29out2013---fuzileiros-navais-da-marinha-participam-de-treinamento-militar-chamado-de-operacao-formosa-no-campo-de-instrucao-de-formosa-distante-cerca-de-cem-quilometros-ao-norte-de-brasilia-nesta-1383078078475_956x500

Filipe Matoso 

Do G1, em Formosa (GO)

Em meio ao cerrado, na região central do Brasil, mais de 2 mil homens da Marinha passaram os últimos 12 dias se preparando para uma situação de conflito armado em que a segurança do país estivesse em perigo. Na cidade de Formosa, no interior de Goiás, os fuzileiros navais simularam ataques com tanques, carros blindados, cães e tiros de metralhadora, além do uso de aeronaves e mísseis

A operação, que terminou na última terça-feira (29), foi a maior simulação de guerra já realizada na região central do país, segundo a Marinha. Para os fuzileiros, serviu para aprimorar as técnicas de combate, defesa, estratégia, coordenação de operações e resposta rápida a crises.

Para que a simulação pudesse ser ainda mais real, um hospital de campanha – para atender militares feridos durante a guerra – e uma tenda com militares especializados no combate a armas nucleares, químicas, radiológicas e bacteriológicas foram montados.

A “Operação Formosa 2013″ não foi planejada em função de grandes eventos, como a Copa do Mundo do ano que vem e as Olimpíadas de 2016. Entretanto, o almirante da Marinha Luiz Fernando Palmer afirma que a simulação tem reflexo “indireto” na seguranças desses eventos. “O treinamento, por mais que não seja focado só nos grandes eventos, tem reflexo indireto e ajuda na formação e na preparação do fuzileiro. Ele dá condições ao fuzileiro de atuar em eventos como estes. Por isso, digo que tem, sim, um efeito indireto na segurança”, afirmou.

29out2013---fuzileiros-navais-da-marinha-participam-de-treinamento-militar-chamado-de-operacao-formosa-no-campo-de-instrucao-de-formosa-distante-cerca-de-cem-quilometros-ao-norte-de-brasilia-nesta-1383078082273_956x500

Durante o treinamento, os fuzileiros simularam, entre outras coisas, a ocupação de um território conflituoso onde há guerra. Segundo a Marinha, este treinamento é realizado há seis anos (o local já é usado há 25) e aproximadamente 12 mil fuzileiros navais já passaram por ele desde 2008.

A “Operação Formosa 2013″ não foi planejada em função de grandes eventos, como a Copa do Mundo do ano que vem e as Olimpíadas de 2016. Entretanto, o almirante da Marinha Luiz Fernando Palmer afirma que a simulação tem reflexo “indireto” na seguranças desses eventos. “O treinamento, por mais que não seja focado só nos grandes eventos, tem reflexo indireto e ajuda na formação e na preparação do fuzileiro. Ele dá condições ao fuzileiro de atuar em eventos como estes. Por isso, digo que tem, sim, um efeito indireto na segurança”, afirmou.

Durante o treinamento, os fuzileiros simularam, entre outras coisas, a ocupação de um território conflituoso onde há guerra. Segundo a Marinha, este treinamento é realizado há seis anos (o local já é usado há 25) e aproximadamente 12 mil fuzileiros navais já passaram por ele desde 2008.

29out2013---fuzileiro-naval-da-marinha-participa-de-treinamento-militar-chamado-de-operacao-formosa-no-campo-de-instrucao-de-formosa-distante-cerca-de-cem-quilometros-ao-norte-de-brasilia-nesta-1383078085601_956x500

Os militares começaram em 1º de outubro a levar do Rio de Janeiro para Formosa todas as tropas, equipamentos, armas, munições e veículos. O retorno começa nesta quarta (30) e deve ser concluído até 2 de novembro. Eles também participaram de treinamentos com Veículos Aéreos Não-Tripulados (VANTs), entre outros meios de combate terrestres e aéreos. Durante a operação, os fuzileiros utilizaram munição real.

O blindado Lagarta Anfíbio utilizado pela Marinha no treinamento em Formosa foi utilizado em pacificações de comunidades na cidade do Rio de Janeiro, como o Complexo Lins.

O tenente Stephen Ferro participou da Operação Formosa e da pacificação. “O Brasil não é um país onde há conflitos de guerra, como os simulados aqui. Mas o importante é treinarmos para caso aconteça alguma coisa, nós vamos estar preparados”, disse. “A grande característica deste treinamento é trabalharmos a coordenação de operações. Se não houver uma boa coordenação, toda a operação pode ser colocada em risco”, completou o tenente.

29out2013---fuzileiros-navais-da-marinha-participam-de-treinamento-militar-chamado-de-operacao-formosa-no-campo-de-instrucao-de-formosa-distante-cerca-de-cem-quilometros-ao-norte-de-brasilia-nesta-1383078081519_956x500

Foram utilizados armamentos individuais, aeronaves, carros de combate e veículos blindados para o transporte de tropas. Além disso, os fuzileiros passam por treinamento para o manuseio de mísseis anticarro. A Operação Anfíbia, considerada “a mais complexa” das operações militares, segundo a Marinha, é um dos treinamentos aos quais os fuzileiros são submetidos.

Os fuzileiros passam por capacitação e aperfeiçoamento da “condição de prontidão constante”, utilizada na proteção do território marítimo brasileiros e na defesa de instalações navais, portuárias, arquipélagos e ilhas oceânicas. Além disso, diz a Marinha, esta preparação “assegura a capacidade de atuação em operações internacionais de paz e em operações humanitárias, em qualquer lugar do mundo”, como é o caso de um grupo de fuzileiros que está atuando no Haiti.

A Marinha gastou cerca de R$ 5 milhões para organizar a simulação de guerra como treinamento para fuzileiros navais em Formosa (GO). O recurso foi utilizado para o transporte de tropas e veículos, alimentação, compra de munições, preparação da estrutura onde foi realizada a simulação, combustível, entre outros itens.

29out2013---fuzileiros-navais-da-marinha-participam-de-treinamento-militar-chamado-de-operacao-formosa-no-campo-de-instrucao-de-formosa-distante-cerca-de-cem-quilometros-ao-norte-de-brasilia-nesta-1383078076470_956x500

FONTE: G1

IMAGENS: UOL Notícias

Tags: , , , ,

Jornalista formada pela Universidade Federal do Paraná. Ganhou o Prêmio Sangue Novo do Sindicato dos Jornalistas Profissionais do Paraná com uma monografia sobre o PROSUB. Feliz proprietária de um SSN classe Virginia.

23 Responses to “Mais de 2 mil fuzileiros passam por simulação de guerra no cerrado” Subscribe

  1. Paulo Paiva 30 de outubro de 2013 at 16:28 #

    Release muito bom. Fuzleiros Navais, “Semper Fidelis”.

  2. MO 30 de outubro de 2013 at 20:43 #

    er .. nao deveria ser Ad Somus ?

  3. Rayner 30 de outubro de 2013 at 21:47 #

    Que tanque e este que se parece com um desses modelos franceses AMX?

  4. MO 30 de outubro de 2013 at 21:55 #

    o carro de combate eh o Kurassier austriaco

  5. Bravoone 31 de outubro de 2013 at 0:12 #

    ADSUMUS!

  6. julio 31 de outubro de 2013 at 5:03 #

    parece fotos dos anos 80, ta bem desuatualisado em questao de armamentos, apesar de serem exelentes soldados…
    defazado….

  7. igor 31 de outubro de 2013 at 6:44 #

    Ótimas imagens parabéns pela matéria,gostaria de saber será que o governo tem intenção de adquirir um NAA,e outra há como usar os EC725 ou seahawk sobre eles?

  8. Matheus Henriquea 31 de outubro de 2013 at 7:37 #

    Muito boa matéria e ótimas imagens! É bom ver que a marinha organiza esse tipo de operação de treinamento

    Só um comentário, os 4º e 5º parágrafos estão repetidos.

  9. R.Silvestro 31 de outubro de 2013 at 8:57 #

    Nossa… nunca tinha ouvido falar nesse Kurassier… e nem sabia que os nossos “marines” tinham armas assim…

    Acho que vou voltar pro aéreo pra não passar vergonha aqui… eahhoeiaheoia

  10. Bravoone 31 de outubro de 2013 at 10:15 #

    Julio
    Que armamento está desatualizado?

  11. MO 31 de outubro de 2013 at 10:56 #

    boa viagem … kkkkk

  12. MO 31 de outubro de 2013 at 10:57 #

    ow Igor o que seria um NAA ?

  13. MO 31 de outubro de 2013 at 10:59 #

    DEsatualizado em questão de armamento ??? cuma ??? ixproca isso ai M 16, M 4, e Kurrassier ??? anos 80 eram Fal, Urutu, capacete israelense and … , não lhe entendi

  14. jr 31 de outubro de 2013 at 11:12 #

    Gostei de ver as nossas tropas atualizando os seus conhecimentos em campo de batalha mais é preciso mais treinamentos e novos armamentos mais atualizados,mais de qualquer forma parabéns pela matéria, é sabermos que mesmo com recursos mínimos sabemos que nossas tropas estão de prontidão.
    Só uma pergunta: alguém sabe quando começa a construção da base da marinha no maranhão?

  15. Bravoone 31 de outubro de 2013 at 11:31 #

    O IA2 deverá substituir no futuro o M16A2 e o M4, o CFN também precisa comprar miras de última geração para equipar toda a tropa, pois ajudaria muito, e o SK-105 poderia ser substituído pelo Type 10 do Japão, mas aí já é sonhar demais rs.

  16. MO 31 de outubro de 2013 at 11:40 #

    4.379 DC

  17. MO 31 de outubro de 2013 at 11:42 #

    concordo B1, não são meia duzias de miras eletronicas que iram ajudar a tropa como um todo não

  18. Vassili 31 de outubro de 2013 at 20:48 #

    Amigos,

    Vamos deixar claro uma coisa:

    O SK-105 Kurassier nunca foi, é ou será um tanque de verdade…………………..

    Ele na verdade é um Jagdpanzer, ou seja, um caçador de tanques.

    Abraços
    Vassili, o professor de abobrinhas………….

  19. Vassili 31 de outubro de 2013 at 20:59 #

    Sepol,

    Falando em miras eletrônicas………………. ontem vi algo que me atraiu a atenção no site Defesanet:

    Integrantes da Brigada de operações especiais do EB equipados com Barret M-82 e Remington M-24 sniper rifles.

    Foi uma completa surpresa saber que o EB está equipado com esses dois modelos de armas de precisão.

    Abraços.

  20. MO 31 de outubro de 2013 at 21:25 #

    Ora Ora Ovi, ve so nem tudo eh do contra, quem diria eim “

  21. MO 31 de outubro de 2013 at 21:26 #

    porra Ovi na tevelizao tudo eh tanque, ate F 5 pousado, humvee and gipes com g mesmo

  22. Mayuan 4 de novembro de 2013 at 23:13 #

    Realmente não são meia dúzia de miras eletrônicas que vão fazer a diferença na tropa. Tem que ser a tropa toda equipada com algo semelhante ao ACOG só que nacionalizado e equipado com uma mira convencional no topo para engajamentos de curta distância. Existem dúzias no mercado e fabricar isso aqui não seria nenhum bicho de sete cabeças.

    Não há o que questionar sobre a utilidade disso e quem diz que não serve pra nada é porque nunca tentou acertar um alvo do tamanho de uma pessoa a mais de 100 metros.

  23. MO 5 de novembro de 2013 at 11:06 #

    Fato, o combate de infantaria é algo genericamente falando deixado de lado por entusiastas militares que se apegam mais em combates aereos dos caças do aviaozinhum ou os misseis do naviouzinhuym, mas o bixo pega no CQB ou ambiente urbano e ai que falta faz um acog, red dot …. e uma tropaa treinada e equipada, a noite entao … faz uma diferença enorme !!!!

Leave a Reply

You must be logged in to post a comment.

Fotos do Navio de Pesquisa Hidroceanográfico ‘Vital de Oliveira’ em construção na China

Confira as fotos do lançamento ao mar do Navio de Pesquisa Hidroceanográfico “Vital de Oliveira” em Xinhui, na China. O […]

Em fórum na Fiesp, Estado-Maior da Armada destaca a importância da indústria em projetos da Marinha

Por Dulce Moraes e Alice Assunção, Agência Indusnet Fiesp Representantes do órgão apresentam projetos em desenvolvimento e formas de financiamento. […]

Navios-patrulha do Brasil e da França em operação contra pesca ilegal

Segundo nota divulgada pelo Ministério da Defesa da França nesta segunda-feira, 20 de outubro, o navio-patrulha La Capricieuse da Marinha Francesa […]

Rússia diz que submarino ‘misterioso’ na Suécia é da Holanda, mas holandeses negam

A Rússia foi acusada de ter enviado o submarino ao local, mas negou. Porém, segundo jornal sueco, a Holanda também […]

Compre agora sua revista Forças de Defesa número 11

Outra revista igual a essa, só daqui a 100 anos! A Revista Forças de Defesa 11ª edição de 140 páginas na versão impressa […]

Suecos investigam presença de submarino estrangeiro perto de sua capital

Submarino estrangeiro estaria operando no Arquipélago de Estocolmo, do qual faz parte a capital da Suécia, o que levou ao […]