cruzador Rio Grande do Sul - foto via NGB

Neste 9 de julho, aniversário de 81 anos do início da “Revolução Constitucionalista de 1932″, o blog das Forças Terrestres publicou uma matéria especial com trechos do Diário de Getúlio Vargas, nos quais o então chefe do Governo Provisório anotou suas impressões diárias sobre os acontecimentos.

Clique aqui para acessar e ler um relato vívido sobre a falta de preparo das tropas legalistas para enfrentar o movimento rebelde, o bloqueio do Porto de Santos para evitar o abastecimento de armas para os rebeldes, lutas no Mato Grosso para evitar que Porto Murtinho (então no Estado do Mato Grosso), Rio Paraguai, se tornasse uma alternativa de abastecimento aos paulistas, além de tentativas do próprio Governo Provisório de Getúlio Vargas encomendar material bélico em outros países, entre outros detalhes, como o trecho do título acima e estes abaixo:

“Chega de São Paulo Maurício Cardoso. Vem convencido da pujança militar de São Paulo.”

“Os rebeldes nos atacam com granadas de mão e gases lacrimogêneos, ameaçam com gases asfixiantes, mandam trazer canhões de grande alcance, tirados dos fortes para a frente de combate, e fabricam capacetes de aço para a defesa da cabeça dentro das trincheiras. Os nossos técnicos, as nossas repartições estão sempre estudando e não produzem. Ele tem razão. Estou providenciando diretamente, mas as coisas marcham vagarosamente. A burocracia, o ronceirismo, a má vontade, a sabotagem, a traição, tudo entrava.”

“O major Néri, em Mato Grosso, resiste ao ataque dos rebeldes, que insistem na ofensiva contra Porto Murtinho.”

“Das encomendas feitas nos Estados Unidos, só se sabe do embarque de cinco aviões. Do resto não há notícia, e isso é o que mais me preocupa.”

“Ainda sem solução o caso da encomenda de armamento para a França, em que o governo francês recebeu o dinheiro, e nem o devolve nem embarca o armamento.”

Tags: , , , ,

About Fernando "Nunão" De Martini

View all posts by Fernando "Nunão" De Martini

4 Responses to “Getúlio Vargas em 1932: ‘Bloqueado o porto de Santos’” Subscribe

  1. Observador 9 de julho de 2013 at 21:45 #

    Este final de semana também houve outro aniversário.

    Há exatos trinta anos, em Santa Catarina, o Vale do Itajaí enfrentou uma cheia que durou um mês inteiro. Municípios inteiros alagados, pois o Rio Itajaí chegou a estar onze metros acima do nível normal.

    Dezenas de milhares de desabrigados. Dezenas de mortos. Mortos que não podiam ser enterrados porque os cemitérios estavam debaixo d’água. Mortos por afogamento, por choques elétricos, por falta de atendimento médico.

    Alguns de fome. Outros, por incrível que pareça, de sede, mesmo no meio de um mundo de água (contaminada).

    No meio do inferno, a atuação das forças armadas foi exemplar. Em um trabalho incessante, salvaram gente que ia se afogar dentro da própria casa. Foram a espinha dorsal de uma rede de distribuição de água, alimentos e remédios que salvaram um número de vidas que jamais será conhecido.

    Um militar pode ser um herói não apenas na guerra, mas também em tempos de paz. Houve histórias interessantíssimas, heróicas.

    Valeria a pena algumas matérias pela Trilogia. Fica a idéia.

  2. Rafael M. F. 9 de julho de 2013 at 21:59 #

    Essa foto foi feita após a modernização do Bahia/Rio Grande do Sul, certo?

    E pensar que estavam sendo usados ainda na IIGM.

    Aliás, existe uma hipótese do Bahia ter sido torpedeado. Conhecem essa história?

  3. klesson 10 de julho de 2013 at 9:25 #

    A coisa vem de muito longe, até mesmo no meio das necessidades mais prementes.

    “… A burocracia, o ronceirismo, a má vontade, a sabotagem, a traição, tudo entrava.”

    Qualquer semelhança aos tempos atuais, não seria mera coincidência!

  4. daltonl 10 de julho de 2013 at 9:41 #

    Certo Rafael, tenho um modelo do Bahia como ele era em 1938 já com 3 chaminés escala 1/1250 e até que está bem parecido com a foto.

    Quanto a serem usados na II Guerra, o Bahia e o RGS, bem a US Navy por exemplo usou intensamente o USS Arkansas apenas 2 anos mais novo que eles.

    Há quem defenda veementemente que o Bahia foi torpedeado até porque teria sido uma morte mais gloriosa mas a versão oficial é
    que afundou mesmo devido a uma explosão acidental.

    abs

Leave a Reply

You must be logged in to post a comment.

Amazul e FDTE assinam acordo para participar do programa do submarino nuclear brasileiro

A Amazul – Amazônia Azul Tecnologias de Defesa S.A. e a FDTE – Fundação para o Desenvolvimento Tecnológico da Engenharia […]

Revista Forças de Defesa número 11 em versão digital: para iPad, iPhone e Android

A revista Forças de Defesa também está disponível para download pelo aplicativo O Jornaleiro, disponível para iPad, iPhone e smartphones/tablets […]

Museu Aeroespacial incorpora helicóptero da Marinha ao acervo

Em solenidade, no mês de agosto, o Museu Aeroespacial incorporou ao acervo histórico a aeronave Sikorsky SH-3 Sea King, doado […]

Projetos em Segurança e Defesa Nacional são temas de chamada Pública

Trabalho pode se estender por até dois anos. Ideia é que investigações científicas sejam formadas por equipes interdisciplinares O ministro […]

Conheça a história e o futuro da Força de Submarinos da Marinha do Brasil

Nunca antes neste país publicaram uma série de matérias sobre o tema nesta profundidade! A Força de Submarinos da Marinha […]

Navantia começa quarta grande revisão do submarino espanhol Tramontana

Submarino é quarto e último da classe ‘Galerna’ (S 70), baseada na francesa ‘Agosta’, havendo ainda três em serviço na […]