Home Reportagem Argentina quer suas OPV classe Malvinas de emprego dual

Argentina quer suas OPV classe Malvinas de emprego dual

429
25

P18N

Vinheta ExclusivoO comando da Armada Argentina quer que a sua nova classe de navios-patrulha oceânicos (OPV, na sigla em inglês) de fabricação chinesa contenha modificações em relação ao projeto original – denominado P-18N –, de modo a que ela possa ser empregada como uma corveta adequada, especialmente, à guerra antissubmarino.

A contratação de três embarcações P-18N será sacramentada no meio da semana que entra, quando a presidenta Cristina Kirchner estiver em visita oficial de dois dias à República Popular da China. Cristina chegará a Pequim na terça-feira, dia 2, acompanhada, entre outros, pelo ministro da Defesa, Agustín Rossi. Foi ele quem negociou a parceria Argentina-China para a aquisição de equipamentos militares chineses para a Armada e o Exército (110 viaturas blindadas de transporte de pessoal sobre rodas Norinco VN-1).

A nova categoria de patrulheiros oceânicos argentinos vai se chamar “Malvinas”, nome a ser dado ao navio cabeça-de-série, cuja entrega está prevista para o fim de 2017.

A classe P-18N envolve embarcações entre 1.300 e 1.700 toneladas voltadas para o patrulhamento de águas jurisdicionais, a repressão à pesca ilegal, a prevenção da poluição marinha e, eventualmente, a salvaguarda da vida humana no mar.

z9

Convoo – A Tailândia, que encomendou duas embarcações chinesas, preferiu que seus navios tivessem apenas 1.450 toneladas de deslocamento, e fossem artilhadas com equipamentos fornecidos pelo Ocidente. Os nigerianos optaram pelo P-18N de maior tamanho. Os argentinos fizeram o mesmo, mas pediram aos chineses o alargamento do convés de voo para helicópteros, de maneira a que seu navio possa receber aeronaves do tipo Sea King, que, a plena carga, chegam a pesar dez toneladas.

O modelo padrão do P-18N prevê um convoo para helicópteros de até cinco toneladas. Aos nigerianos, por exemplo, os chineses venderam o navio acompanhado de um helicóptero Z-9, cópia da versão navalisada do aparelho francês Dauphin. O Z-9, carregado, não ultrapassa as 2,5 toneladas.

Caso seja aprovada pelos projetistas navais chineses, a ampliação do convoo do P-18N forçará os estaleiros Huangpu Shipyard (grupo Guangzhou Shipyard International) a um reforço da estrutura da popa do navio, o que deve encarecer a construção. Os dois modelos entregues à Marinha da Nigéria – o NNS Centenary e o NNS Unity – custaram, cada um, 48,5 milhões de dólares.

Os argentinos também solicitaram que a classe “Malvinas” seja entregue com um sonar rebocado e com armamento para a guerra antissubmarino.

O P-18N é derivado da corveta rápida porta-mísseis Tipo 056 da Marinha chinesa, e essa embarcação contempla, efetivamente, três equipamentos para a luta ASW: dois reparos duplos Yu-7, de 324mm; 4 reparos tipo Yu-8 (que na Tipo 056 substituíram o míssil anti-navio YJ-83); e 4 lançadores de foguete multipropósito.

yu7_01large

Torpedos – O Yu-7 é o torpedo que os chineses consideram de préstimos comparáveis ao do Mk.46 Mod 3 americano. Ele vem sendo fabricado pela indústria militar da China desde o fim da década de 1990. Pesa 235 kg (cabeça de combate de 45 kg) e corre a uma velocidade em torno dos 50 nós.

O Yu-8 é uma evolução do torpedo Yu-6, e os chineses o apresentam como equivalente ao torpedo Mk. 48 americano.

As duas principais diferenças entre as versões 6 e 8 são o melhor aproveitamento de circuitos elétricos que o Yu-8 faz em uma série de acionamentos internos do torpedo e, sobretudo, sua nova cabeça de guerra. Essa ogiva de funcionamento inovador libera, no momento da explosão, uma grande quantidade de pó de sódio enriquecido por elementos químicos. Em contato com a água o composto produz, dentro de um raio de 30 metros, uma reação de calor acima dos 2.000 graus centígrados. Dessa forma, a detonação destrói o alvo mesmo que não haja o impacto direto do torpedo no alvo.

O tipo de armamento ASW que irá a bordo das P-18N argentinas não está, contudo, definido. No caso dos P-18N tailandeses – classe “Pattani”– e dos P-18N nigerianos – classe “Centenary” – não houve a exigência de equipamento para a luta antissubmarino.

ARA Guerrico alta

Corvetas A-69 – De acordo com uma fonte do Ministério da Defesa do Brasil ouvida pelo Poder Naval, o que os argentinos desejam de verdade é um navio capaz de repor com vantagens os préstimos de suas três corvetas ligeiras classe “D’Estienne D’Orves” (também conhecidas como A-69), de 1.250 toneladas a plena carga, cujo desenho data da década de 1970.

Essas unidades estão severamente desgastadas, não dispõem de sensores sofisticados – como o sonar rebocado – e estão com a modernização comprometida pela falta de sobressalentes no mercado internacional.

As A-69 argentinas possuem coberta a ré para VERTREP (operação com helicópteros sem que a aeronave pouse no navio) e dois reparos triplos tipo ILAS 3/324mm para torpedos Whitehead AS-244A. Cabe lembrar que os técnicos chineses estudaram o funcionamento do torpedo Whitehead para obter o seu modelo Yu-7.

25 COMMENTS

  1. Ótima opção à Armada Argentina, pelo menos acaba-se de vez com esse estica-encolhe. Parabéns também aos chineses, que não ficam esperando em berço esplêndido esperando serem reconhecidos por algo que nunca fizeram, para receberem os melhores equipamentos de graça ou “a preços convidativos”, vão lá e “fazem do limão uma limonada”.

    Até mais!!! 😉

  2. Um reparo e um acréscimo:

    O reparo: a presidenta Cristina Kirchner desembarca em Pequim na próxima terça-feira, dia 3 de fevereiro.

    O acréscimo: na pauta dos acordos de parceria Argentina-China está a construção de um quebra-gelos que os chineses admitem fabricar em sociedade com o Complexo Industrial Naval Argentino, onde o quebra-gelos “Almirante Irízar” vem sendo restaurado (após o incêndio que o devastou, em 2007).

  3. Então querem pousar Sea King no navio! Já vi que heli novo nem pensar para acompanhar essas novas corvetas Argentinas. Talvez acabem por limitar as capacidades dessas embarcações com tais modificações e emprego de um heli tão antigo e pesado.

  4. OPV travestida de Corveta…. vamos ver como vai sair este navio com convés para heli de 10 Ton em vez de 2,5 ton.

    Se der certo…. vão encomendar um NAe para 30 vetores com apenas 10 mil ton…. 🙂

    Sds.

  5. Baschera O HTMS Chakri Naruebet da Tailândia tem 11 mil tons com carga total e podia levar 9 AV-8S Matadors, 6 S-70B Seahawk, 2 MH-60S Knighthawk e se necessário mais 14 helicópteros menores extras, total 31 vetores, então se os Argies tivessem grana eu não duvido que os chineses entregassem um navio destes não, não teria muita serventia para eles mas qual navio de guerra no nosso TO tem? E eles poderiam conseguir se registrar no Guinness com o récorde de Menor NAe do Mundo…. 🙂

  6. Baschera,
    É uma corveta travestida de OPV.

    Felipe,
    Naquele ‘PAzinho’ tailandês de fabricação espanhola, cabem uma ou outra formação de aeronaves.
    A ideia por trás do projeto é a flexibilidade de compor a ala aérea de acordo com a necessidades e/ou os recursos disponíveis.

    Sds.,
    Ivan.

  7. Só lembrando, no caso de alguém não saber ou lembrar,
    que o Navio Tailandês mencionado não mais opera com
    o AV-8 e raramente operou com eles quando alguns poucos estiveram disponíveis.

    Faz muitos anos que o Thai-Tanic como a imprensa local o batizou opera apenas helicópteros, mesmo assim, ainda seria um excelente porta-helicópteros SE passasse mais tempo no mar treinando do que atracado.

  8. Dalton,

    Citando o Juarez Martinez dos ‘aviauzinhuns’:

    “COMPRAR NÃO SIGUINIFICA OPERAR…”

    Abç.,
    Ivan, um antigo infante. 🙂

  9. http://www.naval.com.br/blog/2015/01/07/china-construiu-24-corvetas-type-056-e-incorporou-18-em-tres-anos/

    Na matéria linkada discutimos sobre a versão ASW deste projeto chinês, a Corveta Type 056A, inclusive com foto da popa em que aparece a abertura que deve ser para o sonar de profundidade variável rebocado.

    Certamente esta versão tem instalações ASW ampliadas, com os 4 (quatro) YJ-83 (ASuW) no meio do navio substituindos por torpedos propulsados por foguetes (talvez parecido com o ASROC) da série Yu-8 para cooperar com o sonar rebocado. Possuem também instalações para dois lançadores de decoys ASW ou ASuW na popa.

    Os Hermanos não querem comprar OPV P-18N,
    mas Corvetas Type 056A.

    Sds.,
    Ivan.

  10. Realmente Ivan, ao que parece é uma Corveta travestida de OPV. Assim chama menos atenção, só acho que demoraram muito pra tomar a decisão de fazerem essas aquisições na base da troca com commodities. Isto poderia ter sido feito a bem mais tempo……. comeram mosca!

    Até mais!!! 😉

  11. “Espaço para Sea King?”

    É só comparar o tamanho do convoo c/ o diâmetro do rotor (girando), do helicóptero.
    Um outro problema seria a pouca boca do navio,
    Mas até aí os próprios britânicos operavam Sea King do ex-HMS Leeds Castle, navio com boca semelhante a da corveta chinesa.

  12. Pô Oganza, é bastante comum navios homenagearem deuses, pessoas ou seres mitológicos – coisas que não existem.

    A Argentina apenas está inovando quanto à categoria do que não existe rsrsrs.

  13. A informação sobre os torpedos Yu-6 e Yu-8 está perdida nessa notícia. Ambos são torpedos pesados, de 533mm, para lançamento por submarinos, assim como seu comparativo MK-48 americano. Já o Yu-7 é um torpedo leve, ASW, de 324mm, para lançamento por unidades de superfície e aeronaves ASW, como seu comparativo norteamericano MK-46 mod 3. Provavelmente será esse a equipar os navios argentinos, se não optarem por equivalentes ocidentais.
    Como curiosidade, a MB usa em seus navios e aeronaves o MK-46 mod 5.

  14. Como os colegas já comentaram, não há como as P-18 nem as Type 056 operarem com Sea King. Alias, o vetor já é tão antigo que provavelmente o Z-9 é uma solução melhor do que ele.
    Isso tá com cheiro de argumentação para negociar e baratear o negócio.

LEAVE A REPLY

Please enter your comment!
Please enter your name here