ROK_Navy_Incheon_FFX_I_Frigate

A Marinha da Coreia do Sul comissionou ontem (17) a primeira das novas fragatas do projeto FFX-I. O navio foi construído pela Hyundai Heavy Industry a fim de substituir as já defasadas corvetas classe ‘Pohang’ e fragatas classe ‘Ulsan’. A nova classe ‘Incheon’ deverá atuar em funções desde patrulha costeira até guerra anti-submarino.

As novas embarcações serão construídas em lotes, com seis previstas para o primeiro, nos moldes da Incheon. A Daewoo Shipbuilding & Marine Engineering deve entregar mais oito navios no segundo lote, além de haver planos para um terceiro.

As fragatas dessa leva inicial deslocam 2.500 toneladas, têm 114 metros de comprimento e 14m de boca. O canhão principal é de 127mm, semelhante ao usado pela Marinha americana. Para defesa, a Incheon possui o sistema RIM-116 RAM contra mísseis, bem como o sistema de defesa aproximada Phalanx CIWS e quatro sistemas de mísseis anti-navio SSM-700K Hae Sung I.

Os navios do segundo lote devem ser equipados também com células de lançamento vertical para mísseis superfície-ar de longo alcance, além de mísseis de cruzeiro Hyunmoo-3, de fabricação nacional. Porém, ainda não há especificações sobre o projeto dessa próxima leva.

FONTE: Navy Recognition (Tradução e adaptação do Poder Naval)

Jornalista formada pela Universidade Federal do Paraná. Ganhou o Prêmio Sangue Novo do Sindicato dos Jornalistas Profissionais do Paraná com uma monografia sobre o PROSUB. Feliz proprietária de um SSN classe Virginia.

31 Responses to “Marinha sul-coreana comissiona primeira fragata da classe ‘Incheon’” Subscribe

  1. Ivan 18 de janeiro de 2013 at 11:27 #

    Interessante o uso do canhão naval Mk-45 Mod 4 de cinco polegadas 127mm/L62). Com um cano de 62 (sessenta e dois) calibres – as versões anteriores tinham um cano de 54 (cinquenta e quatro) calibres – esta arma possue uma melhor queima do propelente da munição que permite um alcance maior, cerca de 20 (vinte) milhas náuticas ou 37 (trinta e sete) km.

    É um indício que a ROKN está priorizando as missões de apoio de fogo e/ou projeção de poder sobre terra.

    Entretanto talvez um canhão naval Mk-45 127mm/L62 tenha um peso e impacto muito grande para ser operado normalmente a partir de um navio que desloca 2.300 toneladas vazio, como esta nova fragata.

    Sds,
    Ivan.

  2. Ivan 18 de janeiro de 2013 at 11:30 #

    Uma dúvida:

    “…quatro sistemas de mísseis anti-navio SSM-700K Hae Sung I.”

    São 4 (quatro) mísseis ou 4 (quatro) sistemas de 4 (quatro) mísseis?

    Acredito que são 4 x 4 mísseis, no total de 16 (dezesseis) SSMs embarcados, tendo em vista as necessidades do combate moderno.

    Abç,
    Ivan.

  3. eduardo.pereira1 18 de janeiro de 2013 at 12:22 #

    Interessante ver na era dos lançadores verticais e diminuiçao do calibre dos canhoes da proa, uma gigante em termos de marinha de guerra com seus kdx fabricar uma maquina ,nao menos poderosa, com sistemas de misseis de lançamento convencional e um belo canhao de 127mm,pra vermos que cada naçao sabe onde pode vir a ser seus conflitos e quais podem vir a ser as suas necessidades de retaliaçao armada e a melhor forma de atingir seu obigetivo.
    Agora é só esperar pra vermos uma reportagem similar com nossa fragata novinha na foto.

  4. daltonl 18 de janeiro de 2013 at 12:26 #

    Ivan…

    muitas fontes citam 2 “racks” quadruplos, para um total de 8 misseis, se de fato todos os oito forem embarcados. Não vejo muito espaço para 4 “racks”
    quadruplos, totalizando 16.

    abs

  5. marciomacedo 18 de janeiro de 2013 at 12:55 #

    Tinha para mim que a fragata era um pouco mais pesada, com deslocamento na faixa de 3.200 toneladas. Alguém tem estimativa de preço, ainda que de conta de padaria?

  6. marciomacedo 18 de janeiro de 2013 at 12:59 #

    Ela parece mais parrudita que a nossa Barroso.

  7. Luiz Monteiro 18 de janeiro de 2013 at 13:17 #

    Prezados,

    Achei o canhão muito próximo do castelo de proa.

    Uma fragata leve, com esse deslocamento, é designada como “corveta” na MB.

    Por falar em corvetas, acredito que a alteração do projeto para as “Barroso – Mod” será o aumento do hangar e do covoo para poder operar helicópteros de até 10 toneladas.

    Deve haver mudança no armamento embarcado, como a adoção de canhões de 76 mm. Não acredito em muita coisa além disso.

  8. Ivan 18 de janeiro de 2013 at 13:18 #

    Admiral Dalton,

    Acredito que vc está certo.
    O espaço entre os exaustores das turbinas ( chaminés? :) ) e o hangar aparentemente comporta apenas 2 (dois) ‘racks’ de 4 (quatro) SSMs.

    Marcio Macedo,

    O deslocamento de 2.300 toneladas é com o navio vazio.
    Carregado deve passar de 2.700 toneladas, mas ainda não encotrei informação que confirme.
    A nossa Corveta (fragata leve?) Barroso, pelo que encontrei na rede, tem um deslocamento vazio da ordem de 1.800 toneladas e de 2.350 toneladas a plena carga, com um coprimento de 103,4 metros e uma boca de 11,4 metros.
    A Incheon é seguramente mais “parruda”.

    Abç,
    Ivan.

  9. Giordani RS 18 de janeiro de 2013 at 15:09 #

    Vocês da turma do “naviozinho” adoram achincalhar com a turma do “aviãozinho”, mas na boa, como os navios estão feios hoje! Que coisa mais enfadonha esses costados com cara de muro de presídio!!! ;-)

  10. MO 18 de janeiro de 2013 at 15:49 #

    Er Giordani os unicos que gostam destas “coisas” de hoje eh justamente a turma do aviaozinhum .. rss ve se algum de noizzzz gosta destes quadrados retangulos … kkkkkkkk
    de hoje

    Ainda hoje vi um deles falar “LCS que navio lindo!!!” (Argh !!1) kkkkkkkkk
    Abs!

  11. Fabio ASC 18 de janeiro de 2013 at 19:37 #

    Pelamor, alguém pode me explicar, definitivamente, a equação:

    peso/deslocamento – nomenclatura.

    A F100, na Espanha é fragata, na Austrália, Destroier…

    Essa da matéria, Fragata leve, no Brasil seria Corveta….

    Contra Torpedeiro, Destróier, Fragata, NaPOC, Cutter, LCS, Corveta, Cruzador, Cruzador de Mísseis Balísticos…. afff…

  12. Fabio ASC 18 de janeiro de 2013 at 20:02 #

    MO, até que a achei bem “bicuda”.

  13. MO 18 de janeiro de 2013 at 21:17 #

    ah Fabio pra mim eh bem quadrada retangula e tbm achatada ainda … rsssssss fzxeram um Samjeong the Great muito bonito e depois isso (obviamente esteticamente falando)

    os coreenses fazem navios bonitos pacas, mercantes entao, mas po tem a Pohang, os KD II, agora isso parece uma Kombi VW …

  14. daltonl 19 de janeiro de 2013 at 9:33 #

    “Pelamor, alguém pode me explicar, definitivamente, a equação:

    peso/deslocamento – nomenclatura.”

    Fábio não é fácil, mas tentarei…

    Destroyer e contratorpedeiro são sinonimos, o primeiro na verdade nasceu como Torpedo Boat Destroyer, ou, Destruidor de torpedeiro,
    mas acabou sendo encurtado para Destroyer, enquanto que nós utilizamos o termo contratorpedeiro e paises de lingua espanhola o termo Destructor.

    O Destroyer acabou tornando-se um navio multiproposito e não apenas um destruidor de torpedeiros que nem existem mais, então, os termos
    Destroyer/contratorpedeiro são arcaicos, mas por um motivo de tradição estes termos são mantidos em algumas marinhas.

    Há também quem prefira classificar como fragatas navios menores e
    mais baratos que destroyers com uma função mais especifica como guerra antisubmarina, por exemplo.

    Grandes destroyers como os Arleigh Burkes da US Navy com 9000 toneladas até poderiam ser classificados como Cruzadores, mas, novamente a tradição e também um componente politico agem, já que Cruzador é um mome que evoca um navio maior e mais caro e assim pode ser mais dificill convencer os politicos a financia-los.

    Note que os EUA tem em construção 3 Destroyers da classe Zumwalt
    que terão umas 14.000 toneladas, portanto maiores que os atuais
    Cruzadores da classe Ticonderoga. Além da questão politica que já mencionei estes navios na doutrina da US Navy nao serão utlizados da mesma forma…o “Ticonderoga” é o grande “companheiro” dos NAes da
    US Navy enquanto os Zumwalts não irão operar com eles.

    Quanto ao cutter apesar de serem, alguns, do tamanho de fragatas
    é nomenclatura de guarda costeira.

    Resumindo, a nomenclatura fica ao gosto do fregues… :)

    abs

  15. Fabio ASC 19 de janeiro de 2013 at 11:06 #

    Daltonl, muito obrigado, já ajudou bastante.

    Como VOCÊ nomearia as Classes Horizon / Orizonte e as Type 43?

  16. MO 19 de janeiro de 2013 at 11:09 #

    Nomenclatura MO (Bronco Style) pra classificar:
    Fragata = um CT aviadado ou qqr navio militar segundo a rede Bobo and demais emiçoras di TV Bananicas ou meios de midia qqr.

    CT = Um navio de combate cabra maxo

    Ajudou Fabio ?? rssss

  17. MO 19 de janeiro de 2013 at 11:15 #

    MODalton falando cambio – FFG

  18. Fabio ASC 19 de janeiro de 2013 at 11:30 #

    Muito MO, muito……. kkkkk

  19. marciomacedo 19 de janeiro de 2013 at 12:00 #

    Se for como o Comandante esclareceu, as novas Barroso não agregarão muito à MB em termos militares. Não terá, provavelmente, mísseis AA.

  20. Giordani RS 19 de janeiro de 2013 at 13:33 #

    daltonl disse:
    19 de janeiro de 2013 às 9:33

    Brilhante explicação! Brilhante! Pena que para a imprensa “especializada” seja tudo barco… ;-)

  21. andreas 19 de janeiro de 2013 at 17:05 #

    Ivan, você poderia me explicar o que exatamente quer dizer um canhão de 54 calibres ou 62 calibres? Sempre leio a respeito disso, mas nunca entendi o que significa…

  22. andreas 19 de janeiro de 2013 at 17:07 #

    MO, e o que você acha dos Zumwalts americanos, serão CTs de macho, mas são quadrado-retângulo….

  23. daltonl 19 de janeiro de 2013 at 17:46 #

    andreas…

    talvez o Ivan possa dar uma explicação melhor, mas basicamente o calibre seria o comprimento do cano.

    O canhão de 5 polegadas calibre 54 tem um comprimento do cano de
    270 polegadas…5 x 54 = 270

    O canhão de 5 polegadas calibre 62 tem um comprimento maior de
    310 polegadas…5 x 62 = 310

    5 polegadas sendo o diametro interno do canhão.

    abs

  24. Ivan 19 de janeiro de 2013 at 19:54 #

    Andreas,

    O calibre de uma arma é o seu diâmetro interno do cano da arma, tomando a parte mais baixa das estrias ou raias, quando for um canhão raiado. Em canhões de alma lisa é simplesmente o diâmetro interno.

    Os anglo-americanos usaram por muito tempo (e ainda o fazem na linguagem tradicional) a polegada com medida, mas a Europa vem empregando o sistema métrico (milímetros e centímetros).

    Quando a Otan adotou o sistema métrico muitas armas foram tratadas desta forma. Por exemplo, os sempre presentes calibres 3″ (três polegadas) e 5″ (cinco polegadas) passaram a ser classificados como de 76,2 e 127 milímetros. Estes são os calibres dos canhões navais italianos oto-melara de grande sucesso comercial.

    O outro número que vc se referiu, muitas vezes precedido da letra L, é o que identifica o comprimento do cano da arma, como explicou nosso Admiral Dalton, indicando por quantas vezes devemos multiplicar o calibre da arma.

    Vc poderá observar estas medidas nas armas alemães da II Guerra Mundial, como por exemplo o canhão anti-tanque 75mm PAK 40 L/46.

    Observe os canhões da Oto-Melara e FMC-United Defense:

    * 127mm L/54 Mk45 Compact da Oto-Melara, tem 127mm (cinco polegadas) de calibre (diâmetro interno entre a parte baixa das raias do cano), com um comprimento de 54 vezes os 127mm do calibre, ou seja, 6.858 mm / 6,86 metros. Claro, equivalentes às 270 polegadas indicadas pelo Almirante.

    * 127mm L/62 Mk.45 Mod4 da FMC-United Defense / BAE Systems, tem os mesmos 127mm (cinco polegadas) de calibre, mas o comprimento é de 62 vezes o referido calibre, ou seja, 7.874 mm / 7,87 metros. Novamente equivalentes às 310 polegadas indicadas pelo Almirante.

    Calibre em milímetros / letra L de Length – Länge – Comprimento indicando o multiplicador do calibre para achar o tamanho da alma do cano.

    Sabe os canhões principais das nossas fragatas?
    São Vickers MK 8 de 4.5 inch (4,5 polegadas), ou seja 114mm. com 55 calibres de comprimento.

    Na Wikipédia tem um artigo bem simples sobre calibre.
    Vale a pena dar uma olhada.

    Espero ter ajudado.

    Abç,
    Ivan, a Old Infantryman.

  25. Ivan 19 de janeiro de 2013 at 20:00 #

    Uma observação válida para mar, terra e ar.

    Quanto maior o comprimento do cano da arma, maior será a queima de propelentes, maior será a pressão sobre a culatra e suporte, maior será a velocidade inicial do projétil e, obviamente maior o alcance.

    Evidentemente há limitações físicas para o comprimento da arma, inclusive não pode ser tão grande que ultrapasse a queima útil do propelente.

    Assim sendo há armas que tem buscado crescer o comprimento do cano para ter maior alcance e explorar propelentes mais modernos.

    Abç,
    Ivan, o antigo.

  26. Ivan 19 de janeiro de 2013 at 20:23 #

    Admiral Dalton,

    Entendo que a principal característica do cruzador seria sua capacidade de executar missões independentes do resto da esquadra de forma regular, com capacidade de enfrentar ameças aéreas, de superfície e submersas.

    Segundo alguns autores mais antigos (mais antigos que eu… he he),
    seria o menor navio de uma esquadra com capacidade de operar de forma independente.

    Assim sendo, entendo que o Zumwalt estaria melhor classificado como cruzador, de acordo com sua capacidade de engajar alvos de todos os tipos e missões específicas que pode levar a cabo de forma independente, como projetar poder (fogo) sobre terra.

    Claro que em minha ousadia entro em contradição com as definições da US Navy e, o que é mais grave, com o amigo.
    Mas fazer o que?
    Sou um infante cabeça dura mesmo. :)

    Grande abraço,
    Ivan, Lieutenant R2 (a long time ago)

  27. Ivan 19 de janeiro de 2013 at 20:26 #

    O Poder Naval tinha um excelente artigo sobre este assundo:
    - Reclassificação de meios navais de superfície -

    O link era:
    http://www.naval.com.br/opiniao/reclassificacao/reclassificacao.htm
    Pena que se perdeu.

  28. Fabio ASC 20 de janeiro de 2013 at 7:47 #

    Obrigado Ivan, O Infante.

  29. andreas 20 de janeiro de 2013 at 12:38 #

    Daltol e Ivan, muito obrigado pelas explicações! Há muito que queria entender a questão dos calibres dos canhões X o comprimento deles.

  30. Moriah 20 de janeiro de 2013 at 15:46 #

    formato caixa… mas acho que somente um Mk41 com ESSM quad seria suficiente ao lado do hangar. há espaço para isso?

Leave a Reply

You must be logged in to post a comment.

Novo EC725 da Marinha recebe primeira integração de míssil AM39 Exocet

Helibras e MBDA realizaram primeiros testes do sistema de armamentos de combate antinavio Exocet AM39; contrato da Avibras para produção […]

NPaOc ‘Araguari’ apoia a 400ª Expedição Científica ao Arquipélago de São Pedro e São Paulo

No período de 25 de março a 1°de abril, o Navio-Patrulha Oceânico (NPaOc) “Araguari” realizou a 400ª Comissão de apoio […]

Pentágono protesta contra ação provocativa de jato russo sobre navio dos EUA

Enquanto as tensões entre o Ocidente e a Rússia aumentam, um avião de ataque russo realizou um ato “provocativo” no […]

Nota da Marinha sobre matéria publicada no jornal O Dia

Senhor Editor-Chefe, Em relação à matéria intitulada “Luxo e viagem dão indício de improbidade”, que acompanhou a matéria de capa […]

Lancha Patrulha de Rio começa a operar na Tríplice Fronteira

No dia 31 de março, após uma travessia de seis dias navegando na calha do Rio Solimões, de Manaus a […]

Acervo Documental da DPHDM recebe registro no Programa Memória do Mundo da UNESCO

No dia 27 de março, a “Coleção Eduardo De Martino/Guerra da Tríplice Aliança”, do acervo da Marinha do Brasil, recebeu […]

Optimization WordPress Plugins & Solutions by W3 EDGE