EC725 BRA 17 em voo - foto Helibras

Clique aqui para ver notícia sobre o primeiro voo da aeronave, produzida pela Helibras com o código de fábrica BRA 17, no Poder Aéreo.

 

Tags: , ,

About Fernando "Nunão" De Martini

View all posts by Fernando "Nunão" De Martini

4 Responses to “Primeiro EC725 produzido completamente na Helibras é do lote da Marinha” Subscribe

  1. Almeida 23 de novembro de 2013 at 2:23 #

    “Completamente produzida na Helibrás” no título, mas lá no finalzinho da nota diz que a última aeronave terá “até 50% de conteúdo nacional”.

    Ou seja, produzido uma ova, MONTADO no Brasil. E lá pro final!

  2. Fernando "Nunão" De Martini 24 de novembro de 2013 at 13:01 #

    Almeida,

    Produção e montagem são termos semelhantes, tanto que se usa, de maneira muitas vezes com o mesmo sentido, “linha de montagem” e “linha de produção”.

    O que se fez foi produzir o primeiro helicóptero inteiramente no Brasil a partir de diversos componentes de procedências também diversas. Os exemplares produzidos antes, para inaugurar a linha e adaptar o pessoal etc, tinham partes maiores já montadas (a partir de partes menores) vindas de fora.

    Já a fabricação de peças e componentes é um outro departamento, e para esse se espera atingir 50% de conteúdo nacional.

  3. Almeida 25 de novembro de 2013 at 9:26 #

    É Nunão, para o leigo que vai ler esta nota na “grande imprensa”, dá a entender que o helicóptero será totalmente produzido, fabricado e montado, no Brasil. O que está errado.

    Linha de produção é fabricação mais montagem. Produção é o processo como um todo. Montagem é montagem de kits.

    Mas o que esperar do Marketing, ainda mais da apErtAparafusoDebráS né?

  4. Fernando "Nunão" De Martini 25 de novembro de 2013 at 11:06 #

    Almeida, bom dia.

    O leigo provavelmente não vai ver esse texto exatamente como está escrito na grande imprensa, pois trata-se de um press-release: o normal é que a imprensa dita leiga use apenas alguns trechos para escrever o sua própria matéria a partir dele, e aí vai da qualidade do jornalista perceber essas questões (que são visíveis no próprio texto original).

    Já no nosso caso (no Poder Aéreo) reproduzimos o release com o texto original (apenas alterações quanto a adaptar a data e coisas mínimas) justamente para que esses pontos sejam discutidos, dado que boa parte do público dos nossos três sites não costuma ser leigo no assunto, e lê os comentários também para se informar e formar sua opinião.

    Saudações!

    (PS – montagem não é só montagem de kits, tipo CKDs fornecidos por uma matriz. Esse costuma ser apenas o processo inicial, que pode evoluir depois para uma linha de montagem independente. A montagem em si refere-se normalmente à união de diversas partes produzidas por diversos fornecedores – e até mesmo já como partes maiores, como sub-assemblies – sejam esses fornecedores nacionais ou estrangeiros, e até mesmo, muitas vezes, instalados em espaços da própria montadora).

Leave a Reply

You must be logged in to post a comment.

A participação da Marinha do Brasil na I Guerra Mundial

A segunda-feira, dia 28, marca os 100 anos da I Guerra Mundial. Você sabia que o Brasil enviou oito navios […]

Submarino que jogou Brasil na I Guerra Mundial pode ter sido encontrado

Responsável pelo afundamento do navio brasileiro Macau e pelo sumiço de dois tripulantes brasileiros, o U-93 estaria a uma milha […]

Pesquisadores encontram submarino nazista naufragado com 17 esqueletos dentro

No litoral da ilha de Java, na Indonésia, pesquisadores do Centro Nacional de Arqueologia do local encontraram um submarino nazista […]

Um dia a bordo do submarino ‘Tapajó’ – última parte

A atracação na Base Almirante Castro e Silva e a despedida A manobra de atracação do submarino Tapajó na Base […]

Entrevista com o comandante do submarino ‘Tapajó’, capitão-de-fragata Horácio Cartier

Um dia a bordo do submarino ‘Tapajó’ – parte 3 PODER NAVAL: Comandante Cartier, o senhor poderia falar um pouco […]

Um dia a bordo do submarino ‘Tapajó’ – parte 2

Um submarino de propulsão convencional como o Tapajó tem um funcionamento parecido com um telefone celular: de tempos em tempos […]