Comandante da Marinha acompanha voo experimental do AF-1B

Comandante da Marinha acompanha voo experimental do AF-1B

192
21
SHARE
Comandante da Marinha, Alte Esq Moura Neto (em pé ao centro) acompanhado de civis e militares
Comandante da Marinha, Alte Esq Moura Neto (em pé ao centro) acompanhado de civis e militares

No dia 13 de agosto, o Comandante da Marinha, Almirante-de-Esquadra Julio Soares de Moura Neto, acompanhou o primeiro voo experimental da aeronave “AF-1B” modernizada. O evento foi realizado nas instalações da Embraer Defesa & Segurança, localizada na cidade de Gavião Peixoto, no interior de São Paulo.

A cerimônia, que foi presidida pelo Presidente da EMBRAER, Sr.Luiz Carlos Aguiar, contou com a presença do Comandante-em-Chefe da Esquadra, Vice-Almirante Sérgio Roberto Fernandes dos Santos; do Comandante do 8º Distrito Naval, Vice-Almirante Liseo Zampronio; do Chefe do Gabinete do Comandante da Marinha, Vice-Almirante Celso Luiz Nazareth; do Comandante da Força Aeronaval, Contra-Almirante Carlos Alberto Matias; do Diretor de Aeronáutica da Marinha, Contra-Almirante Carlos Frederico Carneiro Primo; do Coordenador do Programa de Reaparelhamento da Marinha, Contra-Almirante Petronio Augusto Siqueira de Aguiar; entre outras autoridades.

A aeronave “AF-1B” é classificada como de interceptação e ataque e foi desenvolvida para operação a partir de Navio-Aeródromo. Com o processo de modernização executado pela Embraer, as aeronaves receberão novos sistemas de navegação e de geração de energia, armamentos, computadores e sensores. Tais equipamentos, aliados à verificação estrutural realizada, possibilitarão ao “AF-1B” operar até o ano de 2025.

IMG_1851

FONTE: MB

21 COMMENTS

  1. Essa pintura de baixa visibilidade ficou duca!

    Mas, em essência é um fusca.

    Com um motor com cilindrada aumentada, turbocompressor, pistões, bielas e virabrequim forjados, carburação dupla, rodas aro 15″, pneus 215/35, NOS… mas um fusca!

  2. Bastante interessante terem colocado dois artigos próximos, um F-35C e um A-4/M: o primeiro um projeto da século XXI, já o segundo um projeto da década de 50 do século passado.

  3. Isso que eu ia dizer Marcos, mas isso é tortura dos editores do blog, porque depois de ver um e outro da vontade chorar…

  4. Impressora multifuncional a Laser colorida de alta velocidade

    acompanhada de um PC de dois processadores I7 de 5ª geração
    com 60 MB de RAM e dois HD de 10 T.

  5. AMX-M é AMX-M e A4M é A4M…

    cada um no seu quadrado, os AMX-M são otimizados para o ataque ao solo, com capacidade de autodefesa. Sensores e armamentos otimizados para ao ataque ao solo com precisão e em profundidade.

    Os A4M serão para Defesa Aérea e Anti-superfície em proveito da Esquadra. Sensores e Armamentos para localizar aviões patrulha, heli, caças e misseis, além de engaja-los.

  6. Quando (e se) o Nae A-12 estiver totalmente operacional, operando com 12 jatos desses, equipados com ASM’s de curto alcance e AAM’s, eu considero uma força interessante. Claro que aqui temos sempre a tendência de comparar nossas FA aos EUA, França, UK, Rússia e China. Realmente é importante nivelar por cima, porém se o São Paulo estiver “bombando”, com esses A-4 bem armadinhos, acho que a missão estaria sendo bem cumprida

  7. Me parece que a MB não pode operar asa fixa não-embarcada, por isso creio que não fará sentido termos 12 Skyhawks modernizados sem Porta-Aviões.

    Abs

  8. Caro Guizmo! A MB jamais terá embarcado 12 A 4 modernizados, por que destes, 03 serão biplaces, e a MB já manifestou que não deve embarca-los, sobra 9 mono, vamos partir do principio que a MB consiga aí, digamos 70% de disponibilidade operaocional(duvido) então termos na melhor das hipóteses 6 células embarcadas.

    Grande abraço

LEAVE A REPLY