No Credit Check Payday Loans

29out2013---fuzileiros-navais-da-marinha-participam-de-treinamento-militar-chamado-de-operacao-formosa-no-campo-de-instrucao-de-formosa-distante-cerca-de-cem-quilometros-ao-norte-de-brasilia-nesta-1383078078475_956x500

Filipe Matoso 

Do G1, em Formosa (GO)

Em meio ao cerrado, na região central do Brasil, mais de 2 mil homens da Marinha passaram os últimos 12 dias se preparando para uma situação de conflito armado em que a segurança do país estivesse em perigo. Na cidade de Formosa, no interior de Goiás, os fuzileiros navais simularam ataques com tanques, carros blindados, cães e tiros de metralhadora, além do uso de aeronaves e mísseis

A operação, que terminou na última terça-feira (29), foi a maior simulação de guerra já realizada na região central do país, segundo a Marinha. Para os fuzileiros, serviu para aprimorar as técnicas de combate, defesa, estratégia, coordenação de operações e resposta rápida a crises.

Para que a simulação pudesse ser ainda mais real, um hospital de campanha – para atender militares feridos durante a guerra – e uma tenda com militares especializados no combate a armas nucleares, químicas, radiológicas e bacteriológicas foram montados.

A “Operação Formosa 2013″ não foi planejada em função de grandes eventos, como a Copa do Mundo do ano que vem e as Olimpíadas de 2016. Entretanto, o almirante da Marinha Luiz Fernando Palmer afirma que a simulação tem reflexo “indireto” na seguranças desses eventos. “O treinamento, por mais que não seja focado só nos grandes eventos, tem reflexo indireto e ajuda na formação e na preparação do fuzileiro. Ele dá condições ao fuzileiro de atuar em eventos como estes. Por isso, digo que tem, sim, um efeito indireto na segurança”, afirmou.

29out2013---fuzileiros-navais-da-marinha-participam-de-treinamento-militar-chamado-de-operacao-formosa-no-campo-de-instrucao-de-formosa-distante-cerca-de-cem-quilometros-ao-norte-de-brasilia-nesta-1383078082273_956x500

Durante o treinamento, os fuzileiros simularam, entre outras coisas, a ocupação de um território conflituoso onde há guerra. Segundo a Marinha, este treinamento é realizado há seis anos (o local já é usado há 25) e aproximadamente 12 mil fuzileiros navais já passaram por ele desde 2008.

A “Operação Formosa 2013″ não foi planejada em função de grandes eventos, como a Copa do Mundo do ano que vem e as Olimpíadas de 2016. Entretanto, o almirante da Marinha Luiz Fernando Palmer afirma que a simulação tem reflexo “indireto” na seguranças desses eventos. “O treinamento, por mais que não seja focado só nos grandes eventos, tem reflexo indireto e ajuda na formação e na preparação do fuzileiro. Ele dá condições ao fuzileiro de atuar em eventos como estes. Por isso, digo que tem, sim, um efeito indireto na segurança”, afirmou.

Durante o treinamento, os fuzileiros simularam, entre outras coisas, a ocupação de um território conflituoso onde há guerra. Segundo a Marinha, este treinamento é realizado há seis anos (o local já é usado há 25) e aproximadamente 12 mil fuzileiros navais já passaram por ele desde 2008.

29out2013---fuzileiro-naval-da-marinha-participa-de-treinamento-militar-chamado-de-operacao-formosa-no-campo-de-instrucao-de-formosa-distante-cerca-de-cem-quilometros-ao-norte-de-brasilia-nesta-1383078085601_956x500

Os militares começaram em 1º de outubro a levar do Rio de Janeiro para Formosa todas as tropas, equipamentos, armas, munições e veículos. O retorno começa nesta quarta (30) e deve ser concluído até 2 de novembro. Eles também participaram de treinamentos com Veículos Aéreos Não-Tripulados (VANTs), entre outros meios de combate terrestres e aéreos. Durante a operação, os fuzileiros utilizaram munição real.

O blindado Lagarta Anfíbio utilizado pela Marinha no treinamento em Formosa foi utilizado em pacificações de comunidades na cidade do Rio de Janeiro, como o Complexo Lins.

O tenente Stephen Ferro participou da Operação Formosa e da pacificação. “O Brasil não é um país onde há conflitos de guerra, como os simulados aqui. Mas o importante é treinarmos para caso aconteça alguma coisa, nós vamos estar preparados”, disse. “A grande característica deste treinamento é trabalharmos a coordenação de operações. Se não houver uma boa coordenação, toda a operação pode ser colocada em risco”, completou o tenente.

29out2013---fuzileiros-navais-da-marinha-participam-de-treinamento-militar-chamado-de-operacao-formosa-no-campo-de-instrucao-de-formosa-distante-cerca-de-cem-quilometros-ao-norte-de-brasilia-nesta-1383078081519_956x500

Foram utilizados armamentos individuais, aeronaves, carros de combate e veículos blindados para o transporte de tropas. Além disso, os fuzileiros passam por treinamento para o manuseio de mísseis anticarro. A Operação Anfíbia, considerada “a mais complexa” das operações militares, segundo a Marinha, é um dos treinamentos aos quais os fuzileiros são submetidos.

Os fuzileiros passam por capacitação e aperfeiçoamento da “condição de prontidão constante”, utilizada na proteção do território marítimo brasileiros e na defesa de instalações navais, portuárias, arquipélagos e ilhas oceânicas. Além disso, diz a Marinha, esta preparação “assegura a capacidade de atuação em operações internacionais de paz e em operações humanitárias, em qualquer lugar do mundo”, como é o caso de um grupo de fuzileiros que está atuando no Haiti.

A Marinha gastou cerca de R$ 5 milhões para organizar a simulação de guerra como treinamento para fuzileiros navais em Formosa (GO). O recurso foi utilizado para o transporte de tropas e veículos, alimentação, compra de munições, preparação da estrutura onde foi realizada a simulação, combustível, entre outros itens.

29out2013---fuzileiros-navais-da-marinha-participam-de-treinamento-militar-chamado-de-operacao-formosa-no-campo-de-instrucao-de-formosa-distante-cerca-de-cem-quilometros-ao-norte-de-brasilia-nesta-1383078076470_956x500

FONTE: G1

IMAGENS: UOL Notícias

Tags: , , , ,

Jornalista formada pela Universidade Federal do Paraná. Ganhou o Prêmio Sangue Novo do Sindicato dos Jornalistas Profissionais do Paraná com uma monografia sobre o PROSUB. Feliz proprietária de um SSN classe Virginia.

23 Responses to “Mais de 2 mil fuzileiros passam por simulação de guerra no cerrado” Subscribe

  1. Paulo Paiva 30 de outubro de 2013 at 16:28 #

    Release muito bom. Fuzleiros Navais, “Semper Fidelis”.

  2. MO 30 de outubro de 2013 at 20:43 #

    er .. nao deveria ser Ad Somus ?

  3. Rayner 30 de outubro de 2013 at 21:47 #

    Que tanque e este que se parece com um desses modelos franceses AMX?

  4. MO 30 de outubro de 2013 at 21:55 #

    o carro de combate eh o Kurassier austriaco

  5. Bravoone 31 de outubro de 2013 at 0:12 #

    ADSUMUS!

  6. julio 31 de outubro de 2013 at 5:03 #

    parece fotos dos anos 80, ta bem desuatualisado em questao de armamentos, apesar de serem exelentes soldados…
    defazado….

  7. igor 31 de outubro de 2013 at 6:44 #

    Ótimas imagens parabéns pela matéria,gostaria de saber será que o governo tem intenção de adquirir um NAA,e outra há como usar os EC725 ou seahawk sobre eles?

  8. Matheus Henriquea 31 de outubro de 2013 at 7:37 #

    Muito boa matéria e ótimas imagens! É bom ver que a marinha organiza esse tipo de operação de treinamento

    Só um comentário, os 4º e 5º parágrafos estão repetidos.

  9. R.Silvestro 31 de outubro de 2013 at 8:57 #

    Nossa… nunca tinha ouvido falar nesse Kurassier… e nem sabia que os nossos “marines” tinham armas assim…

    Acho que vou voltar pro aéreo pra não passar vergonha aqui… eahhoeiaheoia

  10. Bravoone 31 de outubro de 2013 at 10:15 #

    Julio
    Que armamento está desatualizado?

  11. MO 31 de outubro de 2013 at 10:56 #

    boa viagem … kkkkk

  12. MO 31 de outubro de 2013 at 10:57 #

    ow Igor o que seria um NAA ?

  13. MO 31 de outubro de 2013 at 10:59 #

    DEsatualizado em questão de armamento ??? cuma ??? ixproca isso ai M 16, M 4, e Kurrassier ??? anos 80 eram Fal, Urutu, capacete israelense and … , não lhe entendi

  14. jr 31 de outubro de 2013 at 11:12 #

    Gostei de ver as nossas tropas atualizando os seus conhecimentos em campo de batalha mais é preciso mais treinamentos e novos armamentos mais atualizados,mais de qualquer forma parabéns pela matéria, é sabermos que mesmo com recursos mínimos sabemos que nossas tropas estão de prontidão.
    Só uma pergunta: alguém sabe quando começa a construção da base da marinha no maranhão?

  15. Bravoone 31 de outubro de 2013 at 11:31 #

    O IA2 deverá substituir no futuro o M16A2 e o M4, o CFN também precisa comprar miras de última geração para equipar toda a tropa, pois ajudaria muito, e o SK-105 poderia ser substituído pelo Type 10 do Japão, mas aí já é sonhar demais rs.

  16. MO 31 de outubro de 2013 at 11:40 #

    4.379 DC

  17. MO 31 de outubro de 2013 at 11:42 #

    concordo B1, não são meia duzias de miras eletronicas que iram ajudar a tropa como um todo não

  18. Vassili 31 de outubro de 2013 at 20:48 #

    Amigos,

    Vamos deixar claro uma coisa:

    O SK-105 Kurassier nunca foi, é ou será um tanque de verdade…………………..

    Ele na verdade é um Jagdpanzer, ou seja, um caçador de tanques.

    Abraços
    Vassili, o professor de abobrinhas………….

  19. Vassili 31 de outubro de 2013 at 20:59 #

    Sepol,

    Falando em miras eletrônicas………………. ontem vi algo que me atraiu a atenção no site Defesanet:

    Integrantes da Brigada de operações especiais do EB equipados com Barret M-82 e Remington M-24 sniper rifles.

    Foi uma completa surpresa saber que o EB está equipado com esses dois modelos de armas de precisão.

    Abraços.

  20. MO 31 de outubro de 2013 at 21:25 #

    Ora Ora Ovi, ve so nem tudo eh do contra, quem diria eim “

  21. MO 31 de outubro de 2013 at 21:26 #

    porra Ovi na tevelizao tudo eh tanque, ate F 5 pousado, humvee and gipes com g mesmo

  22. Mayuan 4 de novembro de 2013 at 23:13 #

    Realmente não são meia dúzia de miras eletrônicas que vão fazer a diferença na tropa. Tem que ser a tropa toda equipada com algo semelhante ao ACOG só que nacionalizado e equipado com uma mira convencional no topo para engajamentos de curta distância. Existem dúzias no mercado e fabricar isso aqui não seria nenhum bicho de sete cabeças.

    Não há o que questionar sobre a utilidade disso e quem diz que não serve pra nada é porque nunca tentou acertar um alvo do tamanho de uma pessoa a mais de 100 metros.

  23. MO 5 de novembro de 2013 at 11:06 #

    Fato, o combate de infantaria é algo genericamente falando deixado de lado por entusiastas militares que se apegam mais em combates aereos dos caças do aviaozinhum ou os misseis do naviouzinhuym, mas o bixo pega no CQB ou ambiente urbano e ai que falta faz um acog, red dot …. e uma tropaa treinada e equipada, a noite entao … faz uma diferença enorme !!!!

Leave a Reply

You must be logged in to post a comment.

Marinha do Brasil realiza lançamento de torpedo MK46 durante Operação ADEREX-I/2014

No dia 26 de agosto, a Marinha do Brasil, sob a coordenação do Comando da 2ª Divisão da Esquadra, realizou […]

Presença da Marinha na III Mostra BID Brasil

Luiz Medeiros – Enviado Especial para Forças de Defesa A Marinha do Brasil trouxe para a Mostra BID Brasil em […]

Corveta Frontin irá para a reserva

Abaixo, portaria de 28 de agosto que foi publicada em 1º de setembro no Diário Oficial da União, com entrada […]

Mais um passo rumo às novas corvetas: contrato com Emgepron

Abaixo, extrato de dispensa de licitação contratando a Emgepron para serviços no projeto de obtenção da nova classe de corvetas […]

Outra notícia de corveta: Ares fará reparos gerais nos lançadores de torpedos da Barroso

Abaixo, extrato de contrato publicado na edição de hoje (3 de setembro de 2014) no Diário Oficial da União, sobre […]

Compre agora sua revista Forças de Defesa número 11

Outra revista igual a essa, só daqui a 100 anos! A Revista Forças de Defesa 11ª edição de 140 páginas na versão impressa […]