uss-laffey-4

Percorremos metade dos EUA de carro saindo do Texas para chegar ao navio-museu USS Laffey, destróier da classe ‘Allen M. Sumner’ preservado no Patriots Point em Charleston, South Carolina. O Laffey está junto a outros dois navios-museu, o porta-aviões USS Yorktown classe “Essex” e o submarino USS Clamagore, classe “Guppy”.

A viagem foi longa, mas valeu a pena, porque fomos visitando outros museus pelo caminho. O clímax foi poder estar novamente a bordo de um tipo de um navio que tivemos na Marinha do Brasil e que visitávamos no Porto de Santos nos anos 80.

O USS Laffey (DD 724) é um destróier da classe de “Allen M. Sumner”, o segundo navio da Marinha de Estados Unidos a ser nomeado em homenagem ao marinheiro Bartlett Laffey, que recebeu a Medalha de Honra pela atuação nas Forças Confederadas em 5 março 1864. O Laffey era chamado de “O Navio Que Não Morreria” (“The Ship That Would Not Die”) por suas façanhas durante a Invasão do Dia D e a Batalha de Okinawa, quando sofreu o ataque de bombardeiros e 6 ataques aéreos kamikaze e não afundou.

uss_allen_m-_sumner_dd-692
USS Allen M. Sumner, líder da classe

A classe “Allen M. Sumner”

Com os EUA totalmente engajados na Segunda Guerra Mundial, a US Navy precisava rapidamente expandir seu inventário.  Uma nova classe de destróieres de 2.200 toneladas foi planejada em 1942, dotada de torretas duplas de canhões de duplo emprego calibre 5″/38, canhões antiaéreos adicionais e dois lemes, ao invés de apenas um leme como na classe “Fletcher”.

Em 7 de agosto de 1942 a Marinha dos EUA encomendou 69 destróieres da classe, com a construção em 6 diferentes estaleiros para acelerar a produção. O primeiro destróier Allen M. Sumner teve a quilha batida em 24 de maio de 1943 no Bath Iron Works. O terceiro navio da classe foi batizado USS Laffey em homenagem ao USS Laffey (DD 459) da classe “Benson”, que tinha sido afundado pelos japoneses há pouco.

A quilha do novo Laffey foi batida em 28 de junho de 1943 no estaleiro Bath Iron Works Corp., Bath, Maine; foi lançado em 21 de novembro e sua madrinha foi a senhorita Beatrice F. Laffey, filha do marinheiro Laffey; foi comissionado em 8 fevereiro de 1944, sob o comando do capitão Frederick Becton.

USS Laffey (DD 724) no início da guerra
USS Laffey (DD 724) na configuração do início da guerra

Atuação na Segunda Guerra Mundial

O Laffey logo depois de comissionado serviu um pequeno período como navio de treinamento. Em seguida, partiu em um comboio para a Inglaterra, chegando lá em 27 de maio. Da Inglaterra ele zarpou para auxiliar no bombardeio da costa no desembarque da Normandia (Dia D) e outras missões, até o final de junho.

Voltando aos EUA, passou pela Irlanda e chegou a Boston em 9 de julho, passou um mês em reparos e partiu para Norfolk, onde chegou em 25 de agosto. O navio zarpou no dia seguinte para o Hawai, via Canal do Panamá, chegando a Pearl Harbor em setembro.

Depois de um mês de intensivo treinamento, o Laffey partiu para a zona de guerra, integrando a Task Force 38 (TF 38), combatendo navios inimigos, aeronaves e aeródromos nas Filipinas.

No dia 27 de novembro, definiu o curso para o Golfo de Leyte com os navios do Destroyer Squadron 60 (DesRon 60). Operando com a 7ª Frota, o Laffey escoltou grandes navios contra ataques aéreos e submarinos, cobriu os desembarques na Baía de Ormoc em 7 de dezembro e silenciou uma bateria de terra e bombardeou concentrações de tropas inimigas.

Depois de uma curta manutenção em 8 de dezembro em San Pedro Bay em Leyte, o Laffey partiu com navios do Close Support Group 77.3 em 12 de dezembro para Mindoro, onde apoiou os pousos em 15 de dezembro. Depois que a cabeça de praia foi estabelecida, o Laffey escoltou as embarcações de desembarque vazias de volta a Leyte, chegando à Baía de San Pedro em 17 de dezembro. Dez dias depois, o Laffey entrou para o Task Group 77.3 (TG 77.3) para patrulhamento ao largo de Mindoro.

Depois de retornar brevemente à Baía de San Pedro, ela voltou à 7ª Frota e durante o mês de janeiro de 1945, protegeu os navios anfíbios que desembarcavam tropas na área do Golfo de Lingayen em Luzon. Retornando às Ilhas Carolinas, o Laffey chegou a Ulithi em 27 de janeiro. Em fevereiro, ela apoiou a TF 58, realizando ataques aéreos de diversão em Tóquio e apoio aéreo direto de fuzileiros navais lutando em Iwo Jima. No final de fevereiro, o Laffey carregou informações de inteligência vital para o almirante Chester Nimitz em Guam, chegando em 1 de março.

No dia seguinte, o Laffey chegou a Ulithi para treinamento intensivo com navios de guerra da TF 54. Em 21 de março, ele saiu com a força-tarefa para a invasão de Okinawa. O Laffey ajudou a capturar Kerama Retto, bombardeando a costa, assediando o inimigo com artilharia durante a noite e escoltando unidades pesadas.

Pintura retratando o USS Laffey sob ataque dos kamikazes
Pintura retratando o USS Laffey sob ataque dos kamikazes

Ataques Kamikaze

Em 16 de abril de 1945, o Laffey foi designado para a estação de piquete de radar 1 cerca de 30 milhas ao norte de Okinawa, e se uniu para repelir um ataque aéreo que abateu 13 aeronaves inimigas naquele dia. No dia seguinte, os japoneses lançaram outro ataque aéreo com cerca de 50 aviões.

Às 08:30, um bombardeiro de mergulho Aichi D3A Val apareceu perto do Laffey para reconhecimento. Quando o Laffey disparou armamento antiaéreo contra o D3A, ele lançou uma bomba e fugiu. Logo depois, quatro D3As quebraram a formação e fizeram um mergulho sobre o Laffey. Dois dos D3A foram destruídos por canhões de 20 mm e os outros dois em ataques de baixo ângulo caíram no mar. Imediatamente depois, um dos artilheiros do Laffey destruiu um Yokosuka D4Y fazendo “strafing” por boreste. Dez segundos mais tarde, a bateria principal do Laffey abateu um segundo D4Y em uma aproximação de bombardeio por boreste. A bomba do D4Y explodiu na água, ferindo os artilheiros de boreste com estilhaços. As chamas foram rapidamente extintas pela equipe de controle de avarias.

Às 08:42, o Laffey destruiu outro D3A se aproximando por boreste. Enquanto este avião não atingira completamente o navio, ele chegou a bater contra o convés antes de cair no mar, vomitando algum combustível letal da aviação de seu motor danificado. Três minutos depois, outro D3A que se aproximava por boreste caiu em um dos reparos de 40 mm do navio, matando três homens, destruindo canhões de 20 mm e dois canhões de 40 mm, e incendiando um magazine de munição.

diagrama-dos-ataques-ao-uss-laffey-em-16-de-abril-de-1945
Diagrama dos ataques ao USS Laffey em 16 de abril de 1945

Imediatamente depois, outro D3A fez uma aproximação atirando pela popa, impactou após a torreta de canhões de calibre 5″/38, e desintegrou-se quando sua bomba detonou o paiol de munição, destruindo a torreta e causando um grande incêndio. Outro avião em aproximação semelhante pela popa também atingiu a torreta incendiada, depois de ser avariado pelos artilheiros do Laffey.

Próximo da mesma hora, outro D3A em uma corrida de bombardeiro que se aproximava da popa lançou sua bomba, entortando o leme do Laffey a 26° e matando vários homens. Um D3A e outro D4Y se aproximaram por boreste e atingiram o Laffey.
Enquanto isso, quatro caças FM-2 Wildcats decolaram do porta-aviões de escolta Shamrock Bay, tentando interceptar os kamikazes que atacavam o Laffey.

Um dos pilotos de Wildcat, Carl Rieman, fez um mergulho na formação kamikaze e mirou em um D3A. Seu wingman atacou aquele bombardeiro de mergulho enquanto Rieman se alinhou atrás de outro D3A, abriu fogo e destruindo o avião inimigo. Dez segundos depois, Rieman perseguiu um avião torpedeiro Nakajima B5N, disparou e matou o piloto japonês.

uss-laffey-depois-dos-ataques-de-16-de-abril-de-1945
USS Laffey depois dos ataques de 16 de abril de 1945

Apenas cinco segundos depois, Rieman se alinhou atrás de outro B5N e gastou o que restava da sua munição. Quando Rieman voltou para o seu porta-aviões, fez passagens de mergulho sobre kamikazes, forçando alguns deles a interromper seus ataques. Os outros três Wildcats destruíram alguns aviões e em seguida interferiram em corridas de ataque do inimigo, depois que esgotaram suas munições até serem forçados a retornar para o porta-aviões de escolta Shamrock Bay, quando seu combustível estava quase acabando. Os Wildcats foram substituídos por um grupo de 12 caças Vought F4U Corsair.

Outro avião D3A aproximou-se do Laffey, que já estava incapacitado, por boreste. Um Corsair perseguiu o kamikaze e destruiu-o depois de forçá-lo a ultrapassar o navio. O Corsair alinhou atrás de um Oscar que fazia uma aproximação de “strafing” por boreste do Laffey. Um dos artilheiros do destróier atingiu o Oscar, fazendo-o bater no mastro do navio e cair na água. O caça Corsair também bateu na antena de radar e caiu na água, mas o piloto foi mais tarde resgatado por outro navio.

O estado da torreta de canhões de 5 polegadas da popa do USS Laffey depois dos ataques kamikaze
O estado da torreta de canhões de 5 polegadas da popa do USS Laffey depois dos ataques kamikaze

Outro avião D3A veio pela popa e deixou cair uma bomba que detonou por boreste. O D3A foi destruído mais tarde por um Corsair. O Corsair rapidamente se alinhou atrás de outro D3A e disparou; Mas a bomba do segundo D3A atingiu e destruiu um dos reparos de 40 mm do Laffey, matando todos os seus artilheiros. O Corsair se alinhou atrás de dois Oscars se aproximando pela proa, derrubou um, mas foi derrubado pelo outro. O Oscar sobrevivente foi derrubado pelos artilheiros do Laffey. A bateria principal do Laffey destruiu um D3A se aproximando por boreste. O último atacante, um D4Y, foi derrubado por um Corsair.

O Laffey sobreviveu apesar de ter sido gravemente danificado por quatro bombas, seis choques de kamikaze e “strafing” que mataram 32 e feriram 71 pessoas. O oficial assistente de comunicações – o tenente Frank Manson – perguntou ao capitão Becton se pensava que teria que abandonar o navio. O comandante respondeu: “Não, nunca vou abandonar o navio enquanto uma única arma puder disparar.” Um vigia que estava próximo completou e disse suavemente: “E se eu puder encontrar um homem para dispará-la”.

A superestrutura do USS Laffey vista por boreste, seriamente avaliada
A superestrutura do USS Laffey vista por boreste, seriamente avaliada

No pós-guerra

O Laffey foi então rebocado e ancorado ao largo de Okinawa em 17 de abril, o dia seguinte aos ataques. Os reparos temporários foram apressados e o destróier navegou para Saipan, chegando em 27 de abril. Quatro dias depois, ele iniciou a viagem de volta à costa oeste dos EUA via Eniwetok e Havaí, chegando a Tacoma, Washington, em 24 de maio. Entrou no dique seco da Todd Shipyard Corp para reparos até 6 de setembro, e então navegou para San Diego, chegando no dia 9 de setembro.

Dois dias depois, o Laffey começou a fazer exercícios, mas colidiu com o caça-submarinos PC-815 em uma espessa neblina. Ela salvou todos os membros da tripulação do caça-submarinos, menos um membro da equipe, antes de retornar a San Diego para reparos.

Em 5 de outubro, o destróier partiu para Pearl Harbor, chegando no dia 11 de outubro. O Laffey operou em águas havaianas até 21 de maio de 1946, quando participou da Operação Crossroads, que relizou os testes de bomba atômica no Bikini Atoll, ativamente envolvido na coleta de dados científicos. A descontaminação radioativa do Laffey requereu o “jateamento e pintura de todas as superfícies subaquáticas, e lavagem ácida e substituição parcial da tubulação de água salgada e evaporadores”. Após a conclusão da descontaminação, ele navegou para a costa oeste via Pearl Harbor chegando a San Diego em 22 de agosto para operações ao longo da costa oeste.

Em fevereiro de 1947, o Laffey fez uma viagem para Guam e Kwajalein e voltou para Pearl Harbor em 11 de março. Operou em águas havaianas até partir para Austrália em 1 maio. O Laffey retornou a San Diego em 17 de junho, foi desarmado em 30 de junho de 1947, e entrou na reserva da Frota do Pacífico.

o-uss-laffey-no-inicio-dos-anos-1950
O USS Laffey no início dos anos 1950

Guerra da Coreia

O Laffey foi reincorporado ao serviço ativo em 26 de janeiro de 1951, com o capitão Charles Holovak no comando. Depois do shakedown ao largo de San Diego, ele se dirigiu para a costa leste dos EUA, chegando a Norfolk em fevereiro para revisão, seguido de treinamento de reciclagem em Guantánamo Bay, Cuba. Em meados de janeiro de 1952, ele navegou para a Coréia, chegando em março. O Laffey operou com os porta-aviões Antietam e Valley Forge da TF-77.

Em maio, com o capitão Henry J. Conger no comando, o Laffey participou no bloqueio à Wonsan em Coreia.

Embora freqüentemente submetido a fogo hostil em Wonsan Harbor, enquanto embarcava em seu comandante de Força, o Laffey conduziu uma série de ousados duelos de contrabateria com o inimigo.

Depois de uma breve parada em Yokosuka, em 30 de maio, o Laffey retornou à Coréia, onde se juntou novamente à TF 77. Em 22 de junho, ele navegou para a costa leste, passando pelo Canal de Suez e chegando a Norfolk em 19 de agosto.

O Laffey operou no Caribe integrando um grupo de caça e destruição de submarinos (ASW) até fevereiro de 1954, partindo em uma viagem que incluiu uma turnê pela Coréia até 29 de junho. O Laffey partiu do Extremo Oriente para a costa leste através do Canal de Suez, chegando a Norfolk em 25 de agosto. Operando ao largo de Norfolk, ele participou de exercícios com a frota e servindo como guarda de aeronaves. Em 7 de outubro resgatou quatro passageiros da Able, uma escuna que tinha afundado em uma tempestade ao largo dos Cabo da Virgínia.

Durante a primeira parte de 1955, o Laffey participou em exercícios antissubmarino de grande envergadura, visitando: Halifax, Nova Escócia; Cidade de Nova York; Miami; e portos no Caribe. Em 1958, ele operou com porta-aviões ASW em águas da Flórida e do Caribe.

USS Laffey (DD 724) abrindo fogo com seus canhões de 5 polegadas
USS Laffey (DD 724) abrindo fogo com seus canhões de 5 polegadas

Guerra Fria
Em 7 de novembro de 1956, o Laffey partiu de Norfolk e se dirigiu para o Mediterrâneo no auge da crise de Suez. Após a chegada, ela se juntou à 6ª Frota que estava patrulhando a fronteira Israeli-egípcia. Quando as tensões internacionais diminuíram, o Laffey retornou a Norfolk em 20 de fevereiro de 1957 e retomou as operações ao longo da costa atlântica. Ele partiu em 3 de setembro para operações da OTAN ao largo da Escócia. Depois se dirigiu para o Mediterrâneo e voltou à 6ª Frota. O Laffey retornou a Norfolk em 22 de dezembro. Em junho de 1958, ele fez uma comissão para o Caribe para um grande exercício.

Voltando a Norfolk no mês seguinte, o Laffey retomou as operações regulares até 7 de agosto de 1959, quando ele zarpou com DesRon 32 para o Mediterrâneo. O Laffey atravessou o Canal de Suez em 14 de dezembro, parou em Massawa, na Eritreia, e continuou para o porto de carregamento de Aramco, em Ras Tanura, na Arábia Saudita, onde passou o Natal. O Laffey operou no Golfo Pérsico até o final de janeiro de 1960, quando transitou pelo Canal de Suez e foi para casa, chegando a Norfolk em 28 de fevereiro. O Laffey então operou ao largo de Norfolk, fazendo uma viagem para o Caribe. Em meados de agosto, participou de um grande exercício naval da OTAN. Em outubro, ele visitou Antuérpia, Bélgica, voltando a Norfolk em 20 de outubro, mas retornou ao Mediterrâneo em janeiro de 1961.

No Mediterrâneo, ele ajudou o SS Dara, um cargueiro britânico com incêndio a bordo e navegou a 30 nós por 200 milhas para fazer o socorro. O Laffey partiu para casa e chegou a Norfolk em 28 de agosto.

Em 1962 o Laffey entrou no programa de modernização FRAM II, onde adquiriu a configuração de armamento e sensores que manteve até fim.

O Laffey participou depois de um programa de treinamento vigoroso projetado para integrar a tripulação a uma equipe de combate eficaz e continuou este treinamento até fevereiro de 1963, quando assumiu as funções de navio de serviço para o Norfolk Test and Evaluation Detachment.

De outubro de 1963 a junho de 1964, o Laffey operou com um grupo de caça e destruição antissubmarino ao longo da costa leste, e em 12 de junho fez uma viagem ao Mediterrâneo, chegando em Palma de Mallorca em 23 de Junho. Dois dias depois, o grupo-tarefa partiu para uma missão de vigilância observando as forças navais soviéticas treinando no Mediterrâneo. O Laffey visitou os portos mediterrâneos de Nápoles, na Itália; Théoule, França; Rota e Valencia, Espanha, retornando a Norfolk em 3 de setembro. O Laffey continuou a fazer comissões regulares do Mediterrâneo com a 6 ª frota e participou de numerosos exercícios operacionais e de treinamento no Atlântico e Caribe.

O Laffey foi desincorporado e desativado em 9 de março de 1975. Ele foi a último dos destróieres da classe “Allen M. Sumner” a sair do serviço ativo na US Navy.

Veja no próximo post as fotos da nossa visita ao USS Laffey.

uss-laffey-3

13 COMMENTS

  1. Excelente reportagem!!!! para quem serviu a bordo destes formidáveis navios, esta reportagem representa um verdadeiro monumento histórico e representa para todos que tiverem o interesse de ler e conhecer o que estes maravilhosos navios representaram na sua época!!!!

  2. Amigos tem um documentário do History que conta esse ataque ao Laffey é só pesquisar no Youtube :
    Combates Aéreos – Kamikazes, as bombas humanas – History Channel [Dublado]
    Obs.: não coloquei o link p/ não ficar retido.

  3. Sensacional adorei a historia…..Fantástico……Navio Guerreiro….os Âmis estão de parabéns…..

    Mas na minha humilde opinião pena que os Japoneses não o afundaram…..

  4. Anderson…
    .
    “strafing” …basicamente significa “metralhar” um alvo, ou seja um navio que sofra “strafing”
    estará sendo atingido por metralhadoras ou canhões de uma aeronave.
    .
    abs

  5. Jagder…
    .
    o “Sumner” desapontou quanto ao alcance assim ele foi refinado na classe Gearing alguns
    poucos metros mais comprido que permitiu maior armazenamento de combustível.
    .
    As duas classe são praticamente idênticas e o meio mais fácil de identifica-las é o maior
    espaçamento entre as chaminés na classe Gearing.
    .
    abraços

  6. Jagderband#44, o Gearing é um Sumner mais comprido, com a adição de uma seção a meia nau de 14 pés, que possibilitou o embarque de mais 160 toneladas de óleo combustível. Com essa seção a mais o alcance do navio aumentou 30% navegando a 20 nós, de 3.300 para 4.500 milhas.

LEAVE A REPLY