Home Operações Anfíbias Primeiro de dois LHD da Marinha da Austrália, ‘Canberra’, inicia provas de...

Primeiro de dois LHD da Marinha da Austrália, ‘Canberra’, inicia provas de mar

1259
25

NUSHIP Canberra inicia provas de mar - foto Marinha Australiana

Na segunda-feira, 3 de março, o NUSHIP Canberra, primeiro de dois LHD destinados à Força de Defesa da Austrália, suspendeu utilizando seus próprios meios para dar início às suas provas de mar e programa de testes. A informação foi divulgada pela Marinha Australiana nesta terça-feira. A sigla NUSHIP indica, na Marinha Australiana, navios que ainda não foram comissionados, enquanto LHD é a sigla comumente usada para classificar navios de desembarque anfíbio dotados de doca e convoo do tipo convés corrido (sem interrupções de proa a popa) para operação de helicópteros.

O navio deixou o estaleiro da BAE Systems de Williamstown (Austrália) para iniciar as provas de diversos de seus sistemas em diferentes condições, o que implica realizar os testes em diversas localidades. Assim, os equipamentos podem ser provados em diferentes profundidades de mar e velocidades também variadas. O objetivo é comprovar como o Canberra manobra e se move em diversas codições, qual o seu tempo até uma parada total a partir de várias velocidades, qual o seu consumo de combustível em cada velocidade e configuração, entre outros exemplos. Também serão testadas as operações de sistemas básicos, como os de alarme.

Para as provas, embarcaram tanto as equipes de projetos da BAE Systems e da Organização de Material de Defesa quanto um significativo número de tripulantes alocados para o navio, para os quais esta é uma importante oportunidade de familiarização com os sistemas e equipamentos a bordo.

Espera-se que esta primeira fase de provas dure 12 dias, culminando com a entrada do navio na Baía de Sydney pela primeira vez. Em Sydney, também haverá uma docagem na Base Leste da Frota (onde os dois LHD ficarão baseados após o comissionamento), para limpeza do casco antes do retorno a Williamstown, para em seguida partir para a fase final de provas, focada em sistemas de comunicação e de combate. No dique, ficará evidente o tamanho e porte do navio, que também pode ser apreciado no quadro comparativo abaixo, disponibilizado pela Marinha Australiana:

Comparativo LHD classe canberra com outros navios austalianos - imagem Marinha Australiana

Características gerais da classe “Canberra”:

  • comprimento: 230,8 m
  • boca moldada: 32 m
  • boca na linha d’água: 29,5 m
  • Altura do convoo: 27,5 m
  • Calado com carga plena: 7,08 m
  • Deslocamento com carga plena: 27.500 toneladas
  • Propulsão: uma turbogerador movido por turbina a gás (LM 2500) de  19.160 kW
  • Dois geradores diesel (MAN 16V32/40) de 7.448 kW cada
  • Dois unidades de propulsão azimutais (do tipo POD) de 11 MW cada, com hélices de 4,5 metros de diâmetro
  • Dois bow thrusters de1.500kW cada
  • Um gerador diesel de emergência (Progener-Mitsubishi S16MPTA) de 1.350kW
  •  Armamento de quatro canhões automáticos de 20mm, seis metralhadoras de 12,7mm, além de sistema rebocado de defesa antitorpedo Nixie e reserva de espaço para o Nulka, sistema ativo de despistamento de mísseis

Juntos, os navios deverão ter capacidade de desembarcar uma força de 2.000 integrantes por helicóptero e embarcações de desembarque, juntamente com suas armas, munições, veículos e suprimentos. São os maiores navios já construídos para a Marinha Australiana, e seus comissionamentos estão programados para 2014 (HMAS Canberra) e 2015 (HMAS Adelaide).

A velocidade máxima planejada é superior a 20 nós, e a velocidade máxima sustentada deverá ser de 19 nós em condições de plena carga, com alcance de 6.000 milhas náuticas. Em velocidade econômica de cruzeiro de 15 nós, espera-se um alcance de 9.000 milhas náuticas.

A doca na popa tem 69,3 metros de comprimento e 16,8 metros de largura, com área de 1.165 metros quadrados, permitindo uma operação normal de quatro embarcações de desembarque do tipo LCM 1E. Há uma rampa fixa que dá acesso à doca para veículos pesados estacionados na área de carga para esse tipo de veículo, de 1.410 metros quadrados, e duas rampas laterais adicionais estão localizadas a boreste para acesso ao cais de veículos de até 65 toneladas. Há também uma área de estacionamento para veículos leves, por meio de uma rampa fixa a bombordo.

Classe Canberra em corte - imagem Marinha Australiana

Acima desses conveses, fica a área de acomodação capaz de abrigar 1.400 pessoas, 400 da tripulação e 1.000 da tropa. Nesse convés também estão os refeitórios, enfermaria, cozinha, escritórios e compartimentos de recreação. O navio abrigará, de forma conjunta, pessoal da Marinha, da Força Aérea e do Exército.

O convoo de 202,3 m de comprimento e 32m de largura (4.750 metros quadrados) é configurado com seis pontos para helicópteros a bombordo para aeronaves médias como o NRH 90 ou Blackhawk, que permitem operações de decolagem e pouso simultâneas. Alternativamente, podem decolar e pousar quatro helicópteros pesados CH-47 Chinook.

Dois elevadores de aeronaves, um a boreste à frente da ilha e outro à ré do convoo, dão acesso ao hangar (que também pode ser usado para veículos leves) de 990 metros quadrados, capaz de acomodar 8 helicópteros médios. O espaço dedicado a veículos leves pode receber helicópteros médios, o que eleva a capacidade para 18 aeronaves. Helicópteros pesados como o CH 47 somente podem utilizar o elevador localizado à popa.

FONTE / FOTO / ILUSTRAÇÕES: Marinha Australiana (tradução e edição do Poder Naval a partir de originais em inglês)

VEJA TAMBÉM:

25
Deixe um comentário

avatar
22 Comment threads
3 Thread replies
0 Followers
 
Most reacted comment
Hottest comment thread
8 Comment authors
JokerdaltonlAlmeidaAlexJjuarezmartinez Recent comment authors
  Subscribe  
newest oldest most voted
Notify of
Marcos
Visitante
Member
Marcos

E aquela rampa, serve para quê? Lançar helicópteros? 🙂
Tá com cara que futuramente poderão ter F-35B embarcados.

Marcos
Visitante
Member
Marcos

Dai eu pergunto, o que está errado com nosso país?
Enquanto os outros fazem, o nosso continua com o tal Livro em Branco!

rafael oliveira
Visitante
Member
rafael oliveira

Li em algum lugar que a Austrália não pretende usar aviões embarcados e que a rampa só não foi tirada porque teria que ser gasto dinheiro para reprojetar essa parte do navio.

Então deixaram o projeto como o Juan Carlos I mesmo.

Para mim, é mais interessante deixar a rampa, pois eles podem mudar de opinião no futuro.

Marcos
Visitante
Member
Marcos

A Austrália está fazendo o básico: submarinos eletro-diesel com células de hidrogênio, Super Hornet, dois “porta-helicópteros”, futuramente F-35A e, quem sabe, até F-35B.

Brasil: doze anos para decidir alguma coisas, exigências de ToT irrestrita e que não levarão a nada, submarino nuclear, foguete para lugar nenhum.

daltonl
Membro
Member
daltonl

Li a mesma coisa também…a rampa é parte do casco e não uma rampa acrescentada de ultima hora como nos
Invincibles da Royal Navy e além do mais a Marinha Espanhola já opera com aeronaves como o AV-8B assim
o Juan Carlos I os embarcará rotineiramente.

Aparentemente não fará falta para os australianos a perda
de espaço no convoo pela rampa então deixaram o projeto como estava.

Marcos
Visitante
Member
Marcos

O Mundo inteiro está fazendo o básico. Dai a Grande Potência Mundial de Araque quer ser o EUA.

Pessoal

Brasil
FAB: 80 mil
Marinha: 80 mil
Exército: 220 mil

Austrália
Força Aérea: 18 mil
Marinha: 14 mil
Exército: 30 mil

Marcos
Visitante
Member
Marcos

Voltando ao LHD…

Bem armado e com capacidade de manobra impressionante.

MO
Membro
MO
Membro

Porta Bunecão de 333 m / 139.000 grt suspendendo noturnicamente =
http://santosshiplovers.blogspot.com.br/2014/03/mv-msc-preziosa-3foa6-fotos-noturnas.html

16 photos

M/V MSC Preziosa outbounding evening time

daltonl
Membro
Member
daltonl

Marcos… acho que “inflacionou” o tamanho da Marinha, que é de 60 mil incluindo 15 mil fuzileiros e uma maior necessidade de forças distritais. Também os australianos fazem parte de um importante grupo de aliados dos EUA como Japão e Coréia do Sul assim nada mais natural que mantenham-se adequadamente armados apesar de ainda longe do que seria ideal e com população bem menor do que os paises que citei. Quanto a se os “Camberras” são bem armados, aí depende da situação, pois são mais dependentes de escolta do que um LHD da US Navy que são armados com misseis… Read more »

juarezmartinez
Visitante
Member
juarezmartinez

daltonl 5 de março de 2014 at 14:58 # Marcos… acho que “inflacionou” o tamanho da Marinha, que é de 60 mil incluindo 15 mil fuzileiros e uma maior necessidade de forças distritais. Também os australianos fazem parte de um importante grupo de aliados dos EUA como Japão e Coréia do Sul assim nada mais natural que mantenham-se adequadamente armados apesar de ainda longe do que seria ideal e com população bem menor do que os paises que citei. Quanto a se os “Camberras” são bem armados, aí depende da situação, pois são mais dependentes de escolta do que um… Read more »

rafael oliveira
Visitante
Member
rafael oliveira

Costumeiramente se iniciam discussões sobre nossas Forças Armadas serem inchadas.

Creio que seria interessante abrir um tópico específico sobre isso, em cada blog sobre a respectiva Força, para que a discussão se dê de forma adequada, enfoncando os principais números envolvidos, como quantidade total, oficiais, praças, distribuição conforme as funções, etc.

Só não sei se a obtenção desses números é fácil rsrs.

AlexJ
Visitante
AlexJ

Para quem ainda não viu… Em 1080p é melhor.

http://www.youtube.com/watch?v=ABBYFwzdy30

sds

MO
Membro

Enquanto isso por aqui um vídeo do nosso NDCC sir Garcia D´ávila (G 29), demandando o armazém 29/30 logo após o meio dia do dia 22/02/2014

http://santosshiplovers.blogspot.com.br/2014/03/ndcc-garcia-davila-g-29-pwdv-video.html

Vídeo aberto a visitação pública no dia 23/02/2013 =
http://santosshiplovers.blogspot.com.br/2014/03/ndcc-garcia-d-avila-g-29-pwdv-video-em.html

daltonl
Membro
Member
daltonl

Juarez…

não acho que a Australia seja um bom exemplo para nós, pois 14000 é considerado abaixo do necessário, eles por exemplo nem conseguem pessoal suficiente para tripular todos os 6 submarinos que possuem.

Interessante que os EUA pretendem aumentar o número de fuzileiros navais baseados lá para 2500 até 2016.

Com uma população 10 x menor que a nossa, metade da qual concentrada em 3 cidades, eles tem necessidades muito diferentes das nossas principalmente no que rege a forças distritais o que exige maior número de navios e instalações.

abs

rafael oliveira
Visitante
Member
rafael oliveira

A RAN tem as funções de “guarda costeira”, tal como a nossa. Só que lá eles contam com o auxílio de voluntários que formam “guardas-costeiras não-governamentais”, o que é muito interessante e ajuda a RAN no cumprimento dessa missão. Além disso, apesar do imenso litoral australiano, como o daltonl já disse, a população é muito concentrada, o que dispensa a existência de “vários distritos navais” espalhados pela costa do país. De qualquer forma, entre forças armadas menores e bem equipadas e maiores e mal-equipadas, eu prefiro a primeira opção, pois em caso de emergência, parece-me mais fácil completar os quadros… Read more »

juarezmartinez
Visitante
Member
juarezmartinez

Daltonl! Mesmo assim de 14 para 45 é uma diferença e tanto, penso que se revessemos estes númerosandaríamos, ou melhor navegaríamos pela metade do caminho. no raciocinio do menor, melhor, mais quailificado, melhor treinado, mas…..

Grande abraço

PS A propósito, por favor me expliquem porque as “Tamanduas” terão previsão para até 300 tripulantes e no resto do mundo corvetas dete porte opera com 40% deste pessoal.

Marcos
Visitante
Member
Marcos

OK!
Não estou dizendo que deveríamos ter FFAA armadas do tamanho da australiana, que concordo, é pequena se comparado as nossas. Mas vejam que o Japão, com muito mais meios, tem uma força também menor que a nossa.

Japão:

Forças Terrestres: 148 mil
Força Naval: 45 mil
Força Aérea: 45 mil

Marcos
Visitante
Member
Marcos

E estou olhando a coisa como um todo, não simplesmente a Marinha.

Almeida
Visitante
Member
Almeida

Pessoal, o problema não é o número absoluto em si, mas a PROPORÇÃO.

Quantos oficiais generais nós temos para cada combatente? É praticamente uma aldeia de caciques!

E quantos meios adequados e operacionais nós temos per capita?

Nestes dois quesitos nós levamos UM BANHO da Austrália e do Japão, quiçá de todos os países desenvolvidos. Necessidades distintas, sim, mas a eficiência se mede da mesma maneira.

Almeida
Visitante
Member
Almeida

O questionamento do juarezmartinez é pertinente: pra quê um Estado Maior INTEIRO numa CORVETA?

Eu respondo: pra massagear ego de almirante.

daltonl
Membro
Member
daltonl

Marcos… o Japão conta com uma Guarda Costeira de 12000, mas independente disso, essa comparação de números pode levar a conclusões falsas. Não tenho os números, mas, as forças distritais e mesmo as de pesquisa, as bases inclusive fluviais, saúde, etc devem absorver uma boa parte dos 45000. Nosso Corpo de Fuzileiros, devido ao seu tamanho é corretamente comandado por um Almirante de Esquadra. Não apenas temos mais navios na Esquadra do que a Australia, mas os nossos exigem tripulações maiores, uma fragata Anzac, a espinha dorsal da Marinha tem um complemento de160, pouco mais do que a Barroso por… Read more »

daltonl
Membro
Member
daltonl

Juarez…

o que lembro é que as futuras corvetas terão uma tripulação inferior a 200 tripulantes. Estou sem muito tempo agora mas farei uma pesquisa sobre os 300 que vc citou que para mim é novidade !

abraços

rafael oliveira
Visitante
Member
rafael oliveira

Segundo a Alide, seriam 185 tripulantes.

Muito, mas bem menos que 300.

Joker
Membro
Member

As tamanduas (CV03) sao para cerca de 200 tripulantes, incluidoss estadomaior, mec e fuzileiros. Acho tbm superdimensionando, ms entra dentro da cultura e da gestao da MB. Sinto a falta de ver um estudo sobre o ciclo de vida dos meios como as Niteroi ou Inhaumas e seus reflexos na construcao e aquisicao de novos meios. Podia comecar com os Npas Grajaus, ia ser uma revolucao na Marinha…

Imagine isso aplicado aos recursos humanos que representam 1/3 ou mais do orcamento