S-BR, Scorpene modificado
S-BR, Scorpene modificado

Segundo nota publicada no site da revista Portos & Navios, o cronograma do Programa de Construção de Submarinos da Marinha do Brasil (Prosub) foi atrasado mais uma vez:

  • O SBR-1 tem lançamento previsto para julho de 2018 e entrega em julho de 2020.
  • O cronograma prevê o lançamento do SBR-2 em setembro de 2020 e entrega em dezembro de 2021.
  • O SBR-3 será lançado em setembro de 2021 e entregue em dezembro de 2022.
  • E o SBR-4 será lançado em dezembro de 2022 e entregue em dezembro de 2023.
  • O SNBR está atualmente em fase de projeto básico e assinatura de contratos. O cronograma prevê o início da fase de detalhamento no segundo semestre de 2018. O início da construção está em análise.

140 COMMENTS

  1. Lamentável, taí um meio naval que nenhuma novidade tecnológica detecta em 100 %. Fundamental para a defesa da Amazônia Azul.

  2. Olá Miguel. Também lamento, mas como manter o cronograma se paralisaram a Odebrecht que tocava a construção do estaleiro? Não creio que seja um problema financeiro porque o projeto é financiado por bancos franceses. Também preciso mencionar o absurdo de manter o Alm.Othon preso, o que desarticulou parte do programa nuclear. Contudo, tem gente aplaudindo.

  3. Não tenho nada contra aos SBR, agora o SNBR esse tem que ser cancelado. Com a economia desses recursos outras coisas mais urgentes poderiam ser providenciadas.
    .
    .
    Saudações!

  4. Quem defende o cancelamento do submarino nuclear está contra s interesses do Brasil. Os militares tem é que pressionar esse governo corrupto pela liberação de verbas para os programas já existentes. Dinheiro tem muito, senão não teriam criado 14.000 novos cargos comissionados e dado aumento a todos os funcionários públicos (gastos de 59 bilhões até 2018).
    Se não fosse o orgulho e a paranoia anti-PT os militares admitiriam que deram um tiro no pé ao apoiarem a tomada do poder pelo vice

  5. Bom, ESSE ‘governo corrupto’ é apenas uma versão ‘light’ do que foi deposto, cerca d eum mês atrás, por ser o mais corruPTo e inePTo de toda a História deste país.
    A Odebrecht não foi ‘paralisada’, ela apenas está colhendo aquilo que plantou, a não ser para os que acham que a corrupção deveria continuar, solta e descarada, Quanto ao almirante Othon, foi pego com a boca na botija, por isso está preso. Quem mandou ser corrupto e ladrão?
    Quanto a ‘dinheiro ter muito’, TINHA, até ser praticamente todo roubado, pelo governo mais corruPTo e inePTo que o país já teve, ao qual me referi.
    Contudo, tinha gente que aplaudia isso. Vai entender…

  6. Aliás, quem aplaudia as ‘gracinhas’ do governo deposto sequer pode ser classificado como ‘gente’, sinto muito.

  7. Sobre o submarino nuclear e o estaleiro, seguinte: NÃO PRECISAMOS do primeiro, e a MB NUNCA REIVINDICOU o segundo. Ambos só serviram para enriquecer gente essencialmente desonesta, às custas do já combalido eráriio.
    Uma vergonha.

  8. Camargoer, onde você viu/leu que o Almirante Othon participava, após ir para reserva, do PROSUB?
    .
    No mais, infelizmente ele não está preso. Aliás, está solto e sem tornozeleira eletrônica, mesmo com provas robustas do recebimento de propina por meio de empresa controlada por sua filha, consultora de wikipédia,

  9. “militares admitiriam que deram um tiro no pé ao apoiarem a tomada do poder pelo vice”

    Não tinha ninguém só de “verde, azul ou branco” nas ruas, acho que você deve estar confundindo-se, eles estavam de “verde e amarelo” e sem armas!
    E foi o dito cujo do PT que elegeu esse vice!

  10. Acho que marinha deve fazer o básico primeiro termina o mais rápido de construir esse submarinos convencionais ou já compra alguns prontos , e depois parte para essa “novela mexicana ” submarino nuclear escuto essa história que vai construir um desde que sou criança e olhe já estou quase chegando nos 40 rsrrs abraços !!!!

  11. Se for ver pelo lado menos ruim, teremos nesse cronograma, 9 submarinos ´´operacionais´´ em 2023, ate 2030, período que o Tupi deve dar baixa, sendo substituído por outro submarino Scorpene já com modificações inteiramente nacionais,

  12. Olá Rafael. Sobre vazamentos, notinhas e outras artimanhas, estou farto. Parei de ler as noticias diárias. Confesso não ser capaz de acompanhar a velocidade das coisas e se incapaz de compreender dado a imensa confusão e jogo de interesses. Estava ficando realmente doente. Comprei um monte de livros e estou lendo. Sobre o Alm. Othon, li algumas entrevistas dele e conversei com pessoas que o conhecem. As coisas simplesmente não combinam. Tem caroço nesse angu.

  13. na internet tem várias fotos de como seria a concepção do SNBR alvaro alberto…uma parecido com classe virginia dos EUA e outro parecido com barracuda da FRANÇA…alguem tem ideia de como seria???

    sendo que o parecido no classe virginia…na concepção do desenho, ele possui silos verticais para misseis de cruzeiro…queria a opinião de vcs que concepção de submarino seria melhor para a marinha….

  14. Péssima notícia,
    A MB vai de mal a pior. E com certeza o novo cronograma não será mais uma vez cumprido, pois o atual almirantado é fraco, e a Marinha merecia melhor direção e sorte.

  15. realmente 2018 ano da morte da Marinha, vai ser Guarda Costeira Brasileira, o Japão que tecnicamente falando não tem Forças Armadas, não pode lutar tem um poder Ofensivo que mete respeito em toda Asia

  16. Isso se chama retardamento intelectual do Almirantado.
    Um Estado Maior que não estuda será sempre derrotado.
    O finado Jarbas Passarinho certa vez disse que depois de fazer TODOS os cursos da Escola Superior de Guerra, o EB nunca tinha estudado e nem ensinado os conceitos de Estabelecimento e Manutenção de Ordem Social, os estudos era para “Além Fronteiras” e só… Isso foi em 1968. Nosso Estado Maior não entende de Gestão dos Ativos e Passivos e muito menos da Gestão de Projetos, dai é querer de mais esperar que eles compreendessem o que é o nosso cenário político. – Eles apenas são ineptos intelectualmente, o que nos leva a um grau não tão agradável de inefetividade de nossas FFAA.

    Grande Abraço.

  17. camargoer, Não tem caroço nenhum. Nas palavras da própria defesa do Almirante Othon, ele prestou consultoria a Andrade Gutierrez. Como não havia contrato e ele já era presidente da Eletronuclear, os valores foram pagos a empresas por meio de contratos forjados. Ora, não é possível que uma pessoa que chega ao posto de Almirante faça um contrato verbal de 3 milhões de reais.

  18. camargoer disse:“Olá Miguel. Também lamento, mas como manter o cronograma se paralisaram a Odebrecht que tocava a construção do estaleiro?” Quem foi que paralisou a Odebrecht?

  19. Olá Zé. Como disse, não tenho como discutir a partir que a mídia publica. Sobre os Scorpenes, fico pensando se os Tupi aguentariam três ou cinco anos a mais de operação além do programado para cobrir esse alongamento do prazo. Como eles têm passado por um processo de modernização, talvez o atraso na entrega dos S-BR não afete a operacionalidade dos submarinos da MB. O pior seria acontecer com na FAB que ocorreu a retirada dos Mirage sem um substituto disponível no GDA. Talvez com o atraso dos S-BR, os Tupis trabalhem alguns anos a mais. Só isso.

  20. Carlos Campos…

    de fato a marinha japonesa ou força marítima de auto defesa do Japão “mete respeito” e pode sim “lutar” se necessário, apenas, não esqueçamos
    que a US Navy mantém mais de 20 navios PERMANENTEMENTE baseados no Japão incluindo um NAe, fora navios que operam de lá sob rodízio e
    que fazem frequentes visitas, sem mencionar que as demais forças armadas dos EUA estão presentes lá também.
    .
    Não sou contra alianças militares, mas, se existem é porque ou o país não consegue se defender sozinho ou o país encontra-se na linha de fogo
    ou, as duas coisas !
    .
    E a marinha brasileira não deixará de existir, assim como não deixará de existir a marinha argentina em pior estado…encolher ainda mais sim, mas, eventualmente irá recuperar-se de outra “fase ruim”, mesmo sem Segunda Esquadra, 2 NAes, etc.

  21. O “Tupi” qua passou recentemente pelo segundo PMG deve durar mais uns 8 anos portanto em 2024 ele poderia ser substituído pelo quarto
    “Scorpene” resultando em uma força de 8 submarinos. Se um novo lote de 4 submarinos for encomendado em breve será possível substituir
    os 3 “Tupis” remanescentes e o “Tikuna” mantendo o estaleiro ocupado e sua preciosa mão de obra não apenas construindo novos submarinos
    como realizando as manutenções e mantendo uma força de 8 submarinos relativamente novos o que é mais do que a marinha brasileira jamais
    teve…diferente de 3 submarinos modernos e 5 velhos “Guppys” nos anos 80 !

  22. Uma dica, a PF identificou que o apelido do Palocci na Odebretch era italiano. Entenderam no que isso vai dar?

  23. Quando lançar o último Submarino, a tecnologia já estará ultrapassada, o mesmo que o microchip de hoje e as válvulas de ontem….kkkkkkk só mesmo no Brasil

  24. Em meio a tantos comentarios e onde ate alguns sao mais objetivos qto ao corporativismo do oficialato e aos desmandos da MB q a levaram ao atual estado de falencia, so posso mesmo me surpreender qto a edicao de meu comentario anterior…….sera q o Nunao poderia me explicar o porque…ou sera q nao se pode criticar a MB a luz de tantas e constantes gestoes do tipo arrasa a terra ( ou sera navios rsrs) …….gostaria de uma resposta. Sds
    _
    NOTA DOS EDITORES: NÃO HÁ NENHUM COMENTÁRIO SEU PRESO NO ANTISPAM OU AGUARDANDO LIBERAÇÃO, ASSIM COMO NÃO HÁ COMENTÁRIO SEU EDITADO NESTA MATÉRIA.

  25. Depois de 14 anos de governo corrupto do PT a culpa pelo atraso é de um mês de governo corrupto do PMDB. A verdade é que só temos governos corruptos, o resto é consequência.

  26. Olá Dalton. Muito bem colocado. Acho que li (faz muito tempo) que o número ideal de submarinos convencionais em uma base fica entre 7 e 9 (3 a 5 nucleares). Vejamos, 01 em uma grande manutenção, 02 em pequenas manutenções (portanto sempre teríamos 03 submarinos indisponíveis), Sobrariam entre 4 e 6 submarinos operacionais. Considerando um ciclo de 30 anos, significa o lançamento de um novo submarino a cada 5 ou 6 anos, o que é uma excelente cadência. Isso daria a oportunidade para pequenas melhorias no projeto original em cada nova unidade.

  27. Não acho que isso seja motivo para tanto alarme. Esse tipo de atraso não é tão incomum assim, ainda mais se tratando de produtos novos fabricados em países sem experiência. No mais, os novos submarinos não são tão urgentes, e mesmo que estivessem entrando em serviço agora (o primeiro), nem sei como operaríamos, tendo em vista que nem a manutenção dos nossos IKLs temos dinheiro para fazer. O programa está atrasado, está lento, mas está andando, com boa parte do pagamento já feito, e apesar dos atrasos, não acredito que seja cancelado. O que preocupa mesmo é o caso das escoltas…

  28. Lucas Silva 8 de junho de 2016 at 18:05
    .
    Cada dia de atraso em um projeto demanda uma conta maior a se pagar, e a advinha quem é que paga a conta dessa palhaçada de “está lento, mas está andando” ? é… Os mesmos de sempre.

  29. Bardini

    Entendo, mas quem esperava mesmo que o prazo seria seguido a risca? Como disse, isso não é incomum, e até mesmo a Índia, que não tem problema de falta de verbas para a defesa (ao contrário de nós), tem adiado a entrada em serviço de seus Scorpenes, mesmo tendo muito mais tradição na construção naval que o Brasil. Atrasar a construção é uma coisa boa? De forma alguma, mas também não é o fim do mundo e não foge do esperado…

  30. O Prosub é talvez a maior entubação que o governo do PT deixará de herança. Deveria ser auditado e cancelado. A MB deveria ter mantido a parceria com os alemães e construir novos IKL com AIP, mais baratos e confiáveis que os Scòrpene, e abandonar a loucura do SUBNUC.

  31. Senhores, não seria mais interessante, como a FAB fez recentemente com um KC, uma espécie de terceirização dos meios navais, ocupando tempo ocioso de navios americanos? Claro que sob comando brasileiro, seria muito mais barato e eficiente. Esse modelo atual, de re-inventar a roda, redundâncias, milhares de pessoas em atividades-meio com estabilidade e pensão, como garçons, cozinheiros, pintores, barbeiros e tantos outros que nada tem com a atividade-fim militar, já se mostrou -mais ainda sob governo populista e demagógico- ineficiente e fonte de propina e corrupção. Ver um Almirante preso é demais, para quem é do ramo. Um casarão de milhões (40? 50?) da MB na Av 9 de Julho, em SP, que funcionava como “Centro Cultural” é prova cabal disso.

  32. Quanto iria custar o projeto dos submarinos Alemães. Eu me lembro vagamente que na época falavam que a proposta dos Alemães ficaria em 1 bilhão de dólares por 4 submarinos convencionais.

    Para aqueles que dizem que não tem problema ter gasto 10 ou mais bilhões de reais neste projeto e e ter que esperar mais 5 anos para talvez ter o primeiro submarino, tendo que gastar mais outros 20 bilhões de reais, eu digo que parece óbvio que o
    Brasil foi prejudicado quando comparado ao que poderia ter sido com o projeto mais simples dos Alemães, sem nova Base naval, mas com o submarinos sendo entregues.

  33. Ao invés de gastar 1 bilhão de dólares para ter quatro submarinos convencionais alemães, o governo do Brasil escolheu 10 bilhões de dólares para ter 5 submarinos franceses mais um estaleiro e base nova. Agora nós vamos ter que aguardar mais 5 anos e aumentar mais ainda os impostos para termos dinheiro suficiente para tudo que precisamos pagar.

  34. Olá André. Cuidado com as contas. Você está comparando os valores sem considerar o valor da construção da base e do estaleiro. Não dá para fazer regra de três nesse caso.

  35. Em uma nota de esclarecimento publicada aqui no PN, a MB menciona que “o custo do estaleiro e da base naval foi atualizado de R$ 4.997,998.215,00 para R$ 7.880.000,00, a preços de 2008″ e que até agosto/2015, o Gov.Federal havia desembolsado pelas obras civis (estaleiro, base naval e a UFEM) feitas pela Odebrecht o valor de R$ 6.145.520.268,46” e que todo o contrato tem sido auditado pelo TCU desde 2009.

  36. Há um outro documento da MB disponível na web de julho/2014 que menciona um desembolso de R$12,5 bilhões até 2014 e que faltaria outros R$11 bilhões (total de R$23,5 bilhões, ou cerca de US$ 6,7 bilhões para a construção de 4 SBN, da base de submarinos, do estaleiro e da UFEM. Números da MB.

  37. Aliás, há uma nota da MB de 2009 que menciona que a oferta da Alemanha era para a construção de 2 IKL2014 com propulsão diesel sem nacionalização de nenhum item, não havendo no contrato qualquer valor sobre a manutenção dos submarinos.

  38. Encontrei um documento da UFSJ que menciona uma proposta de 1 bilhão de euros para a construção de dois IKL2014 e a modernização dos 5 IKL209 em 2007, ou algo como US$ 1,3 bilhão, aproveitando o AMRJ.

  39. Enfim, o valor unitário dos IKL2014 e dos Scorpenes é da mesma ordem de grandeza. A maior parte dos recursos do ProSub foram para as obras do estaleiro, da base e das instalações industriais.

  40. E ainda tem gente que acha que será cumprido esse novo prazo, daqui a alhuns anos veremos um novo adiamento do prazo, como bem sempre falou o Juarez, o tempo é o senhor das verdades, é triste mas é a realidade

  41. Ai la pra 2018/20 sair uma nova nota adiando novamente vai aparecer um monte de gente com desculpas novamente, e eu igual a motinha do saudoso desenho carangos e motocas: eu te disse, eu te disse, mas eu te disse!

  42. “eu disse não disse? Confuso (a motoneta) em carangos e motocas. “ó vida ó céus, isso não vai dar certo” Hardy (a iena) em Lippy & Hardy”. “Falta muito PapaiSmurf?” Genio (o smurf de óculos) em Os Smurfs. Quem se lembra de outros?

  43. Eu sei que aqui não é para falar de política más vejo 2018 um cenario pior ainda para as força armadas pois o socialismo irá continuar a reinar

  44. leopoldo, desculpe mais de que socialismo vc fala, o Brasil tem uma das maiores se não a maior concentração de renda do planeta, de terras, de mídia na mão de meia dúzia de famílias..aqui pode ter tudo, menos socialismo, que Socialismo é esse onde as taxas de juros de quase 15 %, o sistema financeiro faz a festa aqui.

  45. Cronograma? Prazo? No Brasil? Rsrsrs.
    Querem apostar quanto que vamos chegar a 2025 sem nem sequer 1 sub entregue??? Teria sido muito mais negócio embarcar com uma dúzia de IKL da Alemanha, o que teria nos colocado em altissimo patamar na America Latrina.
    Estamos vivendo a argentinização da MB.

  46. A quebra de contrato com os alemães foi o grande final para o Prosub ? Hoje ,provavelmente com maior número de submarinos em valores reduzidos. Infelizmente, não foi possível graças ” falta de uma visão mais profunda do que é Defesa Externa” Ficamos com projetos sempre no meio do caminho e quando conseguimos parceiros internacionais para planejarmos e construí-los arrumamos alguma “força oculta” para dar um fim. Falta competência e acima de tudo “honestidade” em se manter compromissos assumidos. Os IKLS com a Alemanha é mais um exemplo. Por isso o nosso descrédito frente a países desenvolvidos. caso esteja errado, corrijam-me? Obrigado.

  47. Olá Sérgio. Não houve “quebra de contrato” porque não foi assinado nada. Houve uma decisão e depois um recuo. Nada diferente do que os canadenses fizeram com o tucano lá trás, que os americanos fizeram com o ERJ, que quase fizeram com os supertucanos, etc etc. Aliás, mesmo com um contrato assinado, existem situações nas quais ocorre um recuo, veja lá os Mistral da Russia, a patrulhas para Trinidade e Tobago, etc. Você também está errado em dizer que os projetos estão sempre no meio. Poderia citar uma lista enorme que incluiria o Tucano, SuperTucano, a construção das Niteroi, as ultracentrífugas em Resende, o KC390, etc. etc, mas bastaria apenas um projeto de sucesso para derrubar sua tese. Alíás, o ProSub está sendo conduzido e os números financeiros mostram que ele já passou da metade, o que torna inviável seu cancelamento. Concordar com o ProSub não significa ser chapabranca. Ou receber qualquer adjetivo depreciativo.

  48. Bola cantada… O charuto atômico está morto e enterrado. Falta só a nota de falecimento. Talvez seja melhor, para a segurança de nossos marujos. Esse conluio de empreiteiros picaretas e bolivarianos corruptos tinha como único objetivo o saque desvairado dos cofres públicos, e iria resultar em uma bomba submersa de segurança e qualidade sofríveis.

    Já sobre os convencionais, que ninguém alimente esperanças. Se terminarem algum, será para além de 2030. A rainha das pedaladas deixou as contas do país de joelhos pela próxima década. E a empreiteira picareta não tem nenhum plano além de multiplicar aditivos no projeto. Sem dinheiro para tais mamatas é que a coisa não sairá do lugar, mesmo!

  49. Uma pergunta pra quem entende do assunto: por quê a vida operacional de nossos meios, em especial dos submarinos, é tão mais curta que os similares de outras marinhas, como as dos EUA, do RU, da França e, provavelmente, também da Rússia e da China, visto que muitos de seus submarinos estão em serviço desde meados da década de 1980?

  50. Antonio…

    o “Tupi” foi incorporado em 1989 e graças ao recente PMG irá ultrapassar fácil 30 anos…veja por exemplo o USS City of Corpus Christi da classe
    Los Angeles, comissionado em 1983 que recém chegou a Bremerton para iniciar o processo de inativação que irá durar cerca de um ano, ou seja
    cumpriu os 33 anos que era esperado dele, (1983-2016) !
    .
    Alguns submarinos duram mais…mas…às custas de anos que passam sofrendo maiores modernizações ou mesmo atrasos ocorridos durante tais
    períodos ou mesmo passando tempos maiores atracados e assim tem os cascos poupados…pode apostar que um submarino com mais de 40 anos passou um tempo maior inativo conservando melhor a integridade do casco ao evitar um número maior de emersões e imersões.
    .
    abs

  51. Quem defende o cancelamento do Submarino nuclear está indo contra os interesses do Brasil? Duro ler algo do gênero! O problema desse submarino é que as pessoas pensam que o nosso Scorpene Nuclear será uma unidade operacional como são os dos franceses, americanos, russos, ingleses e chineses. Amigos ponham uma coisa em vossas mentes: nunca fabricamos algo do gênero, não temos Know how algum nesse setor, compramos o casco e teremos ajuda dos franceses para fazer a integrar o reator ao navio e vocês acham que tudo dará as mil maravilhas?? Jura mesmo que vocês acreditam nesse conto de fadas? Por favor, vamos ser racionais, esse frankstein dos mares que pensamos em construir nunca fará uma patrulha pelo pré sal. Ele viverá atracado ao cais enfrentando problemas atrás de problemas. O programa nuclear da marinha é uma piada de décadas, quem o idealizou não errou! Errou quem o pôs em prática. Não temos dinheiro para manter nossa frota de navios desdentados na água, os mesmos estão atracados ao cais apodrecendo e vocês acham que teremos capital para operar um sub nuclear (isso se ele navegar!). É tanto otimismo que beira a ingenuidade de uma criança. O comando da Marinha deve estar recebendo muita propina ou deveriam todos serem internados em hospícios. Pois racionalidade não há alguma e esses são os verdadeiros homens que estão indo contra os interesses do Brasil.

  52. Olá Jodreski. Quando o ITA foi fundado e em seguida a Embraer, teve quem achasse um erro. O programa de enriquecimento de urânio nasce junto com a fundação do CNPq, também era considerado uma bobagem. Aliás, o mundo inteiro achava uma bobagem plantar soja no serrado porque “não era possível fixar nitrogênio”. O mundo inteiro achava obrigatório arar a terra (coisa de lugar frio) e por anos o plantio direto foi ignorado. O Proalcool quase foi interrompido porque alguém achava que não compensava (sem fazer nunca a conta do carbono) e após anos e otimização dos clones, a cana-de-açucar usada hoje é cerca de 10 vezes mais eficiente do que o equivalente em gasolina (em unidades de energia) somando a geração de energia pela biomassa. Seu argumento não considera a existência de uma curva de aprendizado em qualquer processo. Precisa começar sabendo inclusive que no começo ocorrerão inúmeros erros na execução e que a primeira e talvez a segunda e terceira unidades, terão problemas. Um dos argumentos em defesa dos IKL sempre foi a evolução do projeto. Heis a diferença entre um criacionista e um evolucionista.

  53. Eu não tenho o costume de postar, mas gostaria que levassem em consideração o seguinte no caso do SNBR o desenvolvimento dele não se restringe apenas ao submarino em si, a parte nuclear é uma parte essencial, e seu desenvolvimento não tem apenas uso na função militar. Existem estudos para a instalação de usinas nucleares em substituição as térmicas convencionais. Não estou falando de roubalheira, esta deve ser investigada e os culpados jogados no xilindró, e falo do que foi planejado.

  54. Camargoer,
    .
    Em um país que, nem estrada que preste tem, investir em indústria naval é burrice. Já tentaram criar esta indústria por três vezes, fracassaram em todas elas, sendo o fracasso mais recente o do governo passado.
    .
    E, pior que o fracasso da indústria naval, é a indústria nuclear. A situação é tão ridícula, que sobra vaga para pós-graduação, pois ninguém vê futuro neste setor no país.
    .
    A única coisa boa desta palhaçada toda que é o PROSUB, é o que toca o setor da saúde.

  55. Olá Bardini. Eu por hábito não discuto com adjetivos, mas listei uma série de projetos que eram considerados burrice e resultaram em sucesso depois de muito trabalho e tempo. O mais belo exemplo é do da pesquisadora da Embrapa Dr Johana Dobereiner, que adaptou as bactérias do cerrado para fixarem nitrogenio para plantações comerciais, como a soja. Ela foi por muito tempo chamada de burra (literalmente) pois os pesquisadores mais antigos não acreditavam nos fatos que ela apresentava. Foram 30 anos e a área do cerrado é a região de maior produtividade agrícola no Brasil. Na década de 60 era burrice (literal).

  56. Olá camargoer.
    Não podemos creditar as seguidas fases de descaminho do governo anterior ( PT ), tanto na responsabilidade fiscal tanto no prumo estratégico do país, como apenas uma estratégia de aprimoramento da visão macro de governo do ponto de vista empresarial e na consolidação de política de fortalecimento do aparelho estatal. Este ex-governo , seguidamente falhou, tanto na condução, quanto no combate a sua plataforma de ” moralização” e finalmente alçar as classes mais baixas a um patamar de melhor condição social. É inadmissível que seguidos projetos foram claramente manipulados com a intenção de arrecadar, por vias duvidosas, seja por contratos “amarrados” ou outras práticas, afim de divulgar e tentar vender uma idéia doutrinária que no fundo era apenas pano de fundo para uma quadrilha montar uma imensa caixa 02 e desviar ( sangrar ) o erário público…Maior traidor é aquele que vende a salvação da pátria aos desavisados, bem quem semeia ventos, colhe tempestades…

  57. Srs

    O contrato com os franceses refere-se a 4 submarinos diesel elétricos, uma base / estaleiro e o suporte técnico para a construção de um casco para o submarino nuclear. Não contempla, pelo menos oficialmente, nenhum auxílio ou transferência de tecnologia quanto a tecnologias sensíveis como o reator nuclear ou o sistema de propulsão.
    O reator e o sistema de propulsão associado dependem de tecnologia a ser desenvolvida pelo Brasil e seu custo está a parte dos valores do contrato, os ditos 10 bilhões de dólares.
    Ou seja, o andamento do projeto do SBN, nos itens que realmente são novidade (reator e sistema de propulsão), não depende do contrato com os franceses.

    Sds

  58. A n ossa industrianaval não foi para frente pq é ruim, sem competitividade e sem interesse nacional, nãoconseguimos fazer projetos para exportação que justifiquem demanda e em todas as tntativas, tudo se repetil, nos dias de hoje, tem navio da petrobras navegando com o eixo propulsor desalinhado de estaleiro … e por ai vai ….

    em tempo:

    M/V Venezia / VRDI6

    Vídeo + 12 photos

    http://santosshiplovers.blogspot.com.br/2016/06/mv-venezia-vrdi6-vdeo-e-fotos.html

  59. Olá MO. Bem colocado. Acho que a diferença entre a industria naval e a aeroespacial parece ser a questão da capacidade que uma teve de atender ao mercado civl com qualidade. Lembro-me de uma entrevista do Mauricio Botelho quando assumiu a Embraer (privatizada) dizer que em uma reunião com a engenharia a empresa perguntou qual era a função da Embraer e recebeu como resposta “fazermos os melhores aviões possíveis”. Então ele disse que não, que a função da empresa era atender o cliente. Foi dessa direção que nasceu o jatos ERJ (hoje Emb 135, 140 e 145) e depois os maiores Emb 170/195 e os phenon e legacy posteriormente. Há um paralelo curioso entre a Embraer e a Boeing serem ambas as maiores exportadores (em valor) de seus países.

  60. Olá Control. Eu mostrei logo acima que a MB vale em cerca de 6,7 bilhões de dólares, nunca em 10 bilhões. Por outro lado voce tem razão em chamar atenção que parte dos recursos contabilizados no SBN foram aplicados em Aramar na construção de novos laboratórios e instalações. Foi muito dinheiro e não tem nada a ver com o contrato com a DCNS. Obrigado por complementar as informações e esclarecer estes pontos.

  61. A industria naval nunca foi pra frente e nunca vai ir. E não adianta contratar PROISSO e PROAQUILO, tentando fazer da MB a “salvadora” da industria naval que a coisa não vai dar certo. Não antes de alguém com um mínimo de visão lógica perceber que esse país só terá uma indústria naval que se sustente quando o “custo Brasil” for combatido com “unhas e dentes” e for drasticamente reduzido.
    .
    O Brasil precisa urgentemente começar a melhorar sua infraestrutura e rever todo seu setor burocrático. Navio, não é prioridade e a gente pode comprar. Muito mais barato e com garantia de prazos e qualidade.

  62. Normalmente o pessoal discute muito sem considerar as diferenças de prioridades do que cada uma das partes acha…
    .
    Ter armas ou ter uma industria de armas? Pode-se ter as duas ou um equilibrio baseado na maturidade de cada uma destas necessidades?
    .
    Possuir um subnuke ou ter uma industria nuclear? Podemos abidcar de um ou ambos?
    .
    E por ultimo não obstante o principal, quem nasce primeiro? o ovo ou a galinha? Pode existir uma industria de alta tecnologia sem uma industria de base que a preceda?
    .
    Não existe receita de bolo, mas sem dúvida existe uma conta de equilibrio.
    .
    Industria naval é uma prioridade sobre estradas, principalmente se voce focar pela dimensão dos modais.
    .
    O Brasil já possuiu uma das maiores industrias navais do mundo, nos anos 80 é que dengringolou…a simples lógica pura não ajudaria a explicar o porque de quando justamente na maior fase de crescimento de comercio maritimo é que nauframos esta industria.
    .
    Dentre uma infinidade de fatores, existem aqueles atrelados ao “mercado que restou a nossa industria naval” após a crise dos anos 80. O fim da proteção a cabotagem de bandeira nacional talvez seja a principal delas. EUA ( e diversos paises), possuem reservas de mercado legisladas, salvo engano, a um minimo de ao menos 40% de reserva a armadores nacionais. Nós não! Isto mesmo! O berço do capitalismo selvagem possui reservas de mercado e muito! Porque estamos nós com a mesma legislação de cabotagem de 86 que acabou destruindo tudo?
    .
    Sem isto, sobraram apenas de mercado interno os pedidos centralizados apenas na Petrobras e na Industria mineradora. Todos sabemos que pela simples natureza deste segmento, que os cascos envolvidos são justamente os de menor tecnologia e complexidade do setor naval mundial (Petroleiros e Graneleiros).
    .
    Então, industria naval nacional não vai decolar nunca deste jeito.
    .
    Primeiro pela alta concentração de cliente, e todo mundo sabe porque queriam concentrar na Petrobras….
    .
    Segundo pelo proprio tipo de projeto de navio do cliente.
    .
    Nada de Porta Conteiner, Ro-Ro, Passageiros, etc….independente do porte e tonelagem.
    .
    Se alguem olhar o SubNuke apenas como projeto de arma estará redondamente enganado. Se deixarem apenas militares olharem e focarem um SubNuke estarão tal como o é, outro enorme erro. É um projeto de tecnologia energetica e de materiais e como tal, o proprio subnuke deveria ser considerado como secundario e assim, nem deveria ter seus custos alocados em 100% para a MB. Obvio, sem projeto de usinas e reatores para uso civil ele irá naufragar sem dúvida. Não se justifica apenas como arma por melhor que seja e na presença de demais prioridades e até mesmo na ausencia de uma razoavel frota de SSK´s que lhe dê lastro dentro de uma Forsub.
    .
    Vivenciamos a experiencia terrivel e perigosa do custo de possuir uma matriz energetica extremamente dependente dos fluxos pluviais e hidricos. Ter apenas 2,5% de energia nuclear é arriscado…Sim devemos invstir em energia limpa natural, mas ela é extremamente dependente da propria natureza, quer seja biomassa ou até catastroficamente falando da insolação do território….2,5% não garante como civilização a população brasileira diante de uma adversidade de maior monta.
    .
    Tenologia nuclear e sua industria como prioridade militar é uma imbecilidade e fadada a morrer. Tem de ser uma prioridade civil.
    .
    Industria militar naval ou de qualquer natureza focada num uso militar idem…
    .
    Industria militar é uma consequencia, não o fim.
    .
    Do contrario, nunca haverá financiador politico e economico.
    .
    Os voos de galinha nada mais são do que as tentativas de burlar estas regras…

    .

  63. Tinha feito um post ontem e achei que tinha caído no filtro mas acho que deu é problema pois até agora não apareceu. Tentei fazer outro agora e não foi, acho que o problema é o tamanho.

    Falar em absurdo quanto a prisão do vice almirante Othon é fugir da realidade.

    Ele foi acusado pelo presidente da Camargo Corrêa de ter recebido propina para fazer alterações no contrato de Angra 3 e diversos operadores que confirmaram que repassavam valores de empresas de Angra 3 em contratos fictícios com a empresa do almirante. Ele negou, a filha apresentou provas forjadas, por isso foi preso (hoje está livre devido a doença de sua esposa), e desde então a situação dele que já era “insustentável” piorou, a Andrade Gutierrez também confirmou a propina, como “contribuição científica”, e mais empresas estão se juntando no bolo de acusações.

    Resumindo, a situação se complicou tanto que ele mesmo já admitiu um delito, confessou que realmente recebeu valores em contratos fictícios por serviços “não declarados” no valor de quase 5 milhões, sem conseguir provar que serviços são esses ou ter qualquer prova desse acordo, tentando desvincular isso a pagamento de propina numa clara estratégia de defesa pra reduzir sua pena pois talvez não tenha como delatar e reduzir sua pena.

  64. Quanto ao Prosub, infelizmente vai cair sim na Lava Jato, aquelas mensagens encontradas no celular do Marcelo Odebretch são claras, eles tinham um crédito (referente a partidos) quanto ao Prosub com uma “conta italiano”, e agora que descobriram que o tal italiano é o Palocci, devem estar destrinchando as contas do Palocci pra vão achar o elo Prosub e só vão esperar a delação do Marcelo Odebretch pra fechar o cerco.

    A casa caiu pros submarinos, isso está claro desde o momento que apreenderam o celular do Marcelo com aquela citação, duvido que o contrato seja cancelado mas vai atrasar mais do que já está hoje pois a Odebretch cruzou os braços pois já sabe que vai ter revisão de valores e multas nos acordos de leniência, então vão esperar pra ver quanto isso vai custar e saber se vale a pena continuar nesse consórcio/terminar o estaleiro/base ou pagar a multa e sair fora pra reduzir seu prejuízo.

  65. Ola Carvalho. Muito boas as suas colocações. Tenho a impressão que o sucesso da Embraer está no seu empenho em fornecer ao mercado civil. Já li em outros lugares sobre o impacto negativo sobre a industria naval que foi o fim do monopolio da navegação de cabotagem mas também houve uma redução nas linhas de financiamento para novas embarcações ao longo da década de 90 que inviabilizou financeiramente os estaleiros brasileiros.

  66. Prezados,

    Não sou militar, nem sequer estrategista, mas como contribuinte e participante deste Blog, entendo pelo que li nestes últimos tempos que, a melhor solução para o Subnucbr, seja simplesmente cancela-lo antes que bilhões de reais e vidas, sejam literalmente jogados ao mar.
    Substituam este projeto por mais Sub convencionais com Aips, sejam Scorpenes ou IKLs, estes os meus preferidos.
    Vejam que situação- 1 subnuc para patrulhar a Amazônia Azul – 24 horas/dia, semanas,meses,anos no mar sem descanso, manutenção reabastecimento, substituições e por aí vai.
    Nem os EUA, Russos, Ingleses,Franceses e Chineses com mais de 70 subnucs de peso, conseguem patrulhar partes dos oceanos e mares do planeta, imaginem o que faria 1 (unzinho) subnucbr na Amazônia Azul, que cá para nós, é um Marzão para ninguém botar defeito.
    Quanto a Aramar, transfiram-na para o Ministério de plantão que englobe Ciência e Tecnologia e que passe a desenvolver e construir projetos para uso civil, como alguns já postaram aqui, e de preferencia para a área da Saúde,(Bardini) tão necessitada de equipamentos de ponta e em quantidade e com qualidade.
    Quanto a Marinha ganharia em quantidade e qualidade, quanta economia e melhoria na qualidade de vida teríamos, ao invés de patrocinarmos egos e devaneios de políticos, militares e empresários inescrupulosos.
    Muita coragem, uma canetada, só isso.

    Abçs a todos
    JRoberto

  67. Carvalho,
    “Tenologia nuclear e sua industria como prioridade militar é uma imbecilidade e fadada a morrer. Tem de ser uma prioridade civil.
    Industria militar naval ou de qualquer natureza focada num uso militar idem…
    Industria militar é uma consequencia, não o fim.

    .
    Simplesmente PERFEITO… meus parabéns.
    .
    Grande Abraço.

  68. Caro camagoer. Gostaria de saber se possuímos alguma força de dissuasão, pois o que li até então é que nossas Forças Armadas foram sempre defasadas quanto a equipamentos bélicos. Causa: não dar continuidade a projeto de peso para que possamos possuir e abrir espaço para tecnologias. Ufanismos a parte, nosso país necessita de investimentos,( dinheiro para Defesa) parcerias com setores que queiram investir. Posso citar o caso do CC Osório como exemplo bem claro dos erros cometidos. Sou a favor de Engenharia Reversa, pois qualificação profissional,(ITA, IME, Engenharia naval) temos nos quadros das Forças Armadas, bem como em nossas Universidades. O que não temos ,amigo, é dinheiro. E quando temos sempre há desculpa das chamadas “outras prioridades” .Não pense o amigo que não fico constrangido ao ver tanto desperdício e falta de “competência”, para não dizer palavras pejorativas, porque respeito e muito os nossos queridos colegas militares, que lutam e muito para manterem Nossas Forças Armadas em funcionamento. Desculpe pela minha ignorância. Caso esteja novamente errado, por favor corrija-me? Obs: ãcredito que os IKLS seriam uma solução viável. Quanto aos Scorpenes são bem-vindos. desde que haja seriedade na construção e não a postergação e adiamento na entrega dos SUBS, porém?

  69. Quando finalmente o País tenta começar uma nova era (uma nova geração) onde não importe divisas, patentes, cargos, carteiradas etc. vem algum representante da turminha das antigas (que baseia sua “tese” por ouvir dizer) querer ressuscitar o velho jeitinho do “você sabe com quem está falando?”.
    .
    Sou plenamente a favor da Lava jato. Custe a quem custar suas revelações! Em várias versões: quem não deve não teme, não treme e não Temer…
    .
    Militares são tão corruptos quanto civis. Parem com essa patacoada de achar que este é mais ou menos patriota que aquele! Seja Brigadeiro, General ou Almirante que respondam todos! Por um novo País sem “carteirinhas de clubinho do andar de cima.” Muito ao contrário! É justamente por ter estudado, ter percorrido uma carreira à qual seja confiada a responsabilidade da segurança pública, nacional etc. que as punições deveriam ser as mais graves! Quando um dia nossos juristas alçarem um nível mais amigável à lógica – à seriedade lógica! –, essa tendência deixará de ser somente cobrada aos “andares inferiores da sociedade” e será razão de ser (em exemplar agravante) na cobrança aos “andares de cima.”

  70. Para aqueles que disseram que o sistema energético Brasileiro não funciona, que é perigoso. É sério isto, querem dizer um sistema baseado em hidrelétricas e termelétricas à diesel seriam mais perigosas que reatores nucleares?
    Perguntem para os Japoneses e Ucranianos o que eles acham da segurança dos reatores nucleares.

    A existência do reator nuclear cria sempre o perigo de um ataque terrorista criar uma zona contaminada de materiais radioativos e zonas de exclusão de 30 quilômetros da área da explosão.

    Eu eu pergunto também. Qual é o município que se habilita a receber o lixo radioativo das usinas? Qual o município do Brasil que vai ser voluntário para receber os lixo contaminado de 30 anos de operação de uma usina nuclear?

    Se a questão é desenvolver um reator nuclear, para quem iríamos vender o reator? A China já produz os seus com tecnologia francesa. Os Russos exportam para os países como China, India e Irã.

    No Brasil, a construção de Angra 3 foi iniciada em 1985 depois encerrada. Depois foi reiniciada em 2010 e quando ficará pronta Angra 3?

    A razão de que o Brasil poderia exportar reatores não se sustenta quando vemos a situação do mundo, na qual os países grandes já tem fornecedores de reatores ou produzem os seus.

    O Potencial que deveríamos desenvolver é a tecnologia eólica, solar, biomassa, células de hidrogênio. Está caindo de maduro esta tendencia das tecnologias com energia renovável.

  71. Olá Sergio. Creio que alguns oficiais que participam do blog saibam responder melhor a questão do poder de dissuasão de nossas forças armadas. Acredito que tenhamos um nível compatível com nosso perfil geopolítico, Felizmente, não estamos envolvidos em conflitos e nossa política externa não é intervencionista ou imperialista. Abaixo no ideal? Sim. No mínimo necessário? Provavelmente. Também gostaria de saber a opinião de algumas pessoas muito boas que participam desse blog.

  72. JRoberto…

    o plano da marinha nunca foi de adquirir apenas um submarino de propulsão nuclear de ataque…não faria sentido…o plano é de um esquadrão, algo em torno de 6 unidades e o segundo necessariamente não precisará ser igual ao primeiro, algo como os EUA fizeram ao construir o “Nautilus” o único
    do tipo para então projetar e produzir em série a classe “Skate” de 4 unidades.
    .
    Olhando do patamar de 2016 o submarino de propulsão nuclear brasileiro parece uma piada de mau gosto e pode ser que seja adiado ou mesmo
    definitivamente cancelado diante de tantas prioridades do país, mas, nunca foi pensado em apenas uma única unidade.
    .
    Os franceses operam com 6 submarinos de propulsão nuclear de ataque (SSNs) e 4 grandes submarinos de propulsão nuclear com mísseis intercontinentais com ogivas nucleares (SSBNs)…no caso brasileiro, ao invés dos SSBNs a marinha teria um certo número de submarinos de propulsão convencional de ataque também (SSKs).
    .
    abs

  73. camargoer, nosso nível de dissuasão, hoje, é o mesmo que tem o Popeye, antes de comer espinafre, ou seja, apenas provoca risos. E pena. Se estivéssemos em algum conflito, já não estaríamos mais, pois teríamos certamente sido vergonhosamente derrotados.

  74. Como falar em dissuasão se nosso poder político parece mais comprometido, entre outras coisas, em “investir” no Poder Marítimo de outros países; preparar atleta para olímpiada; safar governadores incompetentes na manutenção da lei e da ordem e distribuir folheto contra mosquito?
    Não se estranha neste país que um governador ou um ministro saía do Planalto dizendo que as FFAA serão mobilizadas para atuar em GLO ou em tarefas de outras pastas com o titular da Defesa só se manifestando dias depois e apenas para dizer que vai cumpti-las.
    Nesse contexto, como deixar claro a potenciais adversários que o Brasil fará tudo o que for necessário para defender seus interesses nacionais, inclusive com o uso da força?
    #tintasobreferrugem

  75. Acabei de me lembrar do caso das instalações da Petrobras na Bolivia, de COMO nosso governo se portou em relação àquilo…

  76. Miguel. pois é. se houvesse socialismo, como na Venezuela, a mídia não pertenceria a duas famílias. mas ao governo. a inflação seria de 800% ao ano.
    esse povo fala, fala e acha que está abafando. comunismo é atraso…

  77. Defourt, perfeito seu comentário!

    O vice-almirante ex-presidente da Eletronuclear é suspeito de receber puxileco de 1% em “todos” os contratos referentes a usina nuclear de Angra 3 (aquela com atraso de 35 anos). Com quais empresas? Andrade Gutierrez e Engevix, famosas na Lava-Jato.
    Puxa… Sinto muito, mas de onde venho os fins não justificam os meios…
    Difícil (mas não impossível) ele ser inocente…aguardemos…

    __________________________

    A força que submarinos representam é indiscutível, e no Brasil com todo esse Atlântico Sul ao seu lado mais ainda, todos nós concordamos que precisamos de mais e melhores! Agora esse submarino nuclear é no mínimo muito discutível, e não é de agora… Como já comentaram acima, escutamos isso (e gastaram com isso em vários momentos diferentes) a mais de 30 anos, e em todos esses anos nem o número mínimo de submarinos convencionais conseguimos adquirir e manter. Para variar, nós queremos sempre começar pulando etapas. Nunca fizemos um submarino, quando tenta-se um pela primeira vez já tem que colocar um nuclear no meio.
    Esses contratos que como ponto fundamental foi a transferência de tecnologia foram equivocados em essência na minha forma de ver…
    Equipamentos militares são adquiridos de acordo com objetivos militares. A questão transferência de tecnologia com construção própria tem que partir de um estudo de viabilidade e absorção factível, e sem mercado futuro não se sustenta. Entra um populista e acaba com o ciclo na primeira vez que alguém falar que isso importa menos que algo social e não entender o objetivo fundamental, tem que previamente ter uma base de formada de profissionais e mercado de trabalho para formar a próxima geração e acomodar esses profissionais a longo prazo, é algo muito complexo para a canetada de um governo de 4 ou 8 anos compromissado apenas com sua base política, as FFAA nunca podem contar efetivamente com esses meios, e quando algo tão tecnológico sai atrasado, ele já sai defasado para o mercado (não exporta), e militarmente é obsoleto.
    Abraços.

  78. Bom, olhando pelo lado positivo dá para perceber que pelo menos tem alguém trabalhando no assunto novos submarinos. O pessoal que atualiza os dados deste cronograma deve estar bem ocupado.
    Vamos aguardar ansiosos então pela próxima atualização!
    Abraços.

  79. O poder de dissuasão das forças armadas brasileiras é compatível com todas as ameaças prováveis. O ideal é que fosse compatível com todas as ameaças possíveis.
    Qualquer ameça que sair fora da curva e estamos lascados.

  80. Olá Bosco, legal o modo como você colocou a questão. Acho que é essa curva de probabilidade que rege a maior parte das decisões estratégicas de qualquer organização, seja militar ou civil. Lembro da curva ABC de gerenciamento, na qual após identificar as prioridades para “A” (nunca mais do que 20%) delega-se as prioridades “B” para os níveis inferiores e simplesmente ignora-se as prioridades “C” por serem irrelevantes. Esse conceito de ameaça provável explica o tamanho da forças armadas da Índia, por exemplo.

  81. André Luis, a matriz energética brasileira hoje conta com +/- 65% de geração hidrelétrica, o restante é suprido por geração termoelétrica e, em menor escala, por energia eólica e solar. Essas últimas (eólica e solar), não podem ser consideradas geração de base pois seu fator de carga fica abaixo de 30%, já que dependem do vento ou dos períodos de irradiação solar, além do que a geração fotovoltaica on-grid ainda é cara de se instalar. Contra as usinas térmicas a óleo pesam as oscilações do preço do petróleo e a emissão de CO2, as térmicas alimentadas por gás natural são ambientalmente menos agressivas mas ainda são poucas. Portanto, usinas termonucleares são boa opção para complementar a matriz, e temos reservas de urânio suficientes para abastecê-las por várias décadas. Por isso, há muito tempo comento, quando tenho oportunidade em meu meio profissional (engenharia elétrica), que o reator que a Marinha desenvolveu em ARAMAR é ideal para a construção de pequenas centrais termonucleares (PCT), que não necessitam de grande volume de água para resfriamento e poderiam ser instaladas bem próximas aos grandes centros de carga, economizando a construção de linhas de transmissão. O risco operacional dessas usinas é muito pequeno e a agressão ambiental também. O programa da Marinha deveria ser transferido para o Ministério da Ciência e Tecnologia para torná-lo comercialmente viável (ao mesmo já é subordinada a Nuclep) e a Marinha reembolsada pela União pelos (bons) investimentos no desenvolvimento desse reator.

  82. Dalton, boa noite!
    Concordo contigo, mas o que chamou minha atenção, é que quando a MB se refere aos atrasos no cronograma do Prosub, relacionam as datas com os lançamentos dos SSKs e somente de 1 SSBN, sem conotação algumas sobre os outros 5 planejados. Isto fica óbvio, pois estabelecer um prazo factível para o 1º SubNuc é algo já extremamente complicado, imagine nos outros.
    Por essas e outras na minha opinião, que deveríamos focar por ainda um bom tempo, nos convencionais.
    Forte abraço,

  83. Lamentável. Depois do fracasso retumbante do VLS, agora estamos prestes a assistir ao fim de um submarino nuclear que há décadas só existe no campo da ilusão. QUE FRACASSO!!!
    Esse maldito sistema político brasileiro, com seus partidos que mais se assemelham a grupos de mafiosos, estão afundando nossa Nação, junto com os submarinos.

  84. Adriano Luchiari,
    só lembrando que a MB não desenvolveu nenhum reator… ela está tentando desenvolver.
    E esse é a gigantesca miopia, pra não dizer burrice mesmo, nesse projeto de SubNuc tupiniquim…
    – A MB deveria ter focado todos esses anos, ou pelo menos os últimos 15, em desenvolver, construir e colocar em funcionamento um reator “piloto” e ai sim tentar espremer um “irmão” dele de segunda geração dentro de um submarino.
    O resto são as pataquadas que já conhecemos.
    Ps.: O reator piloto deveria funcionar de forma eficiente e segura por no mínimo 10 anos, gerando energia e algum dividendo nesse meio tempo.
    Grande Abraço.

  85. Adriano Luchiari. Obrigado pelos esclarecimentos sobre o reator de Aramar. Agora eu entendi o que você estava dizendo. Abraços.

  86. Correto Oganza, só lembrando que o Programa Nuclear da Marinha está bem adiantado no domínio do ciclo de produção do combustível nuclear, na construção de um reator PWR e participa do Programa Nuclear Brasileiro através de convênio com as Indústrias Nucleares do Brasil (INB). Desde 1979 já consumiu US$ 3,5 bi, por isso a minha sugestão de transferir o programa para o Ministério de Ciência e Tecnologia e reembolsar esse valor à MB, imagine esse dinheiro sendo aplicado na atividade-fim? Abraço.

  87. Faço minha cada uma das palavras do bosco, no que diz respeito ao poder de dissuasão das forças armadas brasileiras. Sua análise está corretíssima, é isso aí mesmo.

  88. Ô camargoer, a Constituição de 1988 não fracassou. Ela apenas não pode funcionar adequadamente, pois é claramente parlamentarista, e nosso sistema é presidencialista, o que gera uma certa incompatibilidade.
    Agora, o fato de a tua quadr…ops!, desculpe, de o teu partido (rsrsrsrsrsrs) ter se recusado a assiná-la, já que, como sempre, pensou única e exclusivamente em seus próprios interesses e conveniências, em vez de nos interesses do país, atrapalha bastante as coisas.

  89. Camargoer”, não só o MCT existe como a ele foi incorporado o Ministério das Comunicações. Quanto a Aramar, por mim pode ficar com quem for, mas é um sorvedouro de dinheiro da MB que hoje falta para sua atividade-fim.

  90. Tem que ser um completo e absoluto débil mental, para culpar a Lava Jato pelos problemas do Prosub…

    Senão tivessem garfado tanto, no fim o projeto ia parar mesmo por falta de dinheiro, mas a corrupção falou mais alto.

    Parabéns ao PT e seus seguidores retardados, conseguiram destruir um país.

  91. camargoer, diga isso olhando num espelho, e repasse pro teu cupanhêru Farias Cardoso, pois VOCÊS começaram, tá?

  92. E falar de QUÊ? ProSub? Isso JÁ ERA, meu caro, teus cupanhêrus se encarregaram de arruinar tudo…
    _
    NOTA DOS EDITORES: ANTONIO CANÇADO, VOCÊ JÁ FOI ADVERTIDO MAIS DE UMA VEZ POR LEVAR O ASSUNTO DE FORMA AGRESSIVA PARA A DISCUSSÃO POLÍTICO-PARTIDÁRIA E ATACAR OUTROS COMENTARISTAS. QUER SER SUSPENSO? NÃO TESTE A PACIÊNCIA DOS EDITORES, QUE JÁ TE DERAM MAIS DE UMA CHANCE. LEIA AS REGRAS DO BLOG.

  93. Quanto ao nosso ‘programa nuclear’, diante do fato que EUA, URSS, RU, França e China desenvolveram os seus em cerca de alguns anos, e depois Israel, Índia, Paquistão, África do Sul, etc, terem seguido na mesma levada, COMO nós já estamos nesse râmerrâme há mais de trinta anos, e até agora não conseguimos absolutamente nada?

  94. camargoer,
    A comunidade cientifica não concorda…” kkkkkkkkkkkk
    Que comunidade científica? A de Zamunda?
    Isso non equixiste no Brasil… esses que se alto denominam de “Comunidade Científica Brasileira” são uns bufões pernósticos… meus sinceros pêsames se vc é um deles…
    – Eu financio 7 projetos científicos no Brasil e sei muito bem com que tipo de hoste estou lidando… como sou dono do dinheiro, eu mando, e já botei muitos dessa gente pra correr e foi com muito prazer… infelizmente 95% são akilo que gato enterra perdidos no vácuo entre a capacidade tico teco e a honestidade intelectual.

    “Não sei.” – Essa é a frase mais importante a qualquer cientista com o mínimo de honestidade intelectual.
    Mas na tal “Comunidade Científica Brasileira” essas duas simples palavras proferidas juntas são um sacrilégio… é um completo demérito. Asco.

    Mas tem gente boa… poucos, infelizmente muito poucos, mas muito bons e valem cada centavo, cada gota do meu suor para ajuda-los a realizar suas visões.

    Grande Abraço.

  95. Olá Oganza… fiquei pensando se não poderíamos conversar sobre essa sua capacidade de financiar projetos de pesquisa. Estou coordenando um projeto sobre nanocompósitos. O que acha?

  96. camargoer,
    acho fantástico, mas antes de qualquer coisa e independente da sua pesquisa me responda:
    – Seu objeto tem similar no mercado?
    – Se sim, qual sua vantagem*?
    *de aplicação e/ou de produção
    – Se não, qual sua aplicação?
    – Qual o atual nível de “nacionalização”** que sua pesquisa possui para “produzir” o seu objeto?
    **Entenda como “nacionalização” os seus passivos e ativos, de equipamentos, pessoal, matérias primas e/ou “patentes vencidas” de terceiros.
    e por fim,
    – Quantos departamentos estão envolvidos no projeto e quais?

    Por favor, não me responda aki, acho que é óbvio o caráter estratégico de tal oportunidade, ao menos para mim.

    EDITORES: Por favor e desde já, vc’s podem dar meu e-mail para o camargoer.

    Ps.: Só para vc ficar ciente, e digo isso sempre em qualquer primeiro contato: No caso de seu Projeto ser acatado por nosso Grupo, ele poderá ficar restrito à sua atual instituição (o mais provável) ou por fatores de sinergia estratégica ou simplesmente de disponibilidade técnica com nosso Portfólio ele poderá sofrer reestruturações radicais que podem chegar a realocação dentro ou para fora do País.

    Grande Abraço.

  97. Tenho certeza de 1 coisa pode ter dinheiro que for mas os âmis não querem e não irão deixar o Brasil nunca ter um sub nuclear!!!
    Passo a palavra ao meu ídolo Bosco.

    Mais ainda acredito que os subis irão sair!!!!

  98. Soldat,
    Em relação ao submarino nuclear eu não sei se seremos boicotados ou se haverá sabotagem por parte de alguma nação, mas em relação ao nosso programa espacial eu tenho certeza que foram os ETs que nos sabotaram destruindo o VLS na torre de lançamento. Com certeza os ETs não querem brasileiros no espaço.
    rsrrsss
    Um abraço!

  99. Então, Carmagoer. Você é pesquisador em universidade? Interessante.
    E Oganza é um mecenas? Investidor em projetos?
    Eu sempre dei valor a invenções e patentes.
    Vez por outra tenho idéias, as quais não coloco em prática especialmente devido à dificuldade de desenvolve-las e implementa-las.
    Um tempo atrás imaginei juntar um grupo de colegas para montar um fundo de investimento em pesquisas, invenções e patentes. Tipo um grupo de dez investidores, cada um aplicaria de dez a vinte mil reais.
    Cada membro teria funções específicas. Estudar a parte jurídica de patentes, outros teriam contatos com universidades e centros de pesquisas.
    Daí se garimpariam invenções, ideias, as quais seriam, em primeiro lugar, colocadas no papel de forma estruturada.
    Depois se decidiria que universidades e centros de pesquisa poderiam auxiliar no desenvolvimento prático das invenções.
    Seria assinado um contrato entre o fundo de investimentos e o inventor quanto à repartição de eventuais lucros.
    Com os centros de pesquisa, se negociaria uma remuneração módica e também eventuais ganhos sobre lucros com as patentes.
    Para mim, ciência e tecnologia devem ser práticas e baratas.
    Vejo que Oganza faz o papel que eu previa para esse fundo de investimento privado de pequeno porte, entre amigos, e visando altos lucros.
    Não sei a natureza dessas verbas que ele “controla”. Se uma empresa, se alguma entidade governamental.
    Idéias há muitas. O problema é desenvolver e ter alguém para dar forma a idéias.
    Ciência e tecnologia são fáceis. É só querer.
    Não vêem que já se produz no Brasil tinta RAM?
    Tenho a impressão de que pesquisadores em todo mundo complicam muito as pesquisas.
    No seu caso, desde que não atrapalhe suas negociações com Oganza, se puder nos dizer do que precisa para desenvolver o projeto de vocês…
    Dinheiro? Para quê? Equipamentos? Pagar pesquisadores?
    Viagens? Compra de matéria prima? Equipamentos de testes ou produção dos itens pesquisados?

  100. VONTADE de fazer é o que falta pro Brasil, e pra nossa Marinha. Querendo tudo se consegue, mas querer de verdade arregaçar as mangas e botar pra quebrar. Essa de fazer de conta que quer fazer, mas ficar atrás da mesa esperando aposentadoria nunca vai dar certo.
    .
    Nossa marinha de longe é a mais perdulária das 3 forças. Exército e Aeronáutica fazendo milagre com dinheiro, e a nossa marinha igual estorinha da cigarra e da formiga.
    .
    Lamentável. Nunca serão.

  101. Carlos Eduardo, aguardemos novos desdobramentos relacionados ao Prosub, que, segundo se comenta, envolvem a Odebrecht, Amazul (companhia de projetos da MB) e uma tal de Próton (fornecedora dessa última e subsidiária da ODT e Amazul minoritariamente, que também teria a DCNS como acionária).

  102. Jeff…

    a marinha não é a mais “perdulária” das forças…ocorre que navios e submarinos são bem mais complexos do que aeronaves e veículos blindados
    necessitam de grades tripulações…o “marinheiro” por exemplo necessita passar antes pela “Escola de Aprendizes” …enfim, não vejo como uma
    comparação justa.
    .
    E a marinha brasileira assim como suas duas irmãs feias o EB e a FAB também está fazendo “milagres” 🙂

  103. Prezado Camargoer vc está bem equivocado com os numeros oficiais acima.

    O custo do estaleiro e base naval é impossivel de estimar porque a MB sequer tem o projeto da parte de manutenção do nuclear, por exemplo o módulo de refil do combustível, o EBN não sabe nem por onde começar …

    Quanto aos valores do IKL 214 vc pode estar certpo, mas a proposta final da TKMS foi de USD 290 M para fornecer 209 Classe Tikuna, ou seja, não seria necessária transferência de tecnologia e receberiamos o melhor submarino que a MB já teve até o momento. É importante ressaltar que esta classe ainda continua no portfólio de venda da empresa em 2016 e é muito mais barato que os USD 650 M do Lixopene.

  104. Concordo com JPJ, a melhor opção para a ForS seria construir mais 209 e também 214 com AIP. Sairia mais barato que o Prosub, proporcionaria padronização de frota com redução de custos de manutenção, além de o custo operacional de um sub com AIP ser muito menor que um SubNuc. A força de submarinos seria perfeitamente adequada à realidade nacional.

  105. foda , um projeto altamente estratégico se fudendo por briga partidária , corrupção sempre existiu e vai existir ,agora vem a desculpa que estão investigando a empresa e querem passar a limpo , desculpa dizer mas a policia federal e ministério publico deveria ter mais cautela com suas investigações para não prejudicar aos projetos estratégico do país e piorar ainda mais a lentidão desses , empresa parada e sem receber não dá emprego e lucro e não paga imposto , outro quando ameaçaram reduzir o orçamento da ” P F ” devido a crise , piou longe , pois ia ficar parado seu trabalho , agora o que não pode é prejudicar o departamento de outros por investigação . não sou partidário , não sou a favor de corrupção , mas ver o pais parado por investigação ai é foda ! .

LEAVE A REPLY

Please enter your comment!
Please enter your name here