Certificado da UNESCO

No dia 27 de março, a “Coleção Eduardo De Martino/Guerra da Tríplice Aliança”, do acervo da Marinha do Brasil, recebeu o diploma de registro regional da Memória do Mundo da UNESCO. Essa Coleção faz parte de um conjunto iconográfico e cartográfico proposto por nove instituições arquivísticas e museus nacionais, que se reuniram no Museu Naval (RJ), sede da Diretoria do Patrimônio Histórico e Documentação da Marinha.

Pertencente ao acervo da Marinha do Brasil, essa Coleção reúne um conjunto de desenhos e aquarelas do artista Eduardo de Martino, que esteve na linha de frente dessa guerra.

Este é o quarto registro de acervos documentais da Marinha no Programa Memória do Mundo e o primeiro que ascendeu à relevância regional aprovado pelo Comitê Regional para a América Latina e Caribe.

Visite o Museu Naval e veja as mais de 40 imagens multimídias da Coleção na sala 6 da exposição “O Poder Naval na Formação do Brasil”. www.dphdm.mar.mil.br / www.dphdm.mb.

FONTE: Marinha do Brasil

VEJA TAMBÉM:

Tags: , , , ,

Jornalista especializado em temas militares, editor-chefe da revista Forças de Defesa e da trilogia de sites Poder Naval, Poder Aéreo e Forças Terrestres. É também fotógrafo, designer gráfico e piloto virtual nas horas vagas. Perfil no Facebook: https://www.facebook.com/alexandregalante

4 Responses to “Acervo Documental da DPHDM recebe registro no Programa Memória do Mundo da UNESCO” Subscribe

  1. fragatamendes 14 de abril de 2014 at 16:08 #

    E o acervo fotográfico só pode ser acessado pelo pessoal da MB, o público em geral fica excluído deste acesso, parece até que estas fotos são SECRETAS.A nossa MB não dá a mínima para sua história fotográfica.

  2. MO 14 de abril de 2014 at 16:21 #

    porra, como se metade do acervo oumaisninguem tem acessso … seria UNESCO = IPEA em questao de avaliassaum ??? oupior seria Unesco um nucleo da rede glogo com didi mocoh como manager ???

  3. fragatamendes 15 de abril de 2014 at 12:37 #

    É MO e duro de aturar e de tanto reclamar estou desconfiado que fiquei queimado na DPHDM, pois as vezes eu conseguia algumas informações e fotos pela boa vontade de uma Diretora de lá demorava muito mas conseguia, mas agora está ruim de conseguir alguma coisa, tanto que já tenho alguns e-mails com pedidos enviados a alguns meses sem resposta.Um abração do MENDES.

  4. Carlos André 21 de abril de 2014 at 22:42 #

    Fragatamendes,

    Não há exclusão de ninguém (nem ninguém “queimado”) no acesso ao arquivo iconográfico da DPHDM. Somente há muita procura (interna e externa à MB) e pouca gente para atender a todas as demandas. Sem contar que se a foto for utilizada para alguma publicação é necessária uma autorização formal de uso.
    A própria revista Forças de Defesa e os sites Poder Naval e Navios de Guerra Brasileiros já utilizaram muitas das fotos do acervo da DPHDM sem nenhuma cobrança.
    Agora, vai tentar usar uma foto do acervo da Biblioteca Nacional para ver quanto vai lhe custar?

Leave a Reply

You must be logged in to post a comment.

A participação da Marinha do Brasil na I Guerra Mundial

A segunda-feira, dia 28, marca os 100 anos da I Guerra Mundial. Você sabia que o Brasil enviou oito navios […]

Submarino que jogou Brasil na I Guerra Mundial pode ter sido encontrado

Responsável pelo afundamento do navio brasileiro Macau e pelo sumiço de dois tripulantes brasileiros, o U-93 estaria a uma milha […]

Pesquisadores encontram submarino nazista naufragado com 17 esqueletos dentro

No litoral da ilha de Java, na Indonésia, pesquisadores do Centro Nacional de Arqueologia do local encontraram um submarino nazista […]

Um dia a bordo do submarino ‘Tapajó’ – última parte

A atracação na Base Almirante Castro e Silva e a despedida A manobra de atracação do submarino Tapajó na Base […]

Entrevista com o comandante do submarino ‘Tapajó’, capitão-de-fragata Horácio Cartier

Um dia a bordo do submarino ‘Tapajó’ – parte 3 PODER NAVAL: Comandante Cartier, o senhor poderia falar um pouco […]

Um dia a bordo do submarino ‘Tapajó’ – parte 2

Um submarino de propulsão convencional como o Tapajó tem um funcionamento parecido com um telefone celular: de tempos em tempos […]