Venezuela Guyana Ship Detained.JPEG-093db

Agência Estado

O governo da Guiana disse na noite desta sexta-feira que a Marinha da Venezuela deteve um navio operado por uma companhia de petróleo dos Estados Unidos, que estava em águas disputadas pelos dois países sul-americanos.

A embarcação, que tinha cinco cidadãos norte-americanos a bordo, estava realizando estudos sísmicos para a Anadarko Petroleum na quinta-feira, quando foi parada pela Marinha venezuelana. Ela então foi obrigada a velejar até a Ilha Margarita, território da Venezuela, segundo informou o Ministério de Relações Exteriores da Guiana.

“Ficou claro que o navio e sua tripulação não apenas foram escoltados para fora do território marítimo da Guiana, eles foram presos”, disse o Ministério. “Essas ações da Marinha venezuelana não têm precedentes na relação entre os dois países”, acrescentou o governo guianês. A Venezuela disse que deteve legitimamente o navio, que estava operando sem autorização em suas águas. A embarcação, chamada Teknik Perdana, deve chegar à Ilha Margarita neste sábado.

Venezuela e Guiana têm disputas sobre fronteiras marítimas e terrestres há décadas. O governo guianês disse que expressou “graves receios” para as autoridades venezuelanas e pediu a libertação imediata do navio e da tripulação. “As ações adotadas pela Marinha da Venezuela constituem uma séria ameaça à paz nesta sub-região e o governo da Guiana condena fortemente essa situação”.

O ministro de Petróleo da Venezuela, Rafael Ramírez, disse que o país é obrigado a agir se um navio está em sua zona marítima sem autorização. “Nós vamos defender vigorosamente nosso país e nossa soberania”, afirmou.

O porta-voz da Anadarko, John Christiansen, disse que a companhia está trabalhando com o governo da Guiana e dos EUA para liberar o barco e a tripulação. Peter Tatro, diretor de operações da TDI, cujos funcionários estavam no barco, disse que eles estão bem. “Nossa preocupação é com o que acontecerá agora. Não sabemos o que vai acontecer quando eles chegarem à Venezuela”, comentou. Fonte: Dow Jones Newswires.

FONTE: O Estado de S. Paulo

Tags: , , , , ,

Jornalista formada pela Universidade Federal do Paraná. Ganhou o Prêmio Sangue Novo do Sindicato dos Jornalistas Profissionais do Paraná com uma monografia sobre o PROSUB. Feliz proprietária de um SSN classe Virginia.

5 Responses to “Venezuela detém navio em área disputada com Guiana” Subscribe

  1. Blind Man's Bluff 15 de outubro de 2013 at 9:48 #

    USS Pueblo 2013

  2. Guilherme Poggio 15 de outubro de 2013 at 10:35 #

    USS Pueblo 2013

    Também não chega a tanto.

    http://www.naval.com.br/blog/2009/01/03/o-incidente-pueblo

  3. MO 15 de outubro de 2013 at 15:31 #

    se o tal navio for o da foto eh panamenho

  4. MO 15 de outubro de 2013 at 15:33 #

    alias, risos, olha o drama sendo criado aqui … situ absolutamente norma, acontecem de kilo toda hora … absolutamente normal no reino da dinamarca … e de quem trabalha com isso …

Leave a Reply

You must be logged in to post a comment.

Força-Tarefa da Marinha do Brasil em 1983, com 16 navios!

Form Photo 83 - 1

Na imagem acima, a rosa de manobra (folha de plotagem) do submarino Amazonas (S16), durante um exercício denominado Photo 83, […]

‘Au revoir’, Normandie: Egito quer FREMM, e quer pra já

FREMM - foto via Marinha Francesa

Segundo jornal francês, fragata já construída para a França e atualmente em provas de mar poderia ser adaptada para entrega […]

‘Embarque’ no NAe São Paulo e nos detalhes de sua modernização

NAe São Paulo - foto 4  Nunão 2011 - Poder Naval - Forças de Defesa

Os textos abaixo, gentilmente compartilhados por Luiz Monteiro, trazem muitas informações detalhadas sobre contrato relativo a consultoria, assessoramento e capacitação […]

DCNS vai assessorar a Marinha do Brasil na modernização do porta-aviões ‘São Paulo’

NAe São Paulo A12

Segundo o Diário Oficial da União, a DCNS irá participar da reforma do NAe São Paulo (A-12). Abaixo, o extrato […]

Reforma de R$ 1 bi em porta-aviões da Marinha pode torná-lo mais lento

NAe-São-Paulo-A12-3

TERESA PEROSA A Marinha reforma o porta-aviões São Paulo. Ao custo de pelo menos R$ 1 bilhão, pretende substituir as […]