Home Estratégia O fim do domínio naval dos EUA na Ásia

O fim do domínio naval dos EUA na Ásia

22277
147
Marinha Chinesa em demonstração de força no Mar da China Meridional

Por Robert Ross

Nota do Editor do site Lawfare: Embora o governo Trump tenha feito grande alarde na ascensão da China quando se trata de comércio, o presidente deve se concentrar mais nas implicações de segurança. Robert Ross, do Boston College, aponta para o declínio da força naval dos EUA no leste da Ásia como um fator de mudança para a ordem regional. Ross argumenta que a presença avançada da Marinha está no limite, enquanto as capacidades da China estão crescendo de forma constante. Aliados dos EUA estão cientes desta dolorosa realidade, e sua disposição de confiar na América para protegê-los irá declinar. – Daniel Byman

A rápida ascensão da Marinha Chinesa tem desafiado o domínio marítimo dos EUA em todas as águas do leste asiático. Os Estados Unidos, no entanto, não conseguiram financiar um plano robusto de construção de navios que pudesse manter a ordem de segurança regional e competir efetivamente com o aumento naval da China. A transformação resultante do equilíbrio de poder levou a mudanças fundamentais nas aquisições e na estratégia de defesa dos EUA. No entanto, os Estados Unidos ainda não chegaram a um acordo com sua menor influência no leste da Ásia.

O novo equilíbrio de poder no leste da Ásia

No início de 2017, a Marinha Chinesa tinha 328 navios. Agora, possui quase 350 navios e já é maior que a Marinha dos EUA. A China é o maior país produtor de navios do mundo e, a taxas de produção atuais, poderá operar em breve 400 navios. Comporta quase três submarinos por ano e em dois anos terá mais de 70 em sua frota. A Marinha Chinesa também opera um número crescente de cruzadores, destróieres, fragatas e corvetas, todos equipados com mísseis de cruzeiro antinavio de longo alcance. Entre 2013 e 2016, a China incorporou mais de 30 corvetas modernas. Em taxas atuais, a China poderia ter 430 navios de superfície e 100 submarinos nos próximos 15 anos.

De acordo com a RAND Corporation, a frota da China também é agora mais moderna, baseada em padrões contemporâneos de produção de navios. Em 2010, menos de 50% dos navios chineses eram “modernos”; em 2017, mais de 70% eram modernos. Os submarinos a diesel da China estão cada vez mais silenciosos e desafiam as capacidades antissubmarino dos EUA. Os mísseis de cruzeiro lançados de navios e lançados no ar da China possuem alcance significativo e furtividade e são guiados por tecnologias de guiagem cada vez mais sofisticadas. A Marinha da China representa agora um desafio significativo para a frota de superfície dos EUA. Além disso, seus mísseis balísticos convencionais de alcance intermediário DF-21C e DF-26 também representam um desafio para os navios dos EUA na região e podem ter como alvo as instalações marítimas dos EUA na Coreia do Sul, Japão, Filipinas, Singapura, Malásia e Guam.

Capacidade de negação do uso do mar pela Marinha Chinesa no Mar da China Meridional
Capacidade de negação do uso do mar pela Marinha Chinesa no Mar da China Meridional com mísseis de cruzeiro

Apesar do crescimento da Marinha Chinesa, os Estados Unidos mantêm a superioridade marítima em todo o leste da Ásia. Mas a tendência é o que importa e a tendência é menos cor-de-rosa. No início de 2018, o tamanho da frota ativa dos EUA era de 280 navios. Indo adiante, de acordo com o Escritório de Orçamento do Congresso, se o orçamento da Marinha dos EUA é a média de seu orçamento nos últimos 30 anos em dólares reais e mantém seus cronogramas de construção de submarinos e porta-aviões, em 12 anos a frota naval ativa declinará para 237 navios. Em seis anos, a frota de submarinos dos EUA diminuirá para 48 navios e, em onze anos, o número de submarinos de ataque dos EUA diminuirá para 41 navios.

Tanto a Marinha quanto a Casa Branca impulsionaram o crescimento da frota norte-americana, mas os orçamentos não acompanharam seus planos. Em 2015, a Marinha planejou aumentar a frota para 308 navios até 2022, e a administração Trump planeja uma frota de 355 navios. Para chegar a 308 navios, a Marinha terá que gastar 36% a mais do que o orçamento médio de construção naval nos últimos 30 anos, exigindo um aumento de um terço em seu orçamento atual. Se o financiamento continuar na média dos últimos 30 anos, a Marinha provavelmente comprará 75 navios a menos que o planejado nas próximas três décadas.

Para chegar a 355 navios, a Marinha precisará de um orçamento 80% maior que o orçamento médio da construção naval nos últimos 30 anos e cerca de 50% a mais do que o orçamento médio dos últimos seis anos. Além disso, os estaleiros navais da Marinha estão com falta de pessoal e em mau estado, contribuindo para atrasos na manutenção e redução dos dias de embarque no mar. Atualmente, também está enfrentando desafios significativos para atender às necessidades de pessoal, os problemas de recrutamento estão aumentando e a indústria de construção naval dos EUA está em declínio na última década. O pessoal adequado e a construção de uma frota maior não são garantidos.

MARINHA CHINESA EM 2009


MARINHA CHINESA EM 2019

A realocação do orçamento federal para apoiar a construção de navios não é provável. Gastos obrigatórios e pagamentos de juros sobre a dívida federal constituem 68% do orçamento federal e, nos últimos anos, Washington aumentou os gastos com Medicare, Medicaid, transporte e veteranos. O Pentágono já recebe mais de 55% do orçamento discricionário. Os Estados Unidos não aumentarão os impostos para aumentar o financiamento para a Marinha; em vez disso, reduziu os impostos no início deste ano.

Os Estados Unidos também não podem imprimir mais dinheiro e aumentar o déficit federal para aumentar os gastos navais; o dano à economia compensaria qualquer benefício que uma marinha maior pudesse contribuir para a segurança dos EUA. Para lidar com a dívida nacional, a Casa Branca pediu ao Pentágono que espere que os gastos com a defesa sejam “achatados” no futuro próximo. Finalmente, embora a Marinha, o Exército e a Força Aérea recebam aproximadamente partes iguais do orçamento de defesa anual, há pouca determinação em Washington em realocar o financiamento dentro das forças armadas.

Mas mesmo uma marinha de 355 navios seria inadequada para lidar com a capacidade da China de continuar e expandir sua expansão naval. Como parcela do PIB, o orçamento de defesa dos EUA é quase 75% maior do que o orçamento de defesa da China. Em contraste com os Estados Unidos, o orçamento da previdência social da China, incluindo os benefícios dos veteranos, é uma parte mínima de seu orçamento nacional. A China não tem uma força voluntária dispendiosa, pode facilmente realocar os gastos de defesa para apoiar sua marinha e não está envolvida em guerras distantes que sobrecarregam seu orçamento militar. É melhor posicionada que os Estados Unidos para uma corrida armamentista marítima.

Principais unidades navais da China e suas bases
Principais unidades navais da China e suas bases

Os desenvolvimentos no equilíbrio marítimo enfraqueceram a confiança dos países da Ásia Oriental na capacidade dos Estados Unidos de cumprir seus compromissos de segurança e estão melhorando a cooperação de segurança com a China. A Coreia do Sul recentemente chegou a um acordo com a China para limitar a cooperação de defesa antimíssil com os Estados Unidos e a cooperação de segurança com a aliança EUA-Japão, e avançou com a cooperação com a Coreia do Norte, com apoio chinês e apesar da oposição dos EUA.

As Filipinas reduziram a escala de sua cooperação de defesa com os Estados Unidos e melhoraram os laços de segurança com a China. Pequim agora também restringe a cooperação de defesa do Vietnã com os Estados Unidos. E a China e a Malásia iniciaram exercícios militares conjuntos e a Malásia não apoiou a política americana sobre as reivindicações chinesas no Mar da China Meridional. Mais recentemente, a China e a ASEAN realizaram seu primeiro exercício naval conjunto. Os Estados Unidos desfrutam de uma cooperação de defesa robusta e contínua com todos esses países. Mas, como é o caso do equilíbrio marítimo, é a tendência que importa e a tendência não é boa para a segurança dos EUA.

Bases da China nas Ilhas Spratly
Bases da China nas Ilhas Spratly

A Marinha dos EUA se ajusta

A combinação do aumento das capacidades navais chinesas, a capacidade da PLA Navy de atingir o acesso naval norte-americano a instalações marítimas regionais e o declínio da cooperação da aliança obrigaram os EUA a ajustar sua política de segurança para enfrentar as capacidades chinesas emergentes de guerra nos mares do leste asiático, Mar Amarelo, Mar da China Oriental e Mar da China Meridional.

A Marinha dos EUA está contando com tecnologia para compensar o declínio do número de navios. Ela está desenvolvendo mísseis de cruzeiro antinavios de longo alcance para enfrentar mísseis de cruzeiro antinavio da China e torpedos de longo alcance para enfrentar a frota de submarinos da China. Está desenvolvendo capacidades de “letalidade distribuída” para lidar com a quantidade de navios chineses e sua capacidade de “enxame” contra navios dos EUA. Também está desenvolvendo tecnologias de energia direcionada e de longo alcance, hipersônicas e canhões eletromagnéticos.

Mais significativo, a US Navy está focada no desenvolvimento de grandes quantidades de drones como sua solução a longo prazo para o declínio do número de navios. Ela está desenvolvendo e testando drones submarinos e anti-mina, drones de reconhecimento em miniatura que podem operar em grande número para permitir o engajamento simultâneo de múltiplas plataformas chinesas, drones de ataque baseados em porta-aviões e drones de reabastecimento, e embarcações de superfície não tripuladas para operações de varredura de minas e guerra antissubmarino.

Destróier Type 055 no lançamento ao mar
Fragata Type 054A lançando míssil HQ-16
Corveta Type 056 lançando míssil antinavio YJ83
Submarinos chineses classe Song

Os Estados Unidos agora enfrentam um futuro sem acesso garantido ao Mar do Sul da China e às instalações navais dos EUA na região, e com a cooperação reduzida de seus aliados. Para compensar, está colocando uma ênfase maior em sua estratégia para a região do “Indo-Pacífico” – uma mudança de seu foco anterior na “Ásia-Pacífico”. Isso é mais do que apenas uma mudança de nome. A chave para essa estratégia do Indo-Pacífico é o maior acesso a instalações indianas e australianas protegidas de submarinos e navios de superfície chineses. Essas instalações permitirão que a Marinha dos EUA contenda com a Marinha chinesa de fora do Mar do Sul da China e negue o acesso da Marinha Chinesa ao Oceano Índico e ao Pacífico Ocidental.

Acordos recentes entre EUA e Índia refletem os esforços dos EUA para expandir seu acesso a instalações navais indianas para que a Marinha dos EUA possa operar na Baía de Bengala e a oeste do Estreito de Malacca. Da mesma forma, a expansão da cooperação entre EUA e Austrália na Austrália Ocidental, incluindo o interesse norte-americano na ilha Cocos, permitirá que a Marinha dos EUA opere no sul da Indonésia para projetar força no Mar do Sul da China. A transição da Marinha para operar a partir de instalações navais distantes e competir com as capacidades de longo alcance da China exigiu o desenvolvimento de amplos alcances para seus F-18s baseados em porta-aviões e a guerra eletrônica EA-18G Growler.

Mas esses desenvolvimentos em aquisições e expansão das operações fora da região não podem resolver o problema da Marinha de uma frota menor que enfrenta um aumento da potência naval. As vantagens tecnológicas dos EUA sobre a China diminuem a cada ano e a quantidade pode ser tão importante quanto a qualidade na segurança marítima.

Além disso, o aumento do ritmo das operações da Marinha dos EUA no leste da Ásia levou à manutenção inadequada dos navios, ao treinamento insuficiente dos marinheiros e aos desdobramentos prolongados no mar. Acidentes navais recentes no leste da Ásia refletem as pressões de operações de presença em ritmo acelerado na frota do Indo-Pacífico.

Destróieres chinês e americano quase colidiram em manobras perigosas em 30 de setembro de 2018 no Mar da China

A Marinha dos EUA no Mar

A Marinha dos EUA reagiu de maneira previsível ao declínio de suas capacidades, corroendo a confiabilidade de seus aliados e reduzindo o acesso a instalações regionais. Está aumentando suas demonstrações de força militar para estabelecer uma maior determinação dos EUA de resistir à ascensão da China, mesmo quando suas capacidades relativas declinam. Durante a administração Trump, as operações de liberdade de navegação dos EUA (FONOP), perto de recursos marítimos reivindicados pela China, aumentaram para aproximadamente uma missão a cada dois meses, dobrando o ritmo das operações de FONOP do governo Obama.

Em junho de 2018, depois que a China aumentou suas instalações em ilhas disputadas, os Estados Unidos navegaram dois navios dentro de 12 milhas das Ilhas Paracel, reivindicadas pela China. A China respondeu com um trânsito naval simultâneo perto das ilhas, sinalizando maior tensão marítima e maior determinação chinesa de desafiar a presença naval norte-americana em suas águas costeiras. Em junho e setembro de 2018, os Estados Unidos enviaram bombardeiros B-52 perto das ilhas artificiais da China.

Os Estados Unidos realizam FONOPs para desafiar as reivindicações marítimas de muitos países a cada ano, mas somente no Mar da China Meridional a Marinha dos EUA realiza múltiplas missões altamente divulgadas. E somente no Mar do Sul da China a Marinha dos EUA realiza sobrevoos de territórios disputados com cobertura de jornalistas norte-americanos a bordo da aeronave. Essas operações no Mar da China Meridional têm como objetivo estabelecer a resolução dos EUA de lidar com o aumento das capacidades navais da China, e não estabelecer um compromisso dos EUA com o princípio da liberdade de navegação.

Apesar da recente extensão excessiva da frota do Pacífico e das questões resultantes de segurança e treinamento, a Marinha dos EUA insistiu que “confrontaria” a China e enfatizou a importância de sua presença em águas do leste asiático e seus planos de aumentar sua operações regionais. O secretário de Defesa, James Mattis, informou que os Estados Unidos “demonstrarão determinação através da presença operacional no Mar do Sul da China”.

Em novembro de 2018, a Marinha realizou seu maior exercício com o Japão. Mas o aumento da presença naval dos EUA no leste da Ásia, sem as capacidades navais subjacentes necessárias para lidar com a ascensão da China, não limitará o ativismo naval da China nem tranquilizará os aliados dos EUA. O que isso vai fazer é esgarçar ainda mais a Marinha e exacerbar os problemas existentes de manutenção e prontidão da Marinha, tornando os navios dos EUA mais vulneráveis ​​a acidentes no mar e reduzindo o orçamento de construção naval. Este é especialmente o caso quando a Marinha expande suas operações na periferia da Rússia.

Essa tensão na estratégia da Ásia Oriental da Marinha dos EUA reflete o esperado dilema de um poder em declínio. Os Estados Unidos resistem a ceder maior influência regional a um concorrente de grande potência em ascensão. Mas seus esforços para compensar sua capacidade relativa de erosão, expandindo a presença regional da Marinha, podem minar sua capacidade de longo prazo de se ajustar e enfrentar a crescente China.

Navios do Ronald Reagan Carrier Strike Group e John C. Stennis Carrier Strike transitam no Mar das Filipinas no dia 16 de novembro. Foto: US Navy
Navios do Ronald Reagan Carrier Strike Group e John C. Stennis Carrier Strike transitam no Mar das Filipinas no dia 16 de novembro. Foto: US Navy

FONTE: Lawfare

NOTA DO PODER NAVAL: Para acessar o Relatório Anual ao Congresso dos EUA – Desenvolvimentos Militares e de Segurança Envolvendo a República Popular da China 2017, clique aqui.

SAIBA MAIS:

147
Deixe um comentário

avatar
75 Comment threads
72 Thread replies
0 Followers
 
Most reacted comment
Hottest comment thread
80 Comment authors
Leonardo CostaTupinambáCorveteiroLeo BarreiroRM Recent comment authors
  Subscribe  
newest oldest most voted
Notify of
Roberto
Visitante
Roberto

Desculpe, mas não estou convencido dessa superioridade chinesa, ainda na minha opinião estão atras dos EUA. ainda mais se entrarmos com os submarinos nucleares nesta discussão + – 70?

William Munny
Visitante
William Munny

Eu também não estou convencido que a Terra é redonda! kkkkk

Jodreski
Visitante
Jodreski

O Texto deixou bem claro que o que importa não é o hoje e sim as tendências de um futuro próximo. Sugiro releitura! Hoje a marinha dos EUA detém a superioridade mas amanhã a tendência é que não tenha!

DOUGLAS TARGINO
Visitante
DOUGLAS TARGINO

Estão atrás ainda dos EUA, porém a forma que eles estão crescendo, é assustadora! Daqui para 2025 eles passaram os EUA realmente! O Brasil tem que acordar, daqui uns 10 ou 15 anos veremos navios chineses ao redor do Brasil dizendo que nossas águas pertencem a eles! kkkkkkk

Adriano RA
Visitante
Adriano RA

Talvez isso não, mas pesqueiros chineses arrastando tudo o que encontram a 25 milhas de nosso litoral, sob a proteção de destróieres e submarinos baseados em grandes bases navais chinesas no oeste africano. O Brasil deve abrir os olhos.

Fernando Vieira
Visitante

Você vai pescar, dá de cara com uma fragata chinesa. O capitão da fragata fala pelo sistema de som:
“Pesquelo brasilelo. Carne ou flango?”

_RR_
Visitante
_RR_

Bem…

comment image

filipe
Visitante
filipe

Os números não mentem , essa guerra fria versão 2, não é mais com a Russia (ex URSS) é mesmo com a China, Napoleão já dizia que a China era um gigante adormecido, que estava melhor dormindo,porque quando ela despertasse ninguém pararia ela, é o que esta acontecendo, quando voçê têm uma força laboral de 800 milhões de trabalhadores, basta voçê industrializar toda a produção, e o resultado é esse , são 400 navios modernos, o mesmo vão fazer com os caças e helicopteros, os EUA ainda têm uma supermacia absoluta nos ceús, com 13 000 aeronaves e é a… Read more »

Mateus Demarchi
Visitante
Mateus Demarchi

Nunca subestime o ocidente! Os gregos não caíram perante a poderosa Pérsia que dominava da África à Ásia.

marcus
Visitante
marcus

A China tem mais a perder em uma eventual guerra com os EUA.
Os Japoneses podem explicar isso para os Chineses.
Os Eua com certeza já tem toda China mapeada, e inclusive sabem onde está os famosos silos de misseis balisticos.
O EUA aprendeu com Pearl Harbour. O primeiro navio americano afundado pelos Chineses será o ultimo.
E a retaliação será nuclear um missil balistico para cada cidade Chinesa.
E o arsenal americano é bem grande.

Rafael M. F.
Visitante
Rafael M. F.

Non troppo…

A opção nuclear será apenas quando todos os outros recursos tiverem se esgotado. É a arma do soldado morto.

Tupinambá
Visitante
Tupinambá

Parece teoria de Tom Clancy. Os EUA não tem nenhum interesse em uma guerra em escala com a China, o que se está discutindo é o controle do Mar da China. Cada uma que se lê por aqui…..

Marcio Cosentino
Visitante
Marcio Cosentino

Permita um comentário. A Rússia não é um aliado natural da China, a Rússia é um aliado natural da Índia.

Não vejo esta união Rússia-China com a facilidade que colocam, caso ocorra algum conflito, vejo a Rússia esperando o desenrolar da situação, assistindo de camarote, antes de tomar partido. Lembrem que a URSS fez o mesmo ao não atacar o Japão na segunda guerra.

jose luiz esposito
Visitante
jose luiz esposito

Consentino , mas atacou , não antes pois estava segurando a Alemanha praticamente só , depois que derrotou a Alemanha , tomou as Sacalinas do Japão , antes representava diplomaticamente o Japão em Washington , quando o Japão pedia a rendição negociada e os EUA não respondiam , pois queriam lançar as Bombas Nucleares no Japão, para mostrar ao mundo que somente ele possuía tal arma !

Adriano RA
Visitante
Adriano RA

O que vai conter a china será o envelhecimento inexorável da população. Daqui 40 anos serão 800 milhões de velhinhos para cuidar…

jose luiz esposito
Visitante
jose luiz esposito

Adriano , pra ti Velhinhos somente chineses , americanos morrerão novos ou não envelhecerão . É engraçado e morro de rir com os Torcedores do América , que continuam cantando Ei de Torcer , torcer , torcer , ei de torcer até morrer !!!

Lemes
Visitante

@José Luiz Esposito, a população americana já está com seu envelhecimento populacional a décadas. A grande diferença, é que a sociedade americana (como boa parte da sociedade ocidental) tem mecanismos de amparo social e trabalhista. Somado a isso, a sociedade chinesa até a pouco tempo atrás tinha a lei do filho único. Isso criou um desequilíbrio social monstruoso, onde, em alguns poucos anos terão cerca de oitocentos milhões de idosos e o uma quantidade bem menor de jovens trabalhando para sustentar essa massa de inativos. Isso sem contar a natural desaceleração da economia chinesa, que de um crescimento de 10/11%… Read more »

Adriano RA
Visitante
Adriano RA
Sampaio
Visitante
Sampaio

Alguém ai falou em cuidador de idoso?
Profissão do futuro!

Rafael M. F.
Visitante
Rafael M. F.

O que já cansei de falar. A pressão está com a China. É ela que possui a situação estratégica mais frágil.

E digo mais: nem mesmo a China, com todos os seus recursos humanos, tecnológicos e materiais possui condições de manter uma força combinada de defesa e projeção de força. Uma das duas escolhas terá que ser feita. E já foi.

_RR_
Visitante
_RR_

A marinha americana está em plena transição de seu poderio aeronaval. As ultimas unidades que operam o F-18C/D logo estarão realizando a conversão para o F-35C ou para o F-18E/F. Os estaleiros americanos estão entregando em média dois LCS por ano, com pelo menos 34 contratados. Os ‘Burkes’ tem previsão de entrega de dois por ano até 2020, com pelo menos mais treze do Flight III aprovados ( serão quase 90 navios até 2030 ). E há ainda a classe ‘Virginia’ de SSN, com 66 planejados para substituir a classe ‘Los Angeles’ e estão entregando dois por ano. Os chineses… Read more »

Cavalo-do-Cão
Visitante
Cavalo-do-Cão

“_RR_ 13 de dezembro de 2018 at 17:25 ”

O orçamento é limitado e só aumentar as despesas não é suficiente para “comprar o futuro”….

_RR_
Visitante
_RR_

De fato. E isso vale pra todos ( e os chineses que o digam, com as contas implodidas faz tempo…).

Os americanos tem plena consciência disso, e estão desistindo de outros projetos arrojados, como a classe ‘Zunwalt’, e estão se concentrando naquilo que é de primeira necessidade.

No futuro, praticamente toda a força de combate de grande tonelagem da USN estará concentrada na classe ‘Arleigh Burke’, que provavelmente substituirá os ‘Ticos’. LCS e a futura FF-X haverão de constituir o componente menor, para ações de média e baixa intensidades, ajudando a preservar os ‘Burkes’.

Theo Gatos
Visitante
Theo Gatos

Tá na hora de largar o osso no oriente médio… A China não joga nas mesmas regras de custos que o ocidente e vai exigir um redirecionamento de foco e decisões difíceis, mas necessárias por parte do ocidente…
.
Sds

Mário
Visitante
Mário

Os EUA quer enfrentar 2 países isso sim

jagderband#44
Visitante
jagderband#44

Será mesmo que quantidade significa superioridade?
Acho que este crescimento está muito “super trunfo”, no entanto experiência em combate e desdobramentos pelos “7 mares” eles não tem. Aliás aquela type 54 não inspira digamos, confiança em combate.

Blackbird
Visitante

Pois é,os EUA a anos estão envolvidos em conflitos por várias partes do mundo,tem uma vasta experiência em combate,a China está mais baseada em hipóteses.

carlos goes
Visitante
carlos goes

Ressalto que durante a WWII, os alemães detinham a superiorida tecnologica dos meios mas foram subjugados pela quantidade aliada. Um exemplo classico e tanque TIGER, considerado o terror dos tanquistas aliados…..seu ponto fraco era sua traseira, mas antes de ser detruido varria o campo de batalha. Muitos tanques eram destruidos pela propria tripulação pois era mais comum estes ficarem sem munição antes de acabar com todos os tanques aliados…… No Vietnam, a quantidade foi fator fundamental para vencer. Não importava quanto fossem mortos, a cada ataque o numero de vietcongs aumentava, tornando a visqo da guerra como uma guerra quase… Read more »

Schneider
Visitante
Schneider

Carlos, interessante que você deixou de fora as Guerras no Iraque, especialmente a Desert Storm em 91, quando a superioridade de meios dos EUA obliterou as defesas iraquianas. Todo esse papo de “guerra de enxame” e bla bla bla é tolo. Se a China ficar em uma posição em que ela poderá trazer para o combate o “enxame” de tropas que possui, ela já terá perdido a guerra. EUA já terão dominado totalmente os mares e provavelmente os céus sobre a China e se desejarem poderão destruir toda a infraestrutura chinesa e arrastar o país de volta pra idade média.… Read more »

Dranuits
Visitante

Número de navios não quer dizer que são navios bem projetados, a expertise americana bem como o padrão de treinamento e o número de conflitos que participaram é muito importante nessa horas. Lembrem que a marinha chinesa não tem mais aviões porque eles não possuem capacidade de fabricar turbinas eficientes e modernas e nem a Rússia, possuem poucos aliados e uma série de outros fatores. Quantidade não é qualidade

Camargoer
Visitante
Camargoer

Caros Colegas, em um outro post sobre o embate entre as marinhas dos EUA e chinesa, comentei que o contexto da Guerra da Coreia pode reaparecer. Os EUA tem uma força maior, mais potente e melhor treinada do que a China. Contudo, o leste asiático (região que envolver China, Coreias, Japão e Russia) seria um problema logístico para os EUA (como foi na Guerra de Coreia), enquanto que a região poderia ser chamada de “quintal chinês”. Outro ponto é que as forças dos EUA estão espelhadas e envolvidas em várias operações (destaque para o Afeganstão, Síria e Iraque) enquanto as… Read more »

Jagderband#44
Visitante
Jagderband#44

Prezado Camargoer,
tens que levar em consideração uma nova variável, que é a seguinte (em meu ponto de vista):
– hoje em dia, o Japão e a Coréia do sul possuem forças modernas e eficientes além da economia forte, ao contrário da década de 50. Ainda, aliados de segunda linha (em termos militares) como Taiwan, Filipinas e Austrália também pesam na equação.
Em tempo: também conheço o Japão e gosto muito, mas muito mesmo, do país.

Washington Menezes
Visitante

A questão é que a China tem toda esta força para proteger seu quintal, já o EUA querem controlar o mundo todo, e aí a conta não fecha.

Marcio Cosentino
Visitante
Marcio Cosentino

Perfeito

Camargoer
Visitante
Camargoer

Ola Washington. Você resumiu bem meu ponto de vista. Também acho que é por ai. Uma coisa é ter muito mas tudo espalhado. Outra é ter bastante concentrado. Alguma coisa que a gente poderia chamar de “densidade de poder”.

Antonio Palhares
Visitante
Antonio Palhares

E tem gente que não entende isso. Causa e efeito ação e reação. Um corpo de densidade maior acaba por atrair ou deslocar os menores. O quintal ali é Chinês.

Vovozao
Visitante
Vovozao

13/12 – quinta-feira, dia do marinheiro, bnoite, todos sabem que eu nao passo de um entusiasta, sendo assim quando existia a grande Uniao Soviética, varias vezes ouvi falar que eles iriam superar poderio militar americano durante guerra fria; uniao soviética quebrou, ficou numa situação muito dificil, e nao consegui superar poder belico americano. Agora estou vendo a mesma situação. Ate quando os chineses poderao dispor de tantas verbas para alimentar sua maquina de guerra em detrimento de saude, do bem estar de sua população; todos sabemos que com toda a evolução dos chineses, as cidades do interior sofrem com problemas… Read more »

Falcon
Visitante
Falcon

Vovozao . Ja fui déversés vezes na China e tb conheço vários chineses. A China realmente é uma potencia econômica, só que é uma ditadura cruel, eles controlam tudo, até a internet. Eles tem a capacidade de maquiar tudo que lhes interessar. Pra mostrar vigor economico constroem de tudo, só que a população em geral e bem pobre. Eles tem cidades fantasma, lindas com prédios maguinificos só que ninguém tem capacidade de comprar. A bolha imobiliária é 10X maior que a americana de 2008. Construiram o trem de alta velocidade entre Shangai e Beijing só que se não subsidiar os… Read more »

Gilson Moura
Visitante
Gilson Moura

Realmente a ex-URSS não conseguiu superar o poderio naval dos americanos, mas no governo Brejnev houve uma equiparação entre as forças, porém o poder econômico americano era de duas a três vezes maior que o soviético e ainda tinham bastante espaço para ampliar o poderio militar.

Kemen
Visitante
Kemen

Os Estados Unidos ainda tem a maior frota de guerra e, atualmente o que pesa em combates de superficie são os porta-aviões, os colosos norte americanos não tem rivais, que pais tem cruzadores e destroyers como os norte americanos, o que acontece é que eles atualmente estão distribuidos pelos mares do mundo, e especificamente a frota designada para o Pacifico Sul pode sim ser suplantada pelos chineses, mas se pensarmos no total de meios e armas navais, ainda não tem rival. Em numero de submarinos, realmente no futuro pode ser suplantado pela China, mas a experiência e o poder de… Read more »

filipe
Visitante
filipe

Experiência de Combate com Submarinos , os únicos que têm são os Alemães, nem Chineses , Nem Russos , Nem Americanos , Nem Franceses, Nem Britânicos dominam tanto a Guerra Submarina como os Alemães, A Alemanha é o país com maior experiência de combate com Submarinos , de 1914 até agora 2018, eles são os que mais afundaram navios usando submarinos.
Logo Chineses e Americanos no que toca a experiência estão equiparados.

_RR_
Visitante
_RR_

filipe,

A força de submarinos americana tem vastíssima experiência de combate acumulada. Foi empregada basicamente da mesma forma que a força alemã durante a SGM, e com impressionante sucesso, tendo sido responsável por mais de 50% dos afundamentos no Pacífico ( mesmo sendo cerca de 2% da frota americana ).

Seja como for, a evolução da arma submarina para o espectro nuclear, trás consideráveis mudanças na forma como se opera a mesma. De longe, as forças que tem a maior experiência com operação de SSN são a USN, a marinha soviética/russa, e a marinha britânica.

Daglian
Visitante
Daglian

O que ocorre é a maior campanha de desinformação da história. Todos os dias sai uma nova notícia sobre o “poderio” militar chinês ser superior ao americano. Quem não conhecesse história, ao ler essas notícias, pensaria que foi a China a potência hegemônica desde o fim da Segunda Guerra Mundial. A tecnologia que os EUA detém, sua experiência em combate e os meios que eles possuem ainda os manterão dominantes por pelo menos mais 30 anos, quando então a China poderá DISPUTAR com os americanos. Mas não adianta forçarem: os EUA ainda são a superpotência dominante, e NADA garante que… Read more »

Pursuit
Visitante
Pursuit

“é a maior campanha de desinformação da história”

Concordo, até o tom das matérias abusa do tom.
Um leigo acredita em tanta falacia.

Vovozao
Visitante
Vovozao

13/12 – quinta-feira, bnoite, mas uma pergunta: nao sabemos; mas os americanos vendo tudo isto; nao estariam fazendo a mesma coisa que fazem com a europa; estocando armas/munições/equipamentos de reposição junto ao seu fiel aliado o Japão, na europa isto é corriqueiro, por que nao na Ásia bola da vez????

ALDO GHISOLFI
Visitante

Mísseis balísticos não seriam suficientes para ajudar -até mesmo definir- no confronto, se um dia for preciso?

Como se defender de um ataque destes?
———————
TAIWAN está colimada e, penso, com os dias contados.
———————

Antonio Palhares
Visitante
Antonio Palhares

Professor Aldo.
Concordo com o senhor. Taiwan vai conversar para ser reunificada sem necessidade de guerra. Um só pais com regime diferenciado. E muito diferente e desigual a capacidade para lutar.

ERABREU
Visitante
ERABREU

Será que a capacidade de investimento chinesa é infinita?
Tuddo bem que, a exemplo da Russia e da antiga União Soviética, eles não estão nem aí para a opinião pública interna e externa, mas até onde eles conseguem expandir os gastos militares sem desabar sobre o seu próprio peso?
Os sinais de enfraquecimento da economia chinesa são cada vez mais visíveis.
A julgar pelo grau de psicopatia das lideranças do partido comunista chinês, como aliás acontece com todos os regimes totalitários, que desprezam a vida humana dos seus próprios cidadãos e de outros povos, isso tem tudo para acabar mal.

Sincero Brasileiro da Silva
Visitante
Sincero Brasileiro da Silva

EUA já não é mais o mesmo! Não tá conseguindo acompanhar o ritmo dos chineses! Já tá pedindo água…

Rene Dos Reis
Visitante

Sei não , muitos vão rir de min mas vou falar , estou achando que o projeto chines e de longo prazo , vão botar pressão , ta perigando o tio sam provar do próprio veneno a Urss que o diga.

Andrigo
Visitante
Andrigo

Deve ser um pensamento simplista e leigo meu, mas eu penso que enquanto a PLA Navy não equiparar os 11 CVN`s da USN, ela incomoda, mas não faz frente ainda….

William Munny
Visitante
William Munny
Guizmo
Visitante
Guizmo

Pô jovem, matéria de 2015? Será que apenas 5 ainda estão?
Da última vez que visitei San Diego, em abril deste ano, vi 2 Naes com meus próprios olhos, suspendendo.
Sai da internet amigão, coloca a cabeça pra fora

William Munny
Visitante
William Munny
Guizmo
Visitante
Guizmo

Cabeça de avestruz, o amigão

Andrigo
Visitante
Andrigo

Mesmo que fosse a situação atual, se a USN com 11 tendo 5 operacionais, a PLA com 2 não tem nenhum então….

Corveteiro
Visitante
Corveteiro

Quando a criançada vem debater assunto técnico-militar…

Rene Dos Reis
Visitante

Andrigo , penso que não necessariamente a equiparação terá que ser em números de cvn`s isso e estrategia americana ,a china esta construindo a sua quem garante que daqui a 20 , 30 anos os porta aviões não estarão obsoletos?

Andrigo
Visitante
Andrigo

Sim como eu falei, uma visão simplista. Eu sei que a guerra naval não se restringe aos CVN`s, mas ainda são e continuarão a ser o principal meio de combate, não consigo visualizar um meio superior a médio prazo, a menos que os submarinos se tornem muito mais velozes e silenciosos do que são hoje.

Guizmo
Visitante
Guizmo

A China está usando a mesma arma que os EUA usaram na Guerra Fria contra a URSS. Corrida armamentista com o objetivo de destruir a economia às custas dos gastos militares.

Só uma pequena diferença. A economia chinesa está umbilicalmente atrelada à norte-americana, então caem os 2.

Numa guerra total, a China ficaria isolada, combatendo frentes abertas com o Japão, EUA, Taiwan, Índia e europeus. Arrisco ainda dizer que a própria Rússia não assume posição pró-chinesa. Portanto, pra sustentar isso, 400 navios é pouco

Rafael M. F.
Visitante
Rafael M. F.

Na mosca!

A China é uma potência continental cercada de inimigos, com uma saída para o mar facilmente bloqueável, por uma força naval. 430 navios é uma quantidade monstruosa e necessária para sua estratégia, mas tenho dúvidas se suficiente para enfrentar uma coalizão em caso de guerra total.

Joao
Visitante
Joao

Ta com cara de relatório para assustar os contribuintes e justificar aumento nas despesas com a defesa.

Esteves
Visitante
Esteves

Vovozao “…do bem estar de sua população; todos sabemos que com toda a evolução dos chineses, as cidades do interior sofrem com problemas de saneamento( alguns locais) casas nao possuem nem agua nem vasos sanitarios; uma grande onda migratoria para as cidades, entao pergunto: quando esta massa humana comecar a cobrar eles irao conseguir manter esta maquina ( de guerra) operativa…” Antes das Olimpíadas na China, a TV fez uma mostra de filmes chineses. O filme Banhos de 1999 conta a história de uma casa de banhos em Beijing ex Pequim. Tradição chinesa. Banhos públicos. Por conta da ocidentalização da… Read more »

Carlos Campos
Visitante

Acredito que os EUA vão ficar menor do que a China na Ásia mas com uma qualidade superior, com seus mísseis anti navio stealth, seus F35, Seus poderosos radares de nitreto de gálio, suas tropas bem treinadas vão manter uma superioridade de fato, mesmo com um número menor, isso que sabemos dos EUA nós próximos anos, eles devem ter mais armas ainda mais incríveis para colocar no mundo. porém ninguém poderá afrontar a China, acredito que nunca mais.

MIGUEL
Visitante

Assisti hoje uma palestra proferida pelo Professor Stephen Walt cujo tema foi Política Externa dos EUA. Como de costume, ele criticou o fato de ser lugar comum entre praticamente toda a comunidade de Relações Internacionais naquele país que os americanos tenham que exercer liderança em todos os cantos do planeta, em todos os assuntos. Como alternativa, ele mencionou as estratégicas de Offshore Balancing e a de Engajamento Seletivo. Acho que é importante levar em consideração, nesse caso, que os EUA ainda contam com aliados importantes, como o Japão, que está modernizando suas Forças de Auto-Defesa e que conta com uma… Read more »

RODRIGO DE SOUZA
Visitante

Pois é, tem cara aqui que fala que somos cachorrinhos do americanos! Mas a verdade que seremos escravos dos chineses! Eles ja estao comprando tudo aqui, nao demora sua marinha tbm comeca chegar perto da costa brasileira. Vide o caso do pesqueiro chinês que quase afundo um barco brasileiro, lembra da Dilmanta que se submeteu ao governo chines pra pegar empréstimo? Resultado 19 bilhões jogados na lata de lixo…ja que em troca a Petrobras teve que comprar os navios na china! E esse 19 bilhoes fomos a gnt que pagou. Agora a pgt ate onde irá o limite chinês? Pois… Read more »

Control
Visitante

Srs Com o fim da guerra fria, o Ocidente, particularmente Europa Ocidental e EUA acharam que a guerra estava ganha e que, a partir daí, era só aproveitar os novos tempos de paz e prosperidade. Tal crença levou a uma enorme redução das forças militares e a uma visão de descrença nos velhos cânones geopolíticos. A economia também sofreu a ação de uma seita que pregava que as atividades industriais eram coisa do passado, importando, realmente, apenas as ideias, ficando a atividade menos nobre da produção em segundo plano. Para completar, se difundiu a crença que nacionalismo e ideias como… Read more »

Sony
Visitante

Simples, a China têm crescimento por ideologia, trabalham em regime de semi escravidão, consequentemente produção maior, não procura dominar todos os oceanos (7 mares), centraliza suas forças entorno de seus interesses, próximos de sua região, sabiamente usa a economia para atingir seus interesses ultra mar.
Será com grande probabilidade a nova ordem mundial nos próximos 15 anos superando a Rússia, que como o tal do vasco continuará sendo o vice no globo.

Cavalo-do-Cão
Visitante
Cavalo-do-Cão

Washington Menezes 13 de dezembro de 2018 at 18:17 A questão é que a China tem toda esta força para proteger seu quintal, já o EUA querem controlar o mundo todo, e aí a conta não fecha. …….. “Somos uma nação marítima. Sendo uma nação marítima, estamos rodeados de mar. Devemos sempre dominar esse mar. Nós sempre vamos dominar os oceanos” Trump Os eua dominam os mares desde o fim da segunda guerra mundial…o pacífico é conhecido pelos especialistas do pentágono como o “Lago da América”….os eua se utilizam de uma estratégia de dominação mundial sustentada na supremacia mundial de… Read more »

carvalho2008
Visitante
carvalho2008

A marinha americana ainda é maior e melhor….o problema é que ela é assim para atuar globalmente, Japão, Pearl harbour, oceania, Europa, Oriente medio…. Mas aChina no momento e nos proximos 5 anos ainda estara concentrada em seu proprio quintal…. Ou seja, não tem jeito, a americana fica diluida no globo, a Chinesa concentrada…então a maior concentração de navio fica a favor dos chineses naquelas aguas, isto sem contar a proximidade e operação conjunta com suas forças continentais….acreditem, já assumiram a massa critica para isto faz tempo… acreditem, não ha orçamento que seja suficiente para alterar o balanço naqueles mares…… Read more »

Control
Visitante

Srs Jovem Carvalho2008 Como diz o Jovem Ivan, o mapento, os chineses jogam GO. Com as ilhas artificiais eles estão ocupando gradativamente o Mar da China e cercando Taiwan. Com uma composição de negócios / pressão político militar eles estão minando as parcerias americanas na região. Por exemplo, aproveitando-se da vontade do atual presidente da CS em estabelecer boas relações com a CN, a China incentivou o diálogo entre as duas Coréias e, com isto o presidente da CS já se opôs a instalação de novos sistemas anti-mísseis na CS. E a relutância que os americanos mostraram em honrar o… Read more »

Bruno w Basillio
Visitante

Todo combustível que a China precisa tem ali do lado na Rússia , que produz atualmente 11,6 milhões B/d, alimentos para parte dos Chineses pode ser produzido na Rússia também ( ela já exporta Soja ,Trigo e Carne para a China) etc… Por isso que eu digo uma guerra entre China e EUA com a Rússia apoiando a China os EUA vão sofrer muito e vão usar nukes , mas se a Rússia apoiar os americanos ou ficar neutra , a China cai em Três meses…

Gustavo
Visitante
Gustavo

caramba, o editor prepara um baita texto de qualidade, explica, exemplifica e enumera, e tem gente que não quer ver, não quer aceitar que o número está ali.
Viva a era da fake news em que acreditam em baboseiras e negam estudos, as vezes até científicos…

que faaaase

carvalho2008
Visitante
carvalho2008

Bom, não sei se foi para mim Mestre Gustavo, o que acredito é que de fato a China “vai resolver e solucionar a seu favor a crise do Mar da China”….

Kommander
Visitante

O pessoal acha que em casa do guerra a US NAVY vai mandar todos os 300 navios pra lá, por isso dizem que a “US NAVY É SUPERIOR”. Pessoal hoje em dia não lê mais nem o título da matéria.

Gustavo
Visitante
Gustavo

não foi a vc não Carvalho, na vdd é um histórico que ninguém acredita de fato no poder crescente da China, ninguém respeita e a grande maioria é da geração ‘solta pecinha” que não vê a qualidade cada vez maior de seus equipamentos.
Abraços!

Felipe Morais
Visitante
Felipe Morais

Antes de qualquer coisa, me parece que esse texto tem o objetivo de garantir que recursos continuem jorrando para as forças armadas americanas, além de justificar os gastos estratosféricos para os contribuintes. Eles sempre fizeram isso. Com a URSS, depois Afeganistão, depois Iraque, agora a China. “O perigo continua batendo à porta.” Tudo muito lindo…os maiores problemas orçamentários e estruturais irão acontecer a US Navy, mas a Marinha Chinesa está isenta de tudo isso? E o crescimento chinês que já não é sombra daquilo que tínhamos a tempos atrás? E a população chinesa, irá continuar aceitando esses gastos monstruosos nesses… Read more »

Delfim
Visitante
Delfim

Os EUA dispersam suas forças navais em várias frentes, enquanto a China as mantém concentradas.
É um princípio naval militar que a força não deve ser dispersa. P.ex. se o Japão concentrasse suas forças na Batalha de Midway, em vez de dispersá-las até as Aleutas, teria ganho.
.
Os EUA precisarão de seus aliados para combater em diversos locais, para poder concentrar mais forças no Pacífico, mas seus aliados estão titubeando. Os aliados da China, ao contrário, estão ativos, vide a Rússia no Mar Negro, o Irã no Golfo Pérsico e até rumo à Venezuela.

sergio ribamar ferreira
Visitante

Sr. Control . Perfeito. “O Império do Centro”. Com devido respeito e apreciando os comentários. O s chineses já vem planejando essa escalada( pode-se dizer) de poder desde a morte de Mao Tse Tung( este colocou a China num atraso sem precedentes) depois de Mao adotou-se uma política muito bem citada pelo Sr. Control: da volta do império chinês conforme era nos tempos de Kublai Kan . Esta ideia tomou rumo com o avanço comercial e a projeção econômica dos últimos trinta anos. Os americanos , agora estão dando conta que o “perigo” chinês é real na zona de influência… Read more »

Marco Antonio
Visitante
Marco Antonio

O modelo econômico da Xina (proposital) está se esgotando. E com seu artificial poder econômico se esvaindo sua capacidade militar também vai por água a baixo. Se o Ocidente vencer essa guerra comercial, ou se pelo menos deixar o masoquismo de lado, os Xina estarão bem comprometidos.

Nico 88
Visitante
Nico 88

Excelente análise de “Control”. Concordo em tudo. Sugiro que os demias foristas leiam com atenção tal análise. E respondendo a indagação feita por control. Continuaremos a ser uma colônia. Só que agora da China. Na verdade já somos.

Farroupilha
Visitante
Farroupilha

Hoje em dia com o potencial altamente destrutivo das armas, nenhuma sociedade avançada deseja se meter numa arapuca (guerra primitiva) desconstrutiva de suas cidades, capitais e bens materiais. Só algum líder desmiolado para se meter nisto. Percebam que mesmo Kim Jong-un preferiu baixar a crista a botar a perder tudo o que sua família e povo construiu. Porém, a indústria militar se tornou importante fator econômico em vários países, desta forma um ambiente de antagonismos ideológicos e até de etnias é desejável para sua razão de existir. E melhor ainda se com elevados níveis de produção e pesquisa para alavancar… Read more »

Marco Passamani
Visitante
Marco Passamani

O ocidente pagará uma conta muito alta pela ganância financeira. Vai colher o que plantou.

carlos goes
Visitante
carlos goes

E no final tudo se resumirá a quem tem mais $$$ para investir…… Volto aqui a ressaltar uma questao que ninguem quase lembra e que é uma das maiores vantagens chinesas num eventual conflito……..sua capacidade interna de controlar o povo a forca…… num eventual conflito, os chineses apertarao ainda mais o controle estatal e companhia locais produziram apenas para atender o governo no seu esforco de guerra sem provavelmente receber nada………algo totalmente impensavel no lado ocidental….Nos EUA e outros, mesmo que economicamente quebrados por causa da guerra, o governo teria de pagar por todos insumos no esforco de guerra, e… Read more »

Mario
Visitante
Mario

Não como 5 porta aviões pode ser superior a 11, bem como a falta de submarinos nucleares por parte da china comparado com.as dezenas que os EUA possuem semmcontar o Striker grup que os acompanha Vc fala dos EUA mas esquece que seus aliados que juntos superam os chineses. O EUA está cagando para mar que a China reevidica pra ela tanto que navega por lá pois e não reconhece a ilícita tentativa da china de se apropriar e criar ilhas armadas contra as regras internacionais. Também esquerda de Guanabara e o poder aéreo dos EUA que sozinho e maior… Read more »

carlos goes
Visitante
carlos goes

Apesar de ter de importar muita coisa por meio naval, numa eventual guerra, acredito a como estratégia, a China mudaria seu foco logistico para transporte terrestres. Hoje, é impossivel fechar toda fronteira Chinesa. a instalação de bases por diversos paises tambem corrobora esta visão, uma vez que recursos podem ser transportados e descarregados alem mar e atraves de uma rede logistica global (demorada) podem ser transportados para nações euroasiaticas e por meios terrestres levados ate a China. é uma forma dispendiosa, cara e demorada, mas garantida de recursos. e a China sabe disso. Suas alianças e bases nao sao apenas… Read more »

andrepoa2002
Visitante
andrepoa2002

Um quadro preocupante, o problema americano é desdobrar sua força em todo o globo, os amarelos (por enquanto) concentram sua frota no mar da China. Espero que o ocidente saiba encontrar soluções que mantenham os amarelos calmos.

Bueno
Visitante
Bueno

Li Comentários de alto nível, não sou especialista, irei comentar como entusiasta . A China está desiquilibrando o poder na Ásia, é fato. Nações poderosas tem muito a ganhar e perder na Ásia, todo o movimento será milimetricamente calculado. Os EUA sabem antecipadamente que a Ásia era a região a ser trabalhada, em 2011 já divulgava nova política e estratégias para Ásia e pacifico. Não tenho dúvida que os EUA estão se mexendo para a balança favorecer seus interesses, a questão é o tempo de resposta. A China esta fazendo seu dever de casa. Crescendo na economia , tecnologia e… Read more »

carlos goes
Visitante
carlos goes

Podem sim ser superior…..quer ver como? Se para 5 PA chineses os EUA precisarem mover 10 ou 9 PAs para garantir o cerco naval, de onde virão esses PAs? quais frotas serao reduzidas e quais areas ficarão a descoberto, permitindo assim a pulverização de conflitos. Imaginem oque axonteceria se os EUA retirassem suas forcas do oriente para reforcar sua batalha no pacifico….muito provavelmente veriamos uma guerra aberta IRÃ X ARABIA SAUDITA com o possivel fechamento do estrito para a passagem de petroleiros….Os eua ate podem ser independentes do petroleo, mas seus aliados não são. Imaginem oque pode acontecer se retirarem… Read more »

Luís Henrique
Visitante

Os EUA não são independentes de petróleo.
Eles são os maiores produtores com quase 12 milhões de barris por dia, porém também são um dos maiores importadores, comprando de outros países quase 8 milhões de barris por dia.

Kemen
Visitante
Kemen

Filipe, não em combates navais que foi o que escrevi! Porém pouco se fala sobre a atuação dos submarinos norte americanos na WW II, leia um pouco o enlace abaixo, quem não tem experiência em guerra naval é a China e muito menos em guerra empregando submarinos. Sobre a Alemanha, acho que é muito remota a possibilidade de sua Marinha atuar no Pacifico Sul.
http://www.ahimtb.org.br/As%20Campanhas%20Submarinas_ALE_EUA_2GM.pdf

Marcio Cosentino
Visitante
Marcio Cosentino

Eu tenho saudades de quando as páginas eram dominadas pelas análise técnicas e fundamentadas.

Desculpem o off-topic.

Marcio Cosentino
Visitante
Marcio Cosentino

P.S.: A matéria é excelente, me refiro a alguns comentários.

Roberto Santos
Visitante
Roberto Santos

Concordo e discordo de alguns comentários, a China é o Paraguai da Asia. Copiam tudo do ocidente, porém material sem tecnologia, e quando tem tecnologia essa já é obsoleta. Lembram dos misseis Russos de papelão nos desfiles de Moscou ? Pois é, Lembram do MIG 23 caça de geometria variável imitando o F 14, cairão aos montes por ter uma alavanca que dava três posições de enflexamento das assas, nunca chegaram nem perto de ser um TON CAT ? se os Russos são assim, imagine os Chineses reis da pirataria. Não confio e nem gosto de quem têm os olhos… Read more »

Roberto Santos
Visitante
Roberto Santos

* TOM CAT

William Munny
Visitante
William Munny

Se a China é o Paraguai da Asia o Brazil é o Burundi da África! Certo? kkkkkkkkkkkkkkkkk

horatio nelson
Visitante
horatio nelson

ENQUANTO ISSO EM ITAGUAI…..

Sincero Brasileiro da Silva
Visitante
Sincero Brasileiro da Silva

Como brasileiro me sinto envergonhado com o que fizeram com nossas Forças Armadas! Nossos Coronéis só estão preocupados com o soldo deles no final do mês!!!