OPV - BAM para a Marinha Espanhola - foto Navantia

A Navantia informou na quinta-feira, 8 de maio, que o Governo Espanhol anunciou no dia anterior a aquisição de dois novos navios-patrulha oceânicos (OPV – Offshore Patrol Vessel em inglês ou BAM – Buque de Acción Marítima em espanhol) a serem produzidos pela empresa. A encomenda se segue a quatro outros navios do tipo construídos pela Navantia entre 2006 e 2012, e que já estão em serviço na Armada Espanhola.

Segundo a empresa, os navios são de porte moderado, tendo como características o comprimento total entre 90 e 95 metros, deslocamento entre 2.400 e 2.500 toneladas, pequena tripulação e alto nível de habitabilidade. Essa classe de OPV-BAM também apresenta bastante comunalidade de sistemas com outros navios da Armada Espanhola, com baixos custos de aquisição e de ciclo de vida.

A Navantia também destacou, em sua nota, que os navios oferecem alto desempenho e grande versatilidade nas missões, como proteção e escolta, controle de tráfego marítimo, controle e neutralização de ações terroristas e de pirataria, operações contra o tráfico de drogas e de pessoas, socorro marítimo e salvamento, apoio em situações de crise e de assistência humanitária, fiscalização de pesca, ambiental e antipoluição.

BAM - OPV Meteoro - foto Armada Espanhola

Os quatro navios em serviço na Armada Espanhola dessa classe foram batizados de Meteoro, Rayo, Relámpago e Tornado e, segundo o site daquela marinha, têm as seguintes características:

  • Deslocamento – 2.670 toneladas
  • Comprimento – 93,9 metros
  • Boca – 14,2 metros
  • Propulsão – duas praças de máquinas (câmaras, ou compartimentos) independentes, cada um com um motor diesel MTU 16V1163 e um motor elétrico Siemens, acoplados a engrenagem redutora em cada linha de eixo (dois eixos) com hélices de passo variável, além de um “bow thruster” HMC.
  • Hangar para 1 helicóptero, com capacidade de operação dia e noite, visual e instrumental, Vertrep e HFIR
  • Tripulação – 46 pessoas, que pode chegar a 76 com pessoal de transporte
  • Armamento – 1 canhão 76mm/62 Otto-Melara e 2 metralhadoras Mk 38 Mod 2A, direção de tiro Dorna 2, sistema de combate Scomba
  • Sensores – radar de navegação e controle HC Aries 2 e radar de navegação Sperry Vision Master FT
  • Sistema de guerra eletrônica Rigel
  • 1 grua de carga
  • 2 embarcações RHIB Zodiac Hurricane com motor Volvo 260cv

FONTES / FOTOS: Navantia e Armada Espanhola (tradução e edição do Poder Naval a partir de originais em inglês e espanhol)

VEJA TAMBÉM:

Tags: , , , , , , , ,

About Fernando "Nunão" De Martini

View all posts by Fernando "Nunão" De Martini

10 Responses to “Mais dois navios-patrulha oceânicos da Navantia para a Armada Espanhola” Subscribe

  1. wwolf22 9 de maio de 2014 at 13:18 #

    em quanto isso no Brasil…
    diz a lenda que ha um projeto novo para as “Barroso”, dizem ateh que ja foi assinado a compra de 05 unidades… mas…

  2. daltonl 9 de maio de 2014 at 14:22 #

    Serão 4 unidades da nova Barroso mas ao menos já sabe-se os indicativos, V 40 à V 43 :)

  3. Fernando "Nunão" De Martini 9 de maio de 2014 at 14:37 #

    wwolf22,

    Até onde sei ainda não foi assinada nenhuma compra de 4 unidades da nova corveta.

    No momento o programa está avançando para a fase de projeto detalhado, após licitação para esse trabalho vencida, há poucos meses, pela Vard Niterói S/A (subsidiária da Fincantieri italiana, cujas instalações estão em fotos de matéria de hoje sobre construção de FREMM).

  4. aldoghisolfi 9 de maio de 2014 at 18:02 #

    Me perdoem… MAS ENQUANTO ISSO incorporamos o Caravelas com toda a pompa e circunstância, pão e circo…

  5. fragatamendes 9 de maio de 2014 at 18:20 #

    Mais um Navio Patrulha equipado com um Canhão de 76mm, o que não é surpresa para ninguém e aqui na nossa MB temos 3 navios equivalentes armados com canhões de 30mm e 25 mm, o que dá para entender que nossos Almirantes são contra este tipo de calibre pois não deve ser tão caro assim equipar os classe “AMAZONAS” com este canhão de verdade.

  6. Fernando "Nunão" De Martini 9 de maio de 2014 at 19:29 #

    Mendes,

    Até onde sei, canhões modernos são itens bem caros.

    Também pensava que podia valer a pena trocar o armamento de tubo dos “Amazonas”, seja para padronizar com os demais navios-patrulha no calibre 40mm, seja para introduzir um novo modelo de canhão 76mm na MB (ou melhor, reintroduzir o calibre, pois canhões de 76mm foram amplamente usado na MB, em canhões americanos, e ainda restam três peças em atividade, velhinhas, dos anos 40)

    Mas, pensando bem, creio que haverá outras prioridades na frente dos “Amazonas” em relação a armamento de tubo de 76mm (ou “canhão de verdade”, como você escreveu), levando em conta que a troca das armas dos “Amazonas”, apesar de interessante, seria só mexer em algo que está funcionando.

    Por exemplo, caso o projeto das novas corvetas ande, vai ter que encomendar canhões novos para elas, e até onde sei a ideia é equipá-las com peças de 76mm e não reaproveitar peças eventualmente em estoque por terem sido retiradas de outros navios, como foi o caso da Barroso.

    Outro caso é de novos NPaOc (parte do Prosuper), sejam eles do mesmo tipo dos “Amazonas” com melhorias como hangar, ou de outro fornecedor. Também teria que comprar canhões para armá-los e os canhões de 76mm, a meu ver, seriam boas opções para padronizar com as corvetas, caso essas vinguem (e caso não se resolva padronizar NPaOc com os de 40mm da grande maioria dos navios-patrulha da MB).

    Isso sem falar nas cinco possíveis fragatas que são os principais navios do Prosuper, pois canhões de 76mm também equipam, ao memos originariamente, unidades em serviço nas marinhas de origem de alguns concorrentes. Sei que a Marinha deseja canhões médios de maior calibre para suas futuras fragatas, mas vai que…

    Até resolverem as corvetas novas e o Prosuper, creio que o mais sensato é manter os “Amazonas” com o armamento de tubo com o qual vieram e que, até onde sei, está funcionando e tem munição por bastante tempo, pois foram compras de oportunidade de navios já prontos e equipados.

    Aproveitar também para testar e comparar esses 30mm e 25mm dos “Amazonas” com o que temos, pois podem se revelar armamento secundário melhor do que outros que estamos mais familiarizados.

    E só gastar com troca desse armamento dos “Amazonas” quando outros navios, para os quais ainda será preciso comprar canhões, já estejam incorporados.

    É apenas uma opinião.

  7. Lyw 10 de maio de 2014 at 18:30 #

    Nunão…

    Ainda tem outro detalhe, meio que pegamos uma mania de achar que se deve padronizar equipamentos, claro, que a ideia está corretíssima, mas não se aplica sempre, se um armamento funcionaria melhor em uma classe de navios pode-se ter este armamento exclusivo dessa classe sem menores problemas, desde que não estejamos falando numa classe de um único navio, como é o caso da Barroso.

    Assim, poderíamos pensar em uma modificação futura das Amazonas recebendo armamento de 76mm ou 30mm como você citou, ou até mesmo trocando por um que não costumamos usar, como o de 57mm, assim teríamos, patrulhas oceânicas com canhões de 57mm, corvetas com canhões de 76mm e fragatas com os de 114,5, os patrulhas de 500t e 250t operariam os calibres menores de 40mm e 20mm. É uma opção também.

    Uniformizar é interessante, mas non tanto.

  8. Lyw 10 de maio de 2014 at 18:31 #

    Ah, e deveria também ter concluído com esta frase: é apenas uma opinião… :P

  9. Mauricio R. 12 de maio de 2014 at 11:21 #

    Um mix entre o passadiço e aquele deck em frente do mesmo no OPV classe “Amazonas”, c/ o hangar, o convoo e a chaminé desse BAM, seriam ideais p/ o novo OPV do Prosuper.

  10. Mauricio R. 12 de maio de 2014 at 11:46 #

    “No momento o programa está avançando para a fase de projeto detalhado, após…”

    Então vai aí uma inspiração, somente isso, p/ o detalhamento do projeto:

    (http://snafu-solomon.blogspot.com.br/2014/05/saar-5-class-corvettes-most-powerful.html)

Leave a Reply

You must be logged in to post a comment.

Navios da Marinha do Brasil visitam o porto de Santos-SP neste final de semana

Está prevista a chegada e atracação no período da manhã de sexta-feira (29.08 – 7h) de um GT (Grupo-Tarefa) composto pelos […]

Futuros tripulantes indianos de Scorpene treinam em equipamentos fabricados na Índia

Sessões de treinamento da DCNS, referentes ao console dos sistemas de gerenciamento da plataforma e de manobras do submarino, foram […]

Marinha do Brasil e Armada da República Argentina concluem a Operação ‘Fraterno-XXXII’

De 15 a 25 de agosto, a Fragata “Greenhalgh” participou da Operação bilateral “Fraterno-XXXII”, que se realiza há 32 anos, […]

Visita da comitiva do Ministério da Defesa da Suécia ao NAe ‘São Paulo’

  Na primeira quinzena de agosto de 2014, uma delegação do Ministério da Defesa da Suécia esteve no Brasil, em […]

98 anos da Aviação Naval

Todo dia 23 de agosto, comemora-se o Aniversário da Aviação Naval, em referência à data de assinatura, pelo Presidente Wenceslau […]

Custo planejado dos reparos do NAe São Paulo, de 2006 a 2012

A imagem acima, tirada de uma apresentação da Marinha do Brasil, mostra os gastos programados dos reparos no NAe São […]