Baixa do Navio de Desembarque de Carros de Combate (NDCC) ‘Mattoso Maia’ – G28

207

O canal Navios e Histórias do YouTube noticiou em primeira mão que o Navio de Desembarque de Carros de Combate (NDCC) Mattoso Maia – G28 (ex-USS Cayuga – LST 1186) dará baixa ainda em 2023, depois de um longo período de paralização para reparos que visavam sua recondução ao setor operativo.

O NDCC Mattoso Maia é o primeiro navio da Marinha do Brasil a ostentar esse nome em homenagem ao ex-Ministro da Marinha Almirante Jorge do Paço Mattoso Maia. Foi construído pelo estaleiro National Steel & Shipbuilding, Corp., em San Diego, Califórnia e incorporado à Marinha dos EUA em 1968.

Foi transferido para a Marinha do Brasil por empréstimo de cinco anos, com opção de compra, em 26 de agosto de 1994. Chegou ao Rio de Janeiro, via Canal do Panamá, em 3 de novembro de 1994, sendo incorporado no mesmo dia à Armada e a Força de Apoio a qual passou a ser subordinado..

Desde chegou ao Brasil, o Mattoso Maia participou de diversas operações anfíbias, realizou o transporte de tropas e material para Missão de Verificação da ONU em Angola e apoiou a Missão de Paz no Haiti. Participou também da Força-Tarefa que realizou a Operação Tamandaré de translado dos restos mortais do Almirante Tamandaré para sua cidade natal, Rio Grande-RS.

O NDCC Mattoso Maia é um navio que conta com elevada capacidade de transporte de tropas de Fuzileiros Navais e de material, sendo fundamental na condução das atividades anfíbias realizadas pela Marinha. Ele foi projetado para executar lançamento dinâmico de Carros Lagarta Anfíbios e para abicagem em cabeças de praia, a fim de realizar desembarque de pessoal e material.

Fotos do NDCC Mattoso Maia em operação

NDCC Mattoso Maia

O NDCC Mattoso Maia – G28 em 2008, com um helicóptero SH-3 Sea King em primeiro plano e o Navio Veleiro Cisne Branco ao fundo – Foto: Alexandre Galante

CIWS Vulcan Phalanx
CIWS Vulcan Phalanx instalado no Mattoso Maia – Foto: Alexandre Galante
Subscribe
Notify of
guest

207 Comentários
oldest
newest most voted
Inline Feedbacks
View all comments
Grozelha Vitaminada Milani

Vai sobrar alguma coisa?

A Marinha do Brasil aos poucos se torna uma Marinha de funcionários públicos locados em terra firme preenchedores de papel.

Viva os barquinhos de papel!

Rogério Maurício

Este é o problema, qual é a solução que o senhor sugere?

Rodrigo

Primeira é chega de concurso, segunda os temporários vão para rua, corte de custos operacional

Gerson Carvalho

Acho que cortando 1/3 do efetivo já seria um ótimo passo, porque 50 mil homens são mais que suficientes para a MB, incluindo 10 mil Fuzileiros. As Demais Forças também precisam de grande corte de pessoal e investimento em tropas profissionais e bem capacitadas para um cenário mais tecnológico.

Last edited 11 meses atrás by Gerson Carvalho
Grozelha Vitaminada Milani

1- Revisar todas as pensões.
2- Criar um regine de aposentadoria igual para todos os cidadãos atuais.
3- Filhos tem que trabalhar como os civis, mesmo regime.
4- Acabar com a aviação de asa fixa na Marinha. Marinha tem que ter barco e não avião.
5- Cadê o fundo da exploração de petróleo com um % para Marinha investir em embarcação.
6- 80% dos homens tem que estar embarcados e não plantados na terra.
7- Etc … O MARinha vem de MAR, não de Terra e nem de AR!

Rodrigo

Impressionante ter 4 negativacoes no comentário mais lúcido…isso mostra como nossos militares vivem no mundo da lua.

Aldo Lins

Você precisa conhecer o plano de governo, assim como os recursos disponibilizados para o Ministério da Defesa e das Missões das Forças Armada. Depois disso, volte a opinar.

joão pedro

não concordo com o item 4

Júlio Moreira

Temos um expert… Meu caro, trabalhar na Marinha há anos é uma escravidão. Trabalha-se muito porque são abnegados (trouxas) duante de tantas carências… Imagine que em sua maioria precisam morar no lixo do Rio com uma merda de salário. Não há paixão que resista… Dei 4 anos da minha viva. Hoje desejo mil anos de vida para cada militar de Marinha. 83.1001.30

José Luiz

Compreendo bem o que você colocou. Também trabalhei uma vida numa instituição pública de segurança e tive muitos sentimentos. Mas uma decisão de alto comando anula o esforço de muitos. Esse navio por exemplo, imagino quantas horas de esforço foram gastas e no final para dar baixa. Todos os recursos materiais e humanos podiam ter sido empregados em outra missão de reparo. E a grande quantidade de equívocos do passado está cobrando o seu preço no presente. Dá para fazer uma lista de sugestões mas é um exercício inútil, pois somente os que dispõem de todas as informações podem saber… Read more »

Suco de Melão Amargo

Engraçado, mas ninguém larga o osso, não é mesmo? Se é tão ruim, da cidade ao trabalho em si, qual a razão de ter fila na porta e gente fazendo de tudo para não sair?

Srs

Os almirantes não pessam assim, conheço muitos que moram em corberturas na zona sul e outros em Icaraí região nobre de Niterói.

Reginaldo Mariano

Você ficou 4 anos? E eu que fiquei 32 anos. Concordo com tudo que vc falou. Militar das Forças Armadas, realmente recebe um salário de merda. Só pra comparar, um soldado da PMERJ, já está ganhando bem mais que um 2°SG das Forças Armadas. Isso é humilhação total. E realmente é escravidão mesmo. Muito 2 por 1 nas madrugadas. E continua assim até os dias atuais.

Roberto

Tens alguma coisa contra os Fuzileiros Navais!!! Teu comentário tem um quê discriminatória e de quem tem pouquíssima informação. Quando se precisa da marinha, em muitas missões, vão os Fuzileiros por ar, terra e mar.

Srs

A ideia é boa , porém eles nunca fariam isso , tem muita gente que lucra com penúria da marinha. Esse navio é prova do que estou falando, ficou vários anos em manutenção que nunca acabava agora ao invés voltar ativa vai para desmanche, muito gente ganha dinheiro com essas manutenções fajutas , pena que agente não pode pode averiguar certas compras é encobrindo o outro.

lc123456

Igualzinho o NAe Sao Paulo… E o 01 de lá ainda foi promovido a ALte por nao fazer nada kkk

Fernando

Aviação naval faz parte das marinhas mais poderosas. Discordo em parte. Deve se acabar com os aviões atuais obsoletos e adquirir aviões modernos embarcados num também moderno porta aviões. E sobre os cortes, esses tem q ser nas pensões e no mais em Brasília, nos benefícios de políticos e tbm no judiciário, em seus benefícios. Eles custam cerca de 103 bilhões anuais aos nossos bolsos, só o judiciário.

Reginaldo Mariano

Meu Deus do céu, quanta falácia. Você não entende nada de Marinha do Brasil. Estude e explore mais o assunto, pra não ficar falando besteira. Fiquei 32 anos, e sei que as suas sugestões, não condiz com a realidade.

Miguel Felicio

Me parece ter lido aqui mesmo que esse navio estava em manutenção e agora vai dar baixa?……estava mesmo em manutenção? ……..se verdade o senhor ainda pergunta qual seria a sugestão do senhor Grozelha?…….eu tenho uma; devolvam a minha parte do imposto com o qual sustento esse pessoal, ALIÁS as nossas FFAA, servem para desfiles, cantar canções lindas que não honram e trair o povo que as sustenta, como o fizeram naquele 9 de janeiro de 2023.

Fernando "Nunão" De Martini

Estava sim.

Ficou anos e anos atracado ao AMRJ em manutenção e cheguei a ficar esperançoso quando realizou uma última docagem e um pouco depois deixou de ser visto no AMRJ, indo para a BNRJ:

https://www.naval.com.br/blog/2021/02/13/ndcc-mattoso-maia-deixa-a-doca-no-arsenal-de-marinha-do-rio-de-janeiro/

Durante vários anos em que fui diversas vezes ao Arsenal e ao vizinho Arquivo da Marinha para realizar pesquisas, vi alguns trabalhos sendo feitos no navio.

Confirmando-se a notícia e se o navio realmente der baixa em breve, é uma vergonha ter gerado tantos gastos para nada durante tantos anos.

Uma grande vergonha, tal qual foi o caso do NDD Ceará.

Pablo

Marinha gastando dinheiro atoa? Isso não me surpreende em nada!!!!

Srs

Você pode ter a certeza que muita gente lucrou com essa manutenção, pior de tudo que eles já perderam à vergoha , virou padrão de esquema.

Santamariense

Na minha opinião, esse é o principal ponto. Anos de manutenção para depois dar baixa? Além do Ceará e agora o Mattoso Maia, tivemos também o São Paulo, que ficou vários e vários anos em manutenção no AMRJ, tendo inclusive uma das catapultas revisada, além de muitos outros reparos. Citamos apenas 3 exemplos, mas tem outros. Milhões e milhões de reais jogados ao mar, sem proveito algum!!!

Geraldo

_________
_________

COMENTÁRIO APAGADO. LEIA AS REGRAS DO BLOG:
5 – Não use o espaço de comentários como palanque para proselitismo político, ideológico (…)
https://www.naval.com.br/blog/home/regras-de-conduta-para-comentarios/

Abecedario

A Marinha honrou o povo brasileiro, meu caro! Você não viu issk no início do ano?

João Fernando

O que ocorreu em 9 de janeiro?

Glasquis7

“Viva os barquinhos de papel”

Tem quem fique muito bravo com essa sua afirmação.

Andrey

A MB não quer a criação da guarda costeira,pois ela está virando uma.

Ferreras

A imagem com a frota da marinha deveria ser atualizada deixando em azul os meios que navegaram com regularidade nos últimos 12 meses.

Willber Rodrigues

Por um lado, um navio que já era claramente ultrapassado, e que só fazia “peso” pro orçamento da MB.
Por outro lado, os FN’s perderam uma boa capacidade de desembarque de veículos em praia.

Situação difícil….

Henrique A

Conceitualmente era obsoleto mas pelo menos era um meio anfíbio; será descomissionado sem substituto, portanto diminuindo as capacidades da MB.

A MB de 2030 vai ser bem menor que a MB de 2000, o pessoal da época do oba-oba dos anos 2008-2014 com certeza não esperava por isso.

Last edited 11 meses atrás by Henrique A
Willber Rodrigues

Já disse anteriormente.
Pelo andar da carruagem, cada FCT vai substituir meia dúzia ou mais de meios da MB.

Agora falando sério, não foi grande perca o Mattoso. Era obsoleto, cada vez mais caro de manter e operar, e nem lembro qual a última vez em que ele esteve envolvido em algum exercício. Com a grana que seria gasto nele, a MB pode usar a grana pra fazer a manutenção no Bahia. Segundo matérias do PN, ele está precisando.

Augusto José de Souza

Já está sendo feito a manutenção periódica dele,devemos estudar a sua construção e fazer outros iguais a ele aqui ou adquirir mais se os franceses tiverem disponíveis.

Fernando Botelho

Só foram construídos 2 classe Froudre, o nosso Bahia (antigo Foudre) e o Sargento Aldea (antigo Siroco) da Armada do Chile.
Ambos foram substituídos pelos classe Mistral.

Augusto José de Souza

Acho que vale a pena adquirir algum da classe Mistral e usar junto ao Nam Atlântico como porta helicópteros e navio de assalto anfíbio junto ao Bahia. O próprio Atlântico já deveria começar a ser usado como navio de desembarque de fuzileiros navais também.

Demetrius

Bahia = antigo Sirocco…

Glasquis7

O Sargento Aldeã é o antigo Foudre não o Siroco.

Palpiteiro

A ideia é construir a nova sede do comando da marinha de frente para o lago Paranoá. Navio da trabalho. Andar de lancha é muito mais legal.

Piassarollo

O problema não é o dinheiro que seria gasto, mas sim o que já foi gasto até agora nesse período interminável de manutenção e que agora ao que parece vai tudo pro lixo. Como disse o Nunao é uma vergonha, é nosso dinheiro que está indo pro lixo, é a história se repetindo. Incompetência ou corrupção?

Carvalho2008

Mestre Henrique, o conceito acabou ficando longe de obsoleto, na medida que propria USNay e outras marinhas voltaram a a produzir projetos similares….

Alex Barreto Cypriano

Na USN, os LSM (antigos LAW). Por causa da possível futura briga num cenário de insulae. Das outras marinhas não consigo lembrar de exemplos vistosos e modernos. E quanto aos LSMs, que começaram com custo módico de 100 milhões o vaso já pulou pra quase 400. Mau sinal, fora outros no meio do caminho como a repulsa da USN em botar seu pessoal em bote anfíbio de baixa sobrevivencialidade (o ímpeto suicida dos fuzileiros…). Eu acho que o assunto tá ‘embaçado’ praqueles lados.

Augusto José de Souza

O NDM Bahia tem utilidade muito melhor com várias funções,deveríamos adquirir outros da classe dele ou construir outros navios docas localmente baseado no Bahia através de estudos.

Glasquis7

Existe apenas mais um da mesma classe e já tem dono.

Rodrigo

O que faz peso na marinha é as 15 banda de música, os 340 dentista, as dezenas de comandantes, as filhas solteiras, os eventos etc…isso sim pesa

Alex Barreto Cypriano

O pai do Luís Schwarcz, o famoso editor e escritor, se recusou a ir ao dentista pra tratamento (acho que trocar implante por prótese móvel). Teve uma infecção dentária que se espalhou e o matou. Os préstimos da odontologia são necessários em qualquer lugar civilizado, seja pra cuidar de bojudos almirantes ou de castigados ribeirinhos no Amazonas. Espero que alguém, algum dia, descubra um jeito de botar as coisas e as idéias no lugar (não é referência a algum título do estupendo crítico literário e autor Roberto Schwarz…mas podia ser – na verdade pensava na ‘Como Devia Estar’ do Capital… Read more »

Mauricio Pacheco

Não está se criticando os serviços dos dentistas, médicos e muito menos músicos, eu simplesmente acho que deveriam ser servidores civis!

Rodrigo

Isso aí, um plano de Saúde empresarial pago com desconto em folha como tada empresa, ou usa Sus…bem isso.

Henrique A

Mais uma baixa sem substituto, a MB vai definhando…

Daniel Ricardo Alves

A MB é uma irresponsável! Torra todo o orçamento no pagamento de salários e pensões e esquece que uma marinha se faz com navios e não com 80.000 marinheiros em terra. Lamentável.

Palpiteiro

Falta congressista que cobre isto. Aonde esta o TCU? Precisa contratar o GAO para fazer uma auditoria nesta força.

MMerlin

O TCU finge que audita.
Todo o setor público (incluindo as FA) finge que se preocupa.

Srs

Se fossemos um país sério se faria uma auditoria dos gasto nesse navio só para começar,

MMerlin

Se fosse um país com comando predominantemente honesto, teríamos muitos oficiais e gestores de licitação e contrato exonerados de seus cargos.

Daniel Ricardo Alves

Bom, imagino que após operá-lo por tanto anos, a MB seja capaz de construir um, não é mesmo?

Willber Rodrigues

Sim, a mesma capacidade em fabricar navios -patrulha, confia…

Augusto José de Souza

Classe Macaé está avançando,creio que seja possível adquirir ou construir outros navios da classe do Bahia.

A6MZero

Indo bem? os macaé começaram a ser construidos em 2006, dos 27previstos só 4 vão ser finalizados e o ultimo só será entregue o ano que vem 2024 (isso se não houver mais atrasos).

Quase 20 anos pra construir 4 patrulheiros de 500t, sinceramente alguém ainda acredita na capacidade da MB de tocar qualquer programa dentro do prazo?

Augusto José de Souza

Tem mais 12 em construção. A questão fica no orçamento e vontade em avançar com esses navios.

A6MZero

Amigo não existe mais nenhuma em construção serão apenas as 4 nenhuma mais o resto foi cancelado.

Daniel Ricardo Alves

Ah, meu amigo . . . Você confunde capacidade com vontade. A MB é plenamente capaz de construir um desses. Mas aí teria que remanejar dinheiro do orçamento que ela já torra em salários e pensões.
Francamente tenho minhas dúvidas sobre a utilidade desse tipo de navio em um país neutro que é proibido pela própria constituição a fazer intervenções militares, mas enfim . . .

Nilo

Caro Daniel me permita, a MB não é capaz tecnicamente de projetar e gerenciar projeto, para isso precisa de ajuda dos franceses ou alemães ou ingleses…. pagam pelo ToT e depois de trinta, quarenta anos deleta e reinicia tudo de novo.

Last edited 11 meses atrás by Nilo
Willber Rodrigues

Ambas andam juntas.
Se não há vontade, a capacidade é inútil/irrelevante, e vice-versa.

Henrique A

Ele é conceitualmente obsoleto, não faz sentido lançar um navio baseado nele. Muito mais factível seria adquirir os direitos de produção dos LSTs da Damen e fabricar aqui ou adquirir direto do fabricante.
https://m.youtube.com/watch?v=jCTPSoaUtwk

Augusto José de Souza

NDM Bahia está aí só precisamos de mais da classe dele,estudar a tecnologia pode dar possibilidade de construir localmente.

Glasquis7

Não existem mais dessa classe a não ser o seu gêmeo o Sargento Aldea mas, esse já tem dono.

Joao

Que Bahia, navio francês e quebrado!
Não consegue fazer uma comissão

Glasquis7

O gêmeo dele, o Sargento Aldea, opera normalmente no Pacífico Sul e ninguém reclama dele.

Augusto José de Souza

O NDM Bahia também funciona normalmente só está em manutenção periódica o que é comum.

Joao

Que manutenção periódica, eu tenho amigos que servem nele, está quebrado amigo desde aspirantex, e toda hora quebra, os amigos que são da máquina choram lá, navio está tudo ruim..

Carvalho2008

Mestre Henrique, o amigo pode dizer que ele é velho, mas obsoleto nao, pois o mundo imteiro voltou a projetar e lancar navios menores como ele, para a tarefa de desembarque. Sao tod9s navios de conceito similar, em que vtar a embicar na praia voltou a moda.

Henrique A

Até um tempo atrás a tendência era lançar as forças de desembarque o mais longe possível da costa, daí está o enorme esforço financeiro do USMC de desenvolver os V-22 e CH-53K por causa do famigerado A2/AD, mas agora estão tentando voltar a um conceito dos Commandos/Raiders; não entendo mais nada.

Last edited 11 meses atrás by Henrique A
Alex Barreto Cypriano

O USMC quer ocupar ilha e lançar míssil antinavio no navio xinglinguense. E depois dar o fora ou ficar pro churrasco de t-bone. É guerrilha insular. Saindo Berger, muda tudo pra buddy-buddy entre a águia depenada e o panda flatulento?

Last edited 11 meses atrás by Alex Barreto Cypriano
Rodrigo Bueno

O substituto do Berger será seu braço direito, o criador da nova doutrina de mobilidade

Alex Barreto Cypriano

Hummm. Vou checar. Grato, Rodrigo Bueno.

Last edited 11 meses atrás by Alex Barreto Cypriano
Alex Barreto Cypriano

Tenente-General Eric M Smith, até recentemente general comandante assistente de Berger, tem bio na net com link pra baixar fotim em alta resolução. Mas o homem é brabo (discursa exibindo knife-hand – que meeedo!), e tem uma idéias bem legais (como levar additive manufacturing pra linha de frente liberando da dependência de longa cadeia logística). Vamos acompanhar seus feitos.

Augusto José de Souza

Construir outros da classe do Bahia são mais viáveis por ser navio doca multifunção.

AVISO DOS EDITORES: SOLICITAMOS NÃO REPETIR PRATICAMENTE O MESMO COMENTÁRIO COMO RESPOSTA A DIVERSOS COMENTÁRIOS, UMA VEZ BASTA PARA EXPRESSAR SUA OPINIÃO. ISSO ATRAPALHA E MONOPOLIZA A DISCUSSÃO, POLUINDO O BLOG.

LEIA AS REGRAS, MANTENHA O BLOG LIMPO.

https://www.naval.com.br/blog/home/regras-de-conduta-para-comentarios/

Rodrigo

Confia….

Palpiteiro

Os caras não estão a fim de operar, Você sugere construir? Caro, tem que lembrar que trabalhar da trabalho.

Mars

Dúvida: Se esse Phalanx está inoperante porque aparenta ter munição naquela cinta?
Acredito que o próximo da lista pra baixa seja o Almirante Saboia(G-25).

Henrique A

É realmente estranho, parece mesmo que tem munição ali, mas se você comparar esta imagem com os Phalanx operacionais da US Navy dá pra perceber que no nosso está faltando vários componentes. Realmente vai precisar de alguém que estava in loco pra explicar.

Last edited 11 meses atrás by Henrique A
BK117

Não vejo nada obviamente faltante nele. O que seria? Vale lembrar que é uma versão bem antiga que, até onde sei, que não tem os sensores laterais, nem a “grade” ligada ao canhão, presentes nas versões atuais.
comment image
Quanto a munição, pode estar ali faz tempo, ou tentaram usá-lo como canhão normal. Deve ser possível controlá-lo remotamente, visto que nas fotos ele se apresenta em inclinações diferentes. Vai saber…
A única coisa certa é que ele não funciona.

Henrique A

Sim, eu comparei com as variantes mais modernas, não me lembrava de como era as mais antigas.

Last edited 11 meses atrás by Henrique A
José Luiz

Pelo que li nunca funcionou somente veio com o navio. E compreensível porque para colocar uma máquina dessas para operar deve ser caríssimo e fazer um contrato com o fabricante para uma única unidade imagina, a munição também é especial de urânio exaurido. E outra tio San ia deixar operar. Devem ter preferido deixar no lugar como um espantalho do que remover e gastar dinheiro.

Esteves

Funcionou.

Joao

Quando? Desde que me lembro o grupo de recebimento não funcionava

Esteves

Control garantiu que assim que foi instalado, funcionou.

Uma rajada. Depois parou…pra sempre.

Nilo

Comandante da Marinha do Brasil:
“Até 2028 darei baixa em 40% da Força”.
Nunão e Galante, guenta coração.
Quantos navios a serem dado baixa 35, 38?
A conta quem paga de compra de emergencia rsrsrsrs

Palpiteiro

Desse jeito o blog vai ser exclusivamente de conteúdo internacional, não haverá mais poder naval nacional. Seremos entusiastas da marinha dos outros.

Esteves

Isso.

Alex Barreto Cypriano

Ah, sempre tem história pra contar na seção nostalgia.

Nilo

Sim, o conteúdo de artigos e análises sobre oportunidades de compras de navios disponibilizados pelas marinhas da Ásia e Europa deverão ser bem mais frequentes no PN. Compra emergencial um carimbo que certifica a ausência de planejamento orçamento e distanciamento dos objetivos constitucionais da existência da MB.

A não ser que nós surpreendam com aquisições de navios novas ou parcerias para produção em estaleiros instalado no Brasil já que este governo tem como premissa avalancagem da indústria nacional através das aquisições das forças.

Esteves

Nilo,

Você faz cada pergunta.

Nilo,

Você está bem? Boa saúde?

Nilo,

A MB pode operar de forma terceirizada? Contratada? Por tarefa?

Nilo,

Até o Peru?

DinoacJunior

Funcionou nos 3 primeiros anos na MB, após esse período, sofreu uma avaria e os custos de um reparo se tornaram proíbitivos.

BK117

Mais um episódio da saga “Deu manutenção só pra dar baixa”. Que beleza, ein?

Esse Phalanx é imponente demais. Fiquei impressionado quando assisti “Battleship” há uns 10 anos.
Fico curioso sobre como se compara um Phalanx mais antigo como o do Mattoso, com seus radares integrados, contra o moderno SeaSnake 30 das Tamandarés, com tecnologias de trackeamento de alvos simultâneos e capacidade de disparar ABM.

Augusto José de Souza

Está na hora de aproveitar a manutenção do NDM Bahia e estudar o casco e a tecnologia para pelo menos construir outros dois navios da classe pois logo o NDCC almirante Matoso deve dar baixa também e navios docas como o Bahia com múltiplas funções vai ser excelente para a marinha e corpo de fuzileiros navais.

Joao

Não é possível que vocês realmente acham que o Bahia está bom, navio velho, motor não tem jeito, quebrou início do ano na aspirantex E está parado…
Tem que dar baixa no Bahia, a máquina está toda ruim.

Moriah

Adeus Mattosão. Baixas em curso na MB. Renovação quase zero.

FERNANDO

Logo a MB será apenas um grande e longínqua lembrança.
Astavista MB.

Rodrigo

Marinha em terra todos fazendo barquinho de papel..

Luiz Cordova

Caros Alexandre Galante e Guilherme Poggio, me sinto honrado em ter o canal Navios e Histórias citado pelos Senhores! Saibam que o trabalho dos Senhores, assim como de outros jornalistas da área naval e militar, serviram como motivação e servem como norte para o que humildemente venho fazendo. Grato pela deferência e referência! Que possamos levar a cultura naval e a informação sempre adiante! Bons mares!

Alexandre Galante

Parabéns pelo canal! quanto mais meios divulgarem a Marinha, melhor! grande abraço!

Fernando Botelho

Se vocês me dissessem que essa foto do G-28 desembarcando um Cascavel era da década de 90, eu acreditaria.

Marcus Vinícius Fragoso

Forças Armadas do Brasil…cada vez mais, uma piada! Só definhando (as três).

Augusto José de Souza

FAB e exército estão se modernizando e a marinha já deu alguns passos porém é necessário mais meios pela quantidade de meios no fim da vida útil,mais fragatas Tamandaré,mais submarinos Riachuelo e nucleares e também vai precisar de corvetas novas. Lotes maiores vão ser necessários.

Alex Barreto Cypriano
Rodrigo

E tá errado?

No one

Talvez não, mas a matéria é tão rasa que não tem como levar a sério, entre essa matéria e e perder tempo nos aplicativos trash como o tiktok… Não sei o que é pior

No one

Com todo respeito, mas quem liga para uma matéria de um portal generalista chinês ? No maís, a matéria é tão superficial e estereótipada quanto os comentários sobre a qualidade dos produtos xinglings. Se for para se basear sobre estereótipos e aleatórios antecedentes históricos, a inaptidão histórica dos chineses de singrar os mares deveria ser a prova cabal da mediocridade e inexperiência da marinha chinesa …. Se queremos falar do exército deles, não lembro grandes vitorias( feita pequenas exceções) nos últimos séculos… A tática era sempre a mesma massacrar milhões de chineses até o inimigo cansar. Só na guerra de… Read more »

Alex Barreto Cypriano

Narrativa, por mais absurda e infundada que seja, se for repetida aa exaustão, cria crença que resulta em convicção. Mas uma coisa é certa: narrativas pipocam subvencionadas por interesses. Quem teria interesse nessa estória, e por quê?

No one

Concordamos, atrás das matérias das mídia chinesas muitas vezes há uma mensagem política ( não só eles, mas maiormente as deles ), algumas vezes para o opinião pública interna outras para o exterior. Nesse caso, você pode reparar que são países basculantes, sob a esfera dos EUA, que andam sobre a corda bamba, alguns tentaram uma aproximação com a RPC e voltaram para os trilhos ( a Itália, por exemplo, que durante o governo cinque stelle assinou um memorando de entendimento sobre a Belt & Road initiative e agora pretende voltar para os trilhos, abandonando o projeto) , outros são… Read more »

Santamariense

Sem entrar no mérito das qualidades das FFAA brasileiras, o texto citado é muito chinfrim, barbaridade! A maneira com que se refere à FEB é ridícula. Soa muito mais como uma falta de respeito do que como uma crítica as nossas Forças. Para esse site, a Coréia do Sul e Itália estão entre as 4 piores do mundo??? Só isso já torna o artigo bem duvidoso.

Augusto José de Souza

Arábia Saudita também que opera vários equipamentos de ponta como o M1 Abrams e F-15 e que está dando um couro no Irã. Itália e Brasil são parceiras e os chineses devem ter ficado bravos que a Norinco perdeu aqui e Coreia do Sul é rival da sua amiguinha do Norte. Site totalmente tendencioso e politico fora que esses quatro países são ricos e tem vários recursos militares.

Jean

Acho que a MB tinha que adquirir 2 Type 71 para suprir todos estes meios que foram dando baixa na última década, e de alguma forma espichar a encomenda das Almirante Tamandaré para 08 navios, esquecendo as Fragatas de 6.000 T de uma vez por todas.

Augusto José de Souza

Classe Greenhalk já deu baixa e poderia ser substituídos por Type-23 ou Type 71 junto ao segundo lote de fragatas Tamandaré. É necessário primeiro ver o estado desses navios pois podem estar com a vida útil chegando ao fim.

Fernando Botelho

Type 71 é um navio anfíbio da PLAN.

Você deve estar se confundindo com alguma escoltas da Royal Navy, que também recebem a denominação Type XX.

Augusto José de Souza

Ah sim fica confuso mesmo com todos os navios da Royal Navy com a nomenclatura HMS e Type kkkk. Acho que seriam excelentes pegar eles junto com os navios tanques da classe “whales” que eles irão vender. Navios de escolta também são viáveis.

carlos alberto soares

Opa, olha a Argentina aí gente….

Augusto José de Souza

Não chega a tanto visto que temos submarinos e fragatas novas em construção só vão ser necessários mais lotes e algumas compras de oportunidade vão precisar ser feitos.

Esteves

Desde 2021 ensaiavam o retorno. Naquele ano disseram que haviam passados 10 anos. Então são mais ou menos 13 anos sem dispor do navio.

Se em 13 anos não fez falta…

https://www.naval.com.br/blog/2021/02/13/ndcc-mattoso-maia-deixa-a-doca-no-arsenal-de-marinha-do-rio-de-janeiro/

Precisa atualizar o site.

https://www.marinha.mil.br/emgepron/pt-br/revitalizacao-do-ndcc-mattoso-maia

Augusto José de Souza

Com o NDM Bahia que tem múltiplas funções chegando nesse período em 2016,ele não faz falta mesmo. Agora mais navios de assalto anfíbio seriam ideais. O Atlântico já poderia ser usado para essa função ou adquirir as Type 71 do Reino Unido como citado em um comentário anterior.

Esteves

Augusto,

Pelo amor de Deus, Augusto. Pelo amor de Deus!

Josué

É um absurdo, vemos aí um risco, pela falta de navios para proteger nossa costa marítima,e nossas riquezas de além mar.

Jjj

Alguém tem o número da comissão de relações exteriores e defesa?

Rinaldo Nery

Google.

Esteves

O Mattoso Maia é um navio anfíbio. Um navio para desembarque.

Alex Barreto Cypriano

De Carros de Combate, como diz o acrônimo NDCC…

Esteves

Alex,

Mas a praia é aqui. Íamos desembarcar nós mesmos em nossas praias?

Só pra esclarecer.

Fernando "Nunão" De Martini

A doutrina dos fuzileiros navais não é só para projeção de poder, embora o caráter expedicionário seja o principal. Ela também inclui, até onde sei, o desembarque em nossas ilhas oceânicas para defesa das mesmas, ou mesmo na costa, se necessário, contornando um eventual invasor (guerra de manobra, por exemplo). As operações também podem incluir a retirada de tropas.

Dalton

Navios “anfíbios” como o “Mattoso Maia” tem outras utilidades como por exemplo a participação dele na Missão humanitária ao Haiti, transporte de material diverso para portos e mesmo ilhas como Trindade, socorro de vítimas diante de calamidades, reabastecer outros navios quando não tem nenhum NT por perto. . A US Navy usou um de seus grandes “San Antonios” no resgate da cápsula não tripulada “Orion” e essa deverá ser a norma para os futuros lançamentos tripulados para a Lua. . Quanto a um desembarque em nossas praias, sabe-se lá, diante de uma tentativa de golpe ou terrorismo que ameace algum… Read more »

Fernando "Nunão" De Martini

“Quanto a um desembarque em nossas praias, sabe-se lá, diante de uma tentativa de golpe ou terrorismo que ameace algum porto”

Nesse caso específico houve até exemplo recente, no porto de Santos.

https://www.naval.com.br/blog/2018/05/27/marinha-envia-mais-de-250-fuzileiros-navais-para-proteger-o-porto-de-santos-sp/

Dalton

Muito bem lembrado Nunão !

Esteves

Eu deixei, propositalmente, espaço para vocês dois, dinâmicos e atentos, responderem o que responderam.

Foi uma “deixa”. Para outros comentaristas, inclusive os não frequentes no Naval, aprenderem.

Boa, senhores.

Esteves

“No sábado (26), por conta do decreto presidencial para a Garantia da Lei e da Ordem (GLO), o Navio-Patrulha Macaé (P70) atracou no cais santista com 22 fuzileiros como medida emergencial. 

No domingo (27), outros 260 fuzileiros navais chegaram a Santos no Navio Doca Multipropósito Bahia (G40). Vindo do Rio de Janeiro, ele chegou com sete caminhões para transportar tropas, três blindados e dois helicópteros.”

O destaque não é do Esteves.

Last edited 11 meses atrás by Esteves
A6MZero

Fez manutenção gastou e antes de voltar a operar deu baixa, o Gastão Motta é outro que vai pelo mesmo caminho, torrando grana em um meio obsoleto e depois de anos parado “em manutenção/modernização” é desativado.

Serio a MB não aprende com os proprios fracassos ? ou ela mantém esses programas pra usar de justificativa pra pedir mais verba?

Se uma auditoria independente der uma geral nas contas e programas da MB tenho muitas duvidas se alguma coisa ia ser aprovada…

Rodrigo

Cara sempre digo o mesmo mas milico tá nem.ai, não sabe que eles servem a nação e não a nação serve a eles…se for a fundo em qualquer coisa pública da rolo, se bem que na privada TB no Brasil.

Eduardo

Sinceramente? Já vai tarde.

João

A exemplo do NAe São Paulo, depois de se gastar uma fortuna com um navio que já estava condenado, resolvem descomissiona-lo.

Adriano madureira

Já deu oquê tinha que dar🤔🇧🇷…

Pena que os militares brasileiros peçam em organização, tipo: Um navio X de acordo com os crânios da MB, poderá receber baixa em dez anos, porquê então, nesse tempo limite de dez anos não é feito um grupo de estudo que irá guardar fundos e captar recursos financeiros, para que no momento que tal navio seja descomissionado,a MB não fique desfalcada🤔🇧🇷⁉️

Sempre é assim, a um tempo atrás descomissionaram um navio varredor e nenhum meio foi adquirido para substituí-lo…

Augusto José de Souza

Verdade deveriam nesse período já ter encomendado mais fragatas Tamandaré,submarinos e corvetas novas. Poderiam ja ter feito algumas compras de oportunidade em baixas já próximas como tampão.

Adriano madureira

No caso seria um navio de desembarque por outro de mesma função…

Davidson Dantas

Marinha, exército e aeronáutica do Brasil. Estas três forças é um amontoado de sucatas. O tio Sam não quer; vende para o idiota do Brasil.

Dalton

Veio para o Brasil com “apenas” 24 anos e diversas nações adquiriram para suas marinhas exemplares da mesma classe, em alguns casos duas unidades, Austrália, Chile, Espanha, Malásia, Marrocos, México e Taiwan.
.
O problema é que diferente de outras marinhas como Austrália por exemplo que deu baixa em suas duas unidades após uma década e meia de uso, a marinha brasileira teve que
manter o “Mattoso Maia” e tentar estender a vida dele para além dos 50 anos !

Alex Barreto Cypriano

Não estamos em uma época da agilidade, da incerteza e da resiliência, de transição constante, de inovação obrigatória, era eletro-dígito-quântica etc e tal? O que menos adequado a essa época que meios que durem 40-50 anos, transportando equipamento e doutrina de museu? Não é só um problema nosso mas, pela pindaíba desastrosa, aqui fica ainda mais agudo e visível. A solução pro velho e obsoleto é a de sempre: um bom (e mau documentado) SinkEx.

Esteves

O navio Esteve em manutenção por mais de 10 anos. Passado esse tempo, devido a inutilidade e a ausência de missões para o navio, lembraram-se.

Esteves também. Após um período de testosterona, arginina e whey protein com canela, Fofinha pergunta como vai a manutenção e se Estará, o Esteves, apto para missões de alto desempenho.

— A MB está baixando navios de 50. Se tu for por esse caminho…

Alex Barreto Cypriano

Os 50 (de gente) são os novos 20.
Não, espera…
Os 50 (de bote) são outros 500!

João Batista de Macedo

Deixemos o Lula, iniciar o seu trabalho.
Nossas forças armadas, haverão de receber o que merecem: muitos equipamentos de defesa.
O mundo está investindo em armamentos parte de seus orçamentos.
Lula, sempre apoiou nossas Forças Armadas, na aquisição de tecnologias nessa área.

AVISO DOS EDITORES: LEIA AS REGRAS DO BLOG.
5 – Não use o espaço de comentários como palanque para proselitismo político, ideológico (…).
https://www.naval.com.br/blog/home/regras-de-conduta-para-comentarios/

jose benedito

O Makassar seria uma boa opçao de substituição?
Como ficou a possivel permuta com o Peru, de 01 Makassar por 02 Tupis?

Dalton

É passado agora. O “Timbira” incorporado em 1996 oficialmente foi retirado em fevereiro depois de anos na “reserva”, e o “Tapajó” incorporado em 1999 em situação similar deverá ter o mesmo fim, ambos, precisariam passar por uma revitalização para talvez outros 10 anos de serviço, aparentemente um negócio não muito bom.

Fernando "Nunão" De Martini

Até onde sei, ficou só num memorando de entendimento assinado, anos atrás, pelo então vice-presidente Mourão.

https://www.naval.com.br/blog/2019/10/22/mourao-viaja-ao-peru-para-assinar-acordo-de-troca-de-embarcacoes/

Alex Barreto Cypriano

Os peruenses ouviram a proposta mourânica e pensaram: tupi or not tupi? Usaram a razão e ficaram com sua bela viola. O Makassar é ruim demais. Toda doutrina anfíbia de desembarque é uma reminiscência do passado (uma verdadeira assombração…) impraticável sem o domínio aéreo e supressão de defesas inimigas (supondo que o inimigo esteja esperando o desembarque) – e quem faz isso num ESG/ARG não é um quarteto de asas rotativas, precisa de LHA/LHD e asa fixa de 5ªG V-STOL (é, o F-35B, que dizem ser STOVL), se não mesmo das aeronaves de um porta-avioes bem protegidinho stand-off. Vasos anfíbios… Read more »

Last edited 11 meses atrás by Alex Barreto Cypriano
Augusto José de Souza

Se essa proposta do governo em integrar a América Latina,seria uma boa fazer aquisições com os peruanos e até adquirir o conhecimento deles.

Marcelo

O conceito de marinha do Brasil como esquadra ACABÓU…
SO RESTA agora… reduzir esse monte de gente SEM SERVICO DENTRO DA MB…
o futuro…
.( SE EXISTIR FUTURO NESTE PAIS)..né.. …
Será uma meia dúzia da barcos patrulha…com aeronaves remotamente pilotadas….
Ou chamar o DRAGAO VERMELHO….para exercer a soberania deste negócio….

AVISO DOS EDITORES:
LEIA AS REGRAS DO BLOG.

4 – Não escreva em maiúsculas, o que equivale a gritar com os demais;

https://www.naval.com.br/blog/home/regras-de-conduta-para-comentarios/

Luiz Fernando

Por favor, não deixem de aproveitar o ciws em outro navio. Acho que o Atlântico não tem a importantíssima defesa de ponto.

Esteves

Não funciona. Sem recuperação.

Jailson Pereira

________
________

COMENTÁRIO APAGADO. LEI AS REGRAS DO BLOG:
4 – Não escreva em maiúsculas, o que equivale a gritar com os demais;
https://www.naval.com.br/blog/home/regras-de-conduta-para-comentarios/

Eduardo

Parece que a Marinha carece de um planejamento adequado, reformas e gastos dispendiosos e em seguida meios são descomissionados, a força de fragatas em frangalhos eh submarino que precisaria de reforma para ficar operacional por mais 30 anos sendo vendido, quem está ganhando com isso ? O Brasil sei que não está nem a Marinha, enquanto isso oficiais aposentados ostentando em Copacabana em aptos de frente para o mar.

Esteves

O Alex mostrou a despesa de 2022. 88% do orçamento para folha de pagamento.

Isso, gastos com pessoal de 80% a 90% e em várias instituições como prefeituras e autarquias chegando a 95% dos orçamentos, não é privilégio da MB.

Esta assim por todo o Brasil. Quase 10% dessa despesa refere-se a precatórios. São processos perdidos que o estado podendo negociar o pagamento (possível no GF), empurra para décadas a frente aguardando a morte do beneficiário.

De onde vem tal despesa com gente nos orçamentos públicos?

Aqui não é espaço para debater isso.

Esteves

Sabe esses programas de reformas de carros? A dupla pegou um Porsche Cayenne por bagatela nos EUA.

Quando meteram o carro no elevador…

MMerlin

Esteves, Cayenne está no top 10 das furadas. Junto com boa parte dos Rovers.
Manutenção caríssima, seguro e tributos altos, tempo de reposição de peças longo e valor desvalorização rápida (o valor que se vê na loja é bem diferente do que foi comprado por ela).
Pra valer tem que ser zero e vender com, no máximo, cinco anos de uso.
Que compra depois é porque quer pagar de rico sem ser.
Não vai ter seguro, vai dever impostos, vai andar até dar o primeiro problema.
Daí vende no máximo pela metade que pagou (e olhe lá).

Esteves

Olha, Ate nos EUA é assim. Esse programa compra carros clássicos para revender. Esse Cayenne puxava de um lado. Desmontaram o conjunto de freios. Era o retentor dentro do êmbolo. Precisa conectar no computador para acompanhar a pressão do óleo. O sistema desarma o conjunto para manutenção. Coloca o embolo na prensa. Não trocaram pastilhas e não mexeram no disco. Foi feito nas quatro rodas. O carro não tem amortecedores tradicionais na traseira. Tem um, no centro do carro que funciona pressurizado e não foi desmontado em razão dos custos. A oficina do programa tem quase tudo. Quando não tem,… Read more »

Last edited 11 meses atrás by Esteves
MMerlin

Na correria.
Uma pena não conseguir mais acompanhar a trilogia como antes.
Como bom adepto de um 4×4 e muito barro, fui procurar um vídeo de um mini-documentário, para os saudosistas da land rover, e para os da nova geração conhecerem também. É de um evento que, infelizmente, durou apenas 10 anos.
Espero que gostem!

Esteves

Camel Trophy.

Trabalhei na Reynolds quando trouxeram o Camel Trophy para cá. Tinha cada cartaz…lindos.

Foi o tempo da Lotus Amarela de Senna e Piquet.

Uma vez comprei uma L200. Amarela. E lá foi o Esteves fazer o curso de off-road. Teoricamente.

No dia do batismo chegaram vários 4X4. A L200 Estava intercoolada, com snorkel, tinha sido lavada e polida por essas mãos por umas 6 horas.

Dei meia volta. Tinha vídeo e histórias de 4X4 metido no barro…gente chegando com guinchos e pás.

Nunca mais.

adriano Madureira

A Nigéria em adquiriu junto a Damen dois navios de desembarque modelo LST-100 , de 100 metros e com capacidade para acomodar uma tripulação de 32 e 250 membros das Forças Navais.

comment image

comment image

comment image

comment image

O custo estimado era de USD70MI de dólares, e esse foi o modelo mais modesto, pois há dois modelos chamados LST 120 e LST 120H.

comment image

comment image

Enquanto isso ficamos com a inútil mentalidade de se salvar doente moribundo

Esteves

Antes…o cenário. A região. Os porquês e como. E quanto. “Com uma população marginalizada e insurgente, a Nigéria está no epicentro da insegurança marítima que vem assolando o Golfo da Guiné. Na busca da proteção de interesses nacionais na região, os Estados Unidos da América, a China e alguns países da União Europeia – Estados exógenos ao Atlântico Sul – intensificaram suas presenças na África, por meio da cooperação com os países africanos. Nesse contexto, busca-se estabelecer um quadro geopolítico e estratégico em que se dimensione apropriadamente a complexidade dos problemas relacionados à segurança marítima, no Golfo da Guiné e… Read more »

adriano Madureira

pode não ser, mas se houvesse inteligência e vontade do Supremo almirantado, em criar um plano detalhado de médio prazo(dependendo do navio) para futuros descomissionamentos de meios, onde após chegarem a alguma conclusão sobre o tempo restante de vida para determinado navio, deveria fazer um plano para seus descomissionamento, mas sem deixar nenhuma lacuna e sim tendo em mente um meio escolhido entre os oficiais para já ter um determinado meio para ser adquirido e comissionado. Não é algo impossível de fazer… Se navio X foi determinado que será aposentado no tempo hipotético de dez anos, será que realmente não… Read more »

Esteves

O orçamento é anual, a troca de comando é feita pelo presidente. Eventualmente acontece uma capitalização. Penso que esse navio não deveria ter ido tão longe…o Dalton explicou. Provável que sem substitutos, foi ficando mesmo sem navegar. Fato é que demorou para perceberem a obsolescência do navio e da doutrina. Para aplicar GLO e/ou marcar presença não é necessário um navio desse deslocamento. Motores ALCO diesel 16 cilindros…isso é muito antigo. Essa indústria acabou em 1969 ano de lançamento do navio. Esses caras que compraram o Cayenne…quando foram trocar as pastilhas…tem que desmontar o conjunto completo com discos e pinças… Read more »

Alex Barreto Cypriano

Perfeito, Esteves. Coisas boas, bonitas e baratas só o são porque foram cria de indústria, aquela mesma que produzia as partes usadas em manutenção. Reproduzir um Fusca de modo artesanal custaria o mesmo que uma Ferrari. O segredo do aço é que ele é mais duro que osso mas é igualmente perecível.

Alex Barreto Cypriano

O Brasil está se Nigerializando assim como os EUA estão se brazilianizando. Lá vem o mundo descendo a ladeira.

Glasquis7

O Chile está construindo os seus pra evitar a baixa dos atuais sem substitutos.

O Brasil poderia tentar negociar com o Chile.

Esteves

Salve amigo. Você está bem?

Essa é uma dúvida frequente. Por que os países da AS não fazem negócios entre seus estaleiros?

Eu penso que pode ser receio de ser taxado ou adjetivado como incompetência pelos vizinhos e atração pelo rótulo e marca.

Navio de estaleiro europeu é chique.

Glasquis7

Bom dia Esteves.

Acredito que a coisa seja mais complexa do que isso e envolva também patentes pois, embora a construção seja local, os projetos são esttrangeiros.

Esteves

Sim.

Augusto José de Souza

O atual governo agora quer integração entre os países da América Latina,isso pode ser proveitoso para gerar integração naval e adquirir navios de assalto anfíbio do Peru e do Chile.

Esteves

Conversinha.

adriano Madureira

Vendo o desenho,é um belo navio…

comment image

comment image

adriano Madureira

Vendo o desenho,é um belo navio… Mas somos muito orgulhosos para comprar produtos de nossos vizinhos Glasquis7,é mais fácil comprar algum usadão made in europe do que comprar algo made in south américa.

Mas isso é reconhecer a competência de nossos vizinhos frente a nossa inépcia.

Se olhássemos para o lado, poderíamos resolver alguns problemas simples da nossa defesa,como essa novela desses nossos OPV stealth de 500t, mas não…

Temos ASMAR,COTECMAR,SIMA, certamente tem produtos para nós oferecer que poderiam acabar com algumas deficiências navais de nossa força.

comment image

comment image

comment image

comment image

comment image

comment image

Glasquis7

Temos ASMAR,COTECMAR,SIMA,…”

Tem também ASTINAVE do Equador que construiu seus patrulheiros.

Adriano madureira

Não conheço, irei olhar o site😊👍‼️

Henrique A

Tá vendo só, um navio de meros 70mi e a MB prefere gastar tempo e dinheiro com velharias.

Adriano madureira

Para mim o problema não é só orçamentário, é de falta de planejamento mesmo…você não ter a visão de olhar para a frente e se antecipar a futuros descomissionamentos e não criar um plano para substituir os meios, é de uma incompetência estratégica mesmo.

Last edited 11 meses atrás by Adriano madureira
tango-echo

Por que o Garcia d’Avila, muito mais novo, foi descartado muito antes desse e do Saboia?

Alexandre Galante

Depois da aquisição descobriu-se que o Garcia D’Ávila tinha um sério problema nas máquinas.

Magiorino

O fato é que o Brasil não honra a sua história
Com mais de 7000 km de Costa litorânea também não temos um porta aviões e o ultimo que tivemos virou motivo de chacota quase transformado em navio fantasma ma

João Patressi

que bom que vão dar baixa nesse navio, por outro lado fico muito ressentido e triste porque vamos perder nosso único CIWS que não funciona, KKKKKKKKK

Rozendo

É muita bobagem sobre assuntos que desconhecem. A Marinha cumpre brilhantemente sua função constitucional ante as dificuldades orçamentárias. Os projetos que são desenvolvidos projetam não somente uma força forte mas também capacitada tecnologicamente autosuficiente.

Glasquis7

Desculpe discordar de estes pontos:

ante as dificuldades orçamentárias”

A MB tem de longe, o maior orçamento da América Latina. Queriam todas as outras nações ter os mesmos “Problemas orçamentários”.

capacitada tecnologicamente autosuficiente.”

Ninguém é autosuficiente quanto a técnologia.

Esteves

Ter um grande orçamento e não ser capaz de usá-lo é inútil.

Fizemos a conta do Egito. 65% com gastos de pessoal. Exceto a Alemanha que fica em torno de 50%, as outras nações estão nessa faixa até 60%/65%.

88% como temos aqui é muito. Sobram 2% ou nem isso para investimentos.

Nilo

…”A MB tem de longe, o maior orçamento da América Latina. Queriam todas as outras nações ter os mesmos “Problemas orçamentários”.”…
E com o país com estaleiros ociosos.

Willber Rodrigues

“tecnologicamente autosuficiente”
Sim, deve ser por isso que as FCT’s estão recheadas de tecnologias nacionais, né?
Ops, não estão…

“Dificuldades orçamentarias”
Tem que ser muito cara de pau pra dar essa desculpa nessa altura do campeonato..

Rodrigo

Eita não adianta digita na frente do comandante que não tem promoção…nem vergonha tem

Dalton

Você fez uma pequena confusão, os 2 “LSTs turcos são da classe Bayraktar já o “Anadolu”
e um segundo que será construído são “LHDs” e muito maiores.

Dalton

Meu comentário ficou estranho ao responder a outro comentarista que teve seu comentário apagado, talvez, de forma automática, pois estava dentro das regras.

Comte. Nogueira

Como é feito o “desencalhe” do navio, tipo um “push back”, quando abicado na praia para lançamento de materiais? É feito por meios próprios?

Last edited 11 meses atrás by Comte. Nogueira
Fernando "Nunão" De Martini

Sim.
Uma âncora é lançada à popa antes de abicar. Depois é puxada para auxiliar a desabicagem.
Logicamente, procura-se aproveitar as marés baixas e altas para cada movimento.

Comte. Nogueira

Nunão, obrigado pela atenção!
Vc esclareceu uma dúvida bem antiga…

Ruberval

A marinha está fazendo o certo dando baixa nesse monte de sucata flutuante,agora é deixar o pepino na mao dos politicos para eles resolver !!!
Se eu sou o almirante desativava todos os navios antigos que a manutenção é praticamente impossivel e passava o BO para o atual presidente tomar providencia e achar um solução !!!

Nilo

É o que a MB está fazendo ao anúnciar baixa de 40 porcento da frota, jogando a bomba no colo do Executivo, o Legislativo está nem aí, a não ser alguns gatos pingado.
E a solução para isso, o PIB tem que voltar a crescer e a Selic, o ralo de drenagem do dinheiro público ser fechado e o superávit comercial. E quem está nos garantindo o superávit? China rsrsrsr

Last edited 11 meses atrás by Nilo
Augusto José de Souza

A proposta do almirante é exatamente essa principalmente numa comissão sobre defesa. Agora os políticos tem que liberar verbas ou investir em modernização,mais fragatas Tamandaré e submarinos são o que a marinha precisa para se modernizar e outros meios navais.

Esteves

Precisa chamar de volta os Almirantes que compraram navios de manutenção impossível e ter uma conversinha com eles.

“É a volta do cipó de aroeira no lombo de quem mandou dar.”

Vamos fazer um gatilho. Toda vez que a despesa com gente passar de 65%, aciona uma contribuição adicional. De 10% a 15%…os de cima pagam mais. Pra manter a despesa até o teto de 65%.

Alex faz as contas. Esteves promulga. Nilo bota pra rodar.

Rodrigo

Bem coisa de funça…o presidente diz o orçamento tá aí se vocês são péssimos gestores, temos que trocar as pessoas

Last edited 11 meses atrás by Rodrigo
India-Mike

Há muitos anos venho dizendo que a MB não tem outra saída senão encolher e o Mattoso Maia, para mim, sempre foi um dos maiores símbolos da ineficiência e da dificuldade da MB de se libertar do passado e começar a trilhar um caminho sustentável para o futuro. Um navio que é uma analogia perfeita da própria MB. Algo que não tem capacidade de navegar, sangrando há anos, com uma tripulação inchada e desmotivada e custo elevado. E essa estrutura que a MB se esforça tanto para não perder, com a desculpa de ‘manter doutrina’. Mas a doutrina parece ser… Read more »