Imagens aéreas

Por Fernanda Pires

 

vinheta-clipping-navalO caos verificado na semana passada nos acessos à Baixada Santista não deve ser atribuído apenas ao polêmico, e talvez inoportuno, decreto da prefeitura de Cubatão (SP) de limitar o horário de funcionamento dos pátios reguladores de caminhões destinados ao porto de Santos. Uma atitude, diga-se, na contramão do recém-lançado programa federal Porto 24 Horas, visando dar maior agilidade nos embarques e desembarques no porto santista.

A medida teve o efeito de agravar problemas há muito tempo existentes nos caminhos que deságuam na maioria dos portos públicos dos país com escala de movimentação. E que ganharam tintas dramáticas na Baixada Santista devido ao fato de o porto de Santos ser responsável por escoar 25,8% da balança comercial brasileira, segundo números de 2012.

Parece não haver dúvida de que ampliar a oferta de infraestrutura na beira do cais é essencial para dar competitividade ao negócio portuário. Mas, sozinha, a recente Medida Provisória (MP) dos Portos terá pouco impacto na redução do chamado custo Brasil. Não existe a bala de prata que resolverá o que se convencionou chamar de “o problema dos portos” – um lugar comum que, muitas vezes, deixa de identificar falhas que estão fora do condomínio aquaviário.

“O desafio não é tanto o porto, mas chegar na área do porto”, disse em recente entrevista Peter Gyde, principal executivo no Brasil da Maersk Line, o maior armador de navios de contêineres do mundo e que, no Brasil, concentra 40% de sua operação em Santos.

Os principais problemas são a falta de áreas para armazenagem de cargas nas zonas de produção, a ineficiência de acessos terrestres e, sobretudo, a subutilização do transporte hidroviário, que ajudaria a pulverizar a chegada da carga. Junto com as deficiências nos portos, são esses fatores que ajudam a onerar, na ponta, o custo do produto brasileiro.

Nos bastidores, especialistas avaliam que tais deficiências podem, inclusive, ser potencializadas pela maior oferta de terminais que o governo pretende com a MP dos Portos caso o país não resolva, na mesma velocidade em que pretende criar novos terminais, os problemas históricos que percorrem a logística da carga.

Hoje, por falta de capacidade na ferrovia, o transporte de grãos rumo a Santos é uma verdadeira anomalia logística. Muitas vezes o dono da carga se vê obrigado a levar a mercadoria do Estado do Mato Grosso até Santos de caminhão, preterindo os trilhos, a escolha mais racional e econômica.

Para citar um exemplo, em 2006, um ano antes do lançamento do Plano Nacional de Logística e Transportes (PNLT), a ferrovia transportou 23% das cargas escoadas pelo cais santista. No ano passado a participação foi menor: 21,03%. Por meio do PNLT, Brasília promete equilibrar a matriz de transporte nacional, aumentando para 32% a participação dos trilhos no transporte de cargas até 2025.

Outro exemplo é a infraestrutura de entrada no porto de santista – a mesma há décadas. Enquanto isso, a movimentação de cargas em Santos cresceu a uma média de 11,5% por ano, muito acima do PIB, nos últimos 15 anos, sempre superando seu próprio recorde, para ficar num recorte de tempo recente.

O governo acena com soluções. No mesmo dia em que a prefeita de Cubatão, Marcia Rosa (PT), suspendeu o desastroso decreto, o ministro dos Portos, Leônidas Cristino, anunciou um plano tripartite de acessibilidade ao porto.

O pacote envolverá viadutos, alças de acesso, pistas e ponte para aumentar as opções de entrada no porto. Dias antes, a Secretaria de Portos (SEP) já havia divulgado a realização de um estudo para usar o potencial hidroviário da Baixada Santista. Segundo a Fundação para o Desenvolvimento Tecnológico da Engenharia (FDTE), os rios da região podem receber até 12 terminais fluviais em áreas com acessos rodoferroviários. Mais uma vez, são soluções a longo prazo para resolver conflitos que são muito antigos.

FONTE: Valor Econômico via Resenha do Exército

Tags: , ,

Jornalista formada pela Universidade Federal do Paraná. Ganhou o Prêmio Sangue Novo do Sindicato dos Jornalistas Profissionais do Paraná com uma monografia sobre o PROSUB. Feliz proprietária de um SSN classe Virginia.

3 Comentários para “Caos no porto de Santos retrata antigos problemas”

  1. marc 4 de junho de 2013 at 20:14 #

    Parece que estamos a beira de uma anarquia geral neste pais,

    Não temos: segurança, transporte, saude, educação.

    Temos: assaltos a granel por todos os cantos, impunidade, politicos corruptos por todos os lados (passeando de helicopteros ou carros blindados).

    E tem gente que chega em casa, liga a televisao para ver Walking Dead…

  2. Bob Joe Roberto 5 de junho de 2013 at 6:41 #

    Enquanto houver gente que ganhe com o chamado ”Custo Brasil” isso nunca vai mudar.

Trackbacks/Pingbacks

  1. Marinha aprova novo calado para Santos | Poder Naval - Marinha de Guerra, Tecnologia Militar Naval e Marinha Mercante - 5 de junho de 2013

    […] Caos no porto de Santos retrata antigos problemas […]

Deixe um comentário

É necessário estar logado para postar um comentário. Para ter acesso aos comentários, você precisa adquirir nossa revista Forças de Defesa e solicitar aos editores um login e senha de cortesia.

Helicópteros de vigilância e controle Merlin Mk2 da RN utilizarão radar e sistema de missão da Thales

Helicóptero Merlin - seleção radar Thales Searchwater e sistema Cerberus - imagem Thales via MD UK

Sistema de missão Cerberus e radar Searchwater de nova geração da Thales equiparão as aeronaves, após seleção realizada pela Lockheed Martin, principal […]

Compre e baixe agora a versão digital da revista Forças de Defesa 13ª edição

Anúncio Forças de Defesa Digital

Agora ficou mais fácil ler a melhor revista de Defesa do Brasil de qualquer lugar do mundo, no computador, no […]

Os novos ventos do Oriente: ideia de ‘navios asiáticos’ é levada ao Comandante da Marinha

A Type 054A "Liu Zhou" esteve no Rio de Janeiro em 2013

  Roberto Lopes Enviado Especial ao Rio Há cerca de duas semanas, um grupo empresarial integrante da BID (Base Industrial […]

Cortes adiam término do Estaleiro de Construção de submarinos e a reforma do A12

O primeiro submarino S-BR em construção em Itaguaí-RJ - Foto Ricardo Pereira

  Roberto Lopes Enviado Especial ao Rio A eliminação de 24,8% do orçamento do Ministério da Defesa previsto para o […]

Orçamento 2015: corte na Defesa foi de 5,6 bi

Cortes 2015 no Ministério da Defesa - foto Nunão - Poder Aéreo

O Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão divulgou nesta sexta-feira, 22 de maio, os números do contingenciamento orçamentário deste ano […]