Guerra das Malvinas: o confronto aeronaval em gráficos

malvinas1

faa-versus-rnrafA Guerra das Malvinas (ou Falklands), ocorrida em 1982 entre a Argentina e a Inglaterra, colocou em evidência a importância e a interdependência do Poder Naval e do Poder Aéreo.

Ficou demonstrado que navios de guerra e aviões de ataque têm vantagens e desvantagens no cumprimento de suas missões: navios se deslocam a 500 milhas por dia e aeronaves de ataque a jato a 500 milhas por hora, mas enquanto as aeronaves só podiam cumprir suas missões num período de horas, navios e submarinos permaneceram na área de conflito durante semanas.

A superioridade naval da Inglaterra quase foi colocada em xeque pelo poder aéreo argentino, mas a aviação embarcada britânica garantiu a superioridade aérea, mesmo com aeronaves de combate subsônicas (Sea Harrier) enfrentando jatos supersônicos (Mirage, Dagger). Mais uma vez o navio-aeródromo teve papel decisivo na história e por pouco, o NAe argentino 25 de Mayo, não conseguiu atacar o corpo principal da Força-Tarefa britânica.

O melhor treinamento dos pilotos ingleses e seu armamento (míssil ar-ar AIM-9L Sidewinder) possibilitaram 21 kills em combate aéreo.
ara-versus-royal-navy-subsOs submarinos nucleares da Royal Navy, por sua vez, garantiram a zona de exclusão em torno das Ilhas Malvinas e obrigaram a Armada Argentina a se refugiar nos portos, depois do afundamento do cruzador General Belgrano.

O único navio argentino a operar até o final do conflito foi o submarino IKL-209 San Luis, que foi caçado sistematicamente pelos navios e aeronaves de patrulha britânicos, mas sem sucesso.

O míssil antinavio AM39 Exocet foi uma das armas de destaque do conflito e se os argentinos tivessem mais mísseis disponíveis, o conflito poderia ter tomado um rumo diferente.

ara-versus-royal-navy

ara-versus-royal-navy-losses

ARTE: Planeman

Ministro Jaques Wagner visita instalações do Programa de Desenvolvimento de Submarinos em Itaguaí (RJ)

Visita do ministro da Defesa Jaques Wagner ao Estaleiro e Base Naval de Itaguaí - RJ - 1

  Itaguaí (RJ), 24/02/2015 – O ministro da Defesa, Jaques Wagner, e o comandante da Marinha, almirante Eduardo Bacellar Leal […]

Pirataria no Golfo da Guiné mantém marinhas africanas atreladas ao apoio do Brasil

STP_Light_Line_NaPaOc_Amazonas

Roberto Lopes Editor de Opinião da Revista Forças de Defesa Os casos registrados de pirataria marítima ao redor do mundo […]

Nota de Falecimento – CLC Carlos Eugênio Dufriche

dudriche

  A Marinha Mercante Brasileira e a Aviação nacional perdeu um ícone. Faleceu no domingo, 22 de fevereiro de 2015, o […]

Novo contrato com governo britânico garante Programa Type 26 no Reino Unido

IMAGE 3: Type 26 Global Combat Ship exterior

Glasgow, Reino Unido: O primeiro ministro britânico, David Cameron, reafirmou o compromisso de seu governo com a sustentação da capacidade […]

Empresas brasileiras também estão na IDEX 2015, nos Emirados Árabes Unidos

Corveta Al Dhafra P173, da classe Baynunah dos EAU

A empresa brasileira LOGSUB e outras que compõem a ABIMDE – Associação Brasileira das Indústrias de Materiais de Defesa, estão […]