Home Marinha do Brasil Marinha incorpora terceira embarcação DGS 888 Raptor

Marinha incorpora terceira embarcação DGS 888 Raptor

24740
66

Embarcação, que já está em operação no litoral de Santos, será utilizada no combate ao narcotráfico, à pirataria e auxiliar na repressão de crimes ambientais.

A DGS Defense, empresa brasileira estratégica de Defesa, entregou quarta-feira (27/02) à Marinha do Brasil a terceira embarcação blindada modelo DGS 888 Raptor, que recebeu o nome de “Mangangá”.

A DGS 888 Raptor vai auxiliar as autoridades policial, alfandegária e ambiental no combate ao narcotráfico, à pirataria e a crimes ambientais na região do Porto de Santos, no litoral de São Paulo.

“A lancha atua contra crimes transfronteiriços [contrabando, exploração sexual, evasão de divisas, crimes ambientais e tráfico de drogas, pessoas, armas e munições] em coordenação com outros órgãos. São ações específicas de zonas de fronteira”, explica o Comandante do 8º Distrito Naval, Vice-Almirante Claudio Henrique Mello de Almeida.”.

A embarcação DGS 888 Raptor tem nove metros de comprimento, navega em regiões com profundidade mínima de 50 centímetros podendo atingir mais de 70 km/h. Além de ter capacidade de abrigar cinco militares na cabine, cuja blindagem suporta tiros de fuzil, e pode ser equipada com metralhadoras.

O Comando escolhido para receber a embarcação foi o Comando do Grupamento de Patrulha Naval do Sul-Sudeste, sediado em Santos/SP. Segundo o comandante do grupamento, o Capitão de- Fragata Carlos Marden Soares Pereira da Silva, a DGS 888 Raptor tem capacidade de navegação em águas rasas, além de possuir equipamentos de visão termal, radar e sensores que permitem o patrulhamento 24 horas e em qualquer condição de mar, inclusive na região dos fundeadouros [área em mar aberto onde navios aguardam para acessar o cais].

A velocidade e facilidade de navegação da lancha desenvolvida pela DGS Defense pode oferecer pronta e rápida resposta, em apoio aos outros órgãos. A embarcação já está em operação no litoral de Santos, SP.

Dados técnicos da embarcação

A DGS 888 RAPTOR é resultado de estudo realizado pela DGS Defence, contando com assessoramento técnico da Marinha do Brasil e do Exército Brasileiro. Ela atende e supera todos os requisitos desejáveis para uma embarcação tática de alto desempenho. Possui alta velocidade e grande autonomia, grande manobrabilidade autonomia; grande manobrabilidade e baixíssimo calado em função de sua propulsão por hidrojato; proa e popa baixas para facilitar o embarque e desembarque em praia ou margens; cabine blindada e grande volume de fogo graças ao pedestal para 7,62 mm no teto da cabine.

A DGS 888 RAPTOR possui operação extremamente básica e simples, facilitando a formação e treinamento de pilotos. Também tem baixo custo de manutenção.

Sobre a DGS Defense

Com 11 anos de atividade e mais de 80 embarcações operando na Marinha do Brasil, Exército Brasileiro, Polícia Federal, Corpo de Bombeiros, órgãos de segurança entre outras instituições, a DGS Defense consolida seu trabalho como único estaleiro brasileiro dedicado a projetos e construção de embarcações táticas (blindadas ou não) para as áreas de Defesa e Segurança.

Ao longo dos últimos anos, a DGS Defense desenvolveu e detém a patente das ETRH’s (Embarcações Tubulares Rígidas Híbridas – Extreme Hull – XH®). Único fabricante nacional desse tipo de embarcação, as ETRH’s não afundam, não propagam chamas, têm longa vida útil e baixo custo de manutenção, pois são 100% fabricadas com um composto termoplástico híbrido de alta densidade e ultra-alto peso molecular.

FONTE: DGS

66
Deixe um comentário

avatar
33 Comment threads
33 Thread replies
1 Followers
 
Most reacted comment
Hottest comment thread
46 Comment authors
Cristiano de Aquino CamposLuiz Floriano Alvesmarcelo danton2Hard4Ucolombelli Recent comment authors
  Subscribe  
newest oldest most voted
Notify of
Eduardo
Visitante
Eduardo

Deveria colocar inicialmente umas 10 na fronteira com o Paraguai, por onde entra o maior volume de contrabando , drogas e armas!

J L
Visitante
J L

Deveria também colocar nos rios da região norte do Brasil, onde é constante o assalto aos barcos de passageiros por piratas de rio, mas precisamente nos rios do amazonas e no amapá.

Rafael_PP
Visitante
Rafael_PP

Os caras estão assaltando até narcotraficantes nos rios do Norte!

Uma coisa ninguém pode reclamar, viver no Brasil nunca é entediante…

Paulo Costa
Visitante
Paulo Costa

Voce ta louco, isso demoraria 10 anos e pra isso acontecer ficaríamos sem os submarinos scorpenes e as corvetas tamandaré kkk

PAULO CESAR SANTOS DE AGUIAR
Visitante

Sobre o escudo de proteção para os artilheiros das metralhadoras, suponho que não há inconveniente em ampliar a área do escudo para baixo. Isso proporcionaria proteção mais efetiva para os operadores das metralhadoras.

J L
Visitante
J L

De fato, a proteção aos artilheiros poderia ter uma amplitude maior, protegendo as pernas, e as costas do piloto pois parece-me que se houver tiros vindo da retaguarda apesar da metralhadora de ré, pode acontecer do piloto ser atingido por traz.

Fresney
Visitante
Fresney

Faltou uma machine gun 7,62 seria show .

Flavio Santos
Visitante
Flavio Santos

Tem quatro. Não percebeu ou nem sabe o que Está falando??

Paulo Costa
Visitante
Paulo Costa

Ele quis dizer mini-gun 7.62 e voce que nao percebeu isso..

ou sera que nem sabe do que Estamos falando?

veja esse vídeo pra voce entender melhor colega

Marcelo Mariano
Visitante
Marcelo Mariano

Fresney, você trocou mini-gun 7.62 ( arma multi tubo) por machine gun (metralhadora).

fresney
Visitante
fresney

Estava falando do tubo rotativo de 7.62 que a US ARMY usa

Augusto
Visitante
Augusto

Achei muito vuneral a posição dos atiradores.

Mahan
Visitante
Mahan

Muito boa aquisição. Agora, será mais um belo par botas lustradas ou realmente irá atritar as forças adversas? Acho que apenas desfilar numa carreta em 7 de setembro…nossos milicos positivistas têm horror ao combate.

Ferreras
Visitante
Ferreras

Qual o custo dela?

LuizP
Visitante
LuizP

R$1.500.000,00

Vicente Roberto De Luca
Visitante
Vicente Roberto De Luca

Trata-se de um custo muito convidativo. Segundo um amigo da MB, a fatura inclui manutenção, pacote básico de sobressalentes e treinamento.
Exemplo de “start-up” nacional que deu certo. Merece ser prestigiada!
Quanto aos aspectos supostamente vulneráveis, a continuidade de sua fabricação tenderá a aperfeiçoá-la, claro que com os imputs dos operadores. Daí a necessidade de um programa continuado.
De Luca, Vicente Roberto.

Paulo Costa
Visitante
Paulo Costa

uma pechincha kkk

Sincero
Visitante
Sincero

Santos precisava de uma lancha dessa, a pirataria e o tráfico estão demais lá.

Marcelo
Visitante
Marcelo

Uma metralhadora M-60 na Popa e uma .50 na Proa?!?

Bosco
Visitante
Bosco

E duas M-60 a meia nau.

Bosco
Visitante
Bosco

Mais precisamente, “meio navio”.

Marcelo Mariano
Visitante
Marcelo Mariano

Bosco,
Pergunta: São M-60 ou MAG ?

Bosco
Visitante
Bosco

Marcelo,
O desenho sem dúvida é ilustrativo, mas nele parece ser a M-60. Claro, nós não a utilizamos e iremos instalar a MAG.

Kemen
Visitante
Kemen

Nos suportes da proa e popa pode-se encaixar à escolha 7.62 ou .50, nos suportes do meio somente 7.62.

RENAN DIAS LEITE
Visitante
RENAN DIAS LEITE

Deveria estar nos rios da Amazônia e fronteiras.
Não no mar aberto

Paulo Costa
Visitante
Paulo Costa

O Exercito estão se preparando aos pouco e um bom exemplo e as 02 lanchas LPR 40 que possuem mas sao poucas.

A Marinha também vai seguir o mesmo por esse caminho, possivelmente com as Raptor

Willber Rodrigues
Visitante
Willber Rodrigues

Alguem saberia quantas mais a MB pretende adquirir?

Osvaldo serigy
Visitante
Osvaldo serigy

O Brasil deveria ter de 50 a 100 embarcações desta, em operação! Infelizmente é falta de prioridades e não apenas falta de recursos. Bom Carnaval a todos!

Kemen
Visitante
Kemen

Estou de acordo, pelo menos umas 80, para os principais portos maritimos e fluviais, bem como patrulha dos rios de fornteira, a autonomia de 600 Km é muito boa, a velocidade maxima também.

torres
Visitante
torres

Otima aquisiçao, precisamos de muitas outras. Mas não tem oficial demais sentado ai?

Albert
Visitante
Albert

Realmente a vulnerabilidade dos artilheiros ficou muito evidente, a posição dos dois artilheiros alinhados ao meio é muito favorável pra equilíbrio da embarcação porém acho que as duas metralhadoras deveriam ficar intercaladas de forma a proporcionar instalar uma proteção de chapa na retaguarda dos dois artilheiros pois isso deixaria o artilheiro bem mais a vontade pra atirar sem se preocupar muito com a retaguarda mesmo que uma das metralhadoras fique inoperante,

Albert
Visitante
Albert

A não ser que esta imagem seja apenas ilustrativa na minha análise eu não vi uma base de apoio de perna de alavanca pra aliviar o coice e diminuir a cadência da arma.
Mas afinal eu não sou perito nem engenheiro nessa área acredito que o projeto seja realmente muito melhor e adequado.

nonato
Visitante
nonato

Adorei a embarcação. Não a embarcação em si, mas o conceito de alta tecnologia. É algo tão simples. Acho que nossas forças armadas e policiais, tanto no mar quanto nos rios precisam de barcos de deslocamento rápido. Barcos específicos, leves, velozes, de fácil embarque e desembarque, com boa proteção para os tripulantes, com boas armas, talvez até radar, sistemas óticos de longo alcance, zoom, talvez até drones de abordagem, batedores… Como alguns colegas falaram, essa embarcação específica para não fornecer muita proteção. Para esse trabalho em Santos, merece um drone para uso exclusivo na embarcação (teria que ser um minodrone)… Read more »

Top Gan Sea
Visitante
Top Gan Sea

É o que tem para hoje! Lancha de ataque de verdade seria a que a MB quase adquiriu da Suécia, a Lancha de combate CB 90 em 2012 através de transferência de tecnologia. Mas não deu em nada. Se não consegue comprar lancha de patrulha de alto nível, quiçá navio de guerra. Os Soldos não deixa!
https://es.wikipedia.org/wiki/Stridsb%C3%A5t_90
https://www.naval.com.br/blog/2012/03/14/tecnicos-militares-da-base-naval-de-val-de-caes-visitam-estaleiro-sueco/
https://youtu.be/9I42PVJtOlc

Vicente Roberto De Luca
Visitante
Vicente Roberto De Luca

Concordo. As CB90 seriam uma ótima aquisição. Como citado, o modelo “H” foi oferecido para fabricação na Base Naval de Val-de-Cães, que possui expertise para tal. Parece que o motivo da não aceitação foi a construção, na ocasião, de 200 lanchas de transporte escolar pela Base.
De fato, faltou vontade política. Alegaram tb que havia uma combinação prévia com a COTECMAR. Enfim, perdemos uma grande oportunidade na época. Quem sabe se com o BORA não retomamos as conversas ou a própria DGS DEFENSE se anima a montar uma joint venture com os suecos?
De Luca, Vicente Roberto.

Lamarque
Visitante

De fato concordo plenamente com vc mas parece que não importam com os combatentes da lancha não vemos nehuma proteção por mais basica que seja deveriam com certeza era fabricar sob licença o modelo da COMBAT BOAT CB-90H aqui no brasil e com armamento controlado remotamente
Essa lancha da empresa raptor transporta poucos combatentes comparado com o modelo sueco

Tomcat4.0
Visitante
Tomcat4.0

Houve diálogo de um suposto funcionário da DGS anos atrás em outro fórum ,o de disse estarem trabalhando em um modelo similar a CB-90 . Esta Raptor ( modelo igual a do vídeo compartilhado pelo Bardini)teve uma versão exposta com a Remax( Corced) na proa.

Paulo Costa
Visitante
Paulo Costa

Cara por mais que seja critico as vezes, nao da pra aceitar que você venha defender a compra de lanchas do exterior, tenha dó …

Se voce acha que o Brasil nao tem tecnologia e capacidade laboral para construir em nossos estaleiros, com nossa mão de obra lanchas melhores que essa da suécia, você realmente tem problema e ta muito mal informado.

Tenha dó, sao lanchas de patrulha e nao um submarino nuclear e sem essa de que o Brasil tem que comprar tudo de fora ao contrario, so prestigiando a industria de defesa nacional seremos grandes de novo.

Bardini
Visitante
Bardini

Essa imagem da matéria não representa a lancha entregue…

Bardini
Visitante
Bardini

Essa é a lancha:
https://youtu.be/jxhUZiIrP58

RENAN DIAS LEITE
Visitante
RENAN DIAS LEITE

Ata! Então sim blindado com cabine para 5 pessoas e Torre automática outro nível.

Não é necessário expor os tripulantes.

Junior
Visitante
Junior

Acho que essa que ilustra a matéria é o desenho antigo, antes dos testes com a MB e as mudanças pedidas pela mesma

Pedro de Alcântara Tavolaro Neto
Visitante
Pedro de Alcântara Tavolaro Neto

Bom se tem condições de fazer três lanchas dessas tem condições de fazer umas de trinta metros equipadas com metralhadoras .30 e outra
50 pra salvaguardar as nossas costeiras.

Willber Rodrigues
Visitante
Willber Rodrigues

Ahhh sim…
Se for mesmo essa do vídeo, então é outro nível…

Samuca cobre
Visitante
Samuca cobre

Bom… já é alguma coisa!!! Mas teria que ser no mínimo umas 10… kkkk

DN Lima
Visitante
DN Lima

DGS 888 Raptor – Parece, realmente, não dar muita importância com a segurança, integridade e vida dos embarcados… É Brasil! Se fosse a Marinha de Israel, o 1° item a ser observado seria a segurança dos marinheiros! Mas, no Brasil, danem-se. Outra coisa… Comemorar 3!!! Precisávamos de 30 vezes mais, no MÍNIMO… E, outra coisa, dizer que “Ela atende e supera todos os requisitos desejáveis para uma embarcação tática de alto desempenho”, é brincadeira a.seriedade com que se trata de segurança e de tecnologia, no Brasil… Por tudo, Isso aqui continua sendo uma PIADA!!

Beserra(FN)
Visitante

Antes de sair falando besteira, amigo, pesquise e busque fontes. A verdadeira Raptor não são as das fotos e imagens da Matéria, mas a seguinte:

https://youtu.be/jxhUZiIrP58

DOUGLAS TARGINO
Visitante
DOUGLAS TARGINO

3 barcos como esse aqui na Paraíba seriam ótimos! Colocaria uma 7.62 na frente apenas e estava de bom tamanho.

Douglas Falcão
Visitante
Douglas Falcão

Parece ter boa propulsão e ótima características marinheiras, mas toda a tripulação fica exposta. Mesmo os ocupantes da cabine ficam com a popa aberta. O crime organizado já aprendeu que tiro de precisão é importante. Considerando que os criminosos também usam fuzis, basta acertarem um tiro para tirar de combate um ocupante. Em confrontos de alta intensidade, o barco vira um alvo, por falta de proteção.

2Hard4U
Visitante
2Hard4U

Essa é a lancha:
https://youtu.be/jxhUZiIrP58

Nilo Antonio Rodarte
Visitante
Nilo Antonio Rodarte

Para o uso a que se propõe parece muito adequada. Deveria haver centenas delas espalhadas pelos rios do país todo e sem medo de usar essas metralhadoras.

Douglas Falcão
Visitante
Douglas Falcão

Acabei de ver uma foto no FaceBook de uma dessas com cabine estendida totalmente fechada e ausência de arma na proa. Existem variantes?????? A cabine estendida tinha um ar condicionado Split, que parecia uma gambiarra.

CRSOV
Visitante
CRSOV

Já era para a Marinha ou quem sabe uma Guarda Costeira (como cogitada a formação pelo Ministro Moro) ter algumas centenas dessas embarcações extremamente ágeis, com boa proteção balística contra tiros de fuzil, no seu inventário !! Como no Brasil a Defesa Nacional e a Segurança Pública sempre foram relegados ao último plano nós permaneceremos com as fronteiras escancaradas por décadas ainda !!

GFC_RJ
Visitante
GFC_RJ

Essa lancha é o bicho! Conhecida como “caveirão do mar”. Aguenta atracar até em cima de pedreiras. Esse radar SIMRAD consome boa parte do valor unitário da embarcação.

Esse estaleiro de São Cristóvão no RJ, após convite, deve iniciar produção na Flórida e vai vender no mercado americano.

https://g1.globo.com/sp/santos-regiao/porto-mar/noticia/2019/02/28/novo-caveirao-do-mar-e-usado-no-combate-ao-narcotrafico-e-a-pirataria-no-porto-de-santos.ghtml

https://www.marinha.mil.br/sinopse/marinha-do-brasil-atuando-com-lancha-dgs-888-raptor-no-patrulhamento-da-baia-da-guanabara

Delfim
Visitante
Delfim

Lembrei da lancha do filme Apocalypse Now.
.
Aquelas metralhadoras a meia-nau parecem desprotegidas, e um convite a cometer “fogo amigo”. Colocaria torretas laterais duplos 7,62 à frente da cabine para prover maior fogo lateral e frontal com proteção melhor, e uma torreta traseira com reparo duplo .50 atrás.
.
Uma versão maior estilo “PT-boat” poderia ter as torretas laterais em .50 e um reparo simples 20mm, e maior potência atingindo 80 km/h.

Gildo
Visitante
Gildo

Os artilheiros estão totalmente desprotegidos.

Beserra(FN)
Visitante

Vou postar a verdadeira lancha Raptor 888, assim, quem sabe, os colegas resolvam pesquisar e então parar de falar alguns equívocos.

https://youtu.be/jxhUZiIrP58

As imagens da Matéria não são da atual embarcação.

Adsumus

GFC_RJ
Visitante
GFC_RJ

Sim. A cabine blindada é toda fechada, para 5 tripulantes. Ademais, parece que o estaleiro já chegou a adaptar uma REMAX na proa.
Somente vejo o movimento ter chances se minar o trajeto dele.

Foxtrot
Visitante
Foxtrot

Só 3 ?
Deveriam estar em plena e completa incorporação no Pantanal e Amazônia, tanto pela MB como pelo EB.
Vou além, deveriam é criar um comando com junto de transporte pás as FAAs, e o mesmo implantar as 888 Raptor em substituição as voadeiras, Guardiãns etc.
Mas !!!

colombelli
Visitante
colombelli

Creio que os artilheiros usam pesados coletes, mas pode ser melhor a proteção. Este meio estaria melhor no lago de Itaipu e no Rio Paraguai.

2Hard4U
Visitante
2Hard4U

Essa é a lancha:
https://youtu.be/jxhUZiIrP58

Cristiano de Aquino Campos
Visitante
Cristiano de Aquino Campos

Esse barco do video, que é o que a marinha comprou e diferente do que esta aqui no site. Ela e bem mais blindada.

marcelo danton
Visitante
marcelo danton

okk!! Mas levanta em mar grosso…..tem q perguntar neh nao…..os caras sao otimos para deixar uma grande navio por 2 horas na maos dos bandidos…mimimis..mar muito alto…..mimimis chuva torrencial….mimimis ganhamos poucos…..e mais mimimis…

Luiz Floriano Alves
Visitante

Melhorar a blindagem num barco pequeno é muito difícil pq altera o centro de gravidade de forma negativa. Melhoras com anteparos de Kevlar seriam mais adequados. Escalar blindagem com aço, levará a termos um micro couraçado, pesado e de difícil manobra.Um rifle .50 seria mais potente e menos dispendioso que uma metralhadora. Intimidaria por seu poder de penetrar blindagem e munições diversas.