Home Noticiário Internacional Eisa quita salários e sinaliza recuperação

Eisa quita salários e sinaliza recuperação

264
3

EISA 104a

Sergio Barreto Motta

ClippingNEWS-PAO Estaleiro Ilha S/A (Eisa) conseguiu empréstimo no exterior de US$ 40 milhões e quitou três meses de salários atrasados (junho, julho e agosto) dos seus 3.200 trabalhadores. No dia 27 de agosto, o estaleiro efetuou o pagamento dos meses de junho e julho. E, no dia 20 do mesmo mês, pagou o mês de agosto. Com isso, a unidade fabril está apta a voltar a operar. A informação foi dada ao jornalista Marcelo Bernardes, do MONITOR MERCANTIL, pelo presidente do Fórum dos Trabalhadores da Indústria da Construção Naval e Petróleo, Joacir Pedro.

O Eisa, segundo ele, no dia 26, chamou a equipe de manutenção de máquinas para que o estaleiro voltasse a operar. E, no dia 27, todos os metalúrgicos retornaram ao trabalho. “Ainda há um clima de insegurança em razão do que pode acontecer com o futuro do estaleiro. Nós, dirigentes sindicais, junto com lideranças e alguns parlamentares, tentamos junto aos armadores para que não aplicassem as multas contratuais porque o Eisa está com todas as encomendas atrasadas”, disse, informando que dentro do contrato de construção naval há uma cláusula de multa por atraso.

“Nós pedimos aos armadores que não aplicassem as multas. A Log-in, inclusive, fez ameaças de tirar seus navios do Eisa. Então, nós conseguimos convencer esses armadores a não aplicaram as multas para que o estaleiro possa desenvolver sua construção novamente”, explicou. Joacir Pedro, que também é diretor da Federação Única dos Petroleiros (FUP) disse ainda que o estaleiro pegou alguns adiantamentos junto a armadores e está tentando agora tocar efetivamente as obras. “O Eisa precisa, no mínimo, de mais R$ 100 milhões para poder ficar tranquilo e entregar alguns navios e começar a receber recursos das novas encomendas. Estes recursos o estaleiro está tentando junto a instituições financeiras no país”.

Se tudo correr bem, estará confirmado que casos como do Eisa (RJ) e Iesa (RS) são específicos e não configuram crise. Ao contrário, documento do Sindicato Nacional da Construção Naval (Sinaval) aponta que o setor conta com 381 obras e tem um enorme mercado a explorar, de navios, barcos de apoio, plataformas e navios-sonda, além de aspectos especiais, como a construção de cinco submarinos, em estaleiro da Marinha do Brasil – sendo um deles de propulsão nuclear.

FONTE: Monitor Mercantil

3
Deixe um comentário

avatar
3 Comment threads
0 Thread replies
0 Followers
 
Most reacted comment
Hottest comment thread
3 Comment authors
Luiz MonteiroCarlos Soaresjuarezmartinez Recent comment authors
  Subscribe  
newest oldest most voted
Notify of
juarezmartinez
Visitante
Member
juarezmartinez

O grande problema deste negócio e de todos neste país chama-se custo Brasil, equanto aqui for 23% mais caro de produzir que nos EU, vai ser isto aí, o afogado toma um arzinho e mergulha a cabeça de novo.

Grande abraço

Carlos Soares
Visitante
Carlos Soares

Bom para os chefes de família.

Concordo Juarez !

Luiz Monteiro
Visitante
Luiz Monteiro

A Navantia, que recentemente assinou um contrato de parceria com o EISA, selecionou este estaleiro para construir os meios do PROSUPER em caso de vitória no programa da MB.