Home Marinha Mercante N/M ‘Sebastião Caboto’ / PPOK – O mais moderno navio nacional

N/M ‘Sebastião Caboto’ / PPOK – O mais moderno navio nacional

587
9
Defesa Store

sebastiao-caboto-9602875-PPOK--3800teusml-17-03-13-6 copy

Escalou pela primeira vez em Santos a mais nova unidade da Marinha Mercante nacional. Na chuvosa tarde de domingo, dia 17/03, atracou no Tecon 2 o porta container “Sebastião Caboto“, incorporado em 7 de janeiro em Shanghai, P.R.C., onde foi construído.

Primeira de uma série de quatro embarcações da mesma classe, sob encomenda do armador  Hamburg Sudamerikanische Dampfschifffahrts Gesellschaft KG, Hamburg, Alemanha ( Rudolf A Oetker KG, Hamburg, Alemanha) e transferidos para afretamento a casco nu para a sua subsidiária, Aliança Navegação e Logística Ltda., Rio de Janeiro.

sebastiao-caboto-9602875-PPOK--3800teusml-17-03-13-13 copy

A embarcação de 52,065 dwt, 228 m de comprimento e 37,2 m de boca tem capacidade para transportar .800 teus, incluindo 500 unidades frigoríficas e desenvolve velocidade de cruzeiro de 20,50 nós.

Originalmente de bandeira liberiana, recebeu o pavilhão e guarnição nacional em março de 2013 em Manaus/AM.

Para ver mais imagens e  mais informações sobre o navio:

sebastiao-caboto-9602875-PPOK--3800teusml-17-03-13-19 copy

Fotos: Marcelo ‘MO’ LOpes – 17/03/2013

9 COMMENTS

    • meu amigo, eu me impressionei e olha que full container é o porta buneca dos de carga, muito bonito mesmo, qdo vc ver ele ai nos merrrrmao vc irá se impressionar !!!

  1. Poggio e Ostra, qual é a história desse “Atlântico Sul”? Vi no NGB que foi incorporado à MB em 2001 e dado baixa em 2005… não prestava nem como quebra galho?

    • Eu particularmente acho que com as quantidades de cargas transportadas pela MB ele seria superdimencionado, ainda mais pela pouca utilização de carga conteinerizada. Se a MB / pais operasse com maior frequencia e transporte de carga word wide ou mesmo haiti, africa, ai sim …, em resumo era muito navio para pouca coisa

      Extraoficialmente o navio foi adquirido pela MB em uma transação não muito ortodoxa (ou pelo menos é o que rola sobre – digo as condições, como, interesse e preço e por ai vai …) para que entao a estatal Lloyd Brasileiro nao perdesse o navio via arresto judicial devido a problemas trabalhistas, ficou cozinhando na MB até que foi adquirido pela Norsul, virando Norsul Atlantico, mas tbm não fizeram praticamente nada com o navio, so trocando o AMRJ pela Baia de Guanabara, quando foi adquirido pela NTL Navegacao e Logistica SA (Maestra) que finalmente recondicionou o navio para voltar a operação e hoje ele navega pela maerstra afretado pela NYK de Tokyo fazendo a cabotagem das cargas deles

LEAVE A REPLY

Please enter your comment!
Please enter your name here