reator_labgene.jpg

O Centro Experimental de Aramar (CEA), em Iperó, irá gerar 400 novas vagas em várias áreas de engenharia para a continuidade do projeto do protótipo do reator do primeiro submarino nuclear brasileiro, conhecido como Laboratório de Geração Nucleo-Elétrica – Labgene (imagem de CAD acima). As vagas serão ocupadas por intermédio de concurso público nacional, que ainda não tem data prevista e seu edital ainda não foi divulgado pela Marinha do Brasil.

Duzentas vagas serão criadas para atuar em atividades de projeto e a outra metade relacionadas com a construção e operação das instalações. A previsão da Marinha é de concluir o projeto em 2014, iniciando em seguida o comissionamento e os testes operacionais necessários.

Atualmente, de acordo com o site da Marinha do Brasil, estão trabalhando em Aramar cerca de 271 militares e 1.025 funcionários civis. O setor de comunicação social da Marinha disse que com a decisão de se construir o primeiro submarino de propulsão nuclear houve um significativo incremento das atividades já planejadas para o Programa Nuclear da Marinha (PNM), decorrente do aporte de recursos necessários para viabilizar sua conclusão.

maquete_submarino_nuclear-brasileiro.jpg

FONTE: Jornal Cruzeiro do Sul / COLABOROU: Colt

Tags: , , ,

Jornalista especializado em temas militares, editor-chefe da revista Forças de Defesa e da trilogia de sites Poder Naval, Poder Aéreo e Forças Terrestres. É também fotógrafo, designer gráfico e piloto virtual nas horas vagas. Perfil no Facebook: https://www.facebook.com/alexandregalante

37 Responses to “Aramar lança concurso de 400 novas vagas para engenheiros” Subscribe

  1. Igo 6 de julho de 2009 at 0:25 #

    Muito bom, excelente notícia!!

  2. jptmartini 6 de julho de 2009 at 0:30 #

    Pelo jeito dessa vez sai!

  3. jptmartini 6 de julho de 2009 at 0:35 #

    Vendo na maquete percebi que não tem suporte para lançamento de misseis!

    To certo ou falei m#@&da!

  4. muscimol 6 de julho de 2009 at 3:59 #

    Muito bom para voces….ao menos tem um projecto com objectivos claros.
    Gostaria de por aqui uma questao que ja pus antes mas acho que ninguem se atreveu a discutir.

    Se um submarino for localizado ele tera hipoteses de escapar a perseguicao e destruiiicao? ….ou depois de localizado e practicamente impossivel de escapar?

    Conseguiria um SNA escapar a um barco do tipo KDX-III?
    ou vice versa?!!

    agradecia esclarecimentos ….porque parece-me que devido ao numero de armas que leva um submarino pode ter importancia mas nao uma importacia capital num conflito armado. Nunca vi ter ….mesmo nas Malvinas nao teve apesar de ter destruido um navio argentino importante….(o navio foi atacado de traicao)…..os subs britanicos nao impediram o ataque aereo a frota britanica.
    Quero dizer que nao ha registo onde um sub tenha feito a diferenca entre vitoria ou derrota num conflito armado!!…excepto hoje que podem ter misseis nucleares…mas submarinos convencionais???!!!….sao muito caros para aquilo que fornecem num conflito. Penso eu de que ……

  5. DjBa 6 de julho de 2009 at 5:36 #

    Olha o investimento de 8 bilhões começando a aparecer! Se isso realmente acontecer como está na notícia, significa:
    400engenheiros x 3000,00reais (Salário aproximado) x 12 meses x 10 anos = 144.000.000 milhões de reais. Este valor corresponde somente em termos apoximados o que deve ser gasto com mão de obra do reator sem contar o próprio reator! Mas significa um excelente investimento em criação de massa crítica.

  6. Marco Antonio Lins 6 de julho de 2009 at 8:12 #

    Grande noticia!…

  7. gaspar 6 de julho de 2009 at 9:25 #

    jptmartini,

    essa maquete do sub nuclear eh antiga… a atual maquete do nosso futuro sub nuclear, AINDA NAO EXISTE, NEM NO COMPUTADOR…

  8. Pedro Rocha 6 de julho de 2009 at 10:12 #

    Olá senhores! Excelente noticia, investimentos em “massa” critica é que possibilita o maior retorno! Saber fazer é muito bom, mas saber fazer e aperfeiçoar é ótimo!
    Eu gostaria, reconhecendo minhas limitações de entusiasta leigo, de destacar o quê representou os submarinos para a Guerra das Malvinas / Falklands: Começando pelo ARA São Luiz, a força tarefa inglesa consumiu muitos recursos para localizá-lo e neutralizá-lo, hoje sabemos que o São Luiz em vários momentos do conflito obteve contato periscópio, só não obtendo sucesso por falha nos seus torpedos! Após suas tentativas de engajamento o submarino sempre escapava impunemente das modernas Fragatas anti-submarino Type 22! A Armada da Argentina só perdeu um submarino quando o mesmo teve que ancorar para suprimentos! Já os submarinos nucleares ingleses simplesmente fizeram a Armada Argentina ficar nos portos! A Argentina sentiu muita falta do seu porta-aviões, bem como dos canhões do cruzador Belgrano, o mesmo fora afundado quando se deslocava para aboio de fogo nas ilhas!
    Não quero desmerecer a Força Aérea e nem a Aviação Naval da Argentina, porém os combates teriam sido diferentes se a frota argentina tivesse conseguido ir ao mar!

  9. gaspar 6 de julho de 2009 at 10:41 #

    so nao concordo com o “meio” de selecao…
    acho que para casos especificos cmo esse o concurso nao seja a melhor forma de selecao dos candidatos…
    a MB deveria buscar as melhores mentes nas universidades brasileiras… ir direto a fonte…
    outra forma seria fazer entrevistas com cada candidadt e em segunda fase eles teria de mostrar na pratica o que sabem e por ai vai…

  10. Marcos Pesado 6 de julho de 2009 at 10:50 #

    Caro Gaspar, ainda bem, não há opção. Para ingresso no serviço público em cargo de provimento efetivo somente por concurso público (artigo 37, II, da CF/88):

    “II – a investidura em cargo ou emprego público depende de aprovação prévia em concurso público de provas ou de provas e títulos, de acordo com a natureza e a complexidade do cargo ou emprego, na forma prevista em lei, ressalvadas as nomeações para cargo em comissão declarado em lei de livre nomeação e exoneração;”

    SDS

  11. jptmartini 6 de julho de 2009 at 11:22 #

    Ahh blz…

    Vlw gaspar!

    Tava achando meio estranho mesmo!

  12. Djba 6 de julho de 2009 at 11:25 #

    Concordo com MARCOS PESADO. Se com concurso a coisa já é difícil imagine se fosse outro tipo de “seleção”. Provavelmente iríamos ter muitos apadrinhados como sempre foi na História deste País, quando não se exige concurso. Uma notícia off-topic que poderia ser postada no blog naval quanto no aéreo são as notas que sairam na Isto-é desta semana sobre a Base de Alcântara e sobrea as investigações da Polícia Federal sobre a Operação Luxo envolvendo a ex-militar da marinha.

  13. Djba 6 de julho de 2009 at 11:35 #

    Seria legal se alguém com conhecimento técnico colocasse uma legenda explicitando os componentes principais das duas fotos.

  14. Igo 6 de julho de 2009 at 12:08 #

    Djba,

    Acredito que o problema maior não seria nem esse, imagine o prejuízo aos planos da MB se o MP identifica a possibilidade de não ser licito o processo e solicitar a paralisação do mesmo. Quanto tempo se levaria para provar que Chico não é parente/amigo do Zé??
    As universidades estão participando do processo, não tanto como a maioria queria, mas a USP, UFRJ e UFMG estão contribuindo para o projeto.

    Sds,

  15. Zero Uno 6 de julho de 2009 at 13:27 #

    Pedro Rocha em 06 Jul, 2009 às 10:12

    A Argentina perdeu o Submarino Santa Fé. Ele foi encalhado por sua prórpia tripulação quando foi atacado no na madrugada do dia 25 de Abril de 1982.

    Um Lynx da Brilliant atacou o ARA Santa Fé com torpedos Mk 46. Em seguida, os Wasp da Plymuoth e do Endurance dispararam mísseis AS.12 que atravessaram a vela. O submarino foi abandonado e sua guarnição refugiou-se na ilha.

  16. Tadeu 6 de julho de 2009 at 13:39 #

    Submarinos a nível de importância na defesa naval e nacional, não tem nada de “sub”, eles são “up” !

    Más um sub nuclear não resolve tudo sozinho, espero que no futuro possamos ter uma esquadra de pelo menos 21 submarinos, 18 convencionais e 3 nuclerares.

    Para o tamanho do nosso mar territorial isto seria o mínimo necessário, para serem realmente efetivos em sua capacidade dissuasiva.

    A capacidade do submarino de lançar mísseis de médio/longo alcance é fundamental, porque as grandes potências militares do norte, que são as únicas a oferecerem possibilidade real de ameaça militar ao Brasil, tem como estratégia levar a guerra ao território atacado e mante-la longe do seu, possuir uma arma capaz de contra-atacar, retaliar no próprio território do inimigo, se não garante a vitória contra um inimigo muito mais forte, funciona como um poderoso elemento dissuassor contra o inicio de agressões externas…

  17. gaspar 6 de julho de 2009 at 14:18 #

    oh, concordo com vcs…

    a maquete de um sub, nuclear ou convencional passa pelo “tunel de vento” a fim de verificar sua aerodinamica ??? ou nao tem nada a ver ??

  18. Zero Uno 6 de julho de 2009 at 15:03 #

    gaspar em 06 Jul, 2009 às 14:18

    Submarinos fazem testes de HIDRODINÂMICA…

    Abraços.

  19. Zero Uno 6 de julho de 2009 at 15:05 #

    Tadeu em 06 Jul, 2009 às 13:39

    Concordo inteiramente com o seu comemtário. Muito lúcido mesmo. Parabéns!

    Abraços.

  20. Marcelo Ostra 6 de julho de 2009 at 15:49 #

    Martini, misseis ??? no SSN Tabajara, vc se refere a posição vertical tipo SSBN ? se foi isso que entendi ele não terá (na verdade nem terá submarino, mas … vai … ) o suposto projeto de SSN, ele nao disparará misseis balisticos (silos)

    Bom particularmente pouco creio que um dia saia o BNS Tabajara … pelo menos em nossa vida ainda …

    Mod MO

  21. DjBa 6 de julho de 2009 at 15:56 #

    Tadeu,

    Acredito que um SNA é mais simples do que um SNB. Embora, os franceses, se não me engano, construiram primeiro o sub balístico para depois o de ataque. Sem mencioanr que falar em subnuc já complicado quem dirá se fosse lançador de mísseis. Alem disso, os tubos de torpedos podem lançar misseis em alguns casos.

    Excetuando a Rússia e a China, se não me engano, todos os países que detem tecnologia de subnuc não possem mais submarinos convencionacionais. Acredito ser muito melhor possuir, nos próximos 30 anos, 6 a 9 subnuc do que um número elevado de 18 convencionais. Afinal precisamos de um meio de disuassão que seja efetivo por longos períodos de mar, amigos estamos falando do atlântico sul e não de uma baía. Obviamente estamos construindo submarino convencional porque ainda não detemos a tecnologia do subnuc.

    Igor,

    Claro que nenhum de nós gostaria de ver projetos paralisados por conta de investigações,mas se for necessário é melhor que isto ocorra nas fases iniciais para que todos se ajustem as condutas éticas e contratuais do que no meio ou mesmo no fim da execução do projeto. Afinal, depois de pago não adianta chorar o leite derramado.

    Sds

  22. Martini 6 de julho de 2009 at 16:10 #

    Isso mesmo Marcelo Ostra, eu nao lembrava o nome certo!

    Mais sera que nao sai mesmo?!

  23. Marcelo Ostra 6 de julho de 2009 at 16:20 #

    Martini, isso é opinião pessoal, não posicionamento do PN

    Ve soh, se esta dificil sair NPa de 500 t. dado a estaleiro fuleiro (que levou mais de dois anos para fazer um de 300 t., quem dirá um projeto desta magnitude

    tomara eu esteja errado …

    Abs
    Mod MO

  24. Felipe_TP 6 de julho de 2009 at 16:26 #

    R$ 3.000 se salário para engenheiro? Coitados, vão pegar só a babas dos engenheiros.

  25. Martini 6 de julho de 2009 at 16:27 #

    Eh vendo por esse lado, eu concordo com vc!

    Mas tomara que voce esteja errado msm…

    Abraço

  26. Giovani 6 de julho de 2009 at 19:55 #

    Essa imagem aí é do reator?

  27. Djba 6 de julho de 2009 at 20:33 #

    Caro Felipe_TP,

    Este foi um valor estimado só para exercitar a calculadora e ter uma pequena dimensão do quanto representaria possivelmente o custo com esta mão de obra e mostrar para alguns que quando falamos em gastar 8 bilhoes com os submarinos temos de icluir o gasto com esta mão de obra e que não é meramente realizar um compra de “prateleira”. O valor a ser pago aos engenheiros, obviamente, deve variar com forma de concurso, ou seja, se o indivíduo será contratado como oficial ou civil. Alem disso, em nenhum momento quiz fazer uma estimativa acurada de quanto isto custaria. Pois, como dito isto depende do tipo de contrato e também dos encargos envolvidos com pessoal, note que a chamada do post fala em 400 engenheiros mas é claro que teremos pessoal auxiliar e administrativo. Acredito que se algum administrador fizer a conta considerando todo o pessoal e encargos envolvidos a conta chega fácil a 1 bilhão ou mais. Mas enfim, isto serve para mostrar que o dinheiro que será investido no projeto não será para compra de “prateleira” e boa parte dele será para infraestrutura, mão de obra e etc. Criar massa crítica sai caro mesmo e todo país que quer se tornar uma grande nação tem que fazer este tipo de investimento.

  28. Castor 7 de julho de 2009 at 10:58 #

    Jptmartini
    Não tem tubos para lançamento vertical de mísseis, mas estão previstos dois tubos horizontais para tais lançamentos, como no scorpene.
    Djba
    Não dá para trabalhar sobre a figura que foi postada, mas vamos lá, pelo menos para as partes mais importantes. Na maquete eletrônica, o que está em bege é o vaso do reator. Os 6 pitocos verdes que estão lateralmente ao reator (3 de cada lado) são as bombas de circulação. Mais para ré (esquerda) existem duas grandes colunas verdes, são os geradores de vapor. Na foto da maquete do submarino, o reator está logo acima da tarja “bloco 40”. Os riscos brancos que aparecem logo acima dele são as varetas de controle e em volta dele, em preto, aparece o isolamento.
    Acima da tarja “bloco 30” aparece, em cinza, o condensador e, acima dele, em verde, um dos turbogeradores
    Acima da tarja “bloco 20” aparece, em verde, e bem grande, o Motor Elétrico Principal (MEP)

    Gaspar
    O túnel de vento é um excelente recurso para detectar formação de vórtices. Mas a prova principal é em um tanque para testes hidrodinâmicos onde são levantados as variáveis hidrodinâmicas do casco.

  29. Martini 7 de julho de 2009 at 14:41 #

    Vlw Castor!

    Abraço

  30. Tadeu 7 de julho de 2009 at 19:18 #

    Valeu Zero Uno,

    só espero que os políticos pensem o mesmo… por pelo menos , os próximos 20 anos, que é o tempo previsto pela END, para chegar a ter 3 subs nucleares.

    Se não houver continuidade nas próximas administrações, nada se concretizará.

    *Não tinha voltado a este post ainda, portanto amigo, releve a demora em responder…

  31. Djba 7 de julho de 2009 at 22:36 #

    Valeu Castor.

    Muito providenciais as informações.

    Sds

  32. Getulio - São Paulo 10 de julho de 2009 at 18:51 #

    Parabéns à Marinha do Brasil por levar este projeto de grande conhecimento, essencial para a ciência com os radio-isótopos e a confeção do motor nuclear para o submarino atômico brasileiro.
    Espero ainda que diferente da aeronautica (acidente no lançamento de Alcantara), a Marinha tenha um plano B, evitando-se que no caso de um acidente naquela localidade, seja por acidente mesmo, fatalidade, ou atentado, e não haja solução de continuidade por falta de pessoal especializado. Até hoje a aeronautica não conseguiu recuperar-se. Por favor, dupliquem tudo, equipamentos, equipes técnicas, plantas etc. Inclusive façam dubles em outra região. Como a questão é estratégica para o país, por questão de segurança, deve haver duplicação dos meios e recursos ainda que secretos.

  33. Getulio - São Paulo 10 de julho de 2009 at 18:56 #

    Em tempo 1:
    O melhor é seguir o exemplo russo, criando redundância, inclusive de fábricas de aviôes, vários sukhoi ou migs foram fabricados por empresas diferentes, que até competiam entre sí.
    Neste campo nuclear penso que do mesmo modo, sendo estratégico, deve-se criar equipes que trabalhem em locais separados, inclusive de estados, unindo dentro dos interesses do país, ainda que sob o controle da Marinha ou da Defesa.

  34. Fábio Augusto Brisola de Moraes 2 de setembro de 2009 at 19:44 #

    Melhor notícia que foi dada até hoje para min,com certeza para milhares de pessoas.

  35. Vandré 11 de outubro de 2009 at 19:18 #

    Uma ótima noticia

    Fica a pergunta de todos os servidores de ARAMAR….

    ” Quanto ao nosso pequeno salário como vai ficar ? ”

    Estamos cansados de promessas……

  36. agrinelson 1 de maio de 2013 at 21:49 #

    boa noite nao sei se e por ter uma visao mais a frente ou ignoracia da minha parte mas acredito muito em novas e boas ideias mas nao seria mas inteligente que ao inves de criarmos uma arma nuclear nos criacemos uma arma que anulace as armas ou os efeitos nucleares assim alem da arma ainda teriamos a solucao e nao e tao dificil assim fazermos com que essa ideia se torne realidade para sermos o numero um do mundo. pensem so um pouquinho nessa ipotese.no que poder ajudar estarei a disposicao e so pensarmos no que e nessessario para produzir e lancar uma bomba dessas a resposta esta ai

  37. Rafael Ferreira Dias 26 de maio de 2013 at 23:56 #

    Gostaria de saber mais sobre os concursos.
    Até quando vai esse concurso?
    qual local?
    sou estudante de engenharia de controle e automação eu posso me inscrever?

Leave a Reply

You must be logged in to post a comment.

Corveta Frontin irá para a reserva

Abaixo, portaria de 28 de agosto que foi publicada em 1º de setembro no Diário Oficial da União, com entrada […]

Mais um passo rumo às novas corvetas: contrato com Emgepron

Abaixo, extrato de dispensa de licitação contratando a Emgepron para serviços no projeto de obtenção da nova classe de corvetas […]

Outra notícia de corveta: Ares fará reparos gerais nos lançadores de torpedos da Barroso

Abaixo, extrato de contrato publicado na edição de hoje (3 de setembro de 2014) no Diário Oficial da União, sobre […]

França suspende entrega de navio de guerra para a Rússia

Governo de Hollande afirma que ações recentes na Ucrânia inviabilizam fornecimento de porta-helicópteros – Sob pressão de aliados devido à […]

Marinha do Brasil fará Desfile Naval no 7 de setembro

  Em comemoração ao Dia da Independência do Brasil – 7 de setembro – a Marinha do Brasil realizará o […]

Governo Federal deve R$ 820 milhões à armação

Sergio Barreto Motta Muito eficiente ao cobrar de devedores, o Governo Federal age de modo diferente quando é ele quem […]