sobre essa nação. Depois do golpe que tirou o governante legítimo do poder,tudo só piorou.O golpe feriu de morte o futuro glorioso que o Brasil tinha.

Wilson Look
Wilson Look
Reply to  Allan Lemos
1 mês atrás

Eu concordo que a Monarquia foi melhor que a República no Brasil, mas tenho que ver também que o maior problema da Monarquia foi não ter mudado, acompanhando as mudanças que já ocorriam no País, muitas dessas mudanças estão presentes na constituição republicana de 1891.

Plinio Carvalho
Plinio Carvalho
Reply to  Wilson Look
1 mês atrás

A monarquia não mudava? discordo amigo, o que vimos no decorrer dos quase 70 anos de Império foi reformas e mais reformas, tentamos a descentralização (1832 a 1840) e não deu certo, fomos pela centralização, tivemos 3 grandes reformas eleitorais nas décadas de 1840, 1850 e 1880, em 1881 o Brasil tinha uma participação eleitoral de 13% da população, só para comparação, na inglaterra esse valor era de 7% e de 2% na Italia, ficávamos atrás dos Estados Unidos com uma participação de 18% da população nas eleições, essa qualidade eleitoral do final do Império só seria alcançada pela republica… Read more »

Last edited 1 mês atrás by Plinio Carvalho
Wilson Look
Wilson Look
Reply to  Plinio Carvalho
1 mês atrás

As mudanças que você apresentou, são justamente as que a Monarquia não acompanhou, vou explicar melhor. A sociedade estava mudando e um novo cenário estava surgindo no Brasil, mas a estrutura que sustentava a Monarquia não mudou, o que levou que ela fosse ficando cada vez mais frágil, os últimos presidentes de conselho de ministros perceberam isso e buscaram formas de salvar a Monarquia. A própria constituição de 1824 já não refletia a realidade do próprio governo, ela precisava de uma revisão(o curioso é que D. Pedro I já havia imaginado isso e criou formas de permitir essas revisões se… Read more »

Wagner
Wagner
Reply to  Wilson Look
1 mês atrás

Lê o seu comentário e do Plínio Carvalho e a impressão q fiquei foi q D. Pedro II mandava e desmandava no Brasil! Eu não sei se vcs leram a constituição imperial, mas lá esta muito claro q o único poder q o imperador possuía era o 4 poder (moderador): dissolver o parlamento ou demitir o primeiro-ministro (presidente do conselho de ministros) e convocar novas eleições em seguida, e após ele ser coroado como imperador e se passar alguns anos, acho q 5 ou 7 anos, a primeira medida foi uma reforma na constituição onde ele tirou poder dele próprio… Read more »

Wilson Look
Wilson Look
Reply to  Wagner
1 mês atrás

O que eu queria dizer foi que a base de sustentação da Monarquia não mudou, isso criou um cenário em que muitas pessoas acreditavam que a mesma morreria com a morte de Dom Pedro II, em 1889 essas bases estavam muito fragilizadas e isso ocorreu porque ela meio que perdeu a sintonia com a população,(algo semelhante ao que temos hoje, em que parece que os políticos vivem em uma realidade diferente da realidade da população). Eu não estou criticando ou dizendo que a Monarquia não trouxe mudanças ou não mudou em muitos aspectos, só que a base de sustentação da… Read more »

wagner
wagner
Reply to  Wilson Look
1 mês atrás

Entendi agora seu ponto de vista, mas acredito q as mudanças q vc citou q vieram tardiamente como (acredito eu q vc esteja falando sobre estas) voto via sufrágio universal, acabando com o censitarismo e q abrangesse mais segmentos da sociedade, como as constituições republicanas q vieram posteriormente fizeram e principalmente na era Vargas e separação da igreja do estado na primeira constituição republicana de 1891 e o federalismo, realmente vieram tardiamente! Mas vindo do modo como veio também trouxe inúmeros problemas, o federalismo no RJ não deu certo infelizmente. Já as eleições hj em dia o voto é utilizado… Read more »

Wilson Look
Wilson Look
Reply to  wagner
1 mês atrás

Não sei se você vai achar ele, é um livro didático de história chamado “Ensino Moderno de História do Brasil”, era o livro do primeiro grau nos anos 70, tenho ele por que minha mãe preservou o dela, perto de alguns livros didáticos atuais, ele dá um banho completo, tem muita informação fotos, cartaz da época e tudo em uma linguagem de fácil entendimento.

wagner
wagner
Reply to  Wilson Look
1 mês atrás

O autor do livro chama-se L.G Motta Carvalho e na capa o livro tem uma cruz de malta?

Wilson
Wilson
Reply to  wagner
1 mês atrás

Isso.
O que eu tenho é a edição Nº30 exemplar Nº0057 da Editora Brasil S.A.

A capa tem a cruz de malta lembrando muito a cruz de ferro por causa das cores usadas, preto e branco.

Wilson Look
Wilson Look
Reply to  wagner
1 mês atrás

É bem isso mesmo. Se pelo mesmo algumas delas tivessem vindo durante a década de 1870 talvez fosse possível salvar a Monarquia, pois as principais bandeiras dos republicanos também seriam da Monarquia o que poderia afastar as pessoas das ideias republicanas(essa tese é defendida pelo Dom Luiz Maria em uma carta ao Congresso Brasileiro em 1910 pedindo que o mesmo adotasse algumas das ideias socialistas para que o mesmo não tivesse força no Brasil). Seria só questão de superar o preconceito que algumas pessoas tinham em relação ao Conde D’Eu que um 3 Reinado seria possível, como as coisas andaram… Read more »

Cristiano de Aquino Campos
Cristiano de Aquino Campos
Reply to  Wilson Look
1 mês atrás

Ao contrário amigo, foi justamente por mudar a base de sustentação da monarquia em busca da modernidade que a sociedade queria que ela caiu. Lembrar que a base da monarquia era o agronegôcio escravocata que se viu contráriado pelo fim da escravidão que ou tirou apoio ao imperio ou passou a apoiar os repúblicanos. Sem isso, um generalato rebelde, e um monarca pacifista que não quiz punir os desvios e resistir ao golpe, o Brasil seria monarquista ainda .

Wilson Look
Wilson Look
Reply to  Cristiano de Aquino Campos
1 mês atrás

Em nenhum momento a sociedade queria o fim da Monarquia, o que havia era um sentimento de que a Monarquia não sobreviveria a morte de D. Pedro II. O que temos é um exemplo entre vários na história da indiferença do povo brasileiro em relação a mudanças desse tipo, se o povo tivesse mostrado um enorme descontentamento logo no início da República, a mesma não teria vingado, mas essa indiferença deu segurança para os republicanos de então. É impossível acusar apenas uma coisa como sendo a causa da queda da Monarquia, foi um processo de pelo menos 20 anos de… Read more »

Joao Moita Jr
Joao Moita Jr
Reply to  Allan Lemos
1 mês atrás

Verdade. A tal “Proclamação Da República” (que nome bonito, né) não passou de um punhado de oportunistas vendidos aos latifundiários da época e ao Império Britânico, o qual estava fazendo todo o possível para continuar dominando o cone Sul. O primeiro golpe de estado no Brasil, que matou no berço o nascente Império Brasileiro. Aí começou essa tradição do capeta, aonde basta a potência do momento querer implantar seu fantoche, e os Judas se atropelam atrás da prata oferecida.
Sugiro que esse episódio vergonhoso seja apagado da história.

Abs

Hélio
Hélio
Reply to  Joao Moita Jr
1 mês atrás

O império caiu de podre, essa narrativa de império vigoroso é lorota fé neocon. A grande verdade é que o império caiu com a ruína do Barão de Mauá, dali para a frente nosso destino estava selado. Não adianta chamar os republicandos de capangas dos latifundiários quando o próprio império era capanga dos latifundiários. A grande diferença entre o Brasil e os EUA é que os EUA se libertaram da elite agrária com a força, o Brasil permanece refém dos mesmos coronéis até hoje, é só ver os barões do boi e da soja comandando o governo até hoje.

Plinio Carvalho
Plinio Carvalho
Reply to  Hélio
1 mês atrás

O Império caiu por causa de meia dúzia de, nas palavras de monteiro lobato, idealistas ininteligentes. O Império estava em constante reforma na década de 1880, desde reforma eleitoral, politica, social e ate econômica com o surgimento de um industrialismo inicial (bem inicial), obvio que havia muitos problemas mas era muito melhor ter reformado do que ter destruído a casa toda, se não fosse essa meia dúzia de oficiais revoltosos com ideias revolucionarias, o Império não tinha caído em 1889. O movimento republicano não tinha forças para mudar o regime pelo voto, a maioria dos jornais da época eram monarquistas,… Read more »

Last edited 1 mês atrás by Plinio Carvalho
Hélio
Hélio
Reply to  Plinio Carvalho
1 mês atrás

Não, o poder do império já estava fragmentado pelos coronéis com os partidos regionais, foi o regionalismo que quebrou a capacidade de Pedro II em articular com a elite e perder o poder. Pedro II já estava caduco e não tinha sucessor, ninguém queria a Princesa Isabel no poder e muito menos o Conde E’Du. Não existia escapatória para o império além de uma nova dinastia. A questão toda é tão verdade que ninguém moveu um dedo pelo império, nem Floriano Peixoto que prometeu manter o império em pé e caso de golpe se articulou por causa da total indiferença… Read more »

Cristiano de Aquino Campos
Cristiano de Aquino Campos
Reply to  Hélio
1 mês atrás

Floriano peixoto traiu o imperador por ter se sentido prejudicado pela eleição do primeiro ministro e da formação do gabinete de ministros pelo próprio.
Contráditório, derrubou o imperio por não concordar com uma eleição democratica parlamentar. O famoso, mudar para continuar.

Jacques da Rocha
Jacques da Rocha
Reply to  Plinio Carvalho
1 dia atrás

Só caiu porque Dom Pedro II não queria derramamento de sangue. O marquês de Tamandaré implorou para Dom Pedro reagir. Ele tinha tropas se prontidão. O povo foi surpreendido e nunca aceitou. Os que reagiram foram massacrados como em Sta Cararina em Desterro com atrocidades. República e marxismo no Brasil sempre foram de falsos intelectuais de café, botequim e universidades e da sociedade secreta. Aliás, até 1962 com 73 anos de república são os Lordes da Realeza que são patrono da marinha: Marquês de Tamandaré e do Exército o Duque de Caxias pois os republicanos produzem Deodoro e Floriano com… Read more »

Wilson Look
Wilson Look
Reply to  Hélio
1 mês atrás

Até os dias de hoje o segundo reinado, principalmente o período entre 1845-1870 é marcado como a época de ouro do Brasil, nunca em toda a história republicana houve um período com tal estabilidade política e crescimento econômico como ocorreu nesse período.
E com tudo que eu já pesquisei sobre o assunto, eu afirmo que a Monarquia não caiu de podre, a atual república é muito mais podre e afastada do povo do que a Monarquia jamais sonharia, mesmo com todos os seus defeitos.

Hélio
Hélio
Reply to  Wilson Look
1 mês atrás

Isso é verdade, o período de ouro do império foi de 1845 até os anos 70 do século 19, justamente a época em que o Barão de Mauá estava progredindo, daí para a frente foi ladeira abaixo, até culminar no corpo decrepito derrubado em 1889.

Wilson Look
Wilson Look
Reply to  Hélio
1 mês atrás

Em tudo que eu já li sobre o fim do Império, nenhum deles faz qualquer menção a decadência do Barão de Mauá como uma das causas, o que ocorre após 1870 é que o País entra em um período de crise econômica causada pelos custos da Guerra do Paraguai e que mesmo eles sendo pagos 10 anos após o fim do conflito, a crise continuou, mais por questões como a baixa industrialização do País e pela escravidão. O Barão de Mauá foi importante para o País, mas ele não o único visionário da época, os outros podem não ter tido… Read more »

Hélio
Hélio
Reply to  Wilson Look
1 mês atrás

Quando falei no Barão de Mauá, não falei dele como homem, mas pelo o que ele representava, a modernização e industrialização do Brasil, querendo ou não, ele era a locomotiva da industrialização. A queda dele acabou sepultando a industrialização, mantendo o poder nas mãos dos coronéis, que mantiveram a escravidão. O império caiu por causa dos coronéis e o fim do poder deles só poderia ser alcançado com uma elite industrial, assim como foi nos EUA.

Wilson Look
Wilson Look
Reply to  Hélio
1 mês atrás

A industrialização do Brasil não morreu com Mauá, o que houve que permitiu esse crescimento industrial no começo foi uma tarifa alfandegária sobre produtos importados e o fim do tráfico de escravos, esse suto inicial teve uma queda nos anos 1860, mas no final do Império estava tendo um segundo crescimento industrial. Os elementos que limitaram a industrialização nessa época foram a falta de uma política sólida e a escravidão que limitava o potencial do mercado interno, como você mencionou os EUA compara a força dos coronéis no norte e no sul, veja que o Brasil se assemelha mais com… Read more »

Hélio
Hélio
Reply to  Wilson Look
1 mês atrás

Exatamente, a futura elite industrial seria o nosso norte, foram as políticas dos coronéis, apoiadas pelo império, que atrasaram o país e mantiveram o poder nas mãos dos fazendeiros. Tanto que, quando o poder dos fazendeiros foi combatido, foi quando o país teve seu maior desenvolvimento, seja no segundo reinado, na era Vargas ou no regime militar.

Wilson
Wilson
Reply to  Hélio
1 mês atrás

Temos que tomar cuidado aqui, o Império nunca teve uma política econômica de estado, quem decidia os rumos era o parlamento, Dom Pedro II tinha uma participação muito limitada na política, sendo restrita a escolha do presidente do conselho de ministros, dissolução do parlamento e veto de leis(porem se a mesma lei fosse votada de novo dentro de 8 anos o imperador não podia fazer nada). Botar a culpa em um grupo sendo que, assim como no Sul dos EUA, as condições do Brasil favoreciam uma economia agraria e o mercado interno não era muito grande(o que piorava com a… Read more »

Camargoer
Camargoer
Reply to  Allan Lemos
1 mês atrás

Caro Allan. Tanto a Independência quanto a proclamação da República foram eventos promovidos e apoiados pela elite para preservar seu poder e riqueza. No caso da Independência, o Imperador do Brasil foi o filho do Rei de Portugal (mudou-se o regime para manter o mesmo país). No caso da República, chama a atenção que mudou-se o regime mas o parlamento foi mantido, de deputados e senadores oriundos dos proprietários de terras e grandes fortunas, eleitos por uma minoria da população. O voto feminino e secreto são instituídos por Vargas, Apenas a CF88 ampliou o voto para para incluir inclusive analfabetos.… Read more »

Joao Moita Jr
Joao Moita Jr
Reply to  Wilson Look
1 mês atrás

“nesse período a Marinha era vista como um instrumento necessário para a manutenção da integridade do Brasil”
Oras, nunca o deixou de ser. A minha tristeza ao ver a situação a que chegou essa outrora imponente e moderna marinha é que no mundo em fluxo aonde existimos, um dia chegará a hora, como sempre inesperadamente, na qual a MB precisará reagir, e aí será tarde demais, e os resultados serão desastrosos. É imperdoável que essa corja de bandidos malandros, de TODOS os partidos, permitiram a quase desintegração da MB.

Abs

Last edited 1 mês atrás by Joao Moita Jr
Esteves
Esteves
Reply to  Joao Moita Jr
1 mês atrás

Essa integração uma integração necessária e obrigatória pelo Rio Paraguai. Que somente a MB poderia fazer. Não significa que por conta da integração a MB tenha sido imponente e moderna. A MB fez o que dela se esperava. Se hoje não faz tem essa realidade com fatos mais recentes. A época das revoltas passou. Ou a herança ainda que maldita se encerra por si ou por canhões…e como seria isso se o conforto é bacana? Herança de aprontar navios estrangeiros e não sustentar uma Marinha. O resto é ego. A MB e a reação que dela se espera como elite… Read more »

Wilson Look
Wilson Look
Reply to  Joao Moita Jr
1 mês atrás

Eu concordo com você, é uma pena que a visão tenha se perdido, mesmo que a função não tenha sumido.

Bruno Moura
Reply to  Wilson Look
1 mês atrás

A marinha sempre foi a mais progressista das instituições brasileiras ,Era a maior e a maios poderosas das forças durante o império , teve seus orçamento achatado , e transferido , para o republicano e golpista exercito , sempre responsável por golpes de estado , e tortura e desaparecimento daqueles que se interpunham ao seus governos . Virou uma força mal vista , uma “quase comunista ” suas ambições sempre foram propositalmente boicotadas , suas asas foram cortadas , suas instituições de pesquisas esvaziadas , seu crime ,eram não ser subserviente a geopolítica , dos patroes ( EUA , Inglaterra… Read more »

Esteves
Esteves
Reply to  Allan Lemos
1 mês atrás

Lenda.

Wagner
Wagner
Reply to  Esteves
1 mês atrás

Realmente é uma lenda dizer q a marinha imperial era uma das mais poderosas do mundo, fake news monarquista! Kkkk. Podia ser a mais poderosa da América Latina, mas uma das mais poderosas do mundo ai já é exagero!! Outra fake news monarquista é sempre dizer q eramos a 4º economia do mundo! Essa eu racho o bico! Kkkkkkkkkkk.

Esteves
Esteves
Reply to  Wagner
1 mês atrás

Dr Fernando explica na aula.

Marinha fluvial, regional.

Essa mania de brasileiro…melhor futebol, maior estádio, meu canhão é maior que o seu, 8a. economia…putz.

Brasileiro precisa ser estudado…cai no esgoto e fica esgotado.

wagner
wagner
Reply to  Esteves
1 mês atrás

Boa amigo! Kkkkkk.

Guilherme Poggio
Reply to  Esteves
1 mês atrás

Assistam ao vídeo. Lá está tudo explicado.

pgusmao
pgusmao
Reply to  Paulotd
1 mês atrás

As tuas colocações estão perfeitas, a Marinha virou um elefante de “servidores” com muitas mordomias para o alto oficialato, quem conhece e frequenta o Clube Naval do RJ sabe o que digo, não falta provisões para deliciar a alta oficialidade, temos compras inúteis e impróprias, um orçamento voltado para folha de ativos e inativos, a mudança tem de acontecer ou continuaremos com os “almirantes velhinhos e roliços”!!

Esteves
Esteves
Reply to  pgusmao
1 mês atrás

Ego. Super ego. Alter ego.

Reformar essas previdências é tarefa para quem não tem medo de militar.

Tá pra nascer.

Esteves
Esteves
Reply to  Paulotd
1 mês atrás

Não faria muito sentido. Marinha de litoral, costeira, braço curto em um litoral do tamanho brasileiro precisa ser Marinha oceânica ainda que essa história de projeção de poder sobre a costa da África e independência nuclear com o reator de Almirante saia da sala para a cozinha, mas não sai de dentro da panela. Os 80% e os 80% dos 80% são do regime estatutário. Algumas categorias com mais benefícios. A sogra virou pensionista com 15 e já ganha 27. Nenhum regime previdenciário sustenta um benefício bolo…não para de crescer. O presidente do STF mandou pagar o benefício pecuniário de… Read more »

Mauro oliveira
Mauro oliveira
Reply to  Paulotd
1 mês atrás

É triste ver a pequena visão de uma força que tanto faz no mar e nos rios , a frustração de pessoas que nunca conseguiram entrar nesta carreira e apesar de muitas das vezes ter tentado, hoje criticam sem conhecimento da verdadeira atuacao da força

Wilson Look
Wilson Look
1 mês atrás

A live vai ficar disponível depois?

Alem
Reply to  Wilson Look
1 mês atrás
Fernando "Nunão" De Martini
Fernando "Nunão" De Martini
Reply to  Wilson Look
1 mês atrás

“ A live vai ficar disponível depois?”

Sim, Wilson. Os vídeos anteriores estão disponíveis no canal Base Militar:

https://m.youtube.com/c/BASEMILITARVÍDEOMAGAZINE/videos?disable_polymer=true&itct=CBAQ8JMBGAEiEwjMvNKUjM3rAhUNS5EKHRk6D5U%3D

Wilson Look
Wilson Look
Reply to  Fernando "Nunão" De Martini
1 mês atrás

Obrigado.

A pergunta foi porque estou tentando ajudar, pelo menos, com dados e informações sobre os navios brasileiros nesse período para a elaboração de uma arvore tecnológica pan americana para o jogo World of Warships, se quiser conhecer esse trabalho ele está disponível aqui:
https://forum.worldofwarships.com/topic/220512-%C3%A1rvore-tecnol%C3%B3gica-panamericana-proposta-consolidada/

Roberto
Roberto
1 mês atrás

Por favor tirem uma dúvida. Na matéria sobre a energização das baterias do submarino Humaitá ,https://www.naval.com.br/blog/2020/09/02/energizacao-das-baterias-do-submarino-humaita-s41/ , consta que as baterias duram apenas 3 horas e meia, quando submerso em velocidade máxima sem o uso dos motores diesel . Está correta essa informação ? vi em outro site que elas duram dias . Aí surgiu a dúvida Obrigado

Wilson Look
Wilson Look
Reply to  Roberto
1 mês atrás

O tempo exato de duração das baterias em velocidade máxima eu não sei, mas sim elas duram apenas algumas horas em velocidade máxima.
Em velocidades menores elas duram bem mais tempo, somente os submarinos nucleares conseguem permanecer dias submerso em altas velocidades.

Vou dar um comparativo de um modelo que eu conheço os dados, os Tipo 21 alemães da segunda guerra, quando submersos eles podiam ficar até 3 dias a uma velocidade de 2 a 3 nós e apenas umas 2 horas em velocidade máxima que no caso era de 16 nós.

Souto.
Souto.
Reply to  Wilson Look
1 mês atrás

Amigo Nunão a MB vai comprar mais navios AHTS de uma classe
superior a dos Mearim?Dizem que a MB esta gostando muito desses navios.

Fernando "Nunão" De Martini
Fernando "Nunão" De Martini
Reply to  Souto.
1 mês atrás

Não faço ideia, Souto. Tirando essa live de hoje e outras iniciativas do tipo, estou por alguns meses numa fase “detox” de assuntos relacionados à Marinha.
Foram muitos anos pesquisando academicamente, apurando jornalisticamente, tirei férias. Então por mais um mês ou dois não sou a pessoa mais indicada pra perguntar sobre novidades desse tipo.

Last edited 1 mês atrás by Fernando "Nunão" De Martini
Esteves
Esteves
Reply to  Fernando "Nunão" De Martini
1 mês atrás

Vixi.

Pode ser efeito de vinho de 50.

Fernando "Nunão" De Martini
Fernando "Nunão" De Martini
Reply to  Esteves
1 mês atrás

Nem. Muita água salgada no cérebro. Precisa de tempo pra decantar.

Esteves
Esteves
Reply to  Fernando "Nunão" De Martini
1 mês atrás

Vai pra Serra da Canastra…leva a bike. Se não quer mar…se tem pecados…tem muitos roteiros interioranos.

Mas, precisa deixar um Nuninho no Naval.

Kemen
Kemen
Reply to  Wilson Look
1 mês atrás

Wilson, vc esqueceu de mencionar de mencionar os submarinos convencionais que dispõe de AIP, eles também podem permanecer varios dias submersos sem recorrer ao snorkel, dependendo do AIP entre 20 e 28 dias dependendo da tecnologia empregada no AIP.____ Submarinos equipados com baterias de Li-ion podem permanecer o quase dobro do tempo submersos em relação aos que dispõe de bateria de Chumbo-Ácido.

Wilson
Wilson
Reply to  Kemen
1 mês atrás

Eu não mencionei eles por que eles tem a limitação de velocidade assim como os convencionais sem AIP. Sei que eles podem ficar semanas submersos, mas a velocidades abaixo dos 5 nós em média o que difere de um nuclear, que no caso vou usar o USS Seawolf pois conheço alguns dados dele, ele pode ficar todo esse período submerso a uma velocidade de até 20 nós. No caso das baterias, eu prefiro que o Brasil aposte nas de Lítio-Enxofre tão ou até mais eficazes que as de Íon-Lítio, só que mais baratas, isso é porque a primeira fábrica de… Read more »

GFC_RJ
GFC_RJ
1 mês atrás

Acompanho o canal do Felipe Salles desde o início. Lives excelentes com muito conhecimento compartilhado.
Boa sorte ao Sr. Nunão na live de hoje. Assistirei seguramente, esperando uma nova grande aula.

guilardo
guilardo
Reply to  GFC_RJ
1 mês atrás

Falo respeitosamente, mas infelizmente a Marinha Brasileira é, comparando, uma gaiola belíssima de ouro, sem contudo ter a cantar um simples canário. Nessa gaiola habitam apenas beija flores, sequer temos pardais para destruir alguma coisa. Um gigantesco aparato humano para sustentar, com salários muito bons, mas sem esquadra suficiente para defender as nossas costas. Vivemos de ilusões de subnucleares, igualmente desdentados, e navios anfíbios para treinamentos em nossas praias. Difícil passar disso.

Alves de Almeida
Alves de Almeida
1 mês atrás

Parabéns Fernando pela excelente aula. Forte abraço

Fernando "Nunão" De Martini
Fernando "Nunão" De Martini
Reply to  Alves de Almeida
1 mês atrás

Obrigado por prestigiar, Alves de Almeida!

Esteves
Esteves
1 mês atrás

Bem bom. O Esteves teria “quebrado” em podcasts de 30 minutos. O período histórico merece um detalhamento maior e uma explanação mais apurada principalmente tratando-se do Dr Fernando. Tempo menor da pra pensar, fazer uma pesquisadinha e voltar pra aula. O Esteves tem vários neurônios… Alias…podcasts vem avançando nas publicações. Bom bem… Com comparações regionais foi possível ter uma Marinha superior ainda que no início do período abordado mais fluvial. Foi maior. Isso levou vizinhos a adquirirem também mais e melhores navios anos depois. Por revoltas, por políticas, por período históricos passados no Brasil, Paraguai, Argentina e Chile e, pela… Read more »

Esteves
Esteves
1 mês atrás

Sinatra, Dean Martin e Sammy Davis Jr.

Historiadores…

Fernando "Nunão" De Martini
Fernando "Nunão" De Martini
Reply to  Esteves
1 mês atrás

É que eu tive que tirar um quadro do Gordo e Magro porque estava dando reflexo, então o Rat Pack acabou ficando em destaque.

Guilherme Poggio
Editor
1 mês atrás

Só uma palavra. “Sensacional”.
.
Nunão é um verdadeiro doutor em história. Uma aula online sobre a esquadra da Marinha do Brasil entre o final do século XIX até a década de 1920.
.
Em relação à tese em si, ela já está disponível através do link abaixo. São 400 páginas de muita informação, fotos históricas e tabelas que condensam os dados.
.
https://www.teses.usp.br/teses/disponiveis/8/8137/tde-03092020-174032/pt-br.php

Guilherme Poggio
Reply to  Guilherme Poggio
1 mês atrás

Faltou o agradecimento pela “menção honrosa” na tese, Nunão. Obrigado, meu amigo.

Fernando "Nunão" De Martini
Fernando "Nunão" De Martini
Reply to  Guilherme Poggio
1 mês atrás

Eu que agradeço, Poggio, forte abraço!

Esteves
Esteves
1 mês atrás

Pergunta. O incidente de Tramandaí. As resistências, fabianas principalmente. Uma das origens dessa resistência contra as asas na MB… a Revolta da Armada seria? Afinal, ficou para o EB ir comprar navio. Fizeram revolta com navios atacando a capital Rio de Janeiro. Sem sucesso desceram até Florianópolis. O que poderiam fazer se contassem também com aviões…não nos anos 1910, mas adiante nos anos 1960/70/80. Faz algum sentido pensar que nós nos sabotamos com essas revoltas? Certo pensar que no DNA militar vivem resquícios contra os marinheiros? Sem pensar nos legalistas e nos positivistas…tem a disciplina. E a MB mandou bomba… Read more »

Wilson Look
Wilson Look
Reply to  Esteves
1 mês atrás

Se quiser eu posso responder. Pelo que conheço não seria a revolta da armada de 1893, essa resistência estaria mais atrelada a forma como a FAB foi criada em 1941, nesse caso foi dada a opção aos aviadores tanto da marinha como do exército de escolher se iriam para a nova força ou ficariam nas suas respectivas forças, eles escolheram ir para a nova força e durante a Segunda Guerra na marinha muitos deles eram vistos como traidores por abandonar a marinha, ai já começa essa divisão, hoje é mais por questão da FAB dizer que a MB estaria fazendo… Read more »

Esteves
Esteves
Reply to  Wilson Look
1 mês atrás

Grato. Haveriam então rancores contra os militares que trocaram o EB e a MB pela então criada FAB. Traidores seriam. Mas não contra a instituição marinheira como o Incidente de Tramandaí relembrado pelo PN. O que parece ter havido na Revolta da Armada e à partir de foi uma cisão ainda que fracassada e cicatrizes enraizadas. Com a velha desculpa das oligarquias e das elites cafeteiras X marinheiros que iam e viajavam à Europa e…essas viagens também serviam para arejar pensamentos e comportamentos assim como Solano Lopez fez…e acusam a MB de conservadorismo talvez um rótulo fake e… Podcasts de… Read more »

Alexandre
Alexandre
1 mês atrás

Nós tínhamos uma das melhores marinhas do mundo na época do Brasil Imperial com Dom Pedro II, já hoje a nossa marinha infelizmente passa vergonha perante as outras.

Só foi ocorrer o golpe republicano que tudo desandou…

Esteves
Esteves
Reply to  Alexandre
1 mês atrás

VV. Veja o vídeo.

Foi uma Marinha regional e fluvial. A Marinha americana sentia os efeitos da Guerra de Secessão. Depois recuperaram.

O que desandou no Brasil foi o setor público. O reator do Almirante é um exemplo. Muitas histórias, pouco resultado, gastos eternos, o tempo passa.

Hoje não se consegue fazer o que se fez no passado. Comprar navios capazes. Porque navio de hoje custa muitos, muitos milhões e bilhões. E dependência.

Marinha contra quem, Marinha pra que, Marinha de quem.

Wilson
Wilson
Reply to  Esteves
1 mês atrás

Só vou adicionar uma coisa, na última década do Império, houve um esforço em tornar a Armada em uma marinha oceânica, tendo nessa época um núcleo com essa capacidade, os últimos encouraçados assim como os cruzadores tinham capacidade oceânica, mesmo que o grosso da Armada fosse de navios costeiros, os navios fluviais eram só para a operação na Bacia do Prata.

Esteves
Esteves
Reply to  Wilson
1 mês atrás

“os navios fluviais eram só para a operação na Bacia do Prata.” Opa. Queria ver aquela gente colocar navio de rio no mar. Naqueles anos encouraçar um navio significava revestir com chapas de aço. Precisava e precisa de tecnologia pra revestir navio? O que era o máximo de tecnologia naqueles anos? Vapor? Turbinas a vapor? Munição explosiva? Hoje…sistemas, sistemas, eletrônica, vigilância, sonares, radares, munição anti mísseis, aprestamento, treinamento, mísseis…até chegar nos canhões cada vez menores…e nos torpedos. Se naqueles anos comprar navio exauria os recursos públicos…hoje…nos dias de hoje…precisa fazer navio inventivo, de propriedade nativa, com recheios que dominamos incluindo… Read more »

Last edited 1 mês atrás by Esteves
Wilson
Wilson
Reply to  Esteves
1 mês atrás

O monitor Bahia da Guerra do Paraguai era um navio fluvial, mas cruzou o Atlântico em 30 dias(ele foi construído na Inglaterra) o que mostra uma capacidade de operar em alto mar muito boa.

As vezes faziam isso, de operar navios fluviais em alto mar, alguns até que eram bons por causa do calado que tinham.

Esteves
Esteves
Reply to  Wilson
1 mês atrás

Sim.

VV. Veja o vídeo.

Nos anos da Guerra do Paraguai, navio servia pra atacar o litoral.

Wilson Look
Wilson Look
Reply to  Esteves
1 mês atrás

De certa forma essa era a função de todos os navios da época e antes dela até, bombardear posições inimigas, apoiando as tropas aliadas.

Esteves
Esteves
Reply to  Wilson Look
1 mês atrás
Wilson Look
Wilson Look
Reply to  Esteves
1 mês atrás

Meu Deus isso me persegue, só pode.
É pior que os pôneis malditos.

Esteves
Esteves
Reply to  Wilson Look
1 mês atrás

Pode ser pior.

F0669FB2-1DD0-4B18-BAC1-83299874CA8A.jpeg
Alexandre
Alexandre
Reply to  Wilson
1 mês atrás

Se hj o Brasil restaurasse a monarquia e voltássemos a ser um império, nós seríamos uma outra nação, uma nação muito melhor e potente.

Esteves
Esteves
Reply to  Alexandre
1 mês atrás

Potente.

Basta distribuir tribulus, ginseng, guaraná e catuaba. Junto e misturado.

Se não funcionar vai de Viagra. Original.

Bem potente.

Alexandre
Alexandre
Reply to  Esteves
1 mês atrás

Muita ironia essa sua.

Alexandre
Alexandre
Reply to  Esteves
1 mês atrás

Marinha para proteger nossos mares, a nossa costa marítima que abrange 7.500 km de extensão com 500 km de largura para o auto mar.

É preferível ter uma arma e nunca precisar usá-la, do que n ter nada e necessitar até mesmo de uma ponta de faca para se defender.

Esteves
Esteves
Reply to  Alexandre
1 mês atrás

Nossa Costa. Nossa costa tem 12 milhas. A ZEE tem 200. A exploração da ZEE é exclusiva, mas o mar não é. Quem tem 1 não tem nenhum. Submarino nuclear armado com torpedos estará em um ponto. Quando precisar navegar será localizado quando e depois de disparar. Antes, a localização é mais dificultosa e aí está a arte dos submarinos. Não se sabe aonde estão. VV. Veja o Vídeo. Fomos pedir dinheiro emprestado. Como ontem pedimos aos franceses pelos submarinos e aos alemães para financiarem as Tamandarés. Fazer guerra com o dinheiro alheio é esquisito. Fundos de pensão. Vamos deixar.… Read more »

Alexandre
Alexandre
Reply to  Esteves
1 mês atrás

Se vc acha que a nossa costa marítima brasileira não deve ser protegida, então tudo bem. Muito sem noção vc.

Kemen
Kemen
1 mês atrás

É facil falar mal da nossa Marinha (aliás não é só da Marinha), alguns acham que algumas coisas deveriam mudar, é provavel e também possivel, mas comecemos disponibilizando um orçamento maior (a primeira mudança), muitos pensam apenas nas belonaves de alto mar onde nossos meios são anticuados, mas pensem na força submarina que esta sendo construida, na base de submarinos, pensem nas fragatas ligeiras que virão, ora se não temos mais é porque não existe orçamento suficiente, a Marinha faz das tripas coração, não devemos esquecer que somos um pais de rios, e a Marinha esta presente em quase todos… Read more »

Last edited 1 mês atrás by Kemen
Esteves
Esteves
Reply to  Kemen
1 mês atrás

VV. Veja o vídeo. Desde sempre sofremos com navios. Porque navios são caros e, quanto mais tempo passa mais caros ficam incorporando tecnologias e novidades. Sofremos porque aprender, repetir, dominar, produzir, demora. Depende de estudo, desenvolvimento, pesquisa. Demora novamente. Feito, precisa sustentar. Operar, manter, modernizar, atualizar, adestrar, treinar, formar, aprestar. Tudo junto. Escola, indústrias, governo, demandas, projetos, programas. E segurar os custos. Pode imitar americanos entregando encomendas a estaleiros públicos e privados balizando preços e qualidade, pode imitar australianos determinando quanto tem pra gastar, pode imitar ingleses e seus leilões. Mas tem que ter respeito pelo dinheiro ou ele se… Read more »

Carvalho2008
Carvalho2008
Reply to  Kemen
1 mês atrás

Mestre Kemen, fica tranquilo que a critica aos alto oficiais é focada nos altos oficiais mesmo…capitão de corveta é peixe pequeno trabalhador….mira mais acima que acha…

Esteves
Esteves
Reply to  Carvalho2008
1 mês atrás

“A Justiça Militar ignorou o impedimento de contratação de novos servidores, previsto na lei complementar 173, e incluiu a despesa na previsão do Orçamento de 2021.

O órgão pretende criar 740 cargos.”

Tutu
1 mês atrás

Ótima live

Francisco Lucio Satiro Maia Pinheiro
Francisco Lucio Satiro Maia Pinheiro
1 mês atrás

É por isso que desde criança, morando aqui no interior do Ceará, eu sempre fui monarquista. Sempre entendi a República como uma bagunça, desenhada para os oportunistas. Gostaria de ver um Brasil grande, forte, poderoso, com uma Marinha de respeito.

Camargoer
Camargoer
1 mês atrás

Olá Nunão. Consegui ver a entrevista hoje, neste domingo. Parabéns. Aprendi muito. Já baixei a Tese. Um abraço.

Fernando "Nunão" De Martini
Fernando "Nunão" De Martini
Reply to  Camargoer
1 mês atrás

Valeu, Camargoer. Boa leitura! Abs!

Kemen
Kemen
1 mês atrás

Não tenho o gasto militar da Marinha disponivel,mas em 2020 que ainda estão ocorrendo despesas extras com o pagamento da base e dos novos submarinos, das fragatas ligeiras, e na Força Aérea o pagamento das novas aeronaves, com algumas aquisições de menor vulto, desconheço a do Exército, mas gastar apenas 1,5 % do PIB é irrisório para um pais como o nosso. Talvez devessemos gastar 2% pelo menos. Mas claro não é? Para que se não temos ameaças externas, como dizem inumeras autoridades politicas…___ https://en.wikipedia.org/wiki/List_of_countries_by_military_expenditures Se observarmos bem, veremos como é foram as despesas militares dos paises ao longo dos… Read more »

Last edited 1 mês atrás by Kemen
Esteves
Esteves
Reply to  Kemen
1 mês atrás

VV. Veja o vídeo. Nossa despesa é descontinuada. Não se transforma em conhecimento, com raras excessões. As Tamandarés…não saiu notícia após a divulgação da venda do Oceana aos alemães. Seja o que será aqui e no Ceará, a MB ganhou 9 bilhões para esse contrato. Ex orçamento. Tá bom demais embora com o câmbio desfavorável em quase 7 vezes, não disseram quantas fragatas serão. Se. A conta do PIB. PIB entre as 15 ou entre as 10 economias considerando que 80% a 85% dele é consequência do consumo interno e que nosso comércio exterior limita-se a commodities como farelo de… Read more »

Control
Control
1 mês atrás

Srs Sempre que surge a discussão sobre a capacidade bélica da MB ou das FA`s em geral, o ponto mais citado é o do orçamento (pequeno para muitos) e do quadro de pessoal (grande para alguns outros). O problema é que logicamente, o orçamento (ou mesmo o seu quadro de pessoal) só poderá ser definido como insuficiente ou excessivo ao ser balizado contra as necessidades de recursos para a MB atender suas funções, funções estas definidas na constituição. No geral, tal preceito básico é ignorado, até mesmo pelos profissionais do ramo, os almirantes, que costumam definir as necessidades financeiras com… Read more »

José Carlos Schuh
José Carlos Schuh
25 dias atrás

Um antro de ineficiência. Gostei. É isto. Só compra navios de desembarque de fuzileiros navais. Vamos invadir alguém?